Você está na página 1de 137

Administração de Materiais

e do Patrimônio
Versão 1

Paulino G. Francischini
Floriano C. Amaral Gurgel

Administração de
Materiais 1
e do Patrimônio
Capítulo 1
Administração dos Recursos

Administração de
Materiais 2
e do Patrimônio
Interesses conflitantes entre
áreas
PRODUÇÃO
VENDAS
PRODUZIR ADMINISTRAÇÃO
OFERECER, TIRAR
QUANTIDADES, ADMINSITRAÇÃO DE FINANCEIRA E
PEDIDOS E ENTREGAR
CONFORME MATERIAIS CONTROLE DO
OS PRODUTOS
PLANEJAMENTO E RESULTADO
VENDIDOS
PROGRAMAÇÃO

ESTOQUE ELEVADO DESENVOLVE TÉCNICAS DE


PLANEJAMENTO E PROCURA-SE IMOBILIZAR
PARA 100% DE NÍVEL DE PROGRAMAÇÃO PARA GARANTIR POUCOS RECURSO FINANCEIRO,
SERVIÇO NO NÍVEL DE SERVIÇO DE 100% NO RECONDUZINDO AO CAIXA
ATENDIMENTO DOS AVIAMENTO DOS PEDIDOS, SEM DINHEIRO APLICADO NOS
PORÉM MANTER ESTOQUES EXCESSOS DE ESTOQUES.
PEDIDOS ELEVADOS.

DESENVOLVER
SEMPRE É NECESSÁRIO
TÉCNICAS DE
ADQUIRIR MATERIAIS DE
OFERECIMENTO DE ABASTECIMENTO, PARA
BOA QUALIDADE, PORÉM
PRODUTOS ACABADOS SEMPRE SE TER
COM PREÇO BAIXO E
DE QUALIDADE ELEVADA MATERIAIS DE ELEVADA
COM FACILIDADES DE
QUALIDADE E A PREÇO
PAGAMENTO
CONTROLADO.

DESENVOLVER E IMPLEMENTAR TODA A OPERAÇÃO


PRAZOS URGENTES NO
SISTEMAS DE INFORMAÇÕES DEVERÁ SOMENTE
ATENDIMENTO E INDUSTRIAIS SEGUROS NOS AGREGAR VALOR POR
INFORMAÇÕES QUAIS SE POSSA CONTROLAR A
APLICAÇÃO CORRETA DE CADA CADA UNIDADE
PRECISAS AOS
UNIDADE MONETÁRIA, PARA SE MONETÁRIA DE CUSTO
CLIENTES CRIAR VALOR. OU DESPESA.

Administração de
Materiais 3
e do Patrimônio
Evolução da Administração de
Materiais
PERCEPÇÃO SITUAÇÃO PROCESSO DE ESTÁGIO SITUAÇÃO
EMPRESARIAL INICIAL EVOLUÇÃO AVANÇADO ATUAL
Executivo Executivo que
Funcionário a
O Administrador Pessoa de conhecedor do administra 60%
serviço da
de Materiais. recados. mercado de dos custos e
produção.
abastecimento. das despesas.
Executivo com
Conhecedor de
preparo
Perfil do Pessoa bem Burocrata administração
técnico,
profissional. considerada. eficiente. comercial e de
econômico e
mercados.
legal.
Progresso do Sem Planejamento Diretor
Comprador
profissional. possibilidades. do negócio. executivo.
Concentração
Evita faltas e
Atividades da em uma visão
desmobiliza Planejamento
Administração Faz despesas de melhoria do
estoques estratégico.
de Materiais. resultado da
excedentes.
empresa.

Administração de
Materiais 4
e do Patrimônio
Evolução da atividade produtiva

PERÍODO 1750 - 1800 1800 - 1850 1850 – 1900 1900 – 1950 1950 - 2000
Lâmpadas,
Micro-
telefone,
Máquina a Locomotivas, Nylon, radar, eletrônica,
motor a
INOVAÇÕES vapor e tear telégrafo, eletrônica, raio laser,
explosão,
mecânico fotografia. rádio e TV. fibra ótica,
adubo
biotecnologia.
químico.

Administração de
Materiais 5
e do Patrimônio
Atividades da Administração de
Materiais
CONTROLE DA CONTROLE DE
COMPRAS TRÁFEGO DE FORA
PRODUÇÃO ESTOQUE

DISTRIBUIÇÃO RECEPÇÃO

ADMINISTRAÇÃO
DE MATERIAIS

TRÁFEGO PARA INSPEÇÃO DAS


FORA ENTRADAS

INSPEÇÃO DE ARMAZENAGEM MOVIMENTAÇÃO ARMAZENAMENTO


SAÍDA EXTERNA DE MATERIAIS NA FÁBRICA

Administração de
Materiais 6
e do Patrimônio
Organograma de uma empresa

VANZOTEC S.A.

GERENTE GERAL

GERENTE DE GERENTE DE GERENTE GERENTE


M ATERIAIS FABRICAÇÃO COM ERCIAL FINANCEIRO

PLANEJAM ENTO
ADM INISTRAÇÃO DISTRIBUIÇÃO E
E CONTROLE DA
DE COM PRAS TRÁFEGO
PRODUÇÃO

Administração de
Materiais 7
e do Patrimônio
Posicionamento Estratégico
PRODUTOS ACABADOS FORNECEDORES
VACA LEITEIRA ESTRELA
MERCADO VACA LEITEIRA ESTRELA
PRODUTO LÍDER DE
ESTABILIZADO
MERCADO FORNECEDOR FORNECEDOR
CUSTOS BAIXOS
CONCORRÊNCIA IMPORTANTE DOMINANTE
LUCROS ELEVADOS
RENHIDA BOA QUALIDADE E BOM CUIDADO COM OS
EXPERIÊNCIA
IMPORTANTEES PREÇO PREÇOS
COMPROVADA
INVESTIMENTOS RISCOS LIMITADOS OBSOLESÇÊNCIA
POUCOS
VAI SE TORNAR UMA NEGOCIAÇÃO SIMPLES NEGOCIAÇÃO ÁRDUA
INVESTIMENTOS
VACA LEITEIRA
SUPORTA OS DE BAIXO

SEM ATRATIVOS BEBÊ


SEM ATRATIVOS BEBÊ NOVIDADE NO MERCADO
PROBLEMAS PARA O
PEQUENA PARTICIPAÇÃO QUALIDADE NÃO
MERCADO PEQUENO FORNECEDOR
INVESTIMENTOS COMPROVADA
CONSEVAÇÃO DE LIQUIDA OU REANIMA?
ELEVADOS PREÇOS ELEVADOS
PARTICIPAÇÃO RISCOS ELEVADOS
NECESSITA DE UMA RISCO EM TODOS OS
NADA SE INVESTE NEGOCIAÇÃO
ESTRATÉGIA. NÍVEIS
ARRISCADA
NEGOCIAÇÃO DIFÍCIL

CRESCIMENTO DO PRODUTO DISPÊNDIOS DE RECURSOS

PARTICIPAÇÃO NO
MERCADO E
GERAÇÃO DE
RECURSOS

Administração de
Materiais 8
e do Patrimônio
Economia de Materiais
UTILIZAÇÃO DE
SIMPLIFICAÇÃO DO TÉCNICAS COMO UTILIZAÇÃO DE
PROJETO DO ENGENHARIA DO NOVAS
VISÃO ABRANGENTE
PRODUTO E VALOR, GERAÇÃO DE TECNOLOGIAS AINDA
DE "SOURCE
PADRONIZAÇÃO DE ALTERNATIVAS E NÃO DOMINADAS
MARKETING".
SEUS SELEÇÃO DA INTEGRALMENTE
COMPONENTES. MELHOR PELA EMPRESA.
ALTERNATIVA.

ABERTURA NO
TRATAMENTO COM
SISTEMA OS FORNECEDORES
ECONÔMICO DE E UMA NEGOCIAÇÃO
TRANSPORTE. SISTEMÁTICA PARA
APRIMORAMENTO DO
FORNECIMENTO.

RECEBIMENTO BEM
ATIVIDADES COMPRAS EFICIENTES,
GERANDO
EQUIPADO E BEM
INFORMADO, PARA PARA A ABASTECIMENTO COM
QUALIDADE,
SOMENTE REBEBER O PONTUALIDADE,
MATERIAL ADEQUADO À ECONOMIA DE CONDIÇÕES
EMPRESA. FINANCEIRAS E PREÇO
MATERIAIS BAIXO.

PARCIMÔNIA: NÃO DECISÕES


FORNECER ÀS ADEQUADAS NO QUE
ATIVIDADES
DIZ RESPEITO A
PRODUTIVAS MAIS DO
QUE DETERMINA A FABRICAR
UTILIZAÇÃO PADRÃO DE INTERNAMENTE OU
MATERIAIS. COMPRAR FORA.

FACILITAR A
ATENÇÃO TODA NÃO PERMITIR A PLANEJAR A
RECICLAGEM DE TODOS
ESPECIAL PARA DETERIORIZAÇÃO REUTILIZAÇÃO DE
OS MATERIAIS DE
TODAS AS EMBALAGENS
DETECTAR DOS MATERIAIS E MANEIRA SELETIVA E
DE FORNEWCIMENTO E
DISPERDÍCIOS COMBATER SEM PROVEITOSA.
CONTROLAR PERDAS
MÍNIMOS, MAS TRÉGUAS O rECUPERAR TODOS OS
NAS EMBALAGENS DE
Administração de REPETITIVOS. OBSOLETISMO. SOLVENTES UTLIZADOS
PRODUTOS ACABADOS.

Materiais
NO PROCESSO.
9
e do Patrimônio
Investimentos em estoque
ALTERAÇÃO DA REALIZAÇÃO DE
UTILIZAÇÃO DE NEGOCIAR A
SISTEMÁTICA DE INVENTÁRIO
CURVAS ABC E MANUTENÇÃO NA
PREVISÃO DE ROTATIVO E DE
TÉCNICAS DE EMPRESA DE
VENDAS, UTLIZANDO TÉCNCIAS DE PRÉ-
PESQUISA ESTOQUES EM
TÉCNICAS CONTAGEM DOS
OPERACIONAL. CONSIGNAÇÃO.
ATUALIZADAS. MATERIAIS

REVER TODOS OS NEGOCIAR A


PROJETOS DOS MANUTENÇÃO DO
PRODUTOS, PARA ESTOQUE NO
IDENTIFICAR A FORNECEDOR E O
UTILIZAÇÃO ABASTECIMENTO
DESNECESSÁRIA DE SOMENTE QUANOD FOR
MATERIAIS. NECESSÁRIO.

ESTABELECER UM
SISTEMA DE CUSTO ATENDER SOMENTE OS
PADRÃO E COMPARAR CLIENTES A DIRETAMENTE DA
EMPRTESA E PASSAR PARTE
SISTEMATICAMENTE A DOS ESTOQUES PARA
UTLIZAÇÃO PADRÃO, ATACADISTAS QUE PASSARÃO A
COM A UTLILIZAÇÃO ATENDER OS CLIENTES B E C.
REAL DOS MATERIAIS.

DESENVOLVER UM
PLANEJAMENTO
ESTRATÉGICO,
REDUÇÃO DOS NÃO REALIZAR
COMPRAS
ESTABELEWCENDO
METAS PARA OS
INVESTIMENTOS ESPECULATIVAS, EM
NENHUMA
INVESTIMENTOS NOS
ESTOQUES.
EM ESTOQUES CIRCUNSTÂNCIA.

NEGOCIAR A NUDANÇA
DO SISTEMA DE
PRODUÇÃO, PARA SE NÃO ACEITAR
ELIMINAR OS ESTOQUES ENTREGAS FORA DO
EM PROCESSO, PROGRAMADO.
ADONTANDO-SE "LAY
OUT" POR PRODUTO.

ADOÇÃO DE
CONTROLAR A
TÉCNICAS DE
ROTAÇÃO E
FABRICAÇÃO CLASSE
UTLIZAÇÃO DE CADA
UNIVERSAL, COMO
ITEM DO INVENTÁRIO.
"JUST IN TIME"

CONTROLAR A SUCATA REDUZIR O TEMPO


TÉCNICA E A ANALISAR, DESBUROCRATIZAR
EM QUE OS
PROVENIENTE DO RESPONSABILIZAR E OS SERVIÇOS DE
CAMINHÕES FICAM
DESPERDÍCIO. VENDE-LA DAR DESTINO AOS COMPRAS PARA NÃO
SISTEMATICAMENTE AGUARDANDO NO
MATERIAIS "SLOW E PARA LINHA POR
CASADA COM NOVOS PÁTIO E NO
NOM MOVING". FALTA DE MATERIAL.
FORNECIMENTOS. RECEBIMENTO.

Administração de
Materiais 10
e do Patrimônio
Alterantivas da Administração
de Materiais
AVALIAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DE COMPRAS
CENTRALIZAÇÃO DESCENTRALIZAÇÃO
Redução do custo dos materiais – maior Melhor acerto da adequação das
volume e maior facilidade de negociação compras e dos equipamentos.
Garantia de abastecimento de materiais
escassos – contratação destes materiais Realização das compras urgentes,
para a utilização em várias unidades de atendendo às necessidades da produção.
negócios da corporação.
Comunicação direta do usuário com o
Economias na contratação de pessoal.
comprador.
Compras imprevisíveis e utilização de
Redução dos investimentos em estoques.
serviços locais de boa qualidade.
Compras em empresas locais para a
manutenção do emprego na região e
Estudo do mercado de suprimento.
estabelecimento de uma boa política com
as autoridades locais.
Simplificação e padronização. Evitar a alta incidência de fretes.
Recuperação de maior porcentagem do
Planejamento estratégico de aquisições.
ICM, com compras no mesmo estado.
Acompanhamento cuidadoso das
Melhor utilização do sistema de quantidades entregues e ajuste do
processamento de dados suprimento estritamente às necessidades
do dia.
Atendimento ágil às mudanças súbitas
Desenvolvimento do sistema de
dos programas de produção, que
documentação dos produtos, segundo
resultam num comportamento das
um padrão único.
vendas não previsto.
RESULTADO: ELEVAÇÃO DA
RESULTADO: MENOR CUSTO E
MOTIVAÇÃO DO PESSOAL E
MENORES INVESTIMENTOS NOS
REDUÇÃO DOS CUSTOS DA
ESTOQUES.
BUROCRACIA.

Administração de
Materiais 11
e do Patrimônio
Capítulo 2
Abastecimento de Materiais

Administração de
Materiais 12
e do Patrimônio
Terceirizar ou Fabricar
ITEM DESCRIÇÃO UNIDADE VALOR
1 Produção do produto final peças/h 10
2 Lucro unitário do produto final R$/peça 14,00
3 Produção interna do componente peças/h 50
4 Custo/hora Mão-de-obra R$/h 50,00
5 Custo/hora Equipamentos R$/h 15,00
6 Custo Materiais R$/peça 2,00
7 Gastos Gerais de Produção R$/h 10,00
8 Custo de aquisição do componente R$/peça 5,00

RECURSO CÁLCULOS CUSTO POR PEÇA


Mão-de-obra 50,00 R$/hora  50 peças/h 1,00 R$/peça
Equipamentos 15,00 R$/hora  50 peças/h 0,30 R$/peça
Materiais 2,00 R$/peça 2,00 R$/peça
Gastos Gerais 10,00 R$/hora  50 peças/h 0,20 R$/peça
Total 3,50 R$/peça
Custo adicional 5,00 R$/peça – 3,50 R$/peça 1,50 R$/peça

Benefício (14,00 R$/peça – 1,50 R$/peça)x 0,2 2,50 R$/peça


adicional
Administração de
Materiais 13
e do Patrimônio
Matriz de duas entradas
Compras Compras Compras Compras Compras
constantes programa- de de sofistica-
e habituais das investi- emergên- das
mentos cia
Produtos
de venda
corrente
Produto
com preços
fixados
corrente-
mente
Forneci-
mento sob
DETER-
encomenda
MINADO
com preços
TIPO DE
fixados
COMPRA
pelo
fornecedor
Forneci-
mento em
regime de
escassez

Administração de
Materiais 14
e do Patrimônio
Processo simplificado de
Compras
Fornecedores

Requisição de Compra Pedido de Cotação


Compra s Cotação 1

Cotação 2
Controle de
Estoque
Cotação 3
Cadastro de
Fornecedores

Cotações
Armazenagem
Cotação n
Fornecedor

NF
Recebimento
Pedido de
Compra
Decisão

Material

Administração de
Materiais 15
e do Patrimônio
Fatores para avaliação
quantitativa
IQ - INDICADOR DA QUALIDADE
ENTREGA PONTUAÇÃO
Lote sem problema de qualidade 100
Lote com problema de qualidade tolerável 50
Lote devolvido 0

IP - INDICADOR DE PRAZO
ENTREGA PONTUAÇÃO
Lote entregue sem atraso 100
Lote entregue com atraso de até 3 dias 70
Lote entregue com atraso de 3 a 10 dias 50
Lote entregue com atraso de mais de 10 dias 0

IQ = média da pontuação das últimas 10 entregas


IP = média da pontuação das últimas 20 entregas
Administração de IQ > 90 e IP > 95
Materiais 16
e do Patrimônio
Evidências para avaliações

ITEM DE AVALIAÇÃO EVIDÊNCIA


Situação econômico-financeira Balanço Patrimonial
Existência de Controle do Processo Evolução dos Limites de Controle
Treinamento Adequado Lista de Treinamentos Fornecidos
Existência de Sistema da Qualidade Manual da Qualidade

Administração de
Materiais 17
e do Patrimônio
Tipos de avaliação de
fornecedores

TIPO DE ÍTEM TIPO DE AVALIAÇÃO


Itens Críticos Certificação e Auditoria de Processo
Itens Importantes Certificação ou Auditoria de Sistema
Itens Não-Críticos Histórico ou Auto-avaliação

Administração de
Materiais 18
e do Patrimônio
Relacionamento restrito entre
comprador e fornecedor
COMPRADOR FORNECEDOR

COMPRAS VENDAS

PROJETO PROJETO

PCP PCP

PRODUÇÃO PRODUÇÃO

CQ CQ

RECEBIMENTO EXPEDIÇÃO

Administração de
Materiais 19
e do Patrimônio
Relacionamento de parceria
entre comprador e fornecedor
COMPRADOR FORNECEDOR

COMPRAS VENDAS

PROJETO PROJETO

PCP PCP

PRODUÇÃO PRODUÇÃO

CQ CQ

RECEBIMENTO EXPEDIÇÃO

Administração de
Materiais 20
e do Patrimônio
Requisitos qualificadores e
classificadores
CAPACIDADE DE FORNECIMENTO

DESEMPENHO FUTURO
EXCESSO DE
ATENDIMENTO AOS AUMENTO DO
REQUISITOS
QUALIFICADORES DESEMPENHO NOS
(NÃO AGREGAM
VALOR) REQUISITOS
CLASSIFICADORES
(AGREGA VALOR)

REQUISITOS
MÍNIMOS
(QUALIFICADORES)

DESEMPENHO DO

CLASSIFICADOR
REQUISITO
ATENDIMENTO AOS
REQUISITOS

ATUAL
QUALIFICADORES
(AGREGAM VALOR)

Administração de
Materiais 21
e do Patrimônio
Exemplo de formulário de
solicitação de cotação
SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO
FORNE- PRAZO PRAZO FRETE/
DATA CÓDIGO PREÇO OBSERV.
CEDOR PAGTO. ENTREGA SEGURO

Administração de
Materiais 22
e do Patrimônio
Tabela de cotações para cópias
COPIADORAS
DESCRIÇÃO XLS LTDA. VK LTDA. COPY USA PRIMAL BETA

(011) 5506- (011) 3570- (011) 3064- (011) 3539- (011) 6852-0049
8542 2826 2025 0921

Sr. Junior Srta. Lina Sra. Ana Sr. Arnaldo Sr. José

PREÇOS
XEROX SIMPLES 0,08 0,10 0,07 ---- 0,25

XEROX A3 0,25 0,50 0,20 ---- 0,35

XEROX 3030 ATÉ 90 CM SEM 0,06 ---- ---- ---- ----


EMENDAS (SULFITE) - CL

XEROX 3030 ATÉ 90 CM SEM 0,12 ---- ---- ---- ----


EMENDAS (VEGETAL) - CL

XEROX 3060 REDUÇÃO E 0,08 ---- 0,10 ---- 0,13


AMPLIAÇÃO (SULFITE) - CL

XEROX 3060 REDUÇÃO E 0,16 ---- 0,20 ---- 0,24


AMPLIAÇÃO (VEGETAL) - CL

----

ENCADERNAÇÃO ATÉ 100 1,50 ---- 1,00 ---- 2,40


FOLHAS

ENCADERNAÇÃO ATÉ 200 2,50 ---- 2,00 ---- 3,30


FOLHAS

ENCADERNAÇÃO ATÉ 300 3,50 3,50 4,00 ---- 4,00


FOLHAS

AO 6,00 6,50 ---- 8,20 ----

A1 5,00 3,50 ---- 4,40 ----

A2 3,90 2,50 ---- 4,40 ----

A3 2,90 2,00 ---- 4,40 ----


Administração de A4 1,80 1,50 ---- ---- ----
Materiais 23
e do Patrimônio
TOTAL 49,6 35,45 7,57 33,3 10,67
Critérios de classificação
múltiplos
CRITÉRIO PESO FORNECEDOR FORNECEDOR FORNECEDOR FORNECEDOR
A B C D

Preço 8 3 1 4 2
Manutenção 7 2 4 1 3
Assistência
5 4 3 2 1
Técnica
Facilidade de
10 1 4 2 3
uso
Ponderação 68 91 69 72
Classificação 4.º 1.º 3.º 2.º

Administração de
Materiais 24
e do Patrimônio
Valores numéricos para
avaliações qualitativas
CLASSIFICAÇÃO DAS LETRAS E DOS VALORES NUMÉRICOS
LETRA DESCRIÇÃO VALOR NUMÉRICO
A Excelente 4
E Muito bom 3
I Bom 2
0 Razoável 1
U Fraco 0
X Insatisfatório ?

AVALIAÇÃO DOS FAT0RES


ALTERNATIVAS
FATORES PESO COMENTÁRIOS
A B C D E
1-
2-
3-
4-
TOTAIS

Administração de
Materiais 25
e do Patrimônio
Capítulo 3
Administração de Estoques

Administração de
Materiais 26
e do Patrimônio
Capacidade de Produção vs
Estoques

GESTÃO DE ESTOQUE
NECESSIDADES DA RESTRIÇÕES IMPOSTAS
PARA CONCILIAR PELA NECESSIDADE DE
OPERAÇÃO
INTERESSES E CONCENTRAR OS RECURSOS
INDUSTRIAL E FINANCEIROS NO CAIXA
DETERMINAÇÕES
COMERCIAL CENTRAL DA EMPRESA
DIVERSAS

Administração de
Materiais 27
e do Patrimônio
Relação das áreas da empresa
com Administração de Estoques

COMPRAS PRODUÇÃO

ADMNISTRAÇÃO
DOS ESTOQUES

FINANCEIRO VENDAS

Administração de
Materiais 28
e do Patrimônio
Capacidade de Produção vs
Estoques
QUANTIDADE
DE PRODUTOS
ACABADOS

CAPACIDADE DE PRODUÇÃO
(SEM UTILIZAÇÃO DE
ESTOQUES)

ELEVAÇÃO DA
CAPACIDADE PERÍODO DE
DE PRODUÇÃO UTILIZAÇÃO DE DEMANDA
ESTOQUES

PERÍODO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO


FORMAÇÃO (COM UTILIZAÇÃO DE
DE ESTOQUES ESTOQUES)

TEMPO

Administração de
Materiais 29
e do Patrimônio
Custo de Estoque Total
CUSTO

CUSTO
TOTAL

CUSTO DE
MANUTENÇÃO
DE ETOQUE

CUSTO DE
PEDIDO

Q* QUANTIDADE

Administração de
Materiais 30
e do Patrimônio
Materiais
e do Patrimônio
Administração de
Material em processo
(colchão)

A
Equipamento
Material em processo
(colchão)
B
Equipamento

Processo Produtivo

Material em processo
(colchão)
Estoque em processo

C
Equipamento

Material em processo
(colchão)
31
Conflitos na Administração de
Estoques
ADM.
MATERIAL ESTOQUE COMPRAS PRODUÇÃO VENDAS FINANÇAS
MAT.

Descontos
Matérias-
por quanti-
primas Espaço dade
de
armazém Materiais
Materiais disponíveis
Perdas,
em Fabricação Perdas
danos e
Processo de grandes finan-
obsoles-
Alto lotes ceiras
cência
Custo de
Movi- Entrega
Arma-
Produto menta- imediata
zenagem
Acabado ção
Melhores
desne-
vendas
essária
Produtos
Auxiliares Materiais auxiliares disponíveis

Administração de
Materiais 32
e do Patrimônio
Custo vs Nível de Serviço

CUSTO

95% 98% 99,9%


Administração de NÍVEL DE SERVIÇO
Materiais 33
e do Patrimônio
Fluxo de informações para
estudo de mercado
AVALIAÇÃO DO
TAMANHO DO
MERCADO NO
TAMANHO DO PRIMEIRO ANO
MERCADO NOS DE PROJEÇÃO
ANOS PASSADOS E
SUA EVOLUÇÃO AO
LONGO DO TEMPO

AVALIAÇÃO DO
TAMANHO DO
MERCADO NO
SEGUNTO ANO
DE PROJEÇÃO
TAMANHO DO MERCADO NO PROJEÇÃO DE
PRESENTE E O CONHECIMENTO DEMANDA PARA
DE SUAS FORÇAS, PELO O PERÍODO
CONHECIMENTO DA EVOLUÇÃO ORÇAMENTÁRIO
PASSADA AVALIAÇÃO DO
DETALHADO
TAMANHO DO
MERCADO NO
TERCEIRO ANO
DE PROJEÇÃO

AVALIAÇÃO DO
TAMANHO DO
MERCADO NO
QUARTO ANO DE
Administração de PROJEÇÃO
Materiais 34
e do Patrimônio
Investimentos para garantir a
participação no mercado
TAMANHO DO
MERCADO

TAMANHO DO
MERCADO

TAMANHO DO
MERCADO
NECESSIDADE
DE
TAMANHO DO INVESTIMENTOS
MERCADO NECESSIDADE PARA GARANTIR
DE A PARTICIPAÇÃO
INVESTIMENTOS DA EMPRESA
TAMANHO DO
NECESSIDADE PARA GARANTIR
MERCADO
DE A PARTICIPAÇÃO
INVESTIMENTOS DA EMPRESA
NECESSIDADE DE PARA GARANTIR
INVESTIMENTOS
NECESSIDADE DE A PARTICIPAÇÃO
PARA GARANTIR A
INVESTIMENTOS PARA PARTICIPAÇÃO DA DA EMPRESA
A PARTICIPAÇÃO DA
EMPRESA
EMPRESA

1º ANO 2º ANO 3º ANO 4º ANO 5º ANO

Administração de
Materiais 35
e do Patrimônio
Análise Setorial

SETORES DA ECONOMIA
ITEM SETOR ÁREA
1 Primário Agricultura, pecuária, pesca, extração e mineração.
2 Secundário Indústria e construção.
3 Terciário Indústria de serviço.

SETOR SECUNDÁRIO DA ECONOMIA


SUBSETOR DESCRIÇÃO
1 Bens de consumo corrente
2 Bens de consumo duráveis
3 Bens de capital
4 Bens intermediários ou suprimentos industriais

DIVISÕES DA ECONOMIA
DIVISÃO DESCRIÇÃO
1 Petroquímica
2 Materiais de construção
3 Alimentos.
4 Linha branca

Administração de
Materiais 36
e do Patrimônio
Motivações pessoais dos
usuários
ÍTEM MOTIVAÇÕES
A demanda de bens de consumo depende das necessidades dos
1 usuários, das utilidades do bens e das possibilidades de compra
dos participantes de um mercado.
A demanda dos bens intermediários e de capital dependem das
perspectiva de lucro que possam gerar para os clientes industriais,
2
que postergam distribuição de lucro no presente, em benefício de
maiores resultados para o futuro.
O nível de renda é um fator bastante significativo para explicar
3
flutuações de demanda de bens de consumo ou uso.
As flutuações do nível de estoque na economia ou mesmo em
4 uma divisão de mercado poderão explicar pontos de inflexão nas
tendências de evolução da demanda.
A demanda de um bem durável poderá ser explicada, em um certo
período, como introdução do produto no mercado. Cessada esta
5
introdução, restará a demanda de reposição dos bens vendidos
inicialmente e depreciados pelo uso ou obsoletismo.

Administração de
Materiais 37
e do Patrimônio
Posicionamento no mercado

TRÊS DIMENSÕES DO NEGÓCIO


ÍTEM DIMENSÃO DESCRIÇÃO
1 Grupo Definição por grupos de clientes atendidos
2 Funcional Funções que o produto executa para os clientes
3 Técnica Tecnologias de base incorporadas aos produtos

DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS
ÍTEM DESENVOLVIMENTO DESCRIÇÃO
Empresas especialistas em determinadas
tecnologias, ou competências de base,
1 De mercado
que procuram mercados para os seus
produtos de base.
Empresas especialistas em determinados
mercados, que procuram produtos e
2 De produto/serviço serviços que tenham boa aceitação neste
mercado. Subsetor de bens de consumo
duráveis.

Administração de
Materiais 38
e do Patrimônio
Definição do negócio

FATORES ESTRATÉGICOS
ITEM FATORES DESCRIÇÃO
O que a empresa poderia fazer em termos de
1 Oportunidades
oportunidades.
O que a empresa pode fazer em termos de
2 Recursos
suas competências e recursos.
Valores O que os executivos da empresa querem fazer,
3
Pessoais em termos de seus valores pessoais.
O que a empresa deveria fazer, em termos de
4 Comunidade
considerações éticas e comunitárias.

FATORES ESTRATÉGICOS
ITEM ÁREA DESCRIÇÃO
Mudança tecnológica que poderá ampliar o
1 Tecnologia
segmento de mercado.
Introdução de produtos com funcionalidade
2 Funcionalidade surpreendente, não esperada pelo segmento
de mercado.
Alteração de níveis de preço e da oferta de
3 Oferta
produtos.
4 Internacional Abertura à competição internacional.

Administração de
Materiais 39
e do Patrimônio
Abrangência do negócio
ITEM SITUAÇÃO DESCRIÇÃO
Uma estratégia de atendimento a vários
Generalista de
segmentos de mercado, com uma gama
1 Mercado/Pro-
completa de produtos, desenvolvidos pela
duto
empresa.
Uma estratégia de fornecimento de uma linha
Especialista de completa de produtos, para atender às
2
Mercado necessidades de determinado segmento de
mercado.
Uma estratégia de especialização em um único
Especialista de
3 tipo de produto, para ser vendido em todos os
Produto
mercados.
Uma estratégia de fornecimento de um produto
Focada
especial destinado a um único segmento de
4 Produto/Mer-
mercado: especialista em produto e mercado
cado
específico.
Diferenciação Diferenciação dos produtos de uma empresa,
5
da Oferta para atender os vários segmentos em que atua.

Administração de
Materiais 40
e do Patrimônio
Abrangência do negócio

ITEM SITUAÇÃO DESCRIÇÃO


Diferenciação do produto em relação ao da
Diferenciação
6 concorrência, para atender o mesmo mercado,
Concorrente
de forma mais competitiva.
Um único modelo do produto é tratado por um
Marketing plano de marketing de aplicação, que não
7
Indiferenciado reconhece os diferentes segmentos que
compõem o mercado.
Uma empresa desenvolve modelos do produto e
Marketing
8 programas de marketing distintos para o
Diferenciado
segmento de mercado em que atua.
Uma empresa focaliza a sua atuação em
Marketing determinados segmentos de mercado, com o
9
Concentrado objetivo de obter grande participação nesses
segmentos.

Administração de
Materiais 41
e do Patrimônio
Crescimento da Receita

ÍTEM ÁREA DE ATUAÇÃO DESCRIÇÃO


Ampliação dos negócios nas
Fortalecimento do negócio células de produto/mercado
1
atual em que a empresa está
presente.
Pelo desenvolvimento de
Fortalecimento dos produtos
2 produtos para os mercados
atuais
atuais.
Pelo desenvolvimento dos
3 Ampliação dos mercados mercados para os produtos
atuais.
Pela diversificação, com
4 Diversificação plena novos produtos e novos
mercados.

Administração de
Materiais 42
e do Patrimônio
Curva ABC:
Importância da análise

ITENS DE ITENS DE
ITENS DE
GRANDE POUCA
ANÁLISE
IMPORTÂNCIA IMPORTÂNCIA
Número de itens
Poucos Muitos
estocados
Valor envolvido Grande Pequeno
Profundidade na
Maior Menor
análise
Margem de erro Menor Maior
Benefício relativo Maior Menor
Atenção da
Maior Menor
administração

Administração de
Materiais 43
e do Patrimônio
Cálculo de Custo Total
QUANT.
CUSTO CUSTO
MÉDIA EM
ITEM UNITÁRIO TOTAL ORDEM
ESTOQUE
(B) (A) X (B)
(A)
Unidades R$/unid. R$
A 5 2.000,00 10.000,00 3º
B 10 70,00 700,00 10º
C 1 800,00 800,00 9º
D 100 50,00 5000,00 5º
E 5.000 1,50 7.500,00 4º
F 800 100,00 80.000,00 1º
G 40 4,00 160,00 11º
H 50 20,00 1000,00 8º
I 4 30,00 120,00 12º
J 240 150,00 36.000,00 2º
K 300 7,50 2.250,00 6º
L 2.000 0,60 1.200,00 7º
Administração de
Materiais
TOTAL 144.730,00 44
e do Patrimônio
Dados ordenados
QUANT.
CUSTO CUSTO CUSTO
MÉD. EM PERCEN-
ORDEM ITEM UNITÁRIO TOTAL TOTAL
ESTOQUE TUAIS
(B) (A) X (B) ACUM.
(A)
Unidades R$/unid. R$ %
1º F 800 100,00 80.000,00 80.000,00 55,3
2º J 240 150,00 36.000,00 116.000,00 80,1
3º A 5 2.000,00 10.000,00 126.000,00 87,1
4º E 5.000 1,50 7.500,00 133.500,00 92,2
5º D 100 50,00 5.000,00 138.500,00 95,7
6º K 300 7,50 2.250,00 140.750,00 97,3
7º L 2.000 0,60 1.200,00 141.950,00 98,1
8º H 50 20,00 1000,00 142.950,00 98,8
9º C 1 800,00 800,00 143.750,00 99,3
10º B 10 70,00 700,00 144.450,00 99,8
11º G 40 4,00 160,00 144.610,00 99,9
12º I 4 30,00 120,00 144.730,00 100,0
TOTAL 144.730,00
Administração de
Materiais 45
e do Patrimônio
Cálculos

CUSTO
ORDEM ÍTEM CÁLCULOS DO CUSTO TOTAL ACUMULADO
TOTAL
R$ R$ TOTAL
1º F 80.000,00 80.000,00 + 0 80.000,0
2º J 36.000,00 36.000,00 + 80.000,00 116.000,0
3º A 10.000,00 10.000,00 + 116.000,00 126.000,00
.... ... ... ....
12º I 120,00 120,00 + 144.610,00 144.730,0

CUSTO
ORDEM ITEM CÁLCULOS DE PERCENTUAIS ACUMULADOS
TOTAL
R$ CÁLCULOS PORCENTUAL
1º F 80.000,00 80.000,00  144.7300 x 100 55,3%
2º J 36.000,00 116.000,00  144.730,00 x 100 80,1%
3º A 10.000,00 126000,00  144.730,00 x 100 87,1%
.... ... ... ....
12º I 120,00 144.730,00  144.730,00 X 100 100,0%
TOTAL 144.730,00

Administração de
Materiais 46
e do Patrimônio
Construção da Curva ABC
%

100

90
80,1
80

70

60
55,3

50

40

30

20

10

0 F J A E D K L H C B G I Itens

Administração de
Materiais 47
e do Patrimônio
Análise dos dados

CLASSE % ITENS VALOR ACUM. IMPORTÂNCIA


A 10 a 20% 60 a 80% Grande
B 30 a 40% 15 a 30% Intermediária
C 50 a 70% 5 a 15% Pequena

N.º VALOR
CLASSE % ITENS ITENS EM ESTOQUE
ITENS ACUM.
A 2 16,7% 80,1% F, J
B 3 25,0% 15,6% A,E,D
C 7 58,3% 4,3% K , L, H , C , B , G , I

Administração de
Materiais 48
e do Patrimônio
Classificação das classes
%

100

90

80

70

60

50

40

30

20 A B C
10

0 F J A E D K L H C B G I Itens

Administração de
Materiais 49
e do Patrimônio
Tendência, sazonalidade e
ciclicidade

CICLICIDADE

DEMANDA
PREVISTA

TENDÊNCIA
DEMANDA
REAL
SAZONALIDADE

PASSADO FUTURO TEMPO


Administração de ATUAL
Materiais 50
e do Patrimônio
Método de Média Móvel

Mês Demanda Cálculos


_______________________________________________________
JAN 4
FEV 9 (4 + 9 + 8)  3 = 7
MAR 8 (9 + 8 + 7)  3 = 8
ABR 7 (8 + 7 + 3)  3 = 6
MAI 3 (7 + 3 + 2)  3 = 4
JUN 2 (3 + 2 + 4)  3 = 3
JUL 4 ...
AGO 2 ...
SET 8 ...
_______________________________________________________

Administração de
Materiais 51
e do Patrimônio
Método da Média Móvel
Ponderada
PERÍODO PESO

(n - 2) 0,2
(n - 1) 0,3
(n) 0,5
(n) 1,0

PE DEM. PESOS CÁLCULOS PREVISÃO


JAN 4 0,2
FEV 9 0,3 4 x 0,2 + 9 x 0,3 + 8 x 0,5 8
= 7,5
MAR 8 0,5
FEV 9 0,2
MAR 8 0,3 9 x 0,2 + 8 x 0,3 + 7 x 0,5 8
= 7,7
ABR 7 0,5
MAR 8 0,2
ABR 7 0,3 8 x 0,2 + 7 x 0,3 + 3 x 0,5 5
= 5,2
MAI 3 0,5
ABR 7 0,2
MAI 3 0,3 7 x 0,2 + 3 x 0,3 + 2 x 0,5 3
= 3,3
JUN 2 0,5
MAI 3 0,2
... ... 0,3 3 x 0,2 + ... x 0,3 + ... x 0,5 ...
Administração de = ...
Materiais ... ... 0,5 52
e do Patrimônio
Método dos Mínimos Quadrados

n
Min  (Di  Dpi)
i 1

n n
 Di  n  a  b  ti
i 1 i 1

n n n

 Di
i 1
 t i  a  t i 
i 1
b  t i
i 1
2

Dpi  a  bxi

Administração de
Materiais 53
e do Patrimônio
Exemplo
Mês Di ti ti2 D i ° ti
JAN 4 1 1 4
FEV 9 2 4 18
MAR 8 3 9 24
ABR 7 4 16 28
MAI 3 5 25 15
JUN 2 6 36 12
JUL 4 7 49 28
AGO 2 8 64 16
SET 8 9 81 72
Soma 47 45 285 217

47 = 9a + 45b
217 = 45a + 285b

a = 6,7
Administração de b = -0,3
Materiais 54
e do Patrimônio
Exemplo

Dpi  6,7  0,3ti

Mês ti Cálculos de Dp i Previsão


OUT 10 6,7 – 0,3 x 10 = 3,7 4
NOV 11 6,7 – 0,3 x 11 = 3,4 3
DEZ 12 6,7 – 0,3 x 12 = 3,1 3
JAN 13 6,7 – 0,3 x 13 = 2,8 3
FEV 14 6,7 – 0,3 x 14 = 2,5 3
MAR 15 6,7 – 0,3 x 15 = 2,2 2

Administração de
Materiais 55
e do Patrimônio
Simulação: exemplo
DIA CONSUMO
1 0
2 0
3 1
4 0
5 0
6 7
7 0
8 2
... ...

CONSUMO N.º DE DIAS % % ACUM.


0 99 55 55
1 27 15 70
2 18 10 80
3 12 7 87
4 9 5 92
5 7 4 96
6 5 3 99
7 2 1 100
Total 180 100
Administração de
Materiais 56
e do Patrimônio
Exemplo

DIA CONSUMO ENTRADAS SALDO


(PREVISÃO) SIMULADO DECIDIDAS SIMULADO
INTERVALO CONSUMO
Estoque
01 – 55 0 Inicial
56 – 70 1 1
71 – 80 2 2
81 – 87 3 3
88 – 92 4 4
93 – 96 5 5
97 – 99 6 6
00 7 ...
Total

Administração de
Materiais 57
e do Patrimônio
Exemplo
N.º INTERVALO CONSUMO
ALEATÓRIO (3.º PASSO) (3.º PASSO)
GERADO
38 01 – 55 0
10 01 – 55 0
51 01 – 55 0
79 71 – 80 2
02 01 – 55 0
70 56 – 70 1

DIA CONSUMO ENTRADAS SALDO


(PREVISÃO) SIMULADO DECIDIDAS SIMULADO
Estoque 20
Inicial
1 0 20
2 0 20
3 0 20
4 2 18
5 0 18
Administração de
Materiais 6 1 17 58
e do Patrimônio
Exemplo de Ficha de
Identificação de Materiais

IDENTIFICAÇÃO DE MATERIAL RECEBIDO


Produto: Lote:
Código: Data: / /
Responsável

( ) Aprovado
( ) Aguardando Inspeção
( ) Reprovado

Administração de
Materiais 59
e do Patrimônio
Exemplo de identificação por
segregação

ÁREA DE RECEBIMENTO
ÁREA DE
MATERIAL
REPROVADO

ÁREA DE MATERIAL
APROVADO
ÁREA DE
MATERIAL EM
INSPEÇÃO

Administração de
Materiais 60
e do Patrimônio
Sistema Dewey
000 – Obras Gerais
100 – Filosofia
200 – Religião
300 – Ciências Sociais
400 – Lingüística
500 – Ciências Puras
600 – Artes Aplicada
700 – Artes e Recreações
800 – Literatura
900 – História
510 – Matemática
520 – Astronomia
530 – Física
540 – Química
550 – Ciências do Solo
560 – Paleontologia
570 – Antropologia
580 – Botânica
590 – Zoologia
541 – Físico-química
542 – Laboratório e Equipamentos
543 – Química Analítica Geral
544 – Química Analítica Qualitativa
545 – Química Analítica Quantitativa
546 – Química Inorgânica
Administração de
Materiais
547 – Química Orgânica 61
e do Patrimônio 548 – Metalografia
549 - Mineralogia
Sistema Decimal Simplificado
Exemplo
00 - 00 - 000

Chave aglutinadora

Chave individualizadora

Chave descritiva

1ª chave 2ª chave 3ª chave

00 – Ferragens 00 – Pregos 000 – tam. 10x10


001 – tam. 13x15
002 – tam. 14x15

01 – Parafusos 000 – cab.red. 1/4x1/8


001 – cab.red 1/4x3/16

Administração de
Materiais 62
e do Patrimônio
FSC
Federal Supply Classification
00 00 0000000

Código de Grupo

Código de Classe

Número de Identificação

FSN

7520 – 123 – 4567

Sendo:

7520 Código de Classe.


1234567 Número de Identificação.
7520-123-4567 FSN.

Administração de
Materiais 63
e do Patrimônio
EAN-8
3 dígitos (cedidos pela EAN) : País
4 dígitos (cedidos pela EAN do Brasil) : Produto
1 dígito (obtido através de cálculo algoritmo): Dígito de controle.

Dígito de
controle

Produto

País

Administração de
Materiais 64
e do Patrimônio
EAN-13
3 dígitos (cedidos pela EAN) : País
5, 4 ou 3 dígitos (cedidos pela EAN do Brasil) : Empresa
4, 5 ou 6 dígitos (cedidos pela EAN do Brasil) : Produto
1 dígito (obtido através de cálculo algoritmo): Dígito de controle

Dígito de
controle
Produto

Empresa

País

Administração de
Materiais 65
e do Patrimônio
EAN/UCC-14

7896023824029 (código EAN-13 que identifica um blister)

17896023824026 (código DUN-14 que identifica um inner)

27896023824023 (código DUN-14 que identifica um master)

Administração de
Materiais 66
e do Patrimônio
Unidade de Consumo

EMBALAGENS UC - UNIDADES DE UTILIZA-SE


NORMAIS DE NORMALMENTE O
APRESENTAÇÃO CONSUMO EAN 13 OU O EAN 8

EMBALAGENS DE EMBALAGENS
EMBALAGENS DE
APRESENTAÇÃO UNITÁRIAS DE
VENDA NO VAREJO
MULTIPACK, APRESENTAÇÃO
COMPOSTAS DE UM
FORMADA POR NORMAL, PORÉM
CONJUNTO DE
VÁRISA PREPARADAS PARA
UNIDADES DE
EMBALAGENS A REALIZAÇÃO DE
APRESENTAÇÃO.
NORMAIS. UMA PROMOÇÃO

Administração de
Materiais 67
e do Patrimônio
Unidade de despacho
UNIDADES DE
DESPACHO

DUN 14
ITF 14 DUN 14 + ITF 6
VARIÁVEL
VARIÁVEL VARIÁVEL
LOGÍSTICA DE 1 A UCC/EAN 128
LOGÍSTICA 0 LOGÍSTICA 9
8 PARA CADA UNIDADES DE
PARA MAIS DE 8 UD DEVIDO A
QUANTIDADE DE DESPACHO MISTA
PARA UM MESMO UTILIZAÇÃO DO ITF
VENDA DE UM
PRODUTO 6
MESMO PRODUTO

IDENTIFICAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO DE
IDENTIFICAÇÃO DE
UMA DETERMINADO UMA EMBALAGEM DE IDENTIFICADORES
NOVE MODALIDADES
TIPO DE EMBALAGEM COMERCIALIZAÇÃO DE APLICAÇÃO 00 E
DE EMBALAGENS DE
DE ASSOCIADA A UMA 400
COMERCIALIZAÇÃO
COMERCIALIZAÇÃO CODIFICAÇÃO ITF 6

Administração de
Materiais 68
e do Patrimônio
Unidade de movimentação

UCC/EAN 128

UNIDADE DE
MOVIMENTAÇÃO
PALETE

IDENTIFICADORES DE APLICAÇÃO

00 - CÓDIGO DE SÉRIE DE UNIDADE


DE DESPACHO

01 - NÚMERO EAN DA UC OU DA UD

10 - BATCH OU NÚMERO DO LOTE

11 - DATA DA PRODUÇÃO

400 - NÚMERO DO PEDIDO DE


COMPRA DO CLIENTE E MAIS 43
IDENTIFICADORES DE APLICAÇÃO
DIFERENTES.

Administração de
Materiais 69
e do Patrimônio
Capítulo 4
Controle de Estoques

Administração de
Materiais 70
e do Patrimônio
Documentos do Controle de
Estoque
DOCUMENTO DE PARA FUNÇÃO
Requisição de Solicitar a aquisição de determinado item
Estoque Compras
Compra para reposição do estoque
Requisição de Solicitar a fabricação de determinado
Estoque Produção
Fabricação item para reposição do estoque
Solicitar informações sobre as condições
Pedido de
Compras Fornecedores de fornecimento de determinado item
Cotação
(preço, prazo etc.)
Proposta ou Informar à empresa compradora as
Fornecedores Compras
Cotação condições de fornecimento
Solicitar a entrega de item ao fornecedor
Pedido de
Compras Fornecedor que melhor atender às condições de
Compra
fornecimento
Formalizar, através de um documento
Nota Fiscal Fornecedor Estoque
legal, a entrega do pedido de compra
Formalizar o pedido de retirada de uma
Requisição de
Usuário Estoque determinada quantidade de um item em
Material
estoque para consumo da empresa
Solicitar inspeções e ensaios para a
Solicitação de Controle da
Estoque verificação dos requisitos especificados
Inspeção Qualidade
do produto entregue, quando necessário
Informar a conformidade, ou não, do
Liberação para Controle da
Estoque produto entregue aos requisitos
Consumo Qualidade
Administração de especificados
Materiais 71
e do Patrimônio
Evolução do estoque real

QUANTIDADE
EM ESTOQUE

CONSUMO CONSUMO
DO ESTOQUE DO ESTOQUE

Reposição do
Estoque
ESTOQUE
REAL

TEMPO

Administração de
Materiais 72
e do Patrimônio
Curva dente-de-serra

QUANTIDADE
EM ESTOQUE
Q
CONSUMO CONSUMO
DO ESTOQUE DO ESTOQUE

Reposição do
Estoque tempo

Administração de
Materiais 73
e do Patrimônio
Demanda Média
Exemplo
D1  D2  ... Dn
DM
n

Dia 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Demanda 3 2 1 1 3 5 1 2 0 2

3  2  1 1 3  5  1 2  0  2 20
DM    2
10 10

Administração de
Materiais 74
e do Patrimônio
Falta por aumento de demanda

QUANTIDADE
EM ESTOQUE

DEMANDA NORMAL

REPOSIÇÃO
DO ESTOQUE

ELEVAÇÃO
DA
DEMANDA

TEMPO

Administração de
Materiais 75
e do Patrimônio
Falta por atraso na entrega

QUANTIDADE
EM ESTOQUE

UTILIZAÇÃO DO
ESTOQUE

REPOSIÇÃO DE
ESTOQUE

FALTA DE
ESTOQUE

TEMPO
ATRASO

Administração de
Materiais 76
e do Patrimônio
Estoque de segurança

ESeg = (DMáx - DM) x (TRMáx - TR)


Qtdade
em
Esto que
Reposição do Estoque

Q Consumo Consumo
do Esto que do Esto que
onde:

ESeg = Estoque de segurança


DMáx = Demanda máxima histórica
DM = Demanda média
TRMáx = Tempo de reposição máximo
Esto que de Segur ança
TR = Tempo de reposição médio
tempo

Administração de
Materiais 77
e do Patrimônio
Nível de Serviço vs
probabilidade de falta

PROBA
BIL
DE FA IDADE
LTA 5%
NÍVEL DE
SERVIÇO
95%

3S 2S 1S DM 1S 2S 3S Demanda

Administração de
Materiais 78
e do Patrimônio
Ponto de Pedido

QUANTIDADE
EM ETOQUE
Q

PP

DM x TR

Eseg

TEMPO
TR

Administração de
Materiais 79
e do Patrimônio
Estoque Médio

QUANTIDADE

Estoque
Q Real

Estoque
Médio
Q/2

Tempo

Administração de
Materiais 80
e do Patrimônio
Composição do custo unitário
de armazenagem
Fatores Descrição Cálculos

Juros médios recebidos em aplicações


Juros Pagos no tempo T
Juros financeiras ou rentabilidade mínima J
Valor Médio do Estoque no tempo T
exigida pela empresa

Aluguel pago pela área de armazena - Custo de Aluguel do Estoque no tempo T


Aluguel CAl 
gem Valor Médio do Estoque no tempo T

Prêmios de seguros pagos pela empresa.


Seguros pagos no tempo T
Seguros O custo de seguro varia com o valor do SEG 
Valor Médio do Estoque no tempo T
estoque segurado

Valor de materiais danificados, obso -


Perdas e Valor das perdas no tempo T
letos e desaparecidos do estoque em PD 
Danos Valor Médio do Estoque no tempo T
um certo intervalo de tempo T

Impostos pagos no tempo T


Impostos Imposto predial, alfandegários e outros IMP 
Valor Médio do Estoque no tempo T

Custos com transporte, manuseio,


Movimentaç ão Custos de Movimentaç ão no tempo T
embalagem, manutenção de equipa - MOV 
Valor Médio do Estoque no tempo T
mentos, etc.

Salários, encargos e benefícios adicio -


Custos de Mão - de - obra no tempo T
Mão - de - Obra nais pagos ao pessoal operacional da MDO 
Valor Médio do Estoque no tempo T
área de estocagem
Despesas com luz, telefone, material
Despesas de escritório , serviços de terceiros, Despesas Gerais no tempo T
DES 
Gerais EPIs, veículos e outras despesas ad - Valor Médio do Estoque no tempo T
ministrati vas

Administração de CAmu  J  Cal  SEG  PD  IMP  MOV


Materiais
Total Custo unitário de armazenagem
 MOD  DES 81
e do Patrimônio
Custo de armazenagem

CUSTO DE
ARMAZENAMENTO .

QUANTIDADE

Administração de
Materiais 82
e do Patrimônio
Composição do custo de pedido
CUSTO DE PEDIDO ADMINISTRATIVO NO PERÍODO T
CUSTO DESCRIÇÃO FATOR
Mão-de- Salários, encargos e benefícios adicionais gasto
MO
obra pela área de Compras
Aluguel Aluguel rateado pago pela área de Compras A
Impostos e Imposto predial, seguros rateados pela área
IS
Seguros ocupada
Equipa- Depreciação ou aluguel de equipamentos
E
mentos utilizados pela área de Compras
Despesas Telefone, energia elétrica, materiais de escritório
DG
Gerais utilizados pela área de Compras
CPA = MO + A +
Total Custo de Pedido Administrativo
IS + E + DG

CUSTO DE PEDIDO VARIÁVEL UNITÁRIO


CUSTO DESCRIÇÃO FATOR

Custo de frete do lote entregue, custo de desembaraço


Externo CPVE
alfandegário do lote etc.
Custo de inspeção do lote, custo de pesagem do veículo
de entrega, custo de mão-de-obra, equipamentos e outras
Interno despesas adicionais devido ao aumento de número de CPVI
pedidos etc.

Administração de
Materiais 83
e do Patrimônio
Custo de pedido

CUSTO DO
PEDIDO

QUANTIDADE

Administração de
Materiais 84
e do Patrimônio
Custo de falta de estoque

CUSTO DE FALTA DE ESTOQUE


CUSTO DESCRIÇÃO FATOR
Salários, encargos e benefícios adicionais
Mão-de-obra referentes ao tempo em que a linha de produção MO
ficou parada
Custo do equipamento referente ao tempo em que
Equipamentos a produção ficou parada por falta do item ou pela E
reprogramação da produção
Custo adicional do material comprado em outros
Material fornecedores MP

Multas contratuais pagas pelo atraso de


Multas fornecimento do produto final da empresa MU
compradora causados pela falta do material
Lucro referente às vendas não-realizadas por
cancelamento de pedidos, ou vendas futuras não-
realizadas causadas pela falta do material, e PR
Prejuízos conseqüente impossibilidade de fornecimento
dentro dos prazos acordados

Administração de
Materiais 85
e do Patrimônio
Custo Médio
Exemplo

EN-
DIA TRADA
SAÍDA SALDO

P.Unit
Qtdade P.Unit Total Qtdade P.Unit Total Qtdade Total
.
01/Mai 2.000 4,00 8.000,00
02/Mai 3.000 4,50 13.500,00 5.000 4,30 21.500,00
03/Mai 1.500 4,30 6.450,00 3.500 4,30 15.050,00
04/Mai 2.000 3,90 7.800,00 5.500 4,15 22.850,00
05/Mai 3.000 4,15 12.463,64 2.500 4,15 10.386,36
06/Mai 1.000 4,15 4.154,55 1.500 4,15 6.231,82

Administração de
Materiais 86
e do Patrimônio
FIFO
Exemplo
DIA ENTRADA SAÍDA SALDO
Qtdade P.Unit. Total Qtdade P.Unit. Total Qtdade P.Unit. Total
01/Mai 2.000 4,00 8.000,00

02/Mai 2.000 4,00 8.000,00


02/Mai 3.000 4,50 13.500,0 3.000 4,50 13.500,00
0
02/Mai 5.000 21.500,00

03/Mai 1.500 4,00 6.000,00 500 4,00 2.000,00


03/Mai 3.000 4,50 13.500,00
03/Mai 3.500 15.500,00

04/Mai 2.000 3,90 7.800,00 500 4,00 2.000,00


04/Mai 3.000 4,50 13.500,00
04/Mai 2.000 3,90 7.800,00
04/Mai 5.500 23.300,00

05/Mai 500 4,00 2.000,00 0 4,00 0,00


05/Mai 2.500 4,50 11.250,00 500 4,50 2.250,00
05/Mai 0 3,90 0,00 2.000 3,90 7.800,00
05/Mai 3.000 13.250,00 2.500 10.050,00

06/Mai 500 4,50 2.250,00 0 4,50 0,00


Administração de 06/Mai 500 3,90 1.950,00 1.500 3,90 5.850,00
Materiais 06/Mai 1.000 4.200,00 1.500 5.850,00 87
e do Patrimônio
LIFO
Exemplo
DIA ENTRADA SAÍDA SALDO
QTDADE P.UNIT. TOTAL QTDADE P.UNIT. TOTAL QTDADE P.UNIT. TOTAL
01/Mai 2.000 4,00 8.000,00

02/Mai 2.000 4,00 8.000,00


02/Mai 3.000 4,50 13.500,00 3.000 4,50 13.500,00
02/Mai 5.000 21.500,00

03/Mai 2.000 4,00 8.000,00


03/Mai 1.500 4,50 6.750,00 1.500 4,50 6.750,00
03/Mai 3.500 14.750,00

04/Mai 2.000 4,00 8.000,00


04/Mai 1.500 4,50 6.750,00
04/Mai 2.000 3,90 7.800,00 2.000 3,90 7.800,00
04/Mai 5.500 22.550,00

05/Mai 2.000 4,00 8.000,00


05/Mai 1.000 4,50 4.500,00 500 4,50 2.250,00
05/Mai 2.000 3,90 7.800,00 0 3,90 0,00
05/Mai 3.000 12.300,00 2.500 10.250,00

06/Mai 500 4,00 2.000,00 1.500 4,00 6.000,00


Administração de 06/Mai 500 4,50 2.250,00 0 4,50 0,00
Materiais 06/Mai 1.000 4.250,00 1.500 6.000,00 88
e do Patrimônio
Comparação entre métodos

Estoque
Método C.P.V. Total
Final
Custo Médio 23.068,18 6.231,82 29.300,00
FIFO 23.450,00 5.850,00 29.300,00
LIFO 23.300,00 6.000,00 29.300,00

Administração de
Materiais 89
e do Patrimônio
Estoque
Método C.P.V. Total
Final
Custo Médio 23.068,18 6.231,82 29.300,00
FIFO 23.450,00 5.850,00 29.300,00
LIFO 23.300,00 6.000,00 29.300,00

Administração de
Materiais 90
e do Patrimônio
Otimização do abastecimento

COMPRAR ALOCAÇÃO DE
PARA QUAL RECURSOS
PERÍODO DE FINANCEIROS
CUNSUMO NO ESTOQUE

OTIMIZAÇÃO
DO ABASTECI-
MENTO

ÁREA E
EQUIPAMENTO CUSTO DE SE
DE REALIZAR O
ARMAZENA- SUPRIMENTO
MENTO

Administração de
Materiais 91
e do Patrimônio
Custos unitários de estoque

CUSTO COMPORTAMENTO EM FUNÇÃO


HIPÓTESES
UNITÁRIO DO AUMENTO DA QUANTIDADE
Aquisição Custo não varia com a Constante
ou quantidade comprada ou Independe da quantidade comprada
fabricação fabricada. ou fabricada.
Redução
Reposição imediata no
Custo do pedido é dividido por uma
Pedido momento em que o estoque
quantidade maior do item
chega a zero.
comprado.
Aumento
Demanda ou consumo
Armazena- Quanto maior a quantidade
constante durante o período
gem estocada, maior a necessidade de
de estocagem.
espaço, seguro, controles etc.
Falta de estoque é Análise específica quando da
Falta
previsível. ocorrência de faltas de estoque.

Administração de
Materiais 92
e do Patrimônio
Lote econômico de compra

CUSTO

CUSTO
TOTAL

CUSTO DE
MANUTENÇÃO
DE ESTOQUE

CUSTO DE
PEDIDO

Q* QUANTIDADE

Administração de
Materiais 93
e do Patrimônio
Lote econômico de compra com
falta de estoque

Qtdade
em
Estoque

Qf Q

tempo
T F

Te Tf

Administração de
Materiais 94
e do Patrimônio
Velocidade de produção vs
demanda

Velocidade
Demanda
de Produção

Estoque Cliente
Fábrica d
p

Administração de
Materiais 95
e do Patrimônio
Lote econômico de fabricação

Qtdade
em
Estoque

Formação
de Estoque Consumo
(p-d) de Estoque
(d)
Qmáx

tempo
Tp Tc

Administração de
Materiais 96
e do Patrimônio
Custeio por ordem de serviço

OUTRAS DESPESAS
FOLHA DE
MATERIAIS DESPESAS DE INDIRETAS DE
PAGAMENTO
FABRICAÇÃO FABRICAÇÃO

PRODUTOS EM PRODUTOS CUSTOS DE


PROCESSO ACABADOS VENDAS

ENTREGA DE
ORDENS DE
PRODUTOS
PRODUÇÃO
PARA OS
COMPLETADAS
CLIENTES

Administração de
Materiais 97
e do Patrimônio
Custeio por processo

FOLHA DE DESPESAS
MATÉRIA-PRIMA PAGAMENTO DA INDIRETAS DE
FÁBRICA FABRICAÇÃO
PRODUTOS
ACABADOS

CUSTO DAS
PROCESSO 1 PROCESSO 2 PROCESSO 3 MERCADORIAS
VENDIDAS

Administração de
Materiais 98
e do Patrimônio
Custeio padrão
VARIAÇÃO DE DESPESAS
CONTAS-A-PAGAR PREÇOS DOS INDIRETAS DE
MATERIAIS FÁBRICAS

PADRÃO REAL
PADRÃO REAL PADRÃO

VARIAÇÃO DOS VARIAÇÃO DA MÃO-


MATÉRIAIS
GASTOS GERAIS DE-OBRA-INDIRETA

PADRÃO PADRÃO

VARIAÇÃODO
PRODUTOS EM PRODUTOS
CONSUMO DE
PROCESSO ACABADOS
MATERIAIS

PADRÂO PADRÂO
PADRÃO PADRÃO

VARIÇÃO DA TAXA E DE
FOLHA DE EFICIÊNCIA DE MAÕ-DE- CUSTOS DAS VENDAS
PAGAMENTO OBRA

Administração de
Materiais
REAL
PADRÃO
99
e do Patrimônio
Capítulo 5
Movimentação e Armazenagem de
Materiais

Administração de
Materiais 100
e do Patrimônio
Agregação de valor para o
cliente

Fornecedor Cliente

Posição Tempo

Transporte
Qua ntid ade

Disponível
para o Cliente

Não agrega valor Agrega valor


para o cliente para o cliente

Administração de
Materiais 101
e do Patrimônio
Excesso de movimentação

BASF

ESTOQUE DE MATERIAIS

A A B
A A B
A A
Trat or

A A
Cliente

Carga por
Descarga
por paletes ? picking

Administração de
Materiais 102
e do Patrimônio
Exemplo: movimentação e
armazenagem de pneus
CAMPO DE APLICAÇÃO

ARMAZENAGEM DO
PRODUTO ACABADO

CARACTERÍSTICA DOS ACONDICIONAMNETO ESTOQUE EMBALAGEM E MANUSEIO E


ARMAZENS ELABORAÇÃO MANUTENÇÃO

CONDIÇÕES MÉTODOS E CONFIABILIDADE EQUIPAMENTOS MÉTODOS E


AMBIENTAIS PRECAUÇÕES PRECAUÇÕES

EQUIPAMENTOS ROTATIVIDADE EQUIPAMENTOS

Administração de
Materiais 103
e do Patrimônio
Modulação de cargas

MODULAÇÃO MODULAÇÃO
EXTERNA INTERNA

MODULAÇÃO
DE CARGAS

EMBALAGEM
MÓDULO DA
DE COMERCIA-
UNIMOV
LIZAÇÃO

ANÁLISE DE
CARGAS
Administração de
Materiais 104
e do Patrimônio
Tipos de armazém

Armazenamento de
Armazém primário
UNIMOV.
Armazenamento de
UNICOM (unidades de
Armazém secundário comercialização) ou
módulo mínimo de
vendas.
Armazenamento de
UNIAP (unidades de
apresentação),
Armazém terciário
embalagens de
apresentação com as
quais os usuários tem
contato direto.

Administração de
Materiais 105
e do Patrimônio
Separação de pedidos

UNICOM
UNIDADE DE
COMERCIALIZAÇÃO

UNIMOV SEPARAÇÃO UNIAP


UNIDADE DE DE PEDIDOS UNIDADE DE
MOVIMENTAÇÃO APRESENTAÇÃO

EXPEDIÇÃO

CLIENTES
Administração de
Materiais 106
e do Patrimônio
Folga mecânica para
armazenagem

ENDEREÇO

VOLUME DO ENDEREÇO
VOLUME DA UNIMOV
UNIMOV FOLGA MECÂNICA

Administração de
Materiais 107
e do Patrimônio
Características dos movimentos
e tipos de equipamentos
CARACTERÍSTICAS DOS
EQUIPAMENTOS
MOVIMENTOS

Programação Monovia ou manipuladores


repetitiva
Roteiro
Programação Empilhadeiras, paleteiros
aleatória

Fluxo contínuo de Correia transportadora, correntes


materiais
Freqüência de
Movimentação
Fluxo intermitente Tratores para movimento
de materiais horizontal

Distâncias curtas e Empilhadeiras, paleteiros


freqüentes
Distâncias
percorridas
Distâncias longas e Comboios tracionados por tratores
sistemáticas industriais

Empilhadeiras elétricas que


Interno evitam a contaminação das
Ambiente mercadorias e dos operários
fabril
Externo Tratores movidos a GLP ou
diesel

Horizontal Tratores industriais, correias,


Direção do correntes
fluxo
Vertical Elevadores de cargas

Administração de Manual Paleteiros


Materiais Acionamento 108
e do Patrimônio Motorizados Empilhadeiras e tratores
industriais
Acesso irrestrito aos itens
estocados

Corredor
Corredor

Corredor

Corredor

Corredor
Administração de
Materiais 109
e do Patrimônio
Armazenamento drive in

Corredor

Administração de
Materiais 110
e do Patrimônio
Armazenamento drive thru

Corredor

Corredor

Administração de
Materiais 111
e do Patrimônio
Cross docking

Área de carga e descarga


Cargas redirecionadas

Área de
material
aprovado

Administração de
Materiais 112
e do Patrimônio
Interação varejistas e
fornecedores
VAREJISTAS FORNECEDORES

ESGOTAMENTO TRANSMISSÃO
DO ESTOQUE INICIA O DO PEDIDO
PEDIDO

PRODUTO
COMPLETA
ACABADO
RECEBE O PEDIDO
A PRODUÇÃO
PARA
E INICIA O E ESTOCA
RETIRA O ARMAZÉM
PROCESSAMENTO
PRODUTO
DA
GÔNDOLA

PROCESSAMENTO PRODUÇÃO
DO PEDIDO
ESTOCAGEM
NA LOJA
AUTORIZA
AS
COLOCA REMESSAS
NA
GÔNDOLA INICIA O
CICLO DE
ESGOTA- PRODUÇÃO
ENTREGA MENTO DO
ESTOQUE DO
FABRICANTE
RECEBE A
REMESSA E
ESTOCAGEM NO
ARMAZENA
ARMAZÉM DO
VAREJISTA INTERFACE
ESTOQUE DE
COMPRA
MATÉRIAS-
MATERIAIS PRIMAS

Administração de
Materiais 113
e do Patrimônio
Racionalização de roteiros de
coleta e entrega
FORNECEDOR

FORNECEDOR FORNECEDOR

FORNECEDOR FORNECEDOR

COLETAS
PROGRAMADAS
OPERADORA
LOGÍSTICA
ENTREGA
CONSOLIDADA
LOJA LOJA

LOJA LOJA

Administração de
Materiais
LOJA 114
e do Patrimônio
Operação com contêineres
UNIAP CONTEINER
CARREGAMENTO
DEPÓSITO DA
INDÚSTRIA DO
INDÚSTRIA
CONTEINER

CONTEINER
CARREGAMENTO DE
RETORNO DO CONTEINER CAMINHÕES
DESMONTADO

TRANSPORTE
DESCARREGAMENTO
DO
DO CAMINHÃO
CONTEINER

CARREGAMENTO TRANSPORTE
DEPÓSITO
DO DO
CENTRAL
CAMINHÃO CONTEINER

DESCARREGAMENTO
DE CAMINHÕES

CONTEINER CONTEINER
MOVIMENTAÇÃO
Administração de PONTO DE
VENDAS
NA ÁREA DE SUPERMERCADO

Materiais
VENDAS
115
e do Patrimônio
Capítulo 6
Supply Chain

Administração de
Materiais 116
e do Patrimônio
Desenvolvimento do Supply
Chain

DEFINIÇÃO MEIOS
Mecanismos de cooperação entre os Previsões de demanda
fabricantes e distribuidores, para Geração de pedidos
assegurar eficiência geradora de ganhos Programação da produção
contínuos no processo de suprimento, Programação da distribuição
desde o primeiro fornecedor até o EDI – Comércio eletrônico
consumidor final. SIG – Sistema de informações gerenciais

Administração de
Materiais 117
e do Patrimônio
Supply Chain Management

PROCESSOS
DONEGÓCI
O

SUPPLY CHAIN
MANAGEMENT

COMPONENTES ESTRUTURA
DE GESTÃ DACADEIA
ABASTECIME
DE
O NTO

Administração de
Materiais 118
e do Patrimônio
Processos críticos do Supply
Chain

EMBALAGENS PREVISÕES DE
IDENTIFICAÇÃO DE ESTOQUES,
VENDAS,
PRODUTOS E LOCAIS RELAÇÕES DE DE
CAPACIDADE
DE MONITORAMENTO PLANEJAMENTO ARMAZÉNS,
FABRICAÇÃO,
NEGÓCIOS DE ESTOCAGEM.
DE PRODUTOS CAPACIDADE
EDI CUPONAGEM DE
QUOTAS
FORNECEDORE
VENDAS,
S, CLIENTE
S

GERAÇÃO
CONTAS A
CONTAS
PAGAR A SISTEMAS DE PROPOSTA
DE
AUTORIZAÇÕE
S
GESTÃO DE
RECEBER FINANÇAS SCM GERAÇÃO DE MODIFICAÇÕE
S
RELAÇÕES
CAIXA
SEGUROS,
BANCÁRIAS DEMANDA SATISFAÇÃO
S
TRACKING
REVISÕES
AUDITORIA

ABASTECIMENT
RECEPÇÃO EM O EX-
ALOCAÇÃO
FÁBRICA
MONITORAMENTO
CDs
GESTÃO DE DEESTOQUE
DE PRODUTO
FATURAMENT
S DISTRIBUIÇÃO RECEBIMENTO
S
ESTOQUE FORNECEDOR
DE
O ENTREGA OPERAÇÕES DESPACHOS
ES
SRETORN
DECLIENTE
O ROTERIZAÇÃ
S
O

MONITORAR
ATIVOS
PRODUTOS
RECURSOS
DOCUMENTOS
HUMANOS

Administração de
Materiais 119
e do Patrimônio
Exemplo de implementação de
cadeia de suprimentos local
USUÁRIOS E
CONSUMIDORE
S FORNECEDORE
SDE
INDUSTRIAI
EMPRESAS
S

LEITURA
PEDIDOS JUST IN
SCANNER TIME
ÓPTICA

ARMAZENAMENT
O DE
-PRIMAS,
MATÉRIAS
SISTEMA DE MATERIAL
DE EMBALAGEM
REPOSIÇÃO ARMAZÉM ESEMI-
VAREJISTA ACABADOS
AUTOMÁTIC AUTOMÁTIC
A ESTOQUES
DE O

ROUTING DE
ENTREGA

LEITURA ÓTICA
PRODUTOS MOVIMENTAÇÃ
NA JUST IN
ACABADOS DOS
O MATERIAIS TIME
DA FÁBRIC
A

FABRICAÇÃ
O

Administração de
Materiais 120
e do Patrimônio
Exemplo de implementação de
cadeia de suprimento global
INSTRUÇOES CONFIRMAÇÃO DE
DE
EMBARQUE ENTREGA POR
POR EDI LEITURA ÓPTICA
REGISTRO DE NOTAS FISCAIS COM
COLETA BARRAS
SELO DE SELO DE TEMPO
TEMPO

FORNECEDORE
S
CLIENTE
S

INTERFACE COM OS
CLIENTES E
FORNECEDORES
EDI
PLANEJAMENTO E
OPERADOR DE CODIFICAÇÃO DE ROTAS
DESPACHO INTERFACE COM
TRANSPORTADORAS
MEIOS DE
RASTREABILIDADE DAS
ENTRADAS E SAÍDAS

Administração de
Materiais 121
e do Patrimônio
Tecnologia de Informação em
processo crítico
AVISO
DESPACH
DE
ROMANEIO
OPOR
COM CÓDIGOS
ARMAZÉM EDI
DE BARROS AUTOMATIZADO

ENTREGAS
AVISO DE SCAN DA NOTA FISCAL
RECPÇÃO SCAN DO PRODUTOS
RASTREAR RECIBO VALIDADO
POR EDI TIME STAMP
DOCUMENTOS
COM CÓDIGOS
DE BARRAS

PRODUTOS
ESCANEADOS
AO
EMBARCAR

Administração de
Materiais 122
e do Patrimônio
Tecnologia de Informação em
processo crítico

UPLOAD
ARMAZÉM DOSD ADO
AUTOMATIZADO REGISTRO
S
ATUALIZADO
S
S

ROMANEIO
CÓDIGO
COM
BARRA
DE
S

EM CADA ENTREGA FAZ-


SE A LEITURA ÓPTICA
DOWNLOAD DE DOCUMENTOS
COMPUTADOR DE EMBALAGENS
RASTREAR BORDO SELO DE TEMPO
VALIDA-SE RECIBO
DOCUMENTO
OS
CODIFICADO
S
S

PRODUTOS LIDOS
OPTICAMENTE NO
EMBARQUE

Administração de
Materiais 123
e do Patrimônio
Requisitos e efeitos da cadeia
de suprimentos
CADEIA DE SUPRIMENTO
REQUISITOS EFEITOS
Encorajar a troca de informações sobre Atender às necessidades de serviços dos
as empresas. diversos clientes da cadeia.
Conscientizar sobre a necessidade de Manter esse serviço dentro do espirito da
uma integração. responsividade.
Construir, em conjunto, um modelo de Controlar os custos envolvidos nos
gestão da Cadeia de Suprimento. diversos elos da cadeia.
Estabelecer um clima de confiança entre Reconhecer a importância da função
os parceiros. consumidora.
Distribuir de maneira adequada os Reconhecer a importância da função
benefícios auferidos pelo sistema. supridora.
Estabelecer padrões de comportamento Atentar para as interligações entre as
e operacionais entre os vários funções internas e externas às empresas.
participantes da cadeia de suprimento.
Possibilitar ao cliente facilidades para Ter sempre produto para atendimento do
compra. cliente.
Desenvolver linhas de produtos Reduzir os estoques ao longo de toda a
adequadas. Cadeia de Suprimento.
Garantir alta qualidade, baixo preço e Eliminar o repasse de ineficiências de um
serviços de alto padrão perceptíveis elo da cadeia, para o elo subseqüente.
como valor pelo cliente.

Administração de
Materiais 124
e do Patrimônio
Recebimento e verificação de
mercadorias no varejo
LOGVAR1

DOCAS DE ÁREA DE ÁREA DE ÁREA DE


RECEBIM ENTO RECEBIM ENTO VERIFICAÇÃO M ARKETING

DESENPACOTAMENTO.
DESCARREGAMENTO CONTAGEM E
VERIFICAÇÃO DOS AS MERCADORIAS
DAS MERCADORIAS E VERIFICAÇÃO DAS
DANOS, FALTAS E RECEBEM O PREÇO DE
DESLOCAMENTO PARA EMBALAGENS.
CONFERENCIA COM O VENDA DETERMINADO
A ÁREA DE PREPARAÇÃO DO
PEDIDO. PELO MARKETINK
RECEBIMENTO REALTÓRIO DE
RECEBIMENTO

ARM AZEM OU
ÁREA DE
CENTRO DE
VENDAS DISTRIBUIÇÃO

Administração de
Materiais 125
e do Patrimônio
Consolidação de mercadorias
no varejo

FORNECEDOR FORNECEDOR FORNECEDOR

CONSOLIDADOR
FORNECEDOR DE FORNECEDOR
MERCADORIAS

PONTO DE
Administração de VENDAS
Materiais 126
e do Patrimônio
Embalagem de comercialização
e unidade de movimentação

1,
80
m

1,20 m
Administração de
1,0 m
Materiais 127
e do Patrimônio
Embalagens para distribuição
no varejo

UNIMOV
INDÚSTRIA

UNICOM
COMÉRCIO

UNIAP
USUÁRIO

Administração de
Materiais 128
e do Patrimônio
Controle de lotes

FÁBRICA

De outro lado, em pedidos


grandes, o fornecedor
deverá produzi-lo ao longo
do tempo e não compensa
armazenar tudo para
depois realizar um único
despacho.

ATACADISTA

VAREJO

A quantidade comprada
poderá não coincidir com a
quantidade despachada.
Algumas lojas não aceitam
a entrega em várias
remessas, porque não
querem perder o controle.

USUÁRIO
DOS
Administração de PRODUTOS
Materiais 129
e do Patrimônio
Controle das mercadorias no
varejo
Esta área de entrada
RECEBIMENTO
das mercadorias,
poderá ser dividida
em recebimento,
controle, marcação e CONTROLE
armazenagem.

MARCAÇÃO

A área de saída
poderá ser dividida
em separação, ARMAZENAGEM
etiquetagem e
movimentação para
o ponto de vendas. SEPARAÇÃO

ETIQUETAGEM MOVIMENTAÇÃO

PONTO DE VENDAS

Administração de
Materiais 130
e do Patrimônio
Capítulo 7
Administração do Patrimônio

Administração de
Materiais 131
e do Patrimônio
Crescimento do circulante

ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO

PASSIVO
ATIVO CIRCULANTE
PASSIVO CIRCULANTE
ATIVO CIRCULANTE
CIRCULANTE

PATIMÔNIO PATRIMÔNIO
LÍQUIDO LÍQUIDO
IMOBILIZADO IMOBILIZADO

Administração de
Materiais 132
e do Patrimônio
Modelo de comercialização de
empresa industrial
ATIVO ATIVO

CAIXA CAIXA

PRODUTOS
DUPLICATAS
EM
A RECEBER
PROCESSO

MATÉRIAS- PRODUTOS
PRIMAS ACABADOS

ATIVO MATÉRIAS-
PERMANENTE PRIMAS

PRODUTOS
EM
PROCESSO

ATIVO
PERMANENTE

Administração de EMPRESA
EMPRESA
INDUSTRIAL E
Materiais INDUSTRIAL
COMERCIAL
133
e do Patrimônio
Modelo de desenvolvimento
interno

PASSIVO PASSIVO

PASSIVO
CIRCULANTE

PASSIVO
CIRCULANTE

PATRIMÔNIO
LÍQUIDO

PATRIMÔNIO
LÍQUIDO

Administração de
Materiais 134
e do Patrimônio
Modelo de crescimento do
capital de giro

ATIVO PASSIVO

PASSIVO
CIRCULANTE

ATIVO
CIRCULANTE CGP2

CGP1

PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
IMOBILIZADO

Administração de
Materiais 135
e do Patrimônio
Modelo do capital de giro
próprio

ATIVO PASSIVO

PASSIVO
CIRCULANTE
ATIVO
CIRCULANTE
OU CAPITAL
EM GIRO
CGP
PATRIMÔNIO
LÍQUIDO

IMOBILIZADO

Administração de
Materiais 136
e do Patrimônio
Modelo de financiamento de
capital de giro

ATIVO PASSIVO

PASSIVO
CIRCULANTE

ATIVO
PASSIVO DE
CIRCULANTE CGP2
LONGO
PRAZO

CGP1

PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
IMOBILIZADO

Administração de
Materiais 137
e do Patrimônio

Você também pode gostar