Você está na página 1de 31

1

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA


ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA
Anestesia em animais domésticos (MEV127)

Anestesia em Potros
Aline Rocha
Charmila Souza
Janlesi Borges
Nadyne Moreira
2

Introdução

• A anestesia em potros é uma prática muito comum na


vida de um médico veterinário de campo

Paciente neonato: Paciente pediátrico:


Logo após o nascimento Da 2ª semana de vida
até a 2ª semana de vida até o 6 mês
3

Introdução
• O ambiente extrauterino resulta em várias mudanças
rápidas na fisiologia dos órgãos
• Os órgãos precisam de um período de semanas a meses
para amadurecer

http://enbrequi.com.br/blog/desenvolvimento-fetal-em-equinos/
4

Introdução

• Informações clínicas
▫ Colostro, neonato prematuro ou órfão
• Exame físico geral e complementares
• Amamentação até a indução
• Fisiologia diferente de adulto
▫ Farmacocinética e farmacodinâmica

http://www.infohorse.com.br/2013/09/23/composica
o-do-leite-equino/egua-amamentando/
5

Introdução

• Temperamento difícil
• Necessidades fisiológicas
▫ Posição esternal
▫ Necessidades energéticas
• Proximidade da mãe
▫ Indução e recuperação
• Tamanho

http://reining.com.br/santanilza/
6

Avaliação do Paciente

• Motivo da anestesia
• Peso corporal
• Desidratação
• Mucosas
• FC
• Padrão respiratório e FR
• Termorregulação
• Sistema nervoso Foto: DMCZE-FMVZ-UNAM

• Exames complementares
7

Exames Complementares

• Hemograma
• Bioquímico
• Hemogasometria

http://www.medicalexpo.com/pt/prod/abbott-point-of-
care/product-75420-708548.html
8

Fisiologia do Potro
(Sistema Hepático)

• Depuração hepática
• ↓ gordura corporal
• ↓ albumina plasmática
• Fármacos que se ligam à proteínas
▫ Doses mais baixas
▫ Barbitúricos
• Resistentes
▫ Cetamina
• ↓ atividade da enzima hepática
▫ Metabolismo prolongado
9

Fisiologia renal
Taxa de filtração glomerular diminuída

Excreção do fármaco diminuída

Aumenta o risco de intoxicação


10

Fisiologia do Potro
(Sistema Cardiovascular)

• Pouco tolerante a mudanças hemodinâmicas


▫ Hidratação e anestesia
• Necessidades metabólicas
▫ Perda de calor
• SNS → Alteração no DC
• Hematócrito ↓
• α-2 agonistas

Foto: DMCZE-FMVZ-UNAM
11

Fisiologia do Potro
(Sistema Respiratório)

• Elevada necessidade de oxigênio


▫ Alto metabolismo basal
• Hipoxemia devido ao decúbito
• Colapso alveolar
• Respiração assistida

Foto: DMCZE-FMVZ-UNAM
12

Fisiologia do Potro
(Temperatura)

• Perdem facilmente a temperatura corporal


▫ Baixa gordura corporal
• Anestésicos deprimem a regulação térmica
▫ Compressas e mantas
• Hipotermia atrasa a recuperação
▫ Metabolismo farmacológico mais lento
• Calafrios para o aquecimento
▫ ↑ consumo de O2 e gasto de energia
• Hipotermia ou hipertermia
▫ Normalizadas antes da anestesia.
13

Fisiologia do Potro
(Energia e Metabolismo)

• Recém nascido mantem a glicemia sem ingerir alimento


• ↓ deposição de gordura → hipoglicêmico durante ou
após a anestesia.
• Mínimo jejum pré-operatório possível
• Administrar dextrose com solução eletrolítica durante o
trans-operatório
14

Fisiologia do Potro
(Sistema Nervoso)

• Sistema nervoso simpático e barreira hematocefálica


▫ Imaturos durante o primeiro mês de vida
▫ Instabilidade hemodinâmica
▫ Difusão para o SN é facilitada
15

Farmacologia

• Fatores que influencia a velocidade de indução e


recuperação da anestesia
▫ Dose utilizada
▫ Débito cardíaco
▫ Nível de albumina
▫ Volume extracelular
▫ Sítio de deposição residual do fármaco
▫ Metabolismo hepático
▫ Função renal
16

Farmacologia
• Circulação centralizada
▫ Maior sensibilidade a anestésicos e tranquilizantes
• Perfusão tecidual reduzida

• Grande volume extracelular


• Reduzida quantidade de proteína

Aumento da fração livre do anestésico


17

Preparação do Paciente
• Deve-se incluir a avaliação:
▫ Função cardíaca
▫ Função respiratória
▫ Oxigenação
▫ Ventilação
▫ Glicose sanguínea
▫ Concentração de eletrólitos
▫ Temperatura corporal
▫ Exame clinico
▫ Peso do paciente
▫ Estabilização do paciente

Foto: DMCZE-FMVZ-UNAM
18

Preparação do Paciente

• Antibióticos e outras substancias necessárias devem ser


administradas 30 min antes da cirurgia
• Deve-se permitir que o potro mame antes da anestesia
• Evitar a hipotermia

http://www.portalagropecuario.com.br/cavalos
/principais-cuidados-com-o-potro-neonato/
19

Principais Indicações

Anormalidades: Emergência:
1-Deformidades 1-Retenção de
dos membros mecônio
2-Fenda palatina 2-Vólvulos do
3-Hérnias intestino delgado
20

Hérnia umbilical

http://veterinariaminhavida.blogspot.com.br/2011/07/hernia-umbilical-em-potro.html
21

Deformidades dos membros

http://rosivaldounir.blogspot.com.br/2015/11/deformidades-angulares-dos-nenbros-dos.html
22

Anestesia - Potros

• Rápida
Indução
• Suave

Agente • Pequenas
Indutor quantidades
23

Anestesia - Potros

• Acepromazina: 0,02 -0,05


mg/kg
▫ Evitar em potros < 6 semanas
▫ Hipovolêmicos – hipotensão
grave
▫ Sem efeito analgésico e ação
imprevisível - opióide
▫ Útil para pré-medicação de
agentes inalatório e suaviza a
recuperação.

https://www.vetsmart.com.br/bulario/produto?
acepran-1&id=89&app=BE
24

Anestesia - Potros

• Benzodiazepínicos: 0,1 – 0,25 mg/kg – IV


▫ Potros < 6 semanas – bom limiar de tranquilização
▫ Efeitos respiratórios e cardiovasculares mínimos
▫ Opióide pode o efeito e promover analgesia
▫ Pré-medicação: antes da intubação, agentes inalatórios e
anestesia com cetamina
▫ Decúbito
25

Anestesia - Potros

• Agonistas α-2: 0,2 – 0,5 mg/kg IV


▫ Tranquilização confiável, analgesia e rápido
relaxamento muscular
▫ Cuidado – prova bradicardia, diminuição do débito
cardíaco e diurese.
▫ Xilazina+butorfanol: excelentes níveis de sedação e
anestesia
26

Anestesia - Potros

• Detomidina: 10 a 20µg/kg
▫ Considerar efeito 100x maior que a xilazina

• Butorfanol: 20 a 40µg/kg
▫ Potencializa efeito de outros tranquilizantes

https://www.tudovet.com.br/eqdomin-5-ml
27

Anestesia Inalatória - Potros

• Indução
▫ Pode ser feita com máscara ou sonda
▫ Isofluorano – indução suave
▫ Facilita a colocação da sonda orotraqueal
▫ Não requer pré-medicação.
28

Anestesia Inalatória - Potros

• Indução
▫ Risco de parada cardíaca
 Desequilíbrio eletrolítico e níveis elevados de
catecolaminas circulantes
▫ Depressão respiratória
 Acidose
▫ Pré-medicação com Diazepam
▫ Complicações
 Inotrópicos (Dobutamina)
 VIPP
29

Vídeo
30

Conclusão
• Procedimento anestésico mais delicado

• Fisiologia muito diferente da fisiologia de um


equino adulto

• Monitoramento deve ser adequado e contar com


a experiência do anestesista
31

Obrigado!