Você está na página 1de 65

Logística Industrial

LOGÍSTICA EMPRESARIAL- 3
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

Visa maximizar o valor econômico

dos produtos ou materiais tendo-os

disponíveis, a um preço razoável,

onde e quando houver procura.


LOGÍSTICA INDUSTRIAL

FÁBRICA

Pode ser definida como um prédio industrial,

onde se empregam , no arranjo físico mais

adequado de homens , máquinas e materiais,

nas diversas formas processo de produção.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

PRODUÇÃO

#
É o processo através do qual se criam
bens e serviços.

#
É o ato de mudar a forma composição
ou combinação de materiais peças ou
sub-montagens, a fim de aumentar seu
valor. MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

PRODUTO

É algo que pode ser oferecido a um mercado

para satisfazer uma necessidade ou desejo.


PRODUTOS COMERCIALIZADOS

# Bens físicos, serviços , experiências, eventos, lugares,

propriedades, organizações, informações e idéias.


MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

PROCESSO PRODUTIVO

# Conformação de materiais por forjamento


a frio ou a quente.

# Remoção de material por modelagem,


por torneamento ou perfuração.

# Junção ou montagem de materiais.

# Processos que modificam a condição dos materiais.

# Processos que dão melhor acabamento superficial.


MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

PRODUÇÃO SIGNIFICA MOVIMENTO DE MATERIAIS:

# Fornecedor: entrega matérias-primas e materiais auxiliares.

# Recepção: marcação,registro,testes,final de checagem.

# Armazenagem: classificação e guarda dos materiais.

# Produção: fabricação de bens tangíveis.

# Armazenagem: materiais em processo e de produto acabados.

# Expedição: liberação dos produtos acabados para


distribuição física.
MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

SISTEMAS DE PRODUÇÃO

TRABALHO ENERGIA MATERIAIS

PRODUTOS SERVIÇOS
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

SISTEMAS DE PRODUÇÃO

É um processo planejado, pelo qual


elementos são transformados em
produtos úteis.

Trata-se de um procedimento organizado


para se para se conseguir a conversão
de insumos em produtos acabados.
MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

GESTÃO DA PRODUÇÃO
Enfrentando problemas:

 Altos lead times.


 Baixa utilização da capacidade
das máquinas.
 Horas extras.
 Pouca flexibilidade.
 Níveis altos de estoque em processo.
 Baixa disponibilidade, entre outros.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

PRODUÇÃO EMPURRADA

# PRODUÇÃO EM MASSA (FORDISMO)

# UM MARCO: O FORD MODELO T DE 1908.

# UM PRODUTO PROJETADO PARA A MANUFATURA;

# UM PRODUTO “USER-FRIENDLY”(amigável).

# PRODUÇÃO FORMANDO ESTOQUE DE PRODUTOS


ACABADOS.
MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
VERTICALIZAÇÃO

É a estratégia que prevê que a em

presa produzirá internamente tudo

o que puder , ou pelo menos tentará

produzir.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
VERTICALIZAÇÃO
 VANTAGENS  DESVANTAGENS
# Independência de terceiros. # Maior investimento.

# Maiores lucros. # Menor flexibilidade (perda


de foco ) .
# Maior autonomia.
# Aumento da estrutura da
# Domínio sobre tecnologia empresa.
propia.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

HORIZONTALIZAÇÃO

É a estratégia de comprar

de terceiros o máximo

possível dos itens que

compõem o produto final

ou os serviços de que necessita.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
HORIZONTALIZAÇÃO

 VANTAGENS  DESVANTAGENS
# Redução de custos . # Menor controle
tecnológico.
#Maior flexibilidade e
eficiência. # Deixa de auferir o
lucro do fornecedor
#Incorporação de
novas tecnologias. # Maior exposição.

#Foco no negócio
principal da
empresa.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

PRODUÇÃO EM MASSA

FORD CONSEGUIU:

PADRONIZAÇÃO

INTERCAMBIABILIDADE

PRODUÇÃO EM MASSA

REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO


MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

Outras características de produção em massa FORDISTA

* FORÇA DE TRABALHO:
Operários intercambiáveis e extrema especialização na
execução das operações.

* ORGANIZAÇÃO
Verticalização da produção de componentes sem precisar
de fornecedores externos.
MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
Outras características da produção em massa FORDISTA

* FERRAMENTAS:
Projeto e construção de máquinas que assegurem
intercambiabilidade e aceleração do fluxo de produção.

* PRODUTO:

Relativa (alta) confiabilidade e durabilidade.

O modelo T teve 2,1 milhões de carros produzidos só


em 1923.
MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
PRODUÇÃO ENXUTA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA PRODUÇÃO CUJO


OBJETIVO É O AUMENTO DO LUCRO ATRAVÉS DA
REDUÇÃO DOS CUSTOS.

ESTE OBJETIVO , SÓ PODE SER ALCANÇADO


ATRAVÉS DA IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO
DAS PERDAS , ISTO É , ATIVIDADES QUE NÃO
AGREGAM VALOR AO PRODUTO.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
PRODUÇÃO ENXUTA

SISTEMA FLEXÍVEL ALTAMENTE INTEGRADO , ALTO GRAU


DE COORDENAÇÃO , EXIGINDO ABRANGENTE , RÁPIDOS
E FREQUENTES FLUXOS DE MATERIAIS ACOMPANHADOS
DE INFORMAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO MUITO MAIS EFICIENTE , ÁGIL E


INOVADOR DO QUE A PRODUÇÃO EM MASSA , HABILITADO
A ENFRENTAR MELHOR UM MERCADO EM CONSTANTE
MUDANÇA.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
PRODUÇÃO ENXUTA
SISTEMA DE PRODUÇÃO:

# ENTREGA JUST IN TIME.

# BAIXOS INVENTÁRIOS.

# ESFORÇOS CONCENTRAM A ATENÇÃO NA MELHORIA DA


QUALIDADE DE INFORMAÇÃO.

# MANUTENÇÃO DE RÍGIDO CONTROLE SOBRE O PROCESSO


DE PRODUÇÃO.

# REDUÇÃO DO TAMANHO DO LOTE E TEMPO DE SETUP.

# REDUÇÃO DO LEAD-TIME E TEMPO DO CICLO EM CADA


ESTÁGIO.

# REDUÇÃO DO CICLO DE DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO.


LOGÍSTICA INDUSTRIAL
PRODUÇÃO ENXUTA

RESULTADO DA PRODUÇÃO :

 MELHORIA CONTINUA NA QUALIDADE.

 PRODUTIVIDADE;

 ATENDIMENTO.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
PRODUÇÃO ENXUTA

SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

# O STM foi constituído, inspirado em vários aspectos da orga


nização das fábricas de FORD

# TAIICHI OHNO, gosta de se apresentar como continuador de


FORD.

# Modelo “híbrido”, que alia algumas das velhas práticas fordis


tas (novas técnicas estudos de tempos e movimentos, linhas de
montagem...) a novas técnicas( JIT , Autonomação, Kanban,...)
genuinamente japonesas.
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

PRODUÇÃO ENXUTA

IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DAS PERDAS :

PERDAS :

são atividades completamente

desnecessárias que geram custo ,

não agregam valor e que , portanto,

devem ser imediatamente eliminadas.


LOGÍSTICA INDUSTRIAL
PRODUÇÃO ENXUTA

AS SETE PERDAS FUNDAMENTAIS :

•Perda por superprodução ( quantidade e antecipada )


•Perda por espera.
•Perda por transporte.
•Perda no processamento em si.
•Perda por estoque.
•Perda por movimentação.
•Perda por fabricação de produtos defeituosos.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
PRODUÇÃO ENXUTA

Do ponto de vista da Engenharia Industrial :

 PERDA :
Utilização ineficaz de um determinado recurso.

 DESPERDÍCIO :
Extravio / descarte , via de regra não intencional , de um

determinado recurso por simples negligência.


MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
PRODUÇÃO ENXUTA

PILARES DE SUSTENTAÇÃO DO STP :

* JUST-IN-TIME ( JIT ) :

É uma técnica que se utiliza de várias normas


e regras para modificar o ambiente produtivo.

Significa que cada processo deve ser suprido com os


itens certos ,no momento certo , na quantidade certa
e no local certo.
MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
PRODUÇÃO ENXUTA

JUST – IN – TIME

É somente um meio de alcançar o verdadeiro objetivo


do STP que é o de aumentar os lucros através da
redução dos custos.

Para isso , é essencial a completa eliminação de perdas.

O conceito JIT surgiu da idéia de Kiichiro Toyoda.

Numa industria , o ideal seria ter todas as peças ao lado


das linhas no momento exato de sua utilização.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
PRODUÇÃO ENXUTA

OS PILARES DE SUSTENTAÇÃO DO STP :

> AUTONOMAÇÃO ( JIDOKA ) :

A autonomação consiste em facultar ao operador ou máquina


a autonomia de parar o processamento sempre que for
detectada qualquer anormalidade.

JIDOKA significa , simplesmente , que a máquina é dotada


de inteligência e toque humano.
MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

CONSTRUÇÃO DE UMA INDUSTRIA :

 SELEÇÃO DO LOCAL.
 PROJETO DE CONSTRUÇÃO.
 LOCALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS
 ESTAÇÕES DE TRABALHO (POSTO DE TRABALHO)
 SELEÇÃO DO EQUIPAMENTO DE TRANSPORTE.
 MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS.
 ESTRUTURA PORTA PALETES.
 ESTOCAGEM.
 RECEPÇÃO E EXPEDIÇÃO.
 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO.
MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

LAYOUT

É A INTEGRAÇÃO DO FLUXO DE MATERIAIS, DA

OPERAÇÃO DAS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS DE

PROCESSOS E TRANSFORMAÇÃO, COMBINADOS COM

AS CARACTERÍSTICAS QUE CONFEREM A MAIOR

PRODUTIVIDADE AO ELEMENTO HUMANO.

MARCILIO CUNHA
Arranjo Físico Posicional ou de Posição Fixa
Arranjo Físico Posicional ou de Posição Fixa

Características:

Produto fabricado de grandes dimensões.


Poucas unidades fabricadas.
Produto fica fixo e os recursos produtivos dirigem-se
a ele.
Equipamentos de alta flexibilidade.
Arranjo Físico Funcional ou Por Processo
Arranjo Físico Funcional ou Por Processo

Características:

Equipamentos de média flexibilidade.


Programação e controle da produção
complexo.
Problemas de qualidade são detectados após
a produção do lote inteiro.
Formação de filas de lotes nas máquinas.
Arranjo Físico Linear ou Por Produto
Arranjo Físico Linear ou Por Produto

Características :

Programação e controle da produção


mais simplificado.

 Exige balanceamento da linha de


produção.

 Equipamentos dispostos de acordo com


a seqüência de operação.
Arranjo Físico Linear ou Por Produto

Características:

 Produto fabricado em grandes quantidades.

 Produtos semelhantes entre si.

 Equipamentos dedicados.

 Utilizado em sistemas de produção contínuos.


Arranjo Físico Celular
Arranjo Físico Celular
Características:

 Lotes de tamanho médio.

 Produtos e roteiros variados.

 Agrupamento – geralmente em forma de “U”.

 Ter máquinas e equipamentos necessários


para a produção da família.

 Utilização de operários polivalentes.

 Ajusta-se ao Just-In-Time.
Particularidades de cada Arranjo Físico
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
LAYOUT
FATORES QUE INFLUENCIAM :

MATERIAL : projeto,variedade,quantidade,operações
e seqüência necessária.
MÁQUINA : máquinas, equipamentos e ferramentais.
HUMANO : supervisão,trabalho direto e indireto.
MOVIMENTAÇÃO : transporte intra e entre departamentos,
manuseio estocagem e inspeção.
ESPERA : estocagens temporárias e permanentes.
SERVIÇOS AUXILIARES : manutenção, inspeção, programação
e expedição.
PRÉDIO : características internas e externas do prédio e distribuição
de utilidades e equipamentos.
MUDANÇA : versatilidade;flexibilidade e expansão.
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

DIMENSIONAMENTO DE SUPERFÍCIE DE OCUPAÇÃO :

Superfície estática (Se): é a superfície ocupada


correspondente aos móveis, máquinas e instalações.

Superfície gravitacional(Sg): é a superfície utilizada


Ao redor dos postos de trabalho pelo operador e pelo
material acoplado para materiais em curso.

Sg = Se x N

N :número de lados usados(operador,móvel ou máquina)


LOGÍSTICA INDUSTRIAL

SUPERFÍCIE DE OCUPAÇÃO :

Superfície de circulação (Sc):é a superfície que se tem de


reserva entre os postos de trabalho para uso do pessoal
e para manutenção.

Sc = ( Se + Sg ) K
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

Coeficiente K
 É um coeficiente que pode variar desde 0.05 a 3,00.
 Se calcula como uma relação entre:as dimensões dos
homens ou objetos colocados.
Valores de K para determinadas atividades:
Método de Guerchet

Exemplo:
Calcular a área mínima de produção requerida para
uma oficina de manutenção que pretende instalar os
seguintes equipamentos:

Dois tornos mecânicos.


Uma fresadora.
Duas furadeiras.
Uma retificadora.
Três esmeris de pedestal.
Uma cabina de solda.
Dimensionamento da Área de Produção

 área efetiva por equipamento(superfície estática).


 área de gravitação(superfície gravitacional).

Se Sg

Se Sg
Dimensionamento da Área de Produção

Cálculo da Área de gravitação(superfície gravitacional):

Sg = Se . N

Cálculo da Área de Evolução (área de circulação):

Sc = (Se + Sg) . K

Cálculo da Área Mínima (superfície de ocupação):

St = Se + Sg + Sc
Cálculo da Área de Gravitação(superfície gravitacional)
Sg = (Se x N)
Sg = (14,6 x 12) = 25,3 m²

Da tabela adota-se K = 2,5


Se= 14,6 m²
Sg= 25,3 m²

Cálculo da Área de Evolução(superfície de circulação)


Sc = (14,6 + 25,3) . 2,5 = 99,75 m²

Cálculo da Área Mínima(superficie de ocupação):


St = Se+ Sg + Sc
St = 14,6 + 25,3 + 99,75 = 139,65 ≈ 140 m²
VOLKSWAGEN
LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO
• Sinergia entre fábrica e fornecedores.

• Redução de custos operacionais de expedição


e recebimento.

• Menor gasto com frete.

• Maior segurança com o rastreamento de carga.

• Melhor gerenciamento no retorno de embalagens.

• Corte dos estoques em toda a cadeia produtiva.

• Aplicação do MILK RUN (coleta de porta em porta).


VOLKSWAGEN
Revolução Industrial em tempos de globalização

• A Volkswagen traz os fornecedores para dentro


de sua nova fábrica, em Resende RJ.

• Cria um moderno sistema de produção.

• Trata-se da fábrica de caminhões e ônibus.

• Modelo inédito de fabricação, batizado de consórcio


modular.

• Galpões da unidade fabril, com 80mil metros


quadrados de área construída.
VOLKSWAGEN
Revolução Industrial em tempos de globalização

• Integração total entre montadora e fornecedores

• Esforço para reduzir custos e ganhar competitividade

• Antes a Vokswagen comprava centenas de peças de


seus parceiros e montava sozinha os veículos

• Agora os principais fornecedores da VW é que ficam


responsáveis pela montagem de partes inteiras de
caminhões e ônibus

• A fábrica emprega 1.4 mil funcionários, dos quais


apenas 200 são contratados diretos da própria montadora
Nomódulo2,daRockwel,os Transportadosporbaços
chas i rec bemas mecanicos,oschas i chegam
su pensõesdianteirae aomódulo3,ondeéfeita
traseira,oseixos,asmolas,os col caçãodospneusea
calibragem
Módulo2 amortecdoreseosfreios. Módulo3
Suspensão Rodase
pneus

Umcaros elrec beomot r


produzidopelaMWMepela
Módulo1 Cum ins Módulo4
Chas i
Mot r
AEisenman utilzarobôspar

CUM INS MWM


apinturadascabineseas
mandapar omódulo5

Módulo6
INÍCIODAOPERAÇÃO Pintura
Oschas i doscaminhõeseônibus ão
descaregadosnumaesteira olante
chegamatéomódulo1,daIochpe- Jácomasrodaseos EISENMAN
Maxion.Éaliquesãoinstal dosotanque pneus,oschas i entram
decombustível,acaixadebateria,o naesteira olante,onde
res rvatóriodeareochicote létrico osmot reseascabines,
produzidosnosmódulos4
Módulo5
e5,sãoacoplados. Tapeçari
Finalizad amontagem,
osveículos eguempar
osetordet stesdaVW.

Módulo8 Módulo7
Teste Funilari

AVDOKienziemonta
direção, painel,osbancos,
osvidroseosespelhosnas
cabines

Pátio ADelgaf zaestampari ,a


soldaeamontagemdas
cabines

FIMDAOPERAÇÃO COMOFUNCIONAO
CONSÓRCIOMODULAR
Depoisdet stados,os
caminhõeseônibus eguem
par opátiopar ser m
GENERAL MOTORS ( Projeto Arara Azul )

• Reversão do modelo em série para fabricar o carro


como o cliente quer (customização da produção)

• Fábrica construída com linha de produção e o


sistema de vendas via Internet regidos pelo cliente

• Na nova fábrica em Gravataí-RS, o carro é feito no


local pela GM e 17 SISTEMISTAS

• Cada sistemista responde pela entrega de cada


parte do carro

• A GM envia o pedido on line para cada um deles,


prevendo exatamente a hora em que as peças
deverão estar na linha de montagem
GENERAL MOTORS - Projeto Arara Azul
• Um único carro é montado em cerca de 17 horas,
contra 22 horas gastas nas fábricas tradicionais.

• Na ponta da linha de montagem saem 30 carros por


hora.

• Na GM na Espanha gira entre 45 e 60 carros por


hora.

• Peças na fábrica de 100 fornecedores, contra 400 em


fábricas tradicionais.
Peças
Funilaria
de plástico
EstampariaMontagem
2 7 6
Pintura
3 4
Montagem 5

Administração

Sistemistas
8

Fábrica da GM
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
NA FÁBRICA DO FUTURO :
Capacidade de combinar tecnologia
e talentos.
Resposta rápida às demandas de mercado.

Gestão e disseminação do conhecimento.

Flexibilidade, velocidade, desenvolvimento


sustentável.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
NA FÁBRICA DO FUTURO
 Os funcionários não serão encarados
como meio de produção.

> Serão membros de uma comunidade,


com valores, objetivos e rituais em
comum.

> As fábricas terão espécie de mini-cidade,


com restaurante, clube, creche e escola.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

NA FÁBRICA DO FUTURO

# A de produção e os escritórios convergem

num centro de comunicação.

# Uma mistura de área de lazer e ambiente

de trabalho.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
NA FÁBRICA DO FUTURO

# A idéia é que a informação flua livremente


pela fábrica.

# Que homens e mulheres da produção possam

intervir para a melhoria dos processos.

MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
NA FÁBRICA DO FUTURO
Poder no chão de fábricas

# O novo modelo de produção coloca em


xeque as rígidas estruturas hierárquicas
do passado.

# Executivos, passam boa parte do tempo


nas linhas de produção.

# Funcionários da produção, participam do


gerenciamento de suas células de traba
lho e desempenham múltiplas tarefas.
MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
FÁBRICAS PARA OUTRAS FÄBRICAS

TERCEIRIZAR PARQUES INDUSTRIAIS


INTEIROS,UNIDADES FABRIS E TODO
O CONTROLE DA CADEIA PRODUTIVA.
LOGÍSTICA INDUSTRIAL
FÁBRICA PARA OUTRAS FÁBRICAS

TRÊS RAZÕES PODEM SER APONTADAS :

• O valor está na marca e não no maquinário.

• Globalização (instalação de fábricas de equipamentos


eletrônicos no Sudeste Asiático, onde há mão-de-obra
especializada a um quarto do custo nos EUA).

• A ociosidade de máquinas, o que nem as grandes


empresas tem conseguido evitar.
MARCILIO CUNHA
LOGÍSTICA INDUSTRIAL

FABRICA DENTRO FABRICA

OBJETIVOS :

• REDUZIR O TEMPO DE REPOSIÇÃO DE


ESTOQUES E DESPERDÍCIO DE MATERIAIS .

• DAR MAIS AGILIDADE AO PROCESSO


INDUSTRIAL .

• TER MAIOR CONTROLE DOS ESTOQUES


E DA PRODUÇÃO.

MARCIILIO CUNHA
www.marciliocunha.com.br