Você está na página 1de 61

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

parte 1

Profª Glaucia Brenny


www.glauciabrenny.blogspot.com.br

Prof.ª Glaucia Brenny 1


Conceitos importantes

O PROBLEMA DO CONSUMO

• As consequências ambientais advindas do padrão


de consumo afetam a sociedade, de forma direta
e indireta, ou seja, há grupos de indivíduos que
sofrem com essas consequências de forma
imediata, pois convivem no dia a dia com os
impactos realizados pelas indústrias para que
possam produzir, enquanto outros indivíduos são
afetados de forma indireta.
Prof.ª Glaucia Brenny 2
Conceitos importantes

• QUEM É CONSUMIDOR?

• é toda é toda pessoa física ou jurídica que


adquire ou utiliza produto ou serviço como
destinatário final. (Código de Defesa do
Consumidor, lei 8.078 de 1990, art. 2º)

Prof.ª Glaucia Brenny 3


Conceitos importantes
• Produto é qualquer bem, móvel ou imóvel,
material ou imaterial.
• Serviço é qualquer atividade fornecida no
mercado de consumo, mediante
remuneração, inclusive as de natureza
bancária, financeira, de crédito e securitária,
salvo as decorrentes das relações de caráter
trabalhista.
(Código de Defesa do Consumidor, lei 8.078 de
1990, art. 3º, § 1º e § 2º)
Prof.ª Glaucia Brenny 4
Conceitos importantes
• Produto é qualquer bem, móvel ou imóvel,
material ou imaterial.
• Serviço é qualquer atividade fornecida no
mercado de consumo, mediante
remuneração, inclusive as de natureza
bancária, financeira, de crédito e securitária,
salvo as decorrentes das relações de caráter
trabalhista.
(Código de Defesa do Consumidor, lei 8.078 de
1990, art. 3º, § 1º e § 2º)
Prof.ª Glaucia Brenny 5
Conceitos importantes
• CONCEITO DE FORNECEDOR:

é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada,


nacional ou estrangeira, bem como os entes
despersonalizados, que desenvolvem atividade de
produção, montagem, criação, construção,
transformação, importação, exportação,
distribuição ou comercialização de produtos ou
prestação de serviços.

(Código de Defesa do Consumidor, lei 8.078 de


1990, art. 3º)
Prof.ª Glaucia Brenny 6
Conceitos importantes

• O impacto coletivo no planeta resulta de uma


combinação do número da população, tipos
de tecnologias integradas e quantidade de
consumo.

Prof.ª Glaucia Brenny 7


Conceitos importantes

I=PxCxT
I = impacto
P = população
C = consumo
T = tecnologia

Prof.ª Glaucia Brenny 8


Conceitos importantes
Podemos identificar dois grupos, os que sofrem as
consequências dos impactos de forma direta e os que
sofrem de forma indireta, apresentando a seguinte
divisão:

trabalhadores das indústrias


Consequências Diretas comunidade vizinha das
indústrias
consumidores em sentido
Consequências Indiretas
amplo

Prof.ª Glaucia Brenny 9


Conceitos importantes

• As empresas não passam de uma mera entidade


jurídica, o grande problema é a forma como são
dirigidas, pois os maus gestores podem causar
danos ambientais irreversíveis. Atualmente a
legislação brasileira, mais exatamente a Lei de
Crimes Ambientais prevê a punição para os
diretores, administradores, membros do
conselho, gerentes, entre outros, que praticaram
ou não impediram uma conduta criminosa contra
o meio ambiente.

Prof.ª Glaucia Brenny 10


Conceitos importantes

• Custos Externalizados são aqueles pagos por


pessoas e/ou organismos externos as
empresas que foram responsáveis por gerá-
los.

• o preço final de um produto, geralmente não


inclui a produção total envolvida, os custos
ocultos dos impactos ambientais não são
contabilizados ao final
Prof.ª Glaucia Brenny 11
Conceitos importantes

• Ferramentas de estimulo ao consumo


utilizadas pelas empresas:

• Publicidade

• Obsolescência planejada, que consiste que


alguns produtos devem possuir uma vida útil
curta e serem programados para serem
jogados no lixo.
Prof.ª Glaucia Brenny 12
Conceitos importantes

• Brooks Stevens, um desenhista industrial


americano que nos anos 50 tornou popular
esta expressão, explica que se trata de
“instigar no comprador o desejo de possuir
algo um pouco mais novo, um pouco melhor e
um pouco mais rápido que o necessário”.

Prof.ª Glaucia Brenny 13


Conceitos importantes
Annie Leonard apresenta um caso interessante: os algodoeiros

consomem muita água, e há um exemplo trágico deste

esgotamento de água que ocorreu no Uzbequistão, as fazendas de

algodão do governo drenaram os rios que desembocavam no mar

de Aral, e seu volume de água foi reduzido em 80% entre 1960 e

2000, e uma grande área verde e fértil, foi transformada em um

semi-deserto, consequentemente, houve mudança do clima da

região, os verões ficaram mais quentes e curtos e os invernos mais

frios, com menos chuvas e violentas tempestades de areia.


Prof.ª Glaucia Brenny 14
Gestão Ambiental

As mudanças ocorridas a partir da década de 70


sobre as questões ambientais, fez com que diversas
empresas se adequassem a nova realidade, seja
devido a imposição legal, seja pela competitividade
no mercado de consumo, o qual cada vez mais os
consumidores tornaram-se mais exigentes.

Prof.ª Glaucia Brenny 15


Gestão Ambiental

• Algumas empresas enxergavam o movimento


ambientalista como um bloqueio para a
produção e obtenção de lucros.

Prof.ª Glaucia Brenny 16


Gestão Ambiental

• Que consumidor gostaria de comprar um


produto de uma empresa que causou a
contaminação de um rio?
• Essa pergunta como outras tantas, fazem
parte das estratégias de gerenciamento
ambiental da empresa, por essas razões, há a
busca pela melhoria contínua nos processos
produtivos, com o intuito de causar o menor
impacto ambiental possível.

Prof.ª Glaucia Brenny 17


Gestão Ambiental

• algumas empresas apenas adotam as


estratégias verdes por uma questão de
modismo, para tentar passar uma falsa
imagem ao consumidor, quando na realidade
suas atividades não estão de acordo com os
padrões ambientais.

Prof.ª Glaucia Brenny 18


Gestão Ambiental

GREENWASHING – é a expressão utilizada


para as empresas que utilizam práticas
desleais, encobrem seus erros, e divulgam
informações socioambientais falsas.

Prof.ª Glaucia Brenny 19


Gestão Ambiental

• As empresas passaram a buscar novas


ferramentas para se relacionar com o
mercado, e novos outros grupos passaram a
se interessar e influenciar as práticas
empresariais, são os chamados de
stakeholders.

Prof.ª Glaucia Brenny 20


Gestão Ambiental

• Os stakeholders são todas as partes


interessadas nas atividades empresariais.

• São as pessoas ou instituições que


representam ou integram grupos que possam
ser afetados, de forma negativa ou positiva,
sendo eles os clientes, fornecedores,
acionistas, governo, funcionários, legisladores,
habitantes do entorno, organizações da
sociedade civil, dentre outros.
Prof.ª Glaucia Brenny 21
Gestão Ambiental

• O conceito de gestão ambiental pode ser


definido como um ramo da administração que
visa a melhoria contínua nas empresas, na
busca pela eliminação ou minimização dos
impactos ambientais, devendo estar presente
em todos os projetos e setores das empresas.

Prof.ª Glaucia Brenny 22


Gestão Ambiental

• Para que o gerenciamento ambiental seja


eficiente, é necessário a implementação de uma
metodologia, e foi na década de 90, que surgiu o
chamado Sistema de Gestão Ambiental – SGA,
cuja a principal função é minimizar ou evitar os
impactos ambientais negativos das atividades
empresariais sobre o meio ambiente.

Prof.ª Glaucia Brenny 23


Gestão Ambiental

• O SGA de uma empresa não apresenta


somente soluções pontuais, através de
normas, objetivos e programas, ele vai buscar
a melhoria contínua, não se trata de um
sistema estático, e sim muito dinâmico.

Prof.ª Glaucia Brenny 24


Gestão Ambiental

• Esse sistema, irá reunir as ferramentas, para


serem implementadas nas atividades
empresarias, com o intuito de estabelecer uma
conexão do desenvolvimento econômico com o
meio ambiente, para que somados atinjam o
desenvolvimento sustentável empresarial.

Prof.ª Glaucia Brenny 25


Gestão Ambiental

• A implementação do SGA, faz com que a empresa


exerça suas atividades dentro da legalidade,
evitando assim o pagamento das sanções
impostas, tanto nas esferas administrativas, cível,
criminal, bem como, ações judiciais pleiteando
indenizações milionárias.

Prof.ª Glaucia Brenny 26


Ferramentas da Gestão Ambiental

• Auditorias Ambientais

• Análise do ciclo de vida (ACV)

• Rotulagem ambiental

Prof.ª Glaucia Brenny 27


Ferramentas da Gestão Ambiental

• A Auditoria Ambiental é uma ferramenta


utilizada para auxiliar no gerenciamento e na
comunicação do desempenho de uma
empresa, com o objetivo de avaliar o
desempenho do SGA, para verificar se o
mesmo está em conformidade com a política
ambiental da empresa, buscando evidencias
relacionadas ao desempenho e aspectos
ambientais.

Prof.ª Glaucia Brenny 28


Ferramentas da Gestão Ambiental

• A auditoria ambiental é um processo pelo qual


será avaliado um conjunto de políticas,
procedimentos ou requisitos de uma empresa,
através de registros, apresentação de fatos ou
outras informações, para identificar se a mesma
está atendendo as expectativas do SGA, ou seja,
se está ou não conforme.

Prof.ª Glaucia Brenny 29


Ferramentas da Gestão Ambiental

AUDITORIA DE
AUDITORIA DE AUDITORIA DE
PRIMEIRA PARTE
SEGUNDA PARTE TERCEIRA PARTE
(OU INTERNAS)
• são as realizadas pelos • são as realizadas por • é realizada por uma
próprios funcionários partes interessadas equipe independente,
da empresa, que são (stakeholders), ou sem qualquer vinculo
devidamente seja, clientes ou com a empresa e são
treinados, para avaliar fornecedores, para representantes de um
o SGA. obterem informações organismo de
se o SGA está certificação. Essa
adequadamente equipe é contratada
implementado. para auditar, com o
objetivo de emitir um
certificado de que o
SGA está adequado a
exigência da norma
requisitada.

Prof.ª Glaucia Brenny 30


Ferramentas da Gestão Ambiental

• As auditorias são importantes para identificar


as falhas, problemas de não conformidade
com a legislação e com a própria política da
empresa, e devem ser realizadas com
periodicidade.

Prof.ª Glaucia Brenny 31


Ferramentas da Gestão Ambiental

• A ANÁLISE DO CICLO DE VIDA é uma


ferramenta pela qual as empresas obtém os
dados necessários para minimizar os impactos
ambientais durante o processo produtivo.

Prof.ª Glaucia Brenny 32


Ferramentas da Gestão Ambiental

extração Transforma-
da ção da
matéria transporte consumo descarte
matéria-
prima prima

Prof.ª Glaucia Brenny 33


Ferramentas da Gestão Ambiental
• 1ª etapa: deve ser analisado o custo ambiental
do consumo, com a extração das matérias
primas.
• 2ª etapa: é avaliado o processo de produção,
para verificar se haverá a emissão de alguma
substância química no meio ambiente
• 3ª etapa: a distribuição, ou seja, o transporte é
responsável pela emissão de dióxido de carbono,
devido à queima de combustível fóssil, inclusive
deve ser contabilizado a fabricação desses meios
de transportes também.
Prof.ª Glaucia Brenny 34
Ferramentas da Gestão Ambiental
• 4ª etapa: o consumo, muitos produtos
causam impactos durante seu consumo,
emitem dióxido de carbono, gastam energia,
causam problemas de saúde, etc.
• 5ª etapa: descarte, ou seja, a destinação final
em local não adequado, que pode causar a
contaminação do solo ou recurso hídrico, e
ainda os produtos que não são reutilizados ou
reciclados, e que formam um amontoado de
resíduos, que irão demorar centenas de anos
para se decompor no meio ambiente.

Prof.ª Glaucia Brenny 35


Ferramentas da Gestão Ambiental

• A Rotulagem Ambiental (Ecolabelling) foi


desenvolvida para tentar identificar as
empresas que possuíam métodos de produção
que causavam menos impactos ao meio
ambiente, de acordo com as características
dos produtos ou serviços.

Prof.ª Glaucia Brenny 36


Ferramentas da Gestão Ambiental

• A norma ABNT NBR ISO 14020:2002 (Rótulos e


declarações ambientais - Princípios Gerais),
estabelece princípios orientadores para o
desenvolvimento e uso de rótulos e
declarações ambientais.

Prof.ª Glaucia Brenny 37


Ferramentas da Gestão Ambiental
Norma Título
ABNT NBR ISO 14024:2004 Rótulos e declarações ambientais -
Rotulagem ambiental do tipo l -
Princípios e procedimentos
ABNT NBR ISO 14021:2004 Rótulos e declarações ambientais -
Auto declarações ambientais
(Rotulagem do tipo II)

ISO 14025:2006 Declarações e Rótulos Ambientais -


declarações ambientais do tipo III -
Princípios e procedimentos

Prof.ª Glaucia Brenny 38


Ferramentas da Gestão Ambiental

O objetivo do Cerflor é a
certificação do manejo
florestal e da cadeia de
custódia, de acordo com
os critérios e indicadores,
Cerflor – que são aplicáveis em
Programa Brasileiro de todo o território nacional
Certificação Florestal conforme as normas da
ABNT e integradas ao
Sistema Brasileiro de
Avaliação da
Conformidade e ao
Inmetro.

Prof.ª Glaucia Brenny 39


Ferramentas da Gestão Ambiental

Prof.ª Glaucia Brenny 40


Ferramentas da Gestão Ambiental

Prof.ª Glaucia Brenny 41


Certificação
• O mundo globalizado fez com que as empresas
adotassem padrões internacionais para serem
aceitas no mercado de consumo, e motivaram
estas a cumprirem determinados requisitos de
qualidade ambiental, para obterem certificações.

Prof.ª Glaucia Brenny 42


Certificação
• as empresas passam por um processo de
certificação, para provarem que sua atividade
causa pouco impacto ao meio ambiente, e se
submetem a regras e critérios estabelecidos pelos
organismos normalizadores, e estando a empresa
em conformidade o organismo certificador emite
o documento.

• As entidades envolvidas no processo de


certificação são o organismo normalizador, o
organismo credenciador e o organismo
certificador.
Prof.ª Glaucia Brenny 43
Certificação

Organismo Organismo Organismo


normalizador Credenciador Certificador
• responsável pela • responsável pelos • responsável por emitir
elaboração das normas critérios para definir os certificados
técnicas quem pode analisar os • audita as empresas
• não participa da pedidos de certificação para constatar se estão
emissão de certificados e emitir os certificados em conformidades
• credencia as entidades com as normas
certificadoras • também conhecido por
OCCs - Organismos de
Certificação
Credenciados, e cada
país possui o seu.

Prof.ª Glaucia Brenny 44


Certificação
A normalização possui alguns aspectos importantes como:

 a intercambialidade, ou seja, um produto ou serviço atenderá os


mesmos requisitos em qualquer país;

 a compatibilidade, que é a capacidade de produtos serem utilizados


de forma conjunta, sem causar interações inaceitáveis;

 segurança, para reduzir os riscos a pessoas ou materiais, proteção ao


meio ambiente, contra danos decorrentes da utilização de um
produto ou serviço;

 controle da variedade, para evitar que haja números diversos de


tamanho ou tipos de processos e

 proteção do produto, durante as variações climáticas e transporte.


Prof.ª Glaucia Brenny 45
Certificação

Um dos organismos normalizadores mais conhecidos no mundo é a


International Organization for Standartization – ISO, que possui
como objetivo promover a padronização dos produtos e serviços,
para fomentar o comércio internacional e facilitar o intercâmbio de
produtos e serviços entre países.

Prof.ª Glaucia Brenny 46


Certificação

O SBC - Sistema Brasileiro de Certificação foi criado pelo Conmetro


- Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade
Industrial - pela Resolução O8/92 (revista pela Resolução O2/97), e
sua função é adequar a estrutura de certificação à realidade
brasileira.

Prof.ª Glaucia Brenny 47


Gestão da Qualidade

O termo qualidade corresponde às práticas de gestão


que conduzem à satisfação do consumidor e a
melhoria contínua dos produtos e serviços o que exige
o envolvimento de todos os setores da empresa no
desempenho de suas funções.

Prof.ª Glaucia Brenny 48


Gestão da Qualidade

Para garantir o aperfeiçoamento constante, é preciso:

 Avaliar a cadeia produtiva


 Reduzir gastos
 Combater desperdícios
 Aprimorar os processos

Prof.ª Glaucia Brenny 49


Gestão da Qualidade
Principais fases da gestão da qualidade:
1ª fase: inspeção dos produtos (foco produto final)
2ª fase: controle da qualidade (uso da amostragem)
3ª fase: garantia da qualidade total (todos departamentos
integrados)
4ª fase: gestão estratégica da qualidade (estudo da administração)

Garantia da Gestão
Inspeção de Controle da qualidade estratégia da
produtos qualidade total qualidade

1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 hoje


Prof.ª Glaucia Brenny 50
Gestão da Qualidade

Filosofia Kaizen: realizar continuamente , pequenas


mudanças rumo ao aprimoramento dos produtos e
processos. As alterações podem ser pequenas, mas
o importante que elas sejam constantes, tornando-
se praticamente um hábito diário.

Prof.ª Glaucia Brenny 51


ABNT NBR ISO 9000:2005

ABNT NBR ISO 9000:2005

Título : Sistemas de gestão da qualidade -


Fundamentos e vocabulário

Objetivo : Esta Norma descreve os fundamentos de


sistemas de gestão da qualidade, que constituem o objetivo
da família ABNT NBR ISO 9000, e define os termos a ela
relacionados.

Prof.ª Glaucia Brenny 52


ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008

Título :Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Objetivo : A ABNT NBR ISO 9001 especifica requisitos para


um sistema de gestão da qualidade.

Prof.ª Glaucia Brenny 53


ABNT NBR ISO 9001:2008

O projeto e a implementação de um sistema de gestão da


qualidade de uma organização são influenciados por:

 Seu ambiente organizacional


 Sua necessidades que se alternam
 Seus objetivos particulares
 Os produtos fornecidos
 Os produtos utilizados
 Seu porte e estrutura organizacional

Prof.ª Glaucia Brenny 54


ABNT NBR ISO 9001:2008

REQUISITOS GERAIS:

A organização deve estabelecer, documentar, implementar e


manter um sistema de gestão de qualidade e melhorar
continuamente sua eficácia.

Prof.ª Glaucia Brenny 55


ABNT NBR ISO 9001:2008
A organização deve:

a) Determinar os processos necessários para o sistema de


gestão da qualidade e sua aplicação por toda a organização,
b) Determinar a sequencia e interação desses processos,
c) Determinar critérios e métodos necessários para assegurar
que a operação e o controle desses processos sejam
eficazes,
d) Assegurar a disponibilidade de recursos e informações
necessárias para apoiar a operação e o monitoramento
desses processos
e) Monitorar, medir onde aplicável e analisar esses processos,
e
f) Implementar ações necessárias para atingir os resultados
planejados e a melhoria contínua desses processos.
Prof.ª Glaucia Brenny 56
ABNT NBR ISO 9001:2008

Escopo do sistema

MANUAL DE
Procedimentos documentados
QUALIDADE

Descrição da interação entre os


processos do SGQ
REQUISITOS DE
DOCUMENTAÇÃO
CONTROLE DE Deve ser estabelecido um
DOCUMENTOS procedimento documentado

Deve ter procedimento


documentado para a
CONTROLE DE
identificação, armazenamento,
REGISTROS
proteção, recuperação, retenção
e disposição dos registros.
Prof.ª Glaucia Brenny 57
ABNT NBR ISO 9001:2008
COMPROMETIMENTO DA
DIREÇÃO

FOCO NO CLIENTE

RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO POLÍTICA DA QUALIDADE

PLANEJAMENTO

RESPONSABILIDADE,
AUTORIDADE E
COMUNICAÇÃO

ANÁLISE CRÍTICA PELA


DIREÇÃO

Prof.ª Glaucia Brenny 58


ABNT NBR ISO 9001:2008

Gestão de recursos:

 Provisão de recursos
 Recursos humanos
 Infraestrutura
 Ambiente de trabalho

Prof.ª Glaucia Brenny 59


ABNT NBR ISO 9001:2008
REALIZAÇÃO DO
PRODUTO

Planejamento Processos Projeto e Produção e Controle de


equipamento de
da realização relacionados a desenvolviment Aquisição prestação de monitoramento
do produto clientes o serviço e medição

Determinação de Planejamento de
Controle de produção
requisitos relacionados projeto e Processo de aquisição
e prestação de serviço
ao produto desenvolvimento

Análise crítica dos Validação dos


Entradas de projeto e Informação de
requisitos relacionados processos de produção
desenvolvimento aquisição
ao produto e prestação de serviço

Comunicação com o Saídas de projeto e Verificação do produto Identificação e


cliente desenvolvimento adquirido rastreabilidade

Verificação de projeto
Propriedade do cliente
e desenvolvimento

Controle de alterações
Preservação do
de projeto e
produto
desenvolvimento
Prof.ª Glaucia Brenny 60
ABNT NBR ISO 9001:2008
Medição, Monitoramento e Satisfação do cliente
análise e medição Auditoria interna
melhoria Monitoramento e medição de processos
Monitoramento e medição de produto
Controle de
produto não
conforme

Análise de dados

Melhoria Melhoria contínua


Ação corretiva
Ação preventiva

Prof.ª Glaucia Brenny 61