Você está na página 1de 144

SISTEMAS MODIFICADOS APLICADOS A

FORMULAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Professora Ma. Suzana Bender


CONTROLE DE QUALIDADE
MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA(MEV)

Micrografias são obtidas através do Microscópio Eletrônico


de Varredura.

Todas as micrografias são obtidas das superfícies de fratura


recobertas com ouro.
Microscópio eletrônico de varredura (MEV) da marca
HITACHI, modelo TM 1000
CONTROLE DE QUALIDADE
ESPECTROSCOPIA DE INFRAVERMELHO (FTIR)
A partir da emissão de radiação infravermelha em uma
amostra, ocorre a vibração de ligações químicas
estabelecidas entre átomos, devido à absorção de
energia.

A obtenção de espectros de absorção permite caracterizar


a composição química de amostras complexas.
Espectro de Infravermelho por Transformada de Fourier
(FTIR) da marca SHIMADZU, modelo IR PRESTIGE - 21
CONTROLE DE QUALIDADE
CALORIMETRIA DE VARREDURA DIFERENCIAL
É uma técnica na qual a diferença de potência elétrica ou
fluxo de calor entre uma amostra e um material de referência
é medida em função da temperatura por meio de
um calorímetro diferencial, que realiza uma medida exata do
calor de transição entre esses materiais.
CONTROLE DE QUALIDADE
CALORIMETRIA DE VARREDURA DIFERENCIAL
A técnica permite identificar eventos endotérmicos ou
exotérmicos ocasionados devido à transições de fase ou
reações diversas que sejam capazes de causar variações de
calor.
CONTROLE DE QUALIDADE
CALORIMETRIA DE VARREDURA DIFERENCIAL
A Calorimetria Exploratória Diferencial permite ainda
identificar transições vítreas, fenômeno este que pode ocorrer
em alguns materiais poliméricos e vítreos.
CONTROLE DE QUALIDADE
CALORIMETRIA DE VARREDURA DIFERENCIAL
CONTROLE DE QUALIDADE
DIFRAÇÃO DE LASER

•A interação de um feixe de laser (fonte de radiação


eletromagnética) com as partículas em movimento ocasiona o
espalhamento da luz segundo múltiplos ângulos.
• Prevalece uma relação que estabelece uma proporção
inversa entre o tamanho da partícula e o ângulo de
espalhamento (ex. quanto menor o tamanho da partícula
maior o ângulo de espalhamento e vice-versa)
CONTROLE DE QUALIDADE
DIFRAÇÃO DE LASER
CONTROLE DE QUALIDADE
POTENCIAL ZETA

O potencial zeta é a diferença de potencial entre o meio de


dispersão e a camada estacionária de fluido ligado à partícula
dispersa.
É amplamente utilizado para quantificação da magnitude da
carga.
A interação das partículas se dá pela magnitude do potencial
zeta e não por sua carga de superfície,
Pode-se prever estabilidade de suspensões coloidais.
CONTROLE DE QUALIDADE
POTENCIAL ZETA
O potencial zeta é um indicador chave da estabilidade das
dispersões coloidais.
A magnitude do potencial zeta indica o grau de repulsão
eletrostática entre partículas adjacentes de carga similar em
uma dispersão.
Para moléculas e partículas que são suficientemente
pequenas, um elevado potencial zeta conferirá estabilidade,
isto é, a solução ou dispersão resistirá à agregação.
CONTROLE DE QUALIDADE
POTENCIAL ZETA
Quando o potencial é pequeno, forças de atração podem
exceder esta repulsão e a dispersão pode quebrar e flocular.
Assim, colóides com alto potencial zeta (negativo ou positivo)
são eletricamente estabilizados, enquanto colóides com baixo
potencial zeta tendem a coagular ou flocular.
• maioria de partículas em
suspensão possuem uma
carga de superfície,
principalmente por grupos
ionizáveis ou por adsorção de
espécies carregadas.

• Cria-se uma camada ao redor


da partícula que difere do da
solução.

• Sob movimento Browniano


essa camada se move como
parte da partícula. O
potencial zeta é o potencial
nesta camada (slipping
plane).
CONTROLE DE QUALIDADE
EFICIÊNCIA DE ENCAPSULAÇÃO
CONTROLE DE QUALIDADE
EFICIÊNCIA DE ENCAPSULAÇÃO
CONTROLE DE QUALIDADE
EFICIÊNCIA DE ENCAPSULAÇÃO
CONTROLE DE QUALIDADE
EFICIÊNCIA DE ENCAPSULAÇÃO
CONTROLE DE QUALIDADE
CONTROLE DE QUALIDADE
CONTROLE DE QUALIDADE
Carreadores lipídicos nanoestruturados de ácido estearico
foram preparados com diferentes conteúdos de ácido
oleico (OA) foram preparados com sucesso pelo método de
difusão de solvente em um sistema aquoso.
A- ácido esteárico (SLN) B- ácido esteárico (NLC) com 15% de ácido oléico

C- ácido esteárico (NLC) com 30% de ácido oléico


SLN

NLC
As curvas de eficiência
de retenção de droga e
capacidade de carga
contra o conteúdo de OA
são dados na Fig. 3

eficiência
capacidade de carga

A eficiência de aprisionamento e capacidade de carga de


fármaco de nanopartículas aumentaram de 47,67 para
69,95% e de 2,30 para 3,30%, respectivamente, com o
aumento do percentual de OA de 0 a 30% em peso.
Fig. 4 mostra as curvas DSC de SLN e NLC em pó. Pode ser
visto que todas as curvas só incluem um pico, e o ponto de
fusão diminuiu com o aumento do teor de acido oleico em
NLC.
Para todas as
fórmulas, um padrão
bifásico foi observado,
que foi a liberação da
droga na fase inicial
seguida de liberação
sustentada a uma taxa
constante.

A taxa de liberação se tornou mais rápida quando o ácido


oleico era incorporado a nanopartículas e aumentou com o
aumento do conteúdo OA
Avaliação da distribuição de um fármaco
nanoestruturado

Fármaco – Oridonin (medicina chinesa) - esofagite e carcinoma hepático


- lipofílico,
- baixa biodisponibilidade oral e
- baixa solubilidade.

Modo de preparo:
1. fusão
2. emulsificação + solidificação por evaporação á baixa temperatura
3. ultrasonicação
Foi o método de emulsão e evaporação de solventes que
apresentou a maior eficiência no encapsulamento.
Morfologia: esféricas com tamanhos uniformes
Tamanho médio 22,22 ± 15,5 nm
Potencial Zeta médio: - 45,07 mV
Distribuição do fármaco nos principais órgãos

A ORI-SLN apresentou maior concentração e mais estável


 Desenvolvimento de uma nanopartícula sólida
“carregadora” de Acetato de Dexametasona ao
alvo (pulmão) por administração intravenosa
DXM - Glicocorticóide sintético
- atividades terapêuticas para doenças pulmonares
- apresenta efeitos colaterais significativos: hiperglicemia,
úlceras e infecções
-praticamente insolúvel em meio fisiológico o que dificulta a
sua administração
intravenosa

Método utilizado:Homogeneização à alta pressão: geralmente


utilizado para ativos lipofílicos.
Morfologia: superfície esférica regular
Não houve alterações de resultados nos parâmetros
devido á liofilização
 CONCLUSÃO

•As Nanopartículas Lipídicas Sólidas têm demonstrado ser


uma maneira eficiente e de alto valor comercial e terapêutico
na reformulação de fármacos já utilizadas em diversas
terapias.
Solid lipid nanoparticles for enhancing vinpocetine's oral
bioavailability
• Utilizado no tratamento de
desordens circulatórias
cerebrovasculares.

• Apresenta baixa absorção oral


sendo rapidamente metabolizada e
eliminada do corpo

•Vimpocetina é um fármaco sintético


vasodilatador cerebral da classe dos
nootrópicos. Atua por inibição da
fosfodiesterase, o que aumenta o
AMPc. Está relacionada com os
alcalóides da Vinca minor
COMPOSIÇÃO DAS FORMULAÇÕES

Glyceryl monostearate
MEV das SLN de monoestearato de glicerila com diâmetro
de 70-200 nm dependendo do tipo e da concentração do
tensoativo.
CONCENTRAÇÃO NO PLASMA
(2% de Tween 80)
(1.5% de Tween 80)
(1% de Tween 80)

Maior concentração de Tween 80 na formulação = Aumentou


a absorção do ativo via oral
Trans-Retinol (vitamina A)
PREPARAÇÃO DE SLN
•O método utilizado foi de homogeneização por fusão a quente.
Brevemente, 100 mg de lipídeo sólido, 3 mg de AR (trans-retinol), e
variando as quantidades de eggPC (fosfatidilcolina de ovo) e Tween 80
foram misturados num tubo de 25 mL e sonicado a 60oC por 2 h.

•800 mL de água pré-aquecida (60oC) foi lentamente adicionada ao


material fundido (1 g de peso total final) e sonicado por 3 h até uma
emulsão leitosa fosse obtida.

•Estas emulsões cruas foram homogeneizadas por 4 ciclos a 60oC e 100


mPa usando um homogeneizador de alta pressão. A emulsão
homogeneizada foi resfriada em nitrogênio líquido e logo descongelado
em banho de água a temperatura ambiente para produzir as SLNs.
CARACTERIZAÇÃO
EFEITO DO SURFACTANTE

Tamanho da partículas diminui com aumento do surfactante


100 mg de surfactatnte (eggPC/Tewee 80) 124 nm
60 mg de surfactante 228 nm
A quantidade de surfactante não muda significativamente o
potencial zeta (22 a 28 mV)
ESTABILIDADE

Ar em metanol- MeOH
ESTABILIDADE
EFEITOS DE ANTIOXIDANTES NAS SLN

diâmetros dos SLN preparados com BHT-BHA, tocoferol e vitamina C não


eram muito diferentes aqueles preparados sem antioxidantes. Valores de
polidispersão foram similarmente baixos (0.244–0.283), mostrando estreita
distribuição de tamanho.
O potencial zeta variou de 27 a 37 mV, sugerindo estabilidade eletrostática.
As propriedades físicas de SLNs não foram afetadas pela adição de
antioxidantes.
CONCLUSÕES
Neste estudo foi mostrado que AR-SLN pode ser obtido
com tamanho e PI adequado e potencial zeta de forma
otimizada em função do surfactante.

Embora AR não foi estabilizada completamente por SLN a


instabilidade de AR pode ser superada por co-carga de
antioxidantes, como por exemplo BHT-BHA no SLN.

A presença de antioxidante aumenta grandemente a


eficiência de encapsulamento do AT no SLN.

Este trabalho mostrou que AR e SLN junto a BHT–BHA


pode prover uma formulação efetiva para o uso clínico do
AR.
PREPARAÇÃO
•A preparação é baseada no principio emulsão com
difusão de solvente em água. Brevemente, 10 mg de
cada fármaco (rifampicina, isoniazida e pirazinamida) e
30 mg de ácido esteárico foram colocados numa mistura
de acetona/etanol (12 ml de cada) e aquecido a 60–70oC
num banho de água. A razão fármaco total: lipídeo foi
mantida em 1:1 p/p.
PREPARAÇÃO

•A solução resultante foi colocado em 25 ml de 1% PVA


aquoso a 4–8oC sobe agitação mecânica.

•As SLN formadas espontaneamente foram recuperadas


por centrifugação a 35,000 x g por 30 min a 4–8oC. Os
pellets foram lavados três vezes com água destilada e
secos em vácuo.
CARACTERIZAÇÃO DAS SLNs

•A eficiência de incorporação dos fármacos foi de 52% de


rifampicina, 46% de isoniazida e 42% de pirazinamida.

•A quantidade residual de PVA foi de 10.5–12.5% p/p de


partículas secas em vácuo.

•PVA residual foi analisado por iodometria a 695 nm.

•Não foi detectado acetona/etanol residual (acetona/etanol


residual)
Liberação in vitro dos farmacos

• No caso da isoniazida/pirazinamida, a liberação em


fluidos gástrico simulado (SGF) foi de 15% nas
primeiras 6 h e 12–15% durante 6–72 h. Rifampicina
foi liberada em menor extensão, 9% nas primeiras 6
h e 11% durante 6–72 h.

• O fármaco liberado em fluido intestinal simulado


(SIF) não foi mais de 20% após 6 h e 11% de 6 a 72
h, no caso da isoniazida/pirazinamida entretanto, a
liberação da rifampicina foi de 8–12% durante o
período inteiro de estudo.
DISTRIBUIÇÃO DOS FÁRMACOS
Fármacos livres foram eliminados dos tecidos as 24-48 h
PARAMETROS FARMACOCINÉTICOS
ATIVIDADE QUIMIOTERÁPICA

Pandey e col., 2005


CONCLUSÕES

• Embora nanopartículas poliméricas e lipossomas são


eficientes como carregadores de fármacos
antituberculosis, as vantagens com SLNs não é somente
que a estabilidade é maior comparada com lipossomas
como também a eficiência de incorporação é melhor
que as formulações poliméricas mas também os riscos
de solventes orgânicos são mínimos.
Formulação para o nifedipino/eudragit® L100 aplicados em
sistemas de liberação controlada.

O polímero escolhido foi o Eudragit® L100(boa estabilidade de


encapsulamento). O Eudragit® L100 é um copolímero entérico
dependente do pH que possui em sua estrutura grupos de
ácidos metacrílicos, insolúvel em pH ácido e solúvel em pH
neutro ou soluções alcalinas.
Nifedipino classe dois na classificação biofarmacêutica(baixa
solubilidade e alta permeabilidade) utilizado principalmente
para o tratamento de hipertensão e angina.
OBTENÇÃO DE PARTÍCULAS DE EUDRAGIT® L100
CONTENDO NIFEDIPINO

Inicialmente foram pesados 80 mg de nifedipino e dissolvidos em


10 mL de metanol (solução 1).

Em paralelo, 200 mg de Eudragit® L100 são dissolvidos em 10


mL de metanol (solução 2).
OBTENÇÃO DE PARTÍCULAS DE EUDRAGIT® L100
CONTENDO NIFEDIPINO

As soluções 1 e 2 são então transferidas para um mesmo


recipiente e agitadas, para a formação da fase orgânica interna,
onde encontra-se o polímero e fármaco dissolvidos em um
mesmo solvente orgânico.
OBTENÇÃO DE PARTÍCULAS DE EUDRAGIT® L100
CONTENDO NIFEDIPINO

A fase aquosa externa consiste em uma solução acidificada


pH=2, preparada com ácido clorídrico 0,5 M gotejada em água
até o pH atingir o valor de 2.
A fase interna é transferida gota a gota para um recipiente
contendo aproximadamente 40 mL de solução acidificada pH=
2.
A mistura é agitada a 200 rpm, em temperatura ambiente,
durante 1 hora, para que ocorra a formação do precipitado.

Após 24 horas as partículas são decantadas e em seguida


secas à 50 ºC até sua completa secagem para a evaporação
do solvente
Essas emulsões permitem a incorporação de vários tipos de
compostos na fase interna orgânica, na região interfacial ou na
fase externa aquosa.
Pela técnica de microscopia eletrônica de varredura (MEV) foi
possível observar a morfologia esférica das partículas e pela
técnica de espectroscopia de infravermelho por transformada
de fourier (FTIR) a presença dos picos característicos e dos
grupos funcionais do polímero (Euragit® L100) e fármaco
(nifedipino), comprovando a presença destes nas partículas
obtidas.
Imagens do sistema Eudragit® L100 solubilizados em metanol e
adicionado na solução acidificada HCl (0,5 M pH=2)
As partículas de Eudragit® L100 foram preparadas em
meio ácido (HCl 0,5 M pH=2), onde nessas condições
possui uma conformação fechada esférica devido à alta
atração intermolecular entre os grupos hidróxido e
carboxila do polímero, que causam à diminuição da
porosidade e consequentemente à permeabilidade do
solvente.
Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) do Eudragit®
L100 sem ser encapsulado (a, b);
Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) das Partículas
de Eudragit® L100 (c, d);
Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) do Nifedipino
livre (e, f);
Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) das Partículas de
Eudragit® L100 contendo Nifedipino (g, h).
ESPECTROSCOPIA DE INFRAVERMELHO POR TRANSFORMADA DE FOURIER
(FTIR)

O FTIR de Eudragit® L100 é caracterizado por bandas a


3500, 3000, 1736, 1195 e 1165 cm-1 atribuído a forma livre de
ácido carboxílico, CHx, de éster carboxílico e ligações CO de
éster carboxílico e ácido, respectivamente.
A partir do espectro de FTIR, picos característicos de
nifedipino são identificados em 3096 cm-1 (grupo aromático) –
bandas Ar-H (CH), 1680 cm-1 (grupo arilo carboxílico) - 1622
cm-1 (grupo piridina) - 1226 cm-1 (grupo carbonila) -
Eudragit® L100 apresenta pico em 1730 cm-1 presença da
ligação C=O, que foi descolado confundindo com os picos do
grupamento éster do nifedipino, não havendo uma possível
existência de interações químicas entre o fármaco e o
polímero, mantendo as suas características farmacológicas-
FÁRMACO ENCAPSULADO.
Introdução

NLP
NLC
(2ª geração)

• proteção
• bioatividade
• diversas vias de
administração aplicação dérmica

filmes ↑ hidratação COSMÉTICOS


lipídicos (coenzima Q10)
Introdução

Relevância: Advanced Drug Delivery Reviews

NLC – mais de 40 tipos de produtos em


cosméticos
Desenvolvimento do produto

estabilidade

física química microbiana

Técnica de produção: homogeneização quente à alta


pressão
Introdução

Concentrado de NLC estéril

Formulações dérmicas = concentrado de NLC + creme

fluidos/semissólidas
armazenamento

conservantes

perda de instabilida
características de física
agregação gelificação
Introdução

conservantes influência
nos NLC

OBJETIVOS • Verificação de possíveis danos

• Elaboração de um método de seleção de


conservantes
Introdução
1.1 Seleção dos Conservantes

• Farmácia
conservantes • Cosmética tipo + quantidade
• Nutrição menor possível
irritação Processos alérgicos
adição de ≠
conservantes
fenoxietanol 50%

Ex.: Euxyl PE 9010

etil-exil-glicerina 89
Materiais e Métodos
2.1 Preparação das suspensões:
Cetil palmitato
Migliol
INCI: Caprylic/Capric Triglyceride Aquecidos Adição da Coenzima Q10
até 85ºC.
TegoCare 450-um emulsificante para
formulação de loções e cremes O/W

Homogeneizador de Frascos + banho de


alta pressão, com água 15º C para
aplicação de 2 ciclos controlar a taxa de
de 800 bar, mantendo resfriamento e
a temperatura. solidificação das NLC

Disperso em água na mesma temperatura


(8000 rpm) por 30 s.
Materiais e Métodos

2.2 Adição dos conservantes:


Foram adicionados em temperatura ambiente com agitação
suave.
Materiais e Métodos

2.3 Estabilidade:

 As amostras foram armazenadas em temperatura


ambiente, no escuro durante 1 ano.
 E analisadas quanto tamanho de particula e potencial
zeta.
2.4 Caracterização:

 Tamanho de particula:
Realizado através de
espalhamento dinâmico
de luz

Para detectar presença de


micropartículas, a partícula foi
Mastersizer Malvern
2000 (instrumentos de analisada por espalhamento
Malvern, Malvern, UK), estático de luz, difração de
laser. Com uma medição na
faixa de 20 a 200 nm.
2.4 Caracterização:

 Microscopia óptica
Método de caracterização adicional para detectar
possíveis partículas grandes ou para provar a sua ausência.

 Potencial Zeta:
As medições foram
realizadas em 2 meios:
 água purificada + NaCl;
 meio de dispersão
original- Solução
TegoCare 450 +
conservantes adicionados.
Zetasizer®, Nano-ZS da
Malvern
Resultados e discussão

• O tamanho médio de partícula de 196 nm;

• E o Potencial ZETA em água foi de 46 mV e 37 mV


no original;

• Meio de dispersão (solução Tegocare 450).

95
Resultados e discussão
Resultados e discussão

97
Resultados e discussão

98
Resultados e discussão

Em onze diferentes sistemas do conservante foi investigado a relação


e a influencia do tamanho, a estabilidade física e o potencial zeta de
uma dispersão NPL.

Em estudos anteriores foi observado que conservantes utilizados em


nanocristais prejudicaram a estabilidade das nano-suspensões

Foram usadas algumas misturas e adição de conservantes para


fornecer uma ampla base de dados para melhor compreender os
mecanismos de interacção entre os conservantes e NPL.

No presente estudo uma diferenciação não é possível em dois grupos,


mas em quatro classes (Tabela 2).
Resultados e discussão

As quatro classes de classificação de conservantes e


correspondentes conservantes identificados. 100
Resultados e discussão

O forte efeito desestabilizador (conservantes classe III) foi


observado um efeito imediato que ocorre e pode ser detectado
muito pouco tempo após a adição do conservante.

A diferenciação entre as classes I, II e IV é com base num efeito a


longo prazo, que pode ser observado somente após um longo tempo de
armazenamento (6 à 12 meses).

Os conservantes contribuiram com a estabilidade da NPL


diferentemente do que acontecia com a estabilidade dos nanocristais,
em estudos anteriores.

Por exemplo:

Caprylyl glicol que era de forma acentuada um desestabilizador nos


nanocristais, afetaram muito pouco na estabilidade das dispersões 101
NPL.
Resultados e discussão

OBS:
A estabilidade física de sistemas coloidais ou o efeito de desestabilização é
realmente um fenômeno multifatorial, dependendo de vários parâmetros,
por exemplo:

Afinidade do conservante para a superfície das partículas;

Hidrofobicidade da superfície das partículas;

Ancoragem do estabilizador para com a superfície;

Capacidade de conservante para reduzir o potencial zeta;

Natureza das partículas do estabilizador, e interação com a


102
camada de conservante estabilizante.
Parâmetros que desempenhando um papel fundamental na estabilidade de
sistemas coloidais e o mecanismo de comprometimento devido à adição de
conservantes. (A)
103
Resultados e discussão

Influência da afinidade do conservante à superfície das


partículas e a influência da hidrofobicidade superficial das
104
partículas (B)
Resultados e discussão

Capacidade do conservante para reduzir o potencial zeta (B) 105


CONCLUSÕES

Baseado sobre os dados, um sistema de classificação de preservação foi


desenvolvido, para permitir uma rápida diferenciação das diferentes
conservantes.

Classe I (sem comprometimento da estabilidade)

Classe II (comprometimento leve da estabilidade)

Classe III (comprometimento forte da estabilidade), pode ser


identificado imediatamente.

Classe VI (efeito estabilizador) é um efeito a longo prazo


juntamente com a classe I e II.
CONCLUSÕES

O conservante deve ter pouca afinidade à superfície das


partículas e de preferência não iônico para minimizar o potencial
zeta.

O estabilizador deve estar ligado fortemente a superfície, de


preferência sendo ancorado na matriz de partículas.

Com base neste modelo desenvolvido, um conservante ideal ainda


não pode ser previsto por um programa de computador, mas os
parâmetros identificados podem ser usados como diretrizes para o
desenvolvimento de nanodispersões preservada.

107
O objetivo deste trabalho foi preparar, caracterizar e avaliar in
vitro a citotoxicidade de nanocápsulas (NC) de Eudragit S100®
Contendo ceteprofeno.

As suspensões nanoestruturadas foram preparadas em


triplicata pelo método de deposição interfacial do polímero
pré- formado.
Triglicerídeos de cadeia média (TCM) ou óleo de rosa
mosqueta (ORM) foram utilizados como núcleo oleoso na
preparação de tais formulações.

Eudragit S 100 polímero resistente ao pH gástrico( acima de


7,0), mas altamente solúveis no meio intestinal alcalino,
modulando assim a liberação de fármacos .
40°C

TAMBÉM FORAM PREPARADAS NANOCAPSULAS BRANCAS .


Determinação do teor de cetoprofeno nas formulações

A determinação da concentração de cetoprofeno nas


formulações foi realizada por CLAE após a extração do
fármaco presente nas nanopartículas poliméricas.
Determinação do teor de cetoprofeno nas formulações

Para isso, retirou-se uma alíquota da suspensão


correspondente à concentração de 9,0 µg/mL, a qual foi
diluída em metanol (q.s.p. 10mL).

As amostras foram filtradas em membrana (0,45 µm) e


analisadas quanto ao seu teor.
Pode-se observar que não há
interferência dos componentes
da formulação no pico do
fármaco.

Cromatogramas das nanocápsulas brancas (a)


e nanocápsulas contendo cetoprofeno (b).
O pH foi determinado diretamente nas suspensões de
nanocápsulas mediante a utilização de potenciômetro
previamente calibrado com soluções-tampão de pH 4,0 e
7,0. As determinações para cada formulação foram
realizadas em triplicata.
Determinação do tamanho de partícula das suspensões
coloidais
O tamanho de partícula e a distribuição de tamanho foram
determinados por espectroscopia de correlação de fótons
(PCS) em Zetasizer® Nano, após diluição das amostras em
água ultra-pura.
Determinação do tamanho de partícula das suspensões
coloidais

As medidas são resultantes do espalhamento de luz causado


pela presença de partículas em um meio líquido. A partir do
movimento Browniano, tais partículas geram um determinado
raio hidrodinâmico que é detectado por flutuações da luz
incidente.
A distribuição de tamanho das partículas foi determinada pelo
índice de polidispersão (PDI), o qual é medido pela extensão
da distribuição do tamanho das vesículas na amostra.
Determinação do Potencial Zeta das partículas O potencial
Zeta foi determinado por mobilidade eletroforética em
Zetasizer® Nano após a diluição das amostras em NaCl 10
mM (n=3).
Eficiência de Encapsulamento
Para a determinação da concentração de fármaco livre
(cetoprofeno não-associado), as nanopartículas foram
submetidas à técnica de ultrafiltração-centrifugação (Amicon®
10000 MW, Millipore). A concentração de cetoprofeno no
ultrafiltrado foi determinada por CLAE, sob as condições
cromatográficas anteriormente descritas.
Eficiência de Encapsulamento

A eficiência de encapsulamento (%) foi calculada pela


diferença entre as concentrações total e livre, conforme a
equação abaixo:
O teor de fármaco nas formulações foi muito próximo à
concentração teórica (1,0 mg/mL) a taxa de associação do
cetoprofeno às nanocápsulas foi superior a 90%, resultado
este, devido à elevada solubilidade do fármaco no núcleo
oleoso das nanocápsulas
A polidispersão foi inferior a 0,2 para a maioria das
formulações, indicando uma distribuição estreita de tamanho.
O tamanho de partícula nas formulações encontrou-se na faixa
de 173 a 197 nm.

Tais resultados são compatíveis com outros sistemas coloidais


preparados pelo método de deposição interfacial de polímeros
pré-formados
Gráficos de diâmetro médio obtidos no equipamento Zetasizer para as formulações
NC1-TCM (a), NC2-TCM (b)
Gráficos de diâmetro médio obtidos no equipamento Zetasizer para as formulações NC1-ORM
(c) e NC2-ORM (d).
Valores de pH ligeiramente menores foram encontrados para
as nanocápsulas contendo cetoprofeno, quando comparados
com as formulações isentas do fármaco.

Os menores valores de pH para as nanocápsulas contendo o


fármaco devem-se, provavelmente, à natureza ácida do
cetoprofeno (pKa 4,76).
Com relação ao potencial zeta, todas as formulações
apresentaram valores negativos, resultado compatível com a
natureza do polímero empregado .

Observou-se valores menores de potencial zeta (em módulo)


para as nanocápsulas contendo cetoprofeno.
Gráficos de potencial zeta obtidos no equipamento Zetasizer para as
formulações NC1-TCM (a), NC2-TCM (b)
– Gráficos de potencial zeta obtidos no equipamento Zetasizer para as
formulações , NC1-ORM (c) e NC2-ORM (d)
O objetivo desse trabalho foi o desenvolvimento e a
caracterização de micropartículas de base lipídica contendo
compostos bioativos de Petiveria alliacea, visando o aumento
da biodisponibilidade e estabilização de sua atividade
biológica.
Petiveria alliacea: afugentar mosquitos; combater vírus,
fungos e bactérias; dor, dor de cabeça, dor de dente, dor
muscular, inchaço, inflamação, inflamação na boca,
gengivite, dor reumática, paralisia nervosa, nevralgias,
paralisia dos membros, reumatismo.
Lipídeos e agentes emulsificante

Lipídios sólidos: compritol 888 CG ATO (behenato de


glicerilo), precirol ATO 5 (gliceril diestearato) e, gelucire
50/13 pellets (estearoil-macrogol-32-gliceridos).

Lipídios líquidos: labrasol (PEG-8 caprilico/caprico


glicerideos) e plurol oleique CC 497 (poligliceril-3-dioleato).
Os tensoativos utilizados para a estabilização das
formulações foram:

- Polisorbato 80 (Tween 80): tensoativo não iônico com EHL


de 15 utilizado para obtenção de emulsões o/a (óleo/água).

- Monooleato de sorbitano (Span 80): tensoativo não iônico


com valor EHL de 4,3 utilizando como emulsificante lipofílico
formando emulsões a/o (água/óleo).
Os carreadores de secagem utilizados para a estabilização
das formulações foram:
A utilização de agentes carreadores pode promover um
melhor manuseio do produto final obtido, conferindo uma
maior proteção contra a adsorção de umidade do ambiente,
tornando-o menos higroscópico
- Fibregum B (goma arábica)
- Aerosil 200 (dióxido de silício coloidal)
- Lacprodan 80 (concentrado proteico do soro do leite)
O preparo das formulações foi realizado em três fases distintas.

A fase aquosa (FAq) foi composta de:


água
extrato concentrado de P. alliacea
e tensoativo hidrofílico (tween 80).

A fase oleosa (FO) foi composta de :


lipídio sólido
lipídeo líquido
tensoativo lipofílico (span 80),

Terceira fase
composta pelo carreador de secagem hidratado previamente
(goma arábica, concentrado proteico do soro do leite ou a
mistura de ambos).
Todos os componente foram aquecidos em placa de
aquecimento a temperatura de 10 °C acima do ponto de fusão
dos lipídicos sólidos utilizados, sob constante agitação.

Quando esta temperatura foi atingida, a FAq foi vertida sobre a


FO, formando a pré-emulsão e posteriormente foi adicionado a
fase contendo os carreadores de secagem.
A pré-emulsão foi então agitada em homogeneizador de alta
velocidade (processador ultra-turrax T18 IKA) na velocidade de
1800 rpm por 5 minutos e submetida a processador
ultrassônico VCX750 (SONICS Vibracell, Newtown, EUA), com
auxílio de uma sonda Tapered microtip 1/4" (cód. 630-0420)
com uma frequência de 20 kHz, e amplitude de 70% para
obtenção das nanopartículas.

Todas as amostras foram resfriadas a temperatura ambiente


sob agitação magnética antes de serem submetidas ao
processo de secagem.
Os principais componentes do
sistema são: sistema de
alimentação de suspensão,
composto por uma bomba
peristáltica, e um atomizador
de duplo fluido a ar comprimido
(diâmetro do bico atomizador
de 0,5 mm); sistema de
alimentação do ar de secagem
(compressor e filtro de ar);
sistema de controle de
temperatura do gás de
secagem e sistema coletor do
produto seco (ciclone).
A secagem foi realizada em um spray
dryer de bancada modelo SD 05,
fabricado pela LAB-PLANT, Reino
Unido.
Tamanho de partículas e índice de polidispersão:

A determinação do tamanho de partículas e do índice de


polidispersão dos sistemas lipídicos nanoestruturados secos
foi realizada por espectroscopia de correlação de fótons com
o auxílio do equipamento Zetasizer SN Nano 90 (Malvern
Instruments, UK).
Tamanho de partículas e índice de polidispersão:

Amostra de 25 mg dos sistemas lipídicos secos foi dispersa


em 15 mL de água com o auxílio do processador ultrassônico.

As formulações secas também foram analisadas por


microscopia óptica e análise de imagens (Image Pro-Plus).
Amostras secas foram dispersas em água:propilenoglicol (1:1)
o tamanho das partículas encontram-se na faixa nanométrica (faixa de 250 e
450 nm).
Nas amostras líquidas as partículas obtidas foram menores que nas
amostras redispersas.
Observou-se que em menores proporções de carreadores as partículas
obtidas apresentaram menores tamanhos, independente do carreador.
Representa o índice de polidispersão das amostras líquidas e
secas. Observando os resultados plotados é possível concluir
que apenas a formulação FB líquida apresentou o índice
recomendado de pdI para sistemas nanopartículados
farmacêuticos (menor que 0,3)

Você também pode gostar