Você está na página 1de 17

ÉTICA MÉDICA

LEGISLAÇÃO APLICADA À ARQUITETURA – 8º A

ANA COSTA – ANA ZANINI – GUSTAVO MOLINA – JOÃO SANTOS – MUNICK CORDEIRO – VINÍCIUS VELLASQUES
CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

• Elaborado pelo Governo do Brasil por meio do Conselho Federal de Medicina;


• Contém as normas que devem ser seguidas pelos médicos no exercício de sua profissão, atividades de
ensino, pesquisa, administração de saúde e qualquer outra atividade que envolva o conhecimento da
medicina;
• Impõem a inscrição no Conselho Regional do respectivo Estado,Território ou Distrito Federal;
• Atribui a fiscalização do cumprimento das normas ao Conselho de Medicina, da comissão de ética e
dos próprios médicos;

É composto por 25 princípios fundamentais, 10 normas diceológicas, 118 normas


deontológicas e 4 disposições gerais.
CASO ROGER ABDELMASSIH

• Ex-médico reconhecido nacionalmente por


seus trabalhos envolvendo a reprodução
humana;
• Primeira denúncia de abuso sexual em 2008;
• Em junho de 2009 já haviam 40 depoimentos
de ex-pacientes;
• Em agosto de 2009 foi indicado por estupro
e ação de constranger alguém por meio de
ameaça ou violência a ter ato sexual ou
permitir atos libidinosos;
CASO ROGER ABDELMASSIH

• Em novembro de 2010 foi condenado a 278


anos de prisão;
• Foragido, foi preso somente em agosto de
2014;
• Em 2011 teve seu registro médico
definitivamente cassado pelo Conselho
Regional de Medicina de São Paulo por
infringir artigos do Código de Ética Médica.
INFRAÇÃO DA ÉTICA MÉDICA

“descumprir legislação específica nos casos de transplante de órgãos ou tecidos, esterilização, fecundação artificial
e abortamento”

Infringiu contra:
• Princípios Fundamentais;
• Responsabilidade Profissional;
• Direitos Humanos;
• Relação com Pacientes e Familiares;
• Doação e Transplante de Órgãos e Tecidos.
CASO GUILHERME CAPEL

• Médico plantonista do Hospital Santa Rosa


de Lima, em Serra Negra (SP)
• Foi afastado por ter sua foto debochando de
paciente divulgada na internet “Não existe
PELEUMONIA e nem RAÔXIS!”
• O médico havia atendido o mecânico José
Mauro de Oliveira Lima, 42 anos, que
estudou até o segundo ano do ensino
fundamental e não sabe como falar
corretamente algumas palavras.
CASO GUILHERME CAPEL

• Além do médico outras duas funcionárias do


Hospital também foram afastadas, por
debocharem no post sobre a forma como
outros pacientes da unidade costumam falar.
• Após a polêmica o médico foi se desculpar
com o paciente.
• O Conselho Regional de Medicina de São
Paulo (Cremesp) informou que vai instaurar
uma sindicância para avaliar a conduta do
médico.
INFRAÇÃO DA ÉTICA MÉDICA

“Tratar o ser humano sem civilidade ou consideração, desrespeitar sua dignidade ou discriminá-lo de qualquer
forma ou sob qualquer pretexto.”

Infringiu contra:

• Princípios Fundamentais;
• Responsabilidade Profissional;
• Direitos humanos
• Sigilo profissional.
DIAGNÓSTICO ERRADO – SÍFILIS

• Médico obstetra de São Carlos(SP)


• Logo após o parto, em 2009, mulher é
diagnosticada com Sífilis, doença
sexualmente transmissível.
• Diagnóstico é dado em uma enfermaria, em
meio a desconhecidos.
• Conjujê rompe o relacionamento,
suspeitando de traição.
• Onze dias após o ocorrido, novo exame
aponta o equivoco.
DIAGNÓSTICO ERRADO – SÍFILIS

• Médico é condenado a pagar indenização de


R$ 20 mil.
• A votação teve decisão unânime.
• A decisão cabe recurso.
INFRAÇÃO DA ÉTICA MÉDICA

“ ficou caracterizado o erro no diagnóstico e o desgaste psicológico sofrido pela autora e sua família, o
que implica o dever de indenizar.”

Infringiu contra:

• Princípios Fundamentais;
• Responsabilidade Profissional;
• Direitos Humanos;
• Sigilo Profissional;
CASO LUIZ ANTÔNIO BRUNIERA

 Médico e proprietário da clinica de repouso


 Localização : Garça, 35 km de Marília-SP
 Acusado de tentativa de homicídio de paciente em benefício próprio
 Foi a júri, julgado e condenado por crime de tentativa de homicídio duplamente qualificado por motivo torpe e
mediante simulação em 2016
CASO LUIZ ANTÔNIO BRUNIERA

O crime atribuído a Luiz Antônio Bruniera teria ocorrido em 1999, em uma clínica de repouso de sua propriedade
na cidade de Garça, interior de São Paulo.

A vítima: Paciente Douglas Edwards Degret, diabético internado pela segunda vez na clínica de Luiz Antônio para
tratamento de alcoolismo. Sua primeira internação havia sido em 1997 e custeado pela irmã e familiares.

A Denúncia: Alcoólatra e com diabete, o idoso foi internado em duas ocasiões e teria alegado que foi convencido
por Bruniera a colocar a clínica como beneficiária de sua herança. A vítima possuía lojas, apartamentos, terrenos e
outros empreendimentos.
CASO LUIZ ANTÔNIO BRUNIERA

O Caso:
 O réu teria feito com que a vítima assinasse um testamento, doando todos os bens que receberia em herança para a
instituição de saúde, sendo que após a assinatura, mudou o seu tratamento, colocando sua vida em risco para assim em
seu benefício próprio o paciente viesse a óbito.
 O paciente havia repassado para sua irmã, 50% do que tinha direito na herança de seu pai, Roland Marc Degret. Em
setembro de 1997, acertaram com a Clínica Santa Helena, como forma de pagamento do tratamento, que o hospital
receberia 2%, da metade que havia sido passada para a irmã da vítima. Posteriormente, em abril de 1998, mudaram o
acordo, repassando à clínica 7,5%, recebendo um tratamento normal até junho de 1999.
 Degret afirmou para o médico que se os advogados da clínica agilizassem o processo de inventário, recebendo
rapidamente o que tinha direito na herança de seu pai, passaria 40% para o hospital, como doação, já que pretendia
diminuir a doação de 50% para 10%, feita anteriormente para sua irmã. Bruniera teria aceitado a proposta vantajosa, já
que os bens que Degret receberia eram portentosos, como apartamentos, lojas, prédios, terrenos e até mesmo
percentual sobre um parque de diversões.
CASO LUIZ ANTÔNIO BRUNIERA

 Ocorre que em determinado dia, por volta das 14h, recebeu uma medicação dada por um enfermeiro, a pedido
do médico. No dia seguinte, às 9h, o paciente recebeu em seu quarto, o médico Luiz Antônio Bruniera, junto com
outras três pessoas, que seriam advogados da Clínica. Muito confuso, o paciente não chegou a ler o documento,
acreditando se tratar do acordo dos 40%, quando na verdade estava assinando um testamento, passando todos os
bens que receberia em herança para a Clínica Santa Helena.
 Apesar de ser diabético, ele começou a receber doces, refrigerantes, bombons e balas, bem como começou a
ingerir frituras e massas quase que diariamente, alimentação totalmente incompatível com seu estado de saúde,
que poderia abreviar sua expectativa de vida, levando-o a morte. Como se não bastasse, segundo o Ministério
Público, começou a receber menos insulina, sendo que algumas vezes nem as recebia.
CASO LUIZ ANTÔNIO BRUNIERA

Descoberta:
Os fatos só foram descobertos porque uma enfermeira resolveu denunciar os fatos ao Conselho Regional de
Enfermagem
Júri e Condenação:
 Luiz Antônio Bruniera foi a júri popular em 2016 pelos crimes de tentativa de homicídio duplamente qualificado
(motivo torpe e mediante dissimulação) e falsidade ideológica e condenado a oito anos e três meses de prisão em
regime fechado.
INFRAÇÃO DA ÉTICA MÉDICA

“Art. 25. Deixar de denunciar prática de tortura ou de procedimentos degradantes, desumanos ou cruéis, praticá-las,
bem como ser conivente com quem as realize ou fornecer meios, instrumentos, substâncias ou conhecimentos que
as facilitem.”
“Art. 30. Usar da profissão para corromper costumes, cometer ou favorecer crime.”

Infringiu contra:

• A violação de dever inerente à profissão


• Princípios Fundamentais;
• Responsabilidade Profissional;
• Direitos humanos