Você está na página 1de 38

INTRODUÇÃO A

ECONOMIA

1
ECONOMIA e MERCADO
1.1 - Conceito de Economia -
EVOLUÇÃO DOS
EVOLUÇÃO DA
CONCEITOS
HUMANIDADE
ECONÔMICOS

1) Fim da Confrontação Ideológica


entre as superpotências;
Fatores que contribuíram
2) Formação dos blocos econômicos;
para as mudanças dos
3) Consolidação de uma nova
conceitos econômicos para
concepção competitiva;
às novas realidades da
4) A Globalização;
sociedade:
5) Crescimento das organizações não-
governamentais;
6) Instalação da era pós-industrial;
7) Revisão autocrítica do papel da
empresa moderna;

2
ECONOMIA e MERCADO
1.1 - Conceito de Economia -
LIMITAÇÕES
TECNOLÓGICAS
INTEGRAÇÃO
DAS LIMITAÇÕES
COMPLEXAS DO ESPAÇO
VARIÁVEIS GEOGRÁFICO
ATIVIDADE
ECONÔMICA

LIMITAÇÕES
LIMITAÇÕES
DOS MEOS
DO PODER ASPECTOS
NATURAIS
FINANCEIRO CULTURAIS E
POLÍTICOS

Procurar compreender , em toda sua extensão, esses eixos de


sustentação é a tarefa mais importante dos que se dedicam à
economia WAGNER QUEIROZ ALMEIDA
Denise Flouzat
3
ECONOMIA e MERCADO
Ocupam-se dos diferentes aspectos do
Ciências Sociais
comportamento humano
Trata-se das relações entre a nação e o Estado, das
Ciência Política formas de governo e da condução dos negócios
públicos
Ocupa-se das relações sociais e da organização
Sociologia
estrutural da sociedade
Volta-se para o estudo da origens e da evolução, da
Antrolopogia Cultural organização e das diferentes formas de expressão
cultural do homem;
Ocupa-se do comportamento do homem, de suas
Psicologia
motivações, valores e estímulos
Cabe fixar, com precisão ditadas pelos usos ,
Direito costumes e valores da sociedade , as normas que
regularão os direitos e obrigações individuais e sociais
Compete o estudo da ação econômica do
homem,envolvendo essencialmente o processo de
Economia produção , a geração e a apropriação da renda, do
dispêndio e da acumulação 4
ECONOMIA e MERCADO

Antropologia
Direito cultural

Filosofia
Psicologia
Economia

Ética Sociologia

Política

5
ECONOMIA e MERCADO
Recursos Disponíveis Organização Necessidades Humanas

Escassez Emprego Produção Agentes

Agregados
Moeda Trocas Economia Valor

Preços
Concorrência Equilibrio

Transações
Remunerações Crescimento
Mercados

A economia é a ciência que estuda as formas de comportamento humano


resultante da relação existente entre as ilimitadas necessidades a satisfazer e os
recursos que , embora escassos, se prestam a usos alternativos
José P. Rosseti6
ECONOMIA e MERCADO
Economia é o estudo da organização social através do qual os homens
satisfazem suas necessidades de bens e serviços escassos
Umbreit, Hunt e Kinter

Economia é a ciência voltada para a administração dos escassos recursos das


sociedades humanas: ela estuda as formas assumidas pelo comportamento
humano na disposição onerosa do mundo exterior, decorrente da tensão entre
desejos ilimitáveis e meios limitados
Barre

Não houvesse escassez nem necessidade de repartir os bens entre os homens,


n”ao existiam sistemas econômicos nem economia. A economia é,
fundamentalmente, o estudo da escassez e dos problemas dela decorrente
Stonier E Hague

7
ECONOMIA e MERCADO

A MICROECONOMIA é aquela parte da teoria econômica que estuda o


comportamento das unidades, tais como os consumidores, as indústrias e
empresas, e suas inter-relações.

A MACROECONOMIA, pelo contrário, ocupa-se do comportamento global do sis-


tema econômico refletido em um número reduzido de variáveis, como o produto total
de uma economia, o emprego, o investimento, o consumo, o nível geral de preço
etc.

8
ECONOMIA e MERCADO

Se ocorre um problema forte de desemprego no setor automobilistico em função da


redução das exportadores em virtude da crise mundial, na sua opinião, qual teoria
econômica estamos destacando. global da economia ?

Se o Ministério da Fazenda, por exemplo, anuncia que a inflação caiu 2% em


relação ao mês anterior e que o número de empregos aumentou, está destacando o
que, em sua opinião ?

9
ECONOMIA e MERCADO
A Lei da Escassez
Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da
escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos
recursos escassos disponíveis a cada sociedade;

Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os


desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não
importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato
produzida

Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital


(este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas
etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens.

Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em


desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só
existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro
apareceria de graça.
10
ECONOMIA e MERCADO
A Lei da Escassez
A realidade demonstra que a escassez dos recursos disponíveis acaba
por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos".

Por exemplo: as jazidas de minério de ferro são abundantes, porém, o


minério pré-usinável, as chapas de aço e finalmente o automóvel são
bens econômicos escassos.

Logo, o conceito de escassez econômica deve ser entendido como a


situação gerada pela razão de se produzir bens com recursos limitados,
a fim de satisfazer as ilimitadas necessidades humanas

Poder-se-ia perguntar por que são os bens procurados (desejados)?

A resposta é relativamente simples: um bem é procurado porque é útil.


Por
utilidade entende-se "a capacidade que tem um bem de satisfazer uma
necessidade humana".
11
ECONOMIA e MERCADO
Bem e Necessidade Humana

BEM é tudo aquilo capaz de atender uma necessidade humana. Eles


podem ser: materiais ou imaterias;

MATERIAIS: são aqueles que se pode atribuir-lhes características


físicas de peso, forma, dimensão. Exemplos: automóvel, moeda,
borracha, café, relógio etc.;

IMATERIAIS: são os de caráter abstrato, tais como: a aula ministrada,


a hospedagem prestada, a vigilância do guarda noturno etc. (em geral
todos os serviços prestados são bens imateriais, ou seja, se acabam
quase que simultaneamente à sua produção).

12
ECONOMIA e MERCADO
Dois Problemas surgem:

O primeiro é que essas necessidades renovam-se dia a dia e exigem


contínuo suprimento dos bens a atendê-las.

o segundo é a constante criação de novos desejos e necessidades,


motivadas pela perspectiva que se abre a todos os povos, de sempre
aumentarem o padrão de vida.

Da noção biológica, devemos evidentemente passar à noção


psicológica da necessidade, observando que a saturação das
necessidades, e sobretudo dos desejos humanos, está muito longe
de ser alcançada, mesmo nas economias altamente desenvolvidas de
nossa época. Conseqüentemente, também o problema de escassez
se renova.

13
ECONOMIA e MERCADO
Problemas Econômicos Básicos

O QUE produzir?
Isto significa quais os produtos deverão ser produzidos (carros,
cigarros, café, vestuários etc.) e em que quantida deverão ser
colocados à disposição dos consumidores.

COMO produzir?
Isto é, por quem serão os bens e serviços produzidos, com que
recursos e de que maneira ou processo técnico.

PARA QUEM produzir?


Ou seja, para quem se destinará a produção, fatalmente para os que
têm renda.

14
ECONOMIA e MERCADO
Problemas Econômicos Básicos

É muito fácil entender que: QUAIS, QUANTO, COMO e PARA QUEM


produzir não seriam problemas se os recursos utilizáveis fossem
ilimitados. Todavia, na realidade existem ilimitadas necessidades e
limitados recursos disponíveis e técnicas de fabricação

Baseada nessas restrições, a Economia deve optar dentre os bens a


serem produzidos e os processos técnicos capazes de transformar os
recursos escassos em produção.

15
ECONOMIA e MERCADO

A análise conjunta da escassez dos recursos e


das ilimitadas necessidades humanas conduz à
conclusão de que a Economia é uma ciência
ligada a problemas de escolha.

16
ECONOMIA e MERCADO
Opções Tecnológicas – Curvas de Possibilidades

Para melhor entendimento, suponha-se uma economia onde haja certo número
de indivíduos, certa técnica de produzir, certo número de fábricas e
instrumentos de produção e um conjunto de recursos naturais (terra,
matériasprimas...). Considerem-se todos esses dados como constantes, isto
é, não se alteram durante a análise.

Ao decidir "o que" deverá ser produzido e "como", o sistema econômico terá
realmente decidido como alocar ou distribuir os recursos disponíveis entre as
milhares de diferentes possíveis linhas de produção.

Quanta terra destinar-se-á ao cultivo do café? Quanta à pastagem? Quantas


fábricas para a produção de camisas? Quantas ao automóvel?

17
ECONOMIA e MERCADO
Opções Tecnológicas – Curvas de Possibilidades

Para simplificá-lo suponha-se que somente dois bens econômicos


deverão ser produzidos: camisas e carros.

Haverá sempre uma quantidade máxima de carros (camisas) produzida


anualmente, quando todos os recursos forem destinados à sua
produção e nada à produção de camisas (carros).

A quantidade exata depende da quantidade e da qualidade dos


recursos produtivos existentes na Economia e do nível tecnológico
com que sejam combinados.

18
ECONOMIA e MERCADO
Combinações Possíveis para Produção

19
ECONOMIA e MERCADO
Gráfico de Combinações de Produção

20
ECONOMIA e MERCADO
Opções Tecnológicas – Curvas de Possibilidades

A curva de transformação representa um importante fato: "Uma


Economia no pleno emprego dos fatores de produção precisa sempre,
ao produzir um bem, desistir de produzir um tanto de outro bem".

Aparece aqui a chance de se definir um dos conceitos mais importantes


da Economia: "o custo de oportunidade". Devido à limitação de
recursos, os pontos de maior produção aparecem sobre a curva de
transformação (A, B, ... F). Assim m sendo, para a fabricação só de
carros - A - estar-se-ia sacrificando toda a produção de camisas

Logo, o custo de oportunidade corresponde exatamente ao sacrifício do


que se deixou de produzir, ou, em outras palavras, o custo ou a perda
do que não foi escolhido e não o ganho do que foi escolhido.

21
ECONOMIA e MERCADO
Mudanças na Curva de Possibilidade

Quanto maiores forem as disponibilidades de recursos


produtivos da Economia, mais afastada da origem a
curva estará;

Variações tecnológicas iguais para os processos de


produção dos dois bens deslocarão a curva para a
direita e paralelamente;

Se a variação tecnológica for maior para o processo de


produção do bem Y, maior será o deslocamento em
relação a esse eixo.

22
ECONOMIA e MERCADO
Custos Crescentes

A razão da curva de formação ser decrescente se deve


ao fato de os recursos disponíveis serem limitados.

O formato da curva mostra que se decresce a taxas


crescentes; isto significa que a substituição entre
quantidades
dos dois bens se torna cada vez mais difícil.

Isto quer dizer que, na medida em que se está


consumindo (produzindo) pouco de um bem, o sacrifício
de se consumir (produzir) menos ainda é muito grande.

23
ECONOMIA e MERCADO
Custos Crescentes

Este fenômeno dos custos crescentes surge na medida em


que se transfere recursos adequados e eficientes de uma
atividade para outra, onde eles se apresentam ineficientes
e inadequados.

Assim, se se insistir somente na produção de camisas,


tem-se que recorrer aos soldadores de chapas de aço para
passarem a pregar mangas de camisas, ainda que muito
poucos consigam fazê-lo.

Essa é a razão de se esperar a vigência da lei dos custos


crescentes, ou dos rendimentos decrescentes.

24
ECONOMIA e MERCADO
O Problema da Organização Econômica

Dadas as limitações dos recursos produtivos e do nível


tecnológico, as nações procuram organizar sua
economia a fim de resolver os problemas do QUÊ,
QUANTO, COMO E PARA QUEM PRODUZIR, de forma
eficiente, isto é, com o menor desperdício possível.

De certa maneira são duas as formas de organização


econômica: a descentralizada (ou economia de
mercado) do tipo ocidental e a centralizada do tipo
cubano.

25
ECONOMIA e MERCADO
SISTEMA DE PREÇOS NUMA ECONOMIA DE MERCADO

1. Economia de livre iniciativa sem a intervenção do Governo.

Nesta circunstância o Estado apenas participa da vida


econômica com ações regulatórias, para o caso em que os
conflitos privados não conseguem soluções através do
mercado. O papel do Governo é marginal, pouco expressivo.

26
ECONOMIA e MERCADO
O Sistema Privado de Preços. Livre Iniciativa
Numa economia privada de livre iniciativa, nenhum agente
econômico (indivíduo ou empresa) gerencia o bom
funcionamento do sistema de preços. Preocupam-se em
resolver isoladamente seus próprios negócios.

Preocupam-se com o mercado tanto na venda como na


compra dos produtos

Esse jogo econômico é todinho baseado nos sinais dados


pelos preços formados nos diversos mercados. Todos correm
riscos, porém riscos previstos.

O futuro é incerto, mas as prospecções se apóiam nas


probabilidades de ocorrência, daí o risco estimado. O lucro
pode ser o prêmio pelo risco assumido.

27
ECONOMIA e MERCADO
O Sistema Privado de Preços. Livre Iniciativa
Acontece que o mais importante são os problemas básicos da
coletividade.

Os economistas do século XVIII acreditavam que a ação de


cada indivíduo era dirigida por uma "MÃO INVISÍVEL", a fim de
contribuir para o bem-estar geral e o bom funcionamento do
sistema econômico.

Na verdade, a ação conjunta dos indivíduos e empresas


permite que centenas de milhares de mercadorias sejam
produzidas como um fluxo constante, mais ou menos
voluntariamente, sem uma direção central.

28
ECONOMIA e MERCADO
O Sistema Privado de Preços. Livre Iniciativa

Por exemplo, sem um constante fluxo de produtos entrando e


saindo verse-ia a população de São Paulo ameaçada pela fome
dentro de uma semana.

Isso é o bastante para argumentar que um sistema de


concorrência de mercados, por mais imperfeitamente que
possa funcionar, não é um sistema caótico ou anárquico. Há
nele esta ordem e coordenação. Trabalha e funciona

29
ECONOMIA e MERCADO
Como funciona esse mecanismo de preços automático e
inconsciente?

Como se viu anteriormente todos os bens econômicos têm


seu preço. Suponha-se agora que por uma razão qualquer
todos os homens desejem uma maior quantidade de camisas.

Se a quantidade disponível for limitada e inferior à procurada,


então a disputa entre os indivíduos para a aquisição de
camisas acabará por elevar o seu preço, eliminando os que
não tiverem meios de comprar.

Ocorre a alta do preço, mais camisas serão produzidas,


podendo posteriormente baixar o preço. Da mesma forma,
imagine-se que há um excesso de sapatos no mercado, além
da quantidade procurada. Como resultado da concorrência
entre os vendedores o seu preço baixará. Um preço mais baixo
estimulará o consumo de sapato e os produtores procurarão
ajustar-se à quantidade adequada.
30
ECONOMIA e MERCADO
Como funciona esse mecanismo de preços automático e
inconsciente?

O desejo dos indivíduos determinará a magnitude da


demanda, e a produção das empresas determinará a
magnitude da oferta. O equilíbrio entre a demanda e a oferta
será sempre atingido pela flutuação do preço.

O mecanismo de preços é um vasto sistema de tentativas e


erros, de aproximações sucessivas, para alcançar o equilíbrio
entre oferta e demanda.

Isso é verdadeiro no mercado de bens de consumo, quanto no


de fatores de produção, tais como trabalho, terra e capital. Se
houver maior necessidade de economistas do que de
advogados, as oportunidades de trabalho serão mais
favoráveis aos primeiros. O salário do economista tenderá a
elevar-se e o do advogado, a cair.

31
Os problemas básicos da economia podem ser resolvidos pela
concorrência e pelo mecanismo dos preços. O consumidor tentará
maximizar utilidade e o produtor, o lucro

32
ECONOMIA e MERCADO
DEMANDA E OFERTA

O desejo dos indivíduos determinará a magnitude da


demanda, e a produção das empresas determinará a
magnitude da oferta. O equilíbrio entre a demanda e a oferta
será sempre atingido pela flutuação do preço.

O mecanismo de preços é um vasto sistema de tentativas e


erros, de aproximações sucessivas, para alcançar o equilíbrio
entre oferta e demanda.

Isso é verdadeiro no mercado de bens de consumo, quanto no


de fatores de produção, tais como trabalho, terra e capital. Se
houver maior necessidade de economistas do que de
advogados, as oportunidades de trabalho serão mais
favoráveis aos primeiros. O salário do economista tenderá a
elevar-se e o do advogado, a cair.

33
ECONOMIA e MERCADO
Preço e Quantidade de Equilíbrio

No mercado onde se formam os preços, os consumidores


estabelecem os preços máximos que estão dispostos a
pagar por cada quantidade a ser demandada.

Essa avaliação é subjetiva (psicológica) e deriva do


conceito de utilidade que o consumidor procura maximizar.

Assim, a curva de demanda de mercado delimita o "preço


máximo".

Ao contrário, os produtores estabelecem seus preços


mínimos que estão dispostos a receber por cada
quantidade ofertada, diante da restrição dos custos
incorridos e seu objetivo de maximizar lucros.

34
ECONOMIA e MERCADO
DEMANDA

35
ECONOMIA e MERCADO
OFERTA

36
ECONOMIA e MERCADO
EQUILIBRIO DEMANDA E OFERTA

37
QUESTÕES
1.Explique as definições fundamentais na economia: 1.1. Lei
da Escassez; 1.2 Bens Econômicos; 1.3 Necessidades
Humanas Ilimitadas

2. Para a produção de bens se faz necessário a existência de


3 fatores de produção básicos. Cite quais são e após sua
produção qual sua principal função?

3. O que representa uma Curva de Possibilidade de Produção?


E a Fronteira de Possibilidade de Produção?

4. Explique como se harmoniza os mercados de fatores de


produção e o mercado de bens? E posteriormente aponte um
ou mais distúrbio que leve o ambiente econômico a uma
situação de desequilíbrio?

5. Explique com detalhes a curva de demanda, da oferta e o


equilíbrio de mercado?
38