Você está na página 1de 36

DELEGAÇÃO REGIONAL DO CENTRO

VIVER EM PORTUGUÊS
CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE AVEIRO

ORGANIZAÇÃO POLÍTICA
- ÓRGÃOS DE SOBERANIA -

UFCD: 6651 - PORTUGAL E A EUROPA

1
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA

 Portugal é uma República, um Estado


democrático e unitário, cuja parte insular, os
arquipélagos dos Açores e Madeira, é
constituída por regiões autónomas dotadas
de estatutos político-administrativos e
órgãos de governo próprios.
2
ÓRGÃOS DE SOBERANIA
(Poder Central)
Os órgãos de soberania, através dos quais
se exerce o poder, são:
 O Presidente da República
 A Assembleia da República
 O Governo
 Os Tribunais
3
A ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRATIVA DO PODER

 O poder está organizado a nível:

 central;
 regional (Regiões autónomas dos Açores e
da Madeira);
 local.

4
Características/ Funções
dos órgãos de soberania

 Exercer o poder em nome do povo, a


quem devem prestar contas,
designadamente nas eleições;
 Estes são independentes uns dos outros,
mas têm o dever de colaborar entre si.

5
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA
(Portuguesa)

Governo Presidente da República

• Conduz a política geral do • Representa a República


país e é o órgão superior da Portuguesa;
administração pública; • Ouve os partidos que
• Forma-se após as eleições elegeram deputados à
para a Assembleia da Assembleia e depois convida
República ou a demissão do uma pessoa para formar
governo anterior. governo.
6
Cont. ORGANIZAÇÃO POLÍTICA
(Portuguesa)

Tribunais Assembleia da República

• Administram a justiça em • Representa os


nome do povo; cidadãos portugueses.
• Estão apenas sujeitos à lei,
sendo as suas decisões
obrigatórias para todas as
entidades públicas e/ou privadas.
7
PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Presidente da República: Marcelo Rebelo de Sousa


PRESIDENTE DA REPÚBLICA
• O Presidente da República, é o chefe de
estado, diretamente eleito por cinco anos, por
maioria absoluta, sob candidatura direta de
cidadãos.

• Como órgão de soberania garante a unidade


do Estado, a independência nacional e o
normal funcionamento das instituições
democráticas e é por inerência, Comandante
Supremo das Forças Armadas.
Presidente da
República
PRESIDENTE DA REPÚBLICA

 Direito
de veto, de dissolução da
Assembleia da República e de demissão do
Governo.

Écomandante Supremo das Forças


Armadas e Grão-Mestre das Ordens
Honoríficas Portuguesas.

11
ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA
 É o órgão representativo de todos os cidadãos
portugueses, detendo poderes político e
legislativo e exercendo funções de fiscalização
dos atos do Governo e da Administração.
ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

 A Assembleia da República ocupa um lugar


insubstituível na nossa democracia: é aqui
que se encontra representada a vontade
soberana do povo.
 É pela Assembleia que passa a iniciativa
legislativa e a aprovação das leis. É aqui que
funciona o espaço da fiscalização da ação do
Governo e o centro dos grandes debates
políticos. 13
ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

 À Assembleia da República exige-se que


saiba cumprir bem os seus deveres
constitucionais, mas que saiba também
tornar-se cada vez mais próxima dos
cidadãos.

14
Presidente da Assembleia da
República
Ferro Rodrigues

 O Presidente da Assembleia da República


dirige e coordena os trabalhos desta e preside
a administração, os serviços e as forças de
segurança ao serviço da Assembleia. Substitui
provisoriamente o Presidente da República
em caso de impedimento temporário ou
vagatura do cargo até à tomada de posse do
novo Presidente eleito.
15
 O Presidente da Assembleia da República
é eleito por maioria absoluta
dos Deputados em efetividade de funções
na primeira reunião plenária da legislatura,
tendo o mandato a mesma duração
(quatro anos).

16
GRUPOS PARLAMENTARES

 A Assembleia da República é atualmente


composta por 230 Deputados eleitos por
sufrágio universal e direto dos cidadãos
eleitores recenseados no território nacional e
no estrangeiro. Representam todo o país e
não apenas os círculos por que são eleitos. O
mandato inicia-se com a primeira reunião da
Assembleia da República após eleições e cessa
com a primeira reunião após as eleições
subsequentes. 17
 Na atual legislatura existem 6 grupos
parlamentares correspondentes aos
partidos políticos que elegeram Deputados
nas eleições legislativas realizadas em 4
de outubro de 2015: Partido Socialista (PS),
Partido Social Democrata (PSD), Bloco de
Esquerda (BE), Partido Comunista
Português ( PCP), Partido Popular (CDS-PP)
e Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV).

18
O Governo

Primeiro Ministro (António Costa)


GOVERNO

 É o órgão a quem compete a condução da política


geral do país e da administração pública, detendo
competências aos níveis político, legislativo e
administrativo.

 O Governo é politicamente responsável


perante a Assembleia e o Presidente da
República, o que significa que estes o podem
demitir.

20
O PRIMEIRO-MINISTRO

É o título atual do chefe do Governo da República


Portuguesa. Coordena a ação dos ministros,
representa o Governo junto dos outros órgãos de
soberania, presta contas à Assembleia da República e
mantém o Presidente da República informado. O
primeiro-ministro pode acumular a função de chefe
do Governo com as pastas de um ou
mais ministérios.
21
 Não há limite para o número
de mandatos como primeiro-ministro.
Este é indigitado pelo Presidente da
República, após eleições legislativas,
destinadas a eleger os deputados à
Assembleia da República, depois de
ouvidos os partidos com assento
parlamentar. Geralmente, o nomeado é
o líder do partido vencedor das eleições.

22
Os Tribunais

 São os órgãos com competência para


administrar a justiça, existindo várias categorias,
designadamente o Tribunal Constitucional, os
tribunais judiciais, os administrativos e fiscais e o
Tribunal de Contas.
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA
(Portuguesa)
Governo Presidente da República

Tribunais Assembleia da República

São eleitos por sufrágio (eleição), direto,


secreto e periódico, pelo povo.

24
REGIÕES AUTÓNOMAS

 São órgãos de poder político, mas não


órgãos de soberania.

• A Constituição diz que cada arquipélago é uma


região autónoma e que tem órgãos de governo
próprios: a Assembleia Regional e o Governo
Regional.

25
Assembleia Regional
 Faz as leis próprias;
 Fiscaliza as atividades do Governo Regional.

Governo Regional
 Administra e executa as leis de cada
região.
Esta situação acontece devido à situação geográfica e
aos desejos de autonomia dos seus habitantes.
26
Regiões Autónomas

Bandeira Regional Bandeira Regional


Autónoma da Madeira Autónoma dos Açores

27
O Poder Local

Aorganização democrática do
Estado compreende a existência de
autarquias locais que visam o
andamento de interesses próprios
das populações respetivas.
Poder Local
Os órgãos representativos do município são:
 Assembleia Municipal
 Câmara Municipal
 Assembleia de Freguesia
 Junta de Freguesia.
 Em matérias de interesse comum, podem
ainda constituir-se Associações de Freguesias
e Associações ou Federações de Municípios.
 Foi criado na Constituição de 1976 e é
exercido pelas autarquias locais que são os
municípios e as freguesias.

• São estes órgãos que administram e


decidem assuntos e problemas que dizem
respeito às autarquias e à vida das suas
populações.
• São eleitos de 4 em 4 anos.

30
Órgãos do Poder local

Município Freguesia

Assembleia Câmara Assembleia Junta de


Municipal Municipal de freguesia freguesia

31
Assembleia Municipal e Assembleia
de freguesia

 Têm poder deliberativo;


 Discutem e apresentam propostas de
solução para os problemas da freguesia
ou do município;
 São eleitos pelo povo.

32
Câmara Municipal e Junta de
freguesia

 Têm o poder executivo;


 Põem em prática as medidas necessárias
ao bem estar e conforto das populações
locais.

33
Câmara Junta de
Municipal Freguesia

É formada por É formada


um presidente, por um
um vice- presidente
-presidente e
vários e vogais.
vereadores.

34
Estatuto dos eleitos locais
 Os candidatos devem ser de nacionalidade
portuguesa, terem pelo menos 18 anos de
idade, serem cidadãos de um dos Estados
membros da União Europeia ou dos países de
língua oficial portuguesa com residência legal
há mais de dois anos, em condições de
reciprocidade, ou serem cidadãos com
residência legal em Portugal há mais de três
anos, quando de igual direito gozem legalmente
os cidadãos portugueses no Estado de origem
daqueles. A duração do mandato é de quatro
anos.
35
Não podem ser candidatos às
eleições locais
 Funcionários da autarquia para a qual é
realizada a eleição, salvo se suspenderem
funções à data de entrega das listas de
candidatura respectiva;
 Magistrados judiciais do Ministério Público;
 Determinados titulares de altos cargos
públicos;
 Membros das forças policiais e os militares
em prestação de serviço ativo;
 Ministros de qualquer religião ou culto.

36