Você está na página 1de 113

ESTRUTURAS METÁLICAS

MÓDULO 1

PROF. ENG. MAURO CRUZ

mauro@metacustica.com.br

AULA 1 –06/01/2018

1
PROF. MAURO CRUZ – AULA 1
2
USO DO FERRO

OS PRIMEIROS USOS DO FERRO ACONTECERAM, APROXIMADAMENTE,

7000 ANOS, EM CIVILIZAÇÕES TAIS COMO: EGITO, BABILÔNIA E ÍNDIA.

• ADORNO

• CONSTRUÇÕES

• MILITARES

O USO DO FERRO EM ESCALA INDUSTRIAL SÓ TEVE LUGAR EM MEADOS

DO SÉCULO DEZENOVE, NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

INGLATERRA, FRANÇA E ALEMANHA.

3
4
AÇO É  UMA LIGA  METÁLICA FORMADA  ESSENCIALMENTE 

POR FERRO E  BAIXAS  PORCENTAGENS  DE  CARBONO, 

(VARIANDO ENTRE 0,008 E 2,11%). 

DISTINGUE-SE DO FERRO FUNDIDO, QUE TAMBÉM É UMA LIGA 

DE FERRO E CARBONO, MAS COM TEOR DE CARBONO ENTRE 

2,11% E 6,67%. 

O  CARBONO  É  UM  MATERIAL  MUITO  USADO  NAS  LIGAS  DE 

FERRO,  PORÉM  VARIA  COM  O  USO  DE  OUTROS  ELEMENTOS 

COMO: MAGNÉSIO, CROMO, VANÁDIO E TUNGSTÊNIO.

5
O PRINCIPAL MINÉRIO ENCONTRADO NO BRASIL É A
HEMATITA COM 50 A 70 % DE FERRO (8% DAS RESERVAS
MUNDIAIS) É DE BOA QUALIDADE DEVIDO AOS BAIXOS
ÍNDICES DE FÓSFORO E ENXOFRE.

6
7
8
9
10
A PRODUÇÃO DIÁRIA EM MÉDIA DE UM ALTO FORNO VARIA DE 5.000 A 10.000
TONELADAS.
A CARGA DO ALTO FORNO PARA A PRODUÇÃO DE 1 TONELADA DE FERRO GUSA:
• 1,7 TONELADAS DE MINÉRIO
• 0,25 TONELADA DE CALCÁREO
• 0,5 TONELADA DE CARVÃO
• 2 TONELADAS DE AR
PRODUÇÃO:
• 1 TONELADA DE FERRO GUSA
• 0,2 A 0,4 TON. DE ESCÓRIA
• 2,3 A 3,5 TON. DE GÁS (REAPROVEITÁVEL).

11
12
INJETA-SE OXIGÊNIO PURO
REMOVENDO O CARBONO
DO FERRO

13
14
15
16
CARACTERÍSTICAS DE RESISTÊNCIA
EXEMPLO DE APLICAÇÃO

• TRAÇÃO - CABOS E TIRANTES


• COMPRESSÃO - COLUNAS, BASES DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
• FLEXÃO - VIGAS E PÓRTICOS
• TORÇÃO - MOLAS E EIXOS
• IMPACTO - BLINDADOS E ARMAMENTOS
• ALTAS TEMPERATURAS - CALDEIRAS
• INTEMPÉRIES - PONTES E VIADUTOS
• ABRASÃO E DESGASTE - TRILHOS E SERRAS
• AGRESSÕES QUÍMICAS - RESERVATÓRIOS E INDÚSTRIAS.
17
PROF. MAURO CRUZ – AULA 1
18
1 MPa = 10 Kgf/cm²

fy a resistência ao escoamento do aço à tensão normal ou limite


de escoamento

fu é a resistência de ruptura do aço à tração ou limite de


resistência à tração,

19
20
21
CORROSÃO
DETERIORAÇÃO,
QUE OCORRE QUANDO UM METAL REAGE COM O MEIO AMBIENTE

22
CONSIDERAÇÕES GERAIS

HÁ UMA TENDÊNCIA NATURAL DO FERRO CONSTITUINTE DO AÇO


RETORNAR AO SEU ESTADO PRIMITIVO DE MINÉRIO, OU SEJA, COMBINAR
COM OS ELEMENTOS PRESENTES NO MEIO AMBIENTE
(O2 , H2O) FORMANDO ÓXIDO DE FERRO.

ESSE PROCESSO COMEÇA NA SUPERFÍCIE DO METAL E ACABA LEVANDO À


SUA TOTAL DETERIORAÇÃO CASO NÃO SEJAM TOMADAS MEDIDAS
PREVENTIVAS.

23
Métodos de Controle da Corrosão

UM DADO METAL PODE SER SATISFATÓRIO EM


UM CERTO MEIO E PRATICAMENTE INEFICIENTE
EM
OUTROS MEIOS.
POR OUTRO LADO, VÁRIAS MEDIDAS
PODEM SER TOMADAS NO SENTIDO DE
MINIMIZAR A CORROSÃO

24
EVITAR FRESTAS, RECESSOS, CANTOS VIVOS E
CAVIDADES;

BOM ACABAMENTO SUPERFICIAL ÀS PEÇAS;

SUBMETER AS PEÇAS A UM RECOZIMENTO DE ALÍVIO


DE TENSÕES INTERNAS;

USAR JUNTAS (BEM) SOLDADAS NO LUGAR DE JUNTAS


PARAFUSADAS.

25
26
Escala Elétrica dos Metais

mais ativo
Quanto mais afastados no escala elétrica, 
zinco maior será o potencial de reação entre dois 
liga Al+Zn metais.
alumínio

aço
Quando expostos a um ambiente corrosivo 
chumbo como a nossa atmosfera ou a água da 
chuva, dois metais diferentes que estejam 
cobre em contato direto ou que estejam 
conectados por algum outro meio, 
grafite estabelecem um par elétrico, no qual o 
metal mais ativo irá se sacrificar (ou 
menos ativo dissolver) para proteger o menos ativo.

27
GALVANIZAÇÃO

O FENÔMENO DA CORROSÃO É SEMPRE PRECEDIDO PELA REMOÇÃO DE


ELÉTRONS DO FERRO, FORMANDO OS CÁTIONS FE++.
A FACILIDADE DE OCORRER ESSA REMOÇÃO É VARIÁVEL DE METAL PARA METAL
RECEBE O NOME DE POTENCIAL DE OXIDAÇÃO DE ELETRODO.
O ZINCO TEM MAIOR POTENCIAL DO QUE O FERRO.
ASSIM, SE OS DOIS FOREM COMBINADOS, O ZINCO ATUARÁ COMO ÂNODO
(metal de sacrifício) E O FERRO COMO CÁTODO.
ESSA CARACTERÍSTICA É UTILIZADA COMO ARTIFÍCIO

28
Ação da Proteção Catódica

Arranhão  Ar Óxido de  Água


na Chapa Zinco

Aço 1 2 3 4

Zinco

Hidróxido  CO2 Carbonato 


de Zinco de Zinco

5 6 7

29
30
31
32
33
34
Revestimentos
A PROTEÇÃO CONTRA A CORROSÃO POR MEIO DE PINTURA DO AÇO POR
MATERIAL NÃO METÁLICO TEM POR OBJETIVO CRIAR UMA BARREIRA
IMPERMEÁVEL PROTETORA NA SUPERFÍCIE EXPOSTA DO AÇO.
DESTACAM-SE AS TINTAS,
PLÁSTICOS,
ESMALTES VÍTREOS,
PELÍCULAS PROTETORAS
REVESTIMENTOS METÁLICOS.

35
AS TINTAS CONSTITUEM O MAIS IMPORTANTE DOS REVESTIMENTOS.
COMO, EM GERAL, SÃO PERMEÁVEIS AO AR E À UMIDADE, AS TINTAS
SÃO MISTURADAS A PIGMENTOS COMO ZARCÃO, CROMATO DE
CHUMBO E CROMATO DE ZINCO, QUE CONTRIBUEM PARA UMA
INIBIÇÃO DA CORROSÃO.

DEPENDERÁ DA ATMOSFERA DO AMBIENTE AONDE A ESTRUTURA SERÁ


MONTADA

36
OS ESQUEMAS DE PINTURA GERALMENTE OBEDECEM ÀS SEGUINTES

ETAPAS :

- LIMPEZA DA SUPERFÍCIE.

PODE VARIAR DESDE UMA SIMPLES LIMPEZA POR SOLVENTES

OU ESCOVAMENTO, ATÉ JATEAMENTO POR GRANALHA AO METAL

BRANCO.

UMA LIMPEZA DE SUPERFÍCIE DE ALTA QUALIDADE PODE CUSTAR ATÉ

60% DO CUSTO DO TRABALHO DE PINTURA.

37
NA AUSÊNCIA DE NORMAS BRASILEIRAS, GERALMENTE, SÃO SEGUIDAS

NORMAS OU ESPECIFICAÇÕES INTERNACIONAIS, TAIS COMO A

ESPECIFICAÇÃO NORTE-AMERICANA SSPC – “STEEL STRUCTURES

PAINTING COUNCIL” OU A NORMA SUECA SIS – (05 50 00/1967) –

“PICTORIAL SURFACE PREPARATION STANDARDS OF PAINTING STEEL

SURFACE”, QUE FORNECEM OS PROCEDIMENTOS PARA CADA GRAU DE

LIMPEZA.

38
39
GRAU SA 1

O jato de move rapidamente sobre a superfície de aço a fim de


remover as escamas de laminação, óxido e possíveis partículas
estranhas. 
Jateamento abrasivo comercial

GRAU SA 2

Jateamento cuidadoso a fim de remover praticamente toda a


laminação, óxido e partículas estranhas. Caso a superfície
apresente cavidades (pites), apenas ligeiros resíduos poderão ser
encontrados no fundo das cavidades, porém 2/3 de área de uma
polegada quadrada deverão estar livres de resíduos visíveis.
Jateamento abrasivo ao metal quase branco

40
GRAU SA 2 ½

O jato é mantido por tempo suficiente para assegurar a remoção da


laminação, ferrugem e partículas estranhas, de tal modo que
apenas possam aparecer leves sombras, listras ou descoloração na
superfície.
Os resíduos são removidos com aspirador de pó, ar comprimido seco
e limpo ou escova limpa.
Ao final da limpeza 95% de uma polegada quadrada de área deverão
estar livres de resíduos e a superfície deverá apresentar uma
tonalidade cinza clara. 

Jateamento abrasivo ao metal branco

41
42
43
- REVESTIMENTO PRIMÁRIO OU “PRIMER”: TEM COMO OBJETIVO PREPARAR A
SUPERFÍCIE E PROVÊ-LA DE ADESÃO À CAMADA SUBSEQUENTE DE PINTURA.

- É UM PRODUTO GERALMENTE FOSCO, QUE CONTÉM PIGMENTOS ANTICORROSIVOS


PARA CONFERIR A PROTEÇÃO NECESSÁRIA AO
SUBSTRATO.

O PRIMER TAMBÉM É APLICADO SOBRE UMA PEÇA PARA DAR PROTEÇÃO DURANTE O
SEU ARMAZENAMENTO

44
- CAMADA INTERMEDIÁRIA: TEM POR OBJETIVO FORNECER ESPESSURA AO

SISTEMA, AUMENTANDO O CAMINHO DOS AGENTES CORROSIVOS.

- AS TINTAS INTERMEDIÁRIAS GERALMENTE SÃO NEUTRAS, ISTO É, NÃO TEM

PIGMENTOS ANTICORROSIVOS, NEM COLORIDOS. SÃO TAMBÉM

DENOMINADAS TINTAS DE PREENCHIMENTO, SENDO MAIS BARATAS DO QUE

OS “PRIMERS” E DO QUE AS TINTAS DE ACABAMENTO.

45
CAMADA FINAL OU DE ACABAMENTO:

TEM POR OBJETIVO DAR APARÊNCIA FINAL AO SUBSTRATO, COMO COR E


TEXTURA, PODENDO TAMBÉM ATUAR COMO BARREIRA AOS AGENTES
AGRESSIVOS DO MEIO
AMBIENTE.

46
47
48
49
50
51
52
53
PRÉ-
PINTUR
A

Resfriamento Estufa Primer

Fosfatzação (Aço Zincado)


Cromatzação (Alumínio)

Desengraxe Alcalino

Desengraxe Alcalino
Enxágüe a Quente

Escovas Rotatvas
Enxágüe a Frio
Passivação

Seção de Saída Bobina Seção de Entrada Bobina


Pré-Pintada Resfriamento Estufa Poliéster Limpeza e Tratamento sem Pintura
Superficial
•TEMPERATURA DAS ESTUFAS: 230/240 ºC
•VELOCIDADE DA LINHA: 40m/minuto (11 toneladas de chapa 0,50 mm por hora)
•COMPRIMENTO DA LINHA: aproximadamente 120 m
54
55
PROF. MAURO CRUZ – AULA 1
56
PROF. MAURO CRUZ – AULA 1
Chapa de Aço 
Pré-Pintada

Polietleno

Poliéster
Primer Epóxi
Fosfatzação
Zinco
Aço

57
Diversas Utilizações
- CONSTRUÇÃO CIVIL

- ELETRODOMÉSTICOS

- AUTOMÓVEIS

- CÂMARAS 
FRIGORÍFICAS

- IND. DE ALIMENTOS
BOBINA DE AÇO ZINCADO NA SEÇÃO 
DE SAÍDA DA LINHA DE PRÉ-PINTURA.

58
59
PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

O AÇO SOFRE REDUÇÃO DE RESISTÊNCIA COM O AUMENTO DE TEMPERATURA.

NO SÉCULO XIX, QUANDO EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES DE AÇO COMEÇARAM A


SER CONSTRUÍDOS, O CONCRETO ERA UTILIZADO COMO MATERIAL DE REVESTIMENTO
DO AÇO, SEM FUNÇÃO ESTRUTURAL, MAS, COM GRANDES ESPESSURAS, APESAR DO
CONCRETO NÃO SER UM ISOLANTE IDEAL.

ANOS APÓS, O CONCRETO, ALÉM DE REVESTIMENTO, FOI TAMBÉM APROVEITADO


COMO ELEMENTO ESTRUTURAL, TRABALHANDO EM CONJUNTO COM O AÇO PARA
RESISTIR AOS ESFORÇOS.

SURGIRAM ENTÃO AS ESTRUTURAS MISTAS DE AÇO E CONCRETO.

60
DE INÍCIO, NÃO SE SUPUNHA QUE O CONCRETO ARMADO TAMBÉM PODERIA TER
PROBLEMAS COM TEMPERATURAS ELEVADAS.
EM 1948, MÖRCH ESCREVE UM ARTIGO ALERTANDO PARA A NECESSIDADE DE
VERIFICAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO EM INCÊNDIO,
ASSOCIANDO-A APENAS À ARMADURA NO SEU INTERIOR.

HOJE, SE RECONHECE QUE A CAPACIDADE RESISTENTE DO AÇO, DO CONCRETO, DA


MADEIRA, DA ALVENARIA ESTRUTURAL E DO ALUMÍNIO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO
É REDUZIDA EM VISTA DA DEGENERAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS
MATERIAIS OU DA REDUÇÃO DA ÁREA RESISTENTE.

61
62
PROF. MAURO CRUZ – AULA 1
63
64
65
66
67
68
69
70
71
72
Este produto possui baixo peso
específico (aproximadamente 340
Kg/m3) sendo completamente
atóxico (livre de asbestos ou
amianto). É um prémisturado seco
de aglomerantes (cimento e
gesso), agregados leves e aditivos
poliméricos, projetado
diretamente na estrutura,
dispensando uso de pinos, telas ou
qualquer outro tipo de fixação, não
existindo nenhuma reação química
após sua aplicação ou quando
exposto à ação do fogo.
Possui boa resistência mecânica e
perfeita aderência em superfícies
metálicas.
73
74
75
Chama-se isolante térmico um
material ou estrutura que dificulta a
dissipação de calor, usado na
construção e caracterizado por sua
alta resistência térmica.

Estabelece uma barreira à


passagem do calor entre dois meios
que naturalmente tenderiam
rapidamente a igualarem suas
temperaturas.

Transferência de calor por condução

76
77
A manta fibrocerâmica é fabricada a
partir de sílica e alumina de alta
pureza resultando em fibras
refratárias inorgânicas adensadas,
garantindo boa resistência mecânica
e facilidade na instalação.

Sua aplicação através de presilhas e


botões sobre a estrutura, atende
tanto a proteção passiva contra fogo
de estruturas metálicas

78
79
A tinta intumescente, quando
exposta à ação do fogo direta ou
indiretamente, ao atingir
aproximadamente 200°C inicia-se o
processo de expansão volumétrica
formando um filme isolante com
espessura de até 40 vezes a sua
espessura original aplicada,
promovendo a inibição da ação do
fogo sobre o material protegido,
garantindo a segurança humana e
minimizando perdas.

Neste processo de expansão são


liberados gases atóxicos que atuam
em conjunto com resinas especiais
formando uma espuma semirrígida
na superfície da estrutura,
retardando a elevação da estrutura
metálica e seu possível colapso, o
qual ocorre a partir de 550°C. 80
81
82
83
84
PROF. MAURO CRUZ – AULA 1
85
Edger = desbastador – alinha bordas – passe de controle dimensional 86
87
88
89
90
91
92
93
AEROPORTO DOS GUARARAPES
RECIFE PE
94
PROF. MAURO CRUZ – AULA 1
AEROPORTO DE CARRASCO – MONTEVIDEO - URUGUAI

95
PROF. MAURO CRUZ – AULA 1
TORRE EIFELL – PARIS - FRANÇA

96
PROF. MAURO CRUZ – AULA 1
97
PROF. MAURO CRUZ – AULA 1
AEROPORTO CHARLES DE GAULLE – ROISSY- FRANÇA

98
PROF. MAURO CRUZ – AULA 1
PERFIS LAMINADOS ESTRUTURAIS
SÃO PERFIS FORMADOS PELO MESMO
PROCESSO PARA OS PRODUTOS PLANOS COMO AS CHAPAS, SÃO OBTIDOS A PARTIR DE
LAMINAÇÃO À QUENTE, CONFORMADOS POR UMA SUCESSÃO DE PASSES.

99
A REFERÊNCIA À ALTURA DO PERFIL E À SUA MASSA LINEAR É ARREDONDADA NOS
NOMES DE PERFIS DAS TABELAS, DE MODO QUE DEVE-SE CONSULTAR OS VALORES
EXATOS NAS PRÓPRIAS TABELAS.

100
PERFIL "W" (Wide Flange Shape), podendo ser também, PERFIL
"I", PERFIL duplo Tê ou PERFIL "H".
Ex. W 250 x 19,3.

Muitas vezes se confunde ao diferenciar o Perfil "I", do PERFIL


"W", mas o único diferencial destes perfil é sua nomenclatura.
PERFIL "I" = Devido ao seu formato parecido com a letra "I".
PERFIL "W" = Apesar de ser o mesmo perfil vem do americano
que usa a inicial "Wide", (Wide Shape Flange), que quer dizer,
"Forma Larga da Flange".

PERFIL "H" O mesmo perfil apesar do seu diferencial ser a


altura da alma ser mais reduzida "tw", e sua mesa ser mais
alongada "bf".
101
A nomenclatura dos perfis I, H e C (ou U) segue uma regra geral, onde é fornecida a
indicação da forma do perfil seguida de sua altura total (d, em mm) e de sua massa
linear (kg/m). Por exemplo:
I 101 x 12,7, perfil I, com d = 101,0 mm e massa linear 12,7 kg/m.
C (ou U) 254 x 22,7, perfil Tipo C (Channel, ou U), com d = 254,0 mm e massa linear 22,7
kg/m.
102
PERFIS SOLDADOS

PERFIL SOLDADO É O PERFIL CONSTITUÍDO POR TRÊS CHAPAS DE AÇO


ESTRUTURAL, UNIDAS ENTRE SI POR SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO,
FORMANDO APROXIMADAMENTE EM SUA SEÇÃO TRANSVERSAL UM I.

 EMPREGADOS NA CONSTRUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO


 GRANDE VERSATILIDADE DE COMBINAÇÕES POSSÍVEIS DE
ESPESSURAS COM ALTURAS E LARGURAS
 REDUÇÃO DO PESO DA ESTRUTURA, COMPARATIVAMENTE COM OS
PERFIS LAMINADOS DISPONÍVEIS NO MERCADO ATUALMENTE.

103
104
105
106
PRODUZIDOS PELOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS METÁLICAS A PARTIR DO
CORTE E SOLDAGEM DAS CHAPAS FABRICADAS PELAS USINAS SIDERÚRGICAS

SOLDAGEM:
ELETRODO REVESTIDO, ARCO SUBMERSO OU OUTRO TIPO
MATERIAL DE SOLDA –
COMPATÍVEL COM O TIPO DE AÇO A SER SOLDADO
(CARACTERÍSTICAS SIMILARES DE RESISTÊNCIA MECÂNICA, À CORROSÃO, ETC.)

107
108
109
110
VIGA FLEXIONADA

NOMENCLATURAS USUALMENTE UTILIZADAS

DIZEMOS QUE A COLUNA FLAMBADA

VIGA É FLEXIONADA

COLUNA É FLAMBADA
111
112
113