Você está na página 1de 19

CIRROSE HEPÁTICA

ESTUDO DE CASO
CASO CLINICO
 PACIENTE: A.J.M. IDADE: 45 anos.

 QUEIXA: Dor epigástrica e diarréia recorrente com fezes escurecidas.

 ANAMNESE CLÍNICA:
 “Sr. A. J. M, 45 anos, pardo, casado, pai de quatro filhos, agricultor,
residente no bairro Canafístula no município de Arapiraca, [...]”

 “[...] Ao chegar na unidade de saúde o mesmo foi atendido pela


enfermeira, a qual identificou através da anamnese que o SR. A.J.M. é
etilista, ensino fundamental incompleto, natural de Penedo, na
infância costumava frequentar a prainha do Rio São Francisco, refere
dor epigástrica, diarreia recorrente com fezes escurecidas e
dificuldade de dormir. [...]”.
 Analise do Sinais e sintomas , a partir da
Anamnese.

ETILISMO X SINAIS X SINTOMAS

 [...] Mucosa ocular ictérica (++++/4+), pele


ressecada, dispneico, taquicárdico, abdômen
globoso, fígado e baço palpáveis e membros
inferiores edemaciados (++++/4+). [...]

O consumo de álcool é considerado o principal fator


etiológico para o surgimento da cirrose hepática.
 Calculo com base: Número de óbitos por cirrose
hepática, expresso por 100 mil habitantes,
ocorridos em determinado local e período.

Fonte: DATASUS.CIASS/SIM e dados demográficos do IBGE


 Os homens são 2 vezes mais afetados do que
as mulheres;
 A maioria dos pacientes tem entre 40 e 60
anos;
 No Brasil, estudos epidemiológicos sobre
cirrose hepática são escassos.
Gráfico 1: Doenças e prejuízos total ou parcialmente decorrentes do uso do álcool.

Fonte: CISA – Centro de Informações sobre saúde e Álcool. -Relatório Global sobre Álcool e Saúde - 2014
Cirrose Hepática
 É um processo patológico irreversível do
parênquima hepático caracterizado por dois
componentes: fibrose hepática, rearranjo da
arquitetura dos hepatócitos nos chamados “nódulos
de regeneração.
 BRANDÃO et. AL. 2006 salienta que:
 doença crônica que é caracterizada por
destruição difusa e regeneração fibrótica
das células hepáticas.

Esteatose Hepatite Fibrose


Cirrose
hepática aguda do fígado

Identificação da causa
Determinação da causa específica requer informações clínicas
importantes da história e do exame físico, bem como boa seleção de
testes diagnósticos. Álcool é a provável causa em pacientes com
história de alcoolismo.
 Maior órgão do corpo Humano
 Peso: 1500g
 Situado: Sistema Circulatório
 Suprimento sanguíneo duplo:
- 20% O2 Arteria Hepatica
- 80% Nutrient es Veia porta

 Funções:
- Secretar a Bile;
- Remover moléculas de glicose;
- Armazenar Ferro;
- Sintetizar diversas proteínas presentes no sangue;
- Degradar álcool ;
- Destruir hemácias.
ETIOLOGIA
Cirrose Hepática
 Hepatites Virais
 consumo excessivo de álcool;
 Doenças metabólicas e autoimunes do fígado;
 Obstrução do fluxo sanguíneo das veias
hepáticas e cava inferior;
 Alterações estruturais das vias biliares.

Insuficiência hepática e grau de hipertensão portal


TIPOS
Cirrose Hepática
 Cirrose alcoólica ou cirrose portal de Laennec: na
qual o tecido cicatricial circunda as áreas porta de
maneira característica
 Cirrose pós-necrótica: é caracterizada pela presença
de várias faixas alargadas de tecido fibrosado
 Cirrose biliar: na qual a cicatrização acontece no
fígado ao redor dos ductos biliares.
Figura 2: Tipo s de Cirrose

Fonte: Google Imagens – tipo Fígado com Cirrose


SINAIS E SINTOMAS
Cirrose Hepática
 São vários os sintomas e sinais típicos de doença
hepática e variam de acordo com a fase aguda ou
crônica.
 Icterícia, fadiga, náuseas, vómitos, mal estar geral,
anorexia, prurido, dor no hipocôndrio direito,
hepatomegalia, distensão abdominal, hemorragia
intestinal, entre outros.
Figura 3: Fígado Normal e Fígado Cirrótico.

Fonte: Google Imagens – Fígado com Cirrose


SINTOMAS SINAIS
Lesão
hepatocelular
• Cansaço
• Fadiga •Equimose e sangramento
• Perda de apetite •Icterícia
• Náuseas •Prurido
• Fraqueza •Ginecomastia
• Perda de peso •Anasarca e ascite
• Dor abdominal •Alteração do sensório Hipertensão
• Inchaço •Desnutrição portal
•Sensibilidade
medicamentosa
•Câimbras •Varizes
•Vasodilatação •Hemorragia digestiva
•Infecções •Circulação colateral
•Febre •Hemorróidas
•Ascite
•Edema de membros
•Hiperesplenismo
 É quando a pressão
venosa portal excede a
pressão existente nas
veias abdominais não-
portais em pelo menos
5 mmHg, gerando a
formação de vasos
colaterais em um
esforço para igualar as
pressões entre os dois
sistemas venosos.
Conceito: coloração amarelada
da pele, das escleras e de outros
tecidos.
• Pode causar Urina escura e
fezes Claras

Causas:
• Aumento na produção.
• Redução na captação
hepática.
Figura 6:Ictericia • Disfunção hepatocelular (lesão
(Fonte: Google imagens ictericia.
dos hepatócitos).
• Lentidão na saída da bile do
fígado Obstrução do fluxo
biliar extra-hepático ().
Figura 5:Ascite

Conceito: Acúmulo de líquido no


interior do abdome

• Aproximadamente 50% dos


pacientes com cirrose compensada
desenvolvem ascite
• A mortalidade esperada em 2 anos é
de 50%.
• Em regra, os pacientes com ascite
necessitam de hospitalização.

O desenvolvimento da ascite é a
consequência final de uma série de
(Fonte: http://www.hepcentro.com.br/ascite.htm).
anormalidades anatômicas,
fisiopatológicas e bioquímicas que
ocorrem em pacientes com cirrose
hepática.
Conceito: fezes pastosas de cor
escura e cheiro fétido, sinal de Figura 7: Melena

hemorragia digestiva alta.

A cor escura se refere as


modificações bioquímicas
sofridas pelo sangue na luz
intestinal colonizada por
(Fonte: google imagens – melena fezes.
bactérias.

Na maioria das vezes, está relacionada a uma


hemorragia digestiva alta, no esôfago, no
estômago e duodeno.
 ANDRADE, A. G. de. Centro de informações sobre
saúde e álcool. São Paulo, 2009. Disponível em:
<www.cisa.gov.br> Acesso em: out. 2009.
 ATLAS OF PATHOPHYSIOLOGY: Atlas de
Fisiopatologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2004.
 BITTENCOURT, Paulo Lisboa. ZOLLINGER; Claudio
Celestino.Henrique Sergio de Moraes Coelho. :
Manual de cuidados intensivos em hepatologia ;
 BUCHO, Maria Sofia Correia Ribeiro da Cruz.
Fisiopatologia da Doença Hepática Alcoólica .Porto
– 2012.
 BRUNNER & SUDDARTH. Suzanne C. Smeltzer e
Brenda G. Bare. Tratamento de Enfermagem
Médico-Cirúrgica. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Kogan, 2005.
 JUNQUEIRA, L.C; CARNEIRO, José; Histologia Básica,
8 ed., Guanabara Koogan, 2004.
 MANUAL DE ENFERMAGEM. Enfermagem Médico-
Cirúrgica – V.2. Cotia, SP: Vergare Brasil, 2006.
 Organização Mundial da Saúde (OMS). Relatório
Global sobre Álcool e Saúde – 2014. Genebra,
Suiça, 2014.