Você está na página 1de 22

Prof. Ms.

Vinícius de Aquino Braga


 Processo pelo qual os indivíduos organizam e
interpretam impressões sensoriais com a
finalidade de dar sentido ao ambiente (ROBBINS,
2005).

 Geralmente há desacordo entre o que a pessoa


percebe e a realidade objetiva.

 O que interessa ao comportamento


organizacional é o mundo na forma como é
percebido.

 Uma série de fatores operam para moldar e, por


vezes, distorcer a percepção.
 Fatores no observador: Se você acredita que
policiais sejam sempre autoritários, você
tenderá a percebê-los dessa forma.

 Fatores no alvo: Pessoas barulhentas chamam


mais a atenção do que pessoas quietas.

 Fatores da situação: Localização,


temperatura, iluminação, etc.
 Difere da percepção de objetos inanimados.

 Teoria da atribuição: Proposta para explicar


porque julgamos as pessoas diferentemente
conforme o sentido que atribuímos a um
dado comportamento

 Tal teoria sugere que, ao observarmos o


comportamento de alguém, julguemos se as
causas são internas ou externas.
 Causa interna: comportamentos que
percebemos como estando no controle do
indivíduo
 Causa externa: comportamentos que
escapam ao controle do indivíduo

 Ex.: Se um indivíduo chega atrasado ao


trabalho, a causa será interna se ele tiver
acordado tarde e perdido a hora; e será
externa se tiver havido um acidente no
percurso que ele faz e formado um
engarrafamento.
 Fatores que determinam a causa:

- Diferenciação: diz se o indivíduo mostra ou não


comportamentos diferentes em situações
diversas. Ex.: se o indivíduo não costuma chegar
atrasado;

- Consenso: respostas semelhantes para situações


parecidas. Ex.: outros colegas que fazem o
mesmo percurso se atrasaram também?

- Coerência: a pessoa sempre age da mesma


forma? Ex.: o funcionário sempre chega dez
minutinhos atrasado.
 Erro fundamental de atribuição: quando
julgamos o comportamento de outras
pessoas tendemos a subestimar as causas
externas e a superestimar as internas;

 Viés de autoconveniência: tendência de


projetar em causas externas os próprios
fracassos e a atribuir a causas internas o
próprio sucesso.
 Percepção seletiva: como não podemos
assimilar tudo de uma vez, assimiliamos um
pouco de cada vez, que é percebido
seletivamente de acordo com nossos
interesses, experiências passadas e atitudes.

 Efeito de Halo: quando construímos uma


percepção sobre alguém baseada em uma
única característica.
 Efeitos de contraste: nossa reação a uma
pessoa é sempre influenciada pelas outras
que encontramos recentemente.

 Projeção: pressupomos no outro


características nossas.

 Estereotipagem: quando julgamos alguém


com base em um grupo no qual a pessoa faz
parte ou pressupomos que faça.
 Entrevistas de seleção;

 Expectativas sobre desempenho (Profecia


auto-realizadora, efeito Pigmaleão);

 Generalização do perfil étnico;

 Avaliação do desempenho;

 Esforço do funcionário.
 As decisões são tomadas em relação a
problemas e estes dependem das percepções
para serem entendidos como tais;

 Para tomar decisões que otimizem e


maximizem resultados, as pessoas devem
priorizar um processo racional de tomada de
decisão
 1 – Clareza do problema;
 2 – Conhecimento das opções;
 3 – Clareza das preferências;
 4 – Preferências constantes;
 5 – Ausência de limitação de tempo ou
custos;
 6 – Retorno máximo
 Potencial criativo – A maioria de nós tem
potencial criativo, desde que estejamos
dispostos a despertá-lo;

 A criatividade se apresenta como capacidade


de pensar de maneira diferente, sair dos
esquemas traçados habitualmente;
 Limitação da racionalidade;

 Erros e vieses mais comuns:

- Excesso de confiança
- Ancoragem
- Confirmação
- Disponibilidade
- Representatividade
- Escalada do comprometimento
- Aleatoriedade
- Compreensão tardia
 Diferenças individuais:
- Estilos de decisão
- Gênero
 Intuição;

 Limites organizacionais
- Avaliação de desempenho
- Sistemas de recompensa
- Regulamentações formais
- Tempo
- Precedentes históricos;

 Diferenças culturais
 Critérios para decisões éticas:

- Utilitarismo
- Foco nos direitos
- Justiça