Você está na página 1de 29

O Ozono na Estratosfera

O ozono, é um gás azul, altamente instável e


muito tóxico!
A sua acumulação na troposfera pode originar
problemas respiratórios e irritação ocular,
além de ter um efeito corrosivo em diversos
materiais.

No entanto o ozono é um
importante filtro das radiações
UV, emitidas pelo Sol.
Pode-se falar em dois tipos de ozono,
consoante a camada atmosférica em que está
localizado: o “bom”, o ozono estratosférico,
que nos protege das radiações ultravioleta, e o
“mau”, o ozono troposférico, que é o tóxico.
Formação do ozono estratosférico

1º Passo: Fotodissociação das moléculas de


O2 por acção de radiação UV:
2º Passo: Combinação do oxigénio atómico
com as moléculas de oxigénio
Decomposição do ozono estratosférico

1º Processo: Fotodissociação das moléculas de


ozono por acção das radiações UV.
2º Processo: Reacção dos átomos de oxigénio
com as moléculas de ozono.
Esquematizando:

A formação e decomposição do ozono por processos


naturais constitui um equilíbrio dinâmico que mantém
uma concentração de ozono constante na estratosfera.
Balanço O2 / O3 na Atmosfera

Formação do ozono estratosférico

Reacção 1 Reacção 2

Decomposição do ozono estratosférico

Reacção 3 Reacção 4
Efeito protector da camada do ozono
O ozono constitui um filtro solar porque impede
que as radiações UV de alta energia alcancem a
superfície terrestre.

Actua como um filtro químico pois neste processo tem


lugar o efeito fotoquímico com ruptura de ligações
químicas, e simultaneamente aumento de energia
cinética das partículas.
Os filtros solares, são substâncias capazes de absorver
de uma forma selectiva a radiação UV sem impedir a
passagem de outras radiações

Marca

Função

Factor de
Protecção
(IPS)
Substantividade

Fotodegradação
Filtros Solares

Filtros Químicos Filtros Físicos

São filtros que absorvem de


uma
Actuam principalmente por
forma selectiva uma
reflexão e difusão
determinada
da radiação.
radiação antes que se originem
reacções fotoquímicas.
Índice de protecção solar - IPS

O factor de protecção relaciona a dose mínima eritemal


(MED) da pele com protecção, com a dose mínima
eritemal da pele sem protecção.

MED com protecção


IPS 
MED sem protecção
Será que o IPS, é igual para todos os indivíduos?
Destruição da camada do ozono

• Cl• + O3 ClO• + O2

• ClO• + O3 Cl• + 2O2

• Cl• + O3 ClO• + O2

• ClO• + O3 Cl• + 2O2


Diminuição do ozono e a vida na Terra

A destruição da camada de ozono pode ser


originada quer por agentes naturais quer por
agentes antropogénicos.
Agentes naturais
Trovoadas, vulcões, etc

Agentes antropogénicos
Poluição – libertação de CFC, óxidos de azoto
e outros.
A actividade humana provoca a emissão para a
atmosfera de substâncias capazes de produzir radicais
livres na atmosfera – clorofluorcarbonetos (CFC)
Inodoros, não inflamáveis, não
corrosivos;

A pressões elevadas estão no


estado líquido e a pressões
baixas passam ao estado gasoso;

São derivados do metano (CH4) e


do etano (C2H6) Os CFC´s ou fréons.

São muito estáveis;

Possuem custos de produção


baixos.
Os clorofluorocarbonetos, grupo de compostos químicos
também conhecidos por CFC, são os agentes
antropogénicos mais responsáveis pela diminuição da
concentração de ozono estratosférico e consequente
destruição da camada de ozono.

Usados frequentemente como gases propulsores de


aerossóis e em frigoríficos e aparelhos de ar
condicionado, os CFC, depois de libertados para a
atmosfera, espalham-se, sobem até à estratosfera e
decompõem-se sob a acção da luz solar, sendo os
radicais livres resultantes responsáveis pela
decomposição do ozono em dioxigénio.
Como contribuem os CFC´s para a destruição da
Camada do ozono?

Na Estratosfera sofrem
fotodissociação por
acção de radiação UV
debitando radicais livres
na atmosfera, que por
sua vez interagem com o
ozono destruindo-o.
Mecanismo de destruição do ozono, operado
pelos radicais livres:

Sendo X um radical livre


. . .
(HO , Br , NO )

 
CF2Cl2 
 CF2Cl  Cl
UV
“Buraco na camada do ozono”

Evolução da quantidade integrada de ozono por cima da Antárctida


Decomposição do ozono estratosférico sobre
a Antárctida
O efeito produzido por certos gases vestigiais
sobre o ozono estratosférico, tem como
resultado uma diminuição deste gás, tendo-se
designado este facto por “Buraco do Ozono”.

A partir deste “buraco”, devido à menor


capacidade de filtragem, passam radiações
UV que não sendo absorvidas pelo ozono
aquecem o planeta, alteram o clima e atingem
directamente a espécie humana e os diversos
ecossistemas.
As zonas mais afectadas desta rarefacção são:
a Austrália, Nova Zelândia, zonas extremas da
América do Sul e África

Em 1988, outro “buraco” foi detectado sobre o


Pólo Norte, sendo as áreas mais afectadas: a
Europa, a América do Norte e a Ásia.
Implicações da destruição da camada do ozono

O aumento de doenças entre elas o


cancro de pele, cataratas, afectação do
sistema imunológico;

Desaparecimento de espécies e
aparecimento de mutações genéticas;

Mudanças no clima.
Que medidas se poderão tomar para evitar a
redução da camada do ozono?

A reciclagem dos CFC’s.

Encontrar substitutos dos CFC’s, como por


exemplo, HFC.