Você está na página 1de 20

Introdução a Técnicas de Medidas

23 de março de 2018

Decaimento Radioativo

Capítulos 5 (seções 5.1 a 5.7)

Introdução à Física Nuclear


H. Schechter e C. Bertulani

1
Introdução

Os isótopos estáveis ocupam uma estreita faixa da tabela de isótopos.

2
Decaimento Radioativo

Equação do decaimento:

𝑑𝑁 𝑡 = −λ𝑁 𝑑𝑡

Onde λ é a constante de decaimento do isótopo para o processo em questão.

A taxa com que esta substância se desintegra é medida pela 𝐴𝑡𝑖𝑣𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝐴 𝑡

𝑑𝑁
𝐴 𝑡 =− = 𝜆𝑁.
𝑑𝑡

O Número 𝑁 de átomos radioativos presente na amostra no tempo 𝑡 é dado


por:
𝑁 𝑡 = 𝑁0 𝑒 −𝜆𝑡

Onde 𝑁0 é o número de átomos no instante 𝑡 = 0.

3
Com a equação anterior podemos determinar a expressão para a meia-vida,
N(t1/2) = No/2 :

𝑙𝑛2 0,693
𝑡1/2 = =
𝜆 𝜆

Se considerarmos o valor 1/e do valor inicial, o tempo 𝜏 necessário para que


isso ocorra é definido como a vida-média :

𝜏 = 1/𝜆.

Decaimento Múltiplos

Se houver mais de um modo de decaimento com 𝜆1 , 𝜆2 , 𝜆3 etc., o número


de átomos N(t) a cada instante será dado por:

𝑁 𝑡 = 𝑁0 𝑒 −𝜆1𝑡 . 𝑒 −𝜆2𝑡 . 𝑒 −𝜆3𝑡 … = 𝑁0 𝑒 −𝜆𝑡 , com 𝜆 = 𝜆1 + 𝜆2 +𝜆3 + …

A atividade pelo modo de decaimento k será:

𝑑𝑁
𝐴𝑘 = − 𝑑𝑡 𝑘
= 𝜆𝑘 𝑁 = 𝜆𝑘 𝑁0 𝑒 −𝜆𝑡 .
4
Exercício:

Considerando que o 252Cf tem uma meia-vida total t1/2=2,645 anos e


que sua meia-vida devido ao decaimento por fissão (t1/2)fissão é de 85
anos, qual seria o valor da meia-vida devido ao decaimento por
emissão de partículas-alfas (t1/2)alfa?

O 252Cf só decai por esses dois modos de decaimento.

5
Decaimentos sucessivos

Outro caso a ser considerado é a ocorrência de decaimentos


sucessivos:
𝜆1 𝜆2 𝜆3 𝜆𝑘−1
𝑁1 ՜ 𝑁2 ՜ 𝑁3 ՜ ... 𝑁𝑘 .

A substância 1, com número inicial de átomos N1(0) decai com


atividade 𝜆1 𝑁1 (𝑡) na substância 2, que por sua vez é radioativo e
decai com uma atividade 𝜆2 𝑁2 (𝑡) na substância 3, e assim
sucessivamente até atingir a substância k, que é estável.

𝑑𝑁𝑖
= 𝜆𝑖−1 𝑁𝑖−1 − 𝜆𝑖 𝑁𝑖 𝑖≥2 .
𝑑𝑡

Resolvendo-se esse sistema de equações para a situação em que o


núcleo 1 decai para o núcleo 2 que por sua vez decai para o núcleo 3
que é estável, tem-se:
𝑁1 𝑡 = 𝑁1 0 𝑒 −𝜆1𝑡 ,
𝜆
𝑁2 𝑡 = 𝑁1 0 𝜆 −1𝜆 (𝑒 −𝜆1𝑡 − 𝑒 −𝜆2𝑡 ),
2 1
𝜆2 −𝜆1 𝑡 𝜆1 −𝜆2 𝑡
𝑁3 = 𝑁1 0 . 𝑒 +𝜆 𝑒 +1 .
𝜆1 − 𝜆2 2 − 𝜆1

6
As atividades correspondentes são dadas por:

𝐴1 𝑡 = 𝜆1 𝑁1 = 𝜆1 𝑁1 (0)𝑒 −𝜆1𝑡

𝜆2
𝐴2 𝑡 = 𝜆2 𝑁2 = 𝐴1 𝑡 1 − 𝑒 −(𝜆2−𝜆1)𝑡 .
𝜆2 −𝜆1

Exemplo:

Consideremos o exemplo da produção de Iodo-123 no IEN:

7
Reação:

124 123 𝛽+ 123 𝛽+ 𝛽+


123 123
𝑋𝑒(𝑝, 2𝑛) 𝐶𝑠 𝑋𝑒 𝐼 𝑇𝑒.

Exercício:

Considerando que:
𝑁1 (0) = 1000;
𝜆1 = ln2/2,08(h) = 0,333 h-1
𝜆2 = ln2/13,2(h) = 0,052 h-1
Com o auxílio de um gráfico traçado em papel milimetrado determine o tempo
de espera necessário para a extração do Iodo-123 produzido com a irradiação
do 124Xe.

8
Reação:
124 123 𝛽+ 123 𝛽+ 𝛽+
123 123
𝑋𝑒(𝑝, 2𝑛) 𝐶𝑠 𝑋𝑒 𝐼 𝑇𝑒.

1000

900 123Te
123Xe
800

700
Número de átomos

600

500

400

300

200

123I
100

0
0 10 20 30 40 50 60
Tempo (horas)

Determinação do tempo de espera após a irradiação para a extração do Iodo-123 produzido.


9
1000
123Te

100
Número de átomos

123I

10

123Xe

1
0 10 20 30 40 50 60
Tempo (horas)

10
Produção de uma substância radioativa

As taxas de produção de um determinado radioisótopo é geralmente


constante e depende da energia e fluxo das partículas incidentes - exemplo
os nêutrons de um reator ou partículas de um acelerador.

Seja P a taxa com que a substância de interesse é produzida. Então:

𝑑𝑁
= − 𝜆𝑁 + 𝑃
𝑑𝑡

Cuja solução é:

𝑃
𝑁= 1 − 𝑒 −𝜆𝑡 ,
𝜆

E a atividade:

𝐴 = 𝜆𝑁 = 𝑃 1 − 𝑒 −𝜆𝑡 .

11
Consideremos a condição de produção de Flúor-18 no IEN

𝑀𝐵𝑞
𝑃 ≅ 37 e 𝑇1/2 = 109 𝑚𝑖𝑛

35
Thousands

30

25
At (min-1)

20

15

10

0
0 50 100 150 200 250
t(min)
12
𝑡
𝐴 −𝑙𝑛2.
𝑇1/2
= 1−𝑒
𝑃
1

0.9

0.8

0.7

0.6
A(t)/P

0.5

0.4

0.3

0.2

0.1

0
0.0 0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5
t / T1/2

13
Equilíbrio Secular

Na série de decaimento radioativo:

𝜆1 𝜆2 𝜆3 𝜆𝑘−1
𝑁1 ՜ 𝑁2 ՜ 𝑁3 ՜ ... 𝑁𝑘 .

O conjunto está em equilíbrio secular quando o número de átomos de cada


nuclídeo permanece praticamente constante:

𝑑𝑁1 𝑑𝑁2
= = … ≅0 ou
𝑑𝑡 𝑑𝑡

𝜆1 𝑁1 = 𝜆2 𝑁2 = 𝜆3 𝑁3 = …

Tendo em vista que:

𝑑𝑁
= − 𝜆𝑁
𝑑𝑡

Então o equilíbrio só ocorre quando 𝜆1 for muito próximo de zero, ou 𝑇1/2


muito grande.
14
Séries Radiativas Naturais

4𝑛 + 2 4𝑛 + 3 4𝑛 + 0

15
A independência das séries se deve ao fato não terem elementos em comum.

Nuclídeo Modo de Meia-vida MeV Produto do


decaimento decaimento
234Th
Urânio-238 α 4,5 bilhões anos 4.270
tório-234 β- 24.6 dias 0.273 234mPa

Protactinio- β- 99.84 % 2.271 234U


1.4 min 234Pa
234m ϒ 0.02 % 0.074
Protactínio-234 β- 6.70 h 2.197 234U

Urânio-234 α 245500 a 4.859 230Th

Tório-230 α 75380 a 4.770 226Ra

Radio-226 α 1602 a 4.871 222Rn

Radônio-222 α 3.8235 d 5.590 218Po

α 99.98 % 6.115 214Pb


Polônio-218 3.10 min
β- 0.02 % 0.265 218At

α 99.90 % 6.874 214Bi


Astato-218 1.5 s
β- 0.10 % 2.883 218Rn

Radônio-218 α 35 ms 7.263 214Pb

Chumbo-214 β- 26.8 min 1.024 214Bi

β- 99.98 % 3.272 214Po


Bismuto-214 19.9 min 210Tl
α 0.02 % 5.617
Polonio-214 α 0.1643 ms 7.883 210Pb

Tálio-210 β- 1.30 min 5.484 210Pb

Chumbo-210 β- 22.3 a 0.064 210Bi

β- 99.99987% 1.426 210Po


Bismuto-210 5.013 d 206Tl
α 0.00013% 5.982
Polônio-210 α 138.376 d 5.407 206Pb

Tálio-206 β- 4.199 min 1.533 206Pb

16
Datação Nuclear

Para a determinação de idades geológicas são utilizados isótopos com meias-


vidas muito longas, remanescentes da formação do sistema solar.

Sejam P0, t0 e λ os parâmetros de decaimento do núcleo Pai no núcleo Filho


F.
Podemos dizer que:

𝑃 + 𝐹 = 𝑃0 + 𝐹0 e 𝑃 = 𝑃0 𝑒 −𝜆(𝑡−𝑡0) .

Tem-se:
𝑃 1+𝐹0 Τ𝑃0
𝑒 −𝜆(𝑡−𝑡0) = = .
𝑃0 1+𝐹 Τ𝑃

Onde λ, e F/P podem ser medidos e F0/P0 requer uma hipótese para a
determinação de ∆𝑡.

17
A alternativa é usar um isótopo estável do Filho – F’

𝑃+𝐹 𝑃0 + 𝐹0
= , 𝑐𝑜𝑚 𝐹 ′ = 𝐹′0
𝐹′ 𝐹′0

Que resulta:
𝐹 𝑃 𝐹0
= 𝑒 𝜆(𝑡−𝑡0) − 1 + .
𝐹′ 𝐹′ 𝐹′0

Os isótopos usados em geocronologia são:

Núcleo Pai Núcleo Filho Meia-vida Núcleo


(P) (F) (109 anos) Estável (F’)
238U 206Pb 4,47 204Pb

235U 207Pb 0,70 204Pb

232Th 208Pb 14,0 204Pb

87Rb 87Sr 48,8 86Sr

40K 40Ar 11,9 36Ar

147Sm 143Nd 106 144Nd

18
Datação – 87Rb (T1/2= 4,53 x 109 anos)

Datação – 14C (T1/2= 5730 anos)

Razão encontrada na atm: 1 átomo de 14C para 1012 átomos de 12C.

Comprometimento do uso da técnica por interferências humanas.


19
Julio Cezar Suita

suita@ien.gov.br

Ramal: 3850

20