Você está na página 1de 23

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE – IFRN

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO CULTURAL


HISTÓRIA GERAL DA ARTE

DOCENTE: ANALWIK LIMA


DISCENTES: ICARO MOZART & PAULO ANJOS

VICTOR BRECHERET
• Importante escultor ítalo-brasileiro do século XX, Vittorio Brecheret nasceu em 1894,
na comuna de Farnese di Castro, província de Viterbo.
• Crise econômica  Fluxo imigratório para o Brasil em 1904.
• Em 1912, entrou para o Liceu de Artes e Ofício onde estudou desenho e modelagem.
Procurou assimilar, principalmente, os conhecimentos sobre pintura e entalhe, evoluindo
para a escultura.
• Em 1913, seus tios o mandam para Roma, mas não é aceito na Academia de Belas Artes.
Entretanto, é recebido como discípulo de Arturo Dazzi, o mais famoso escultor italiano
do momento, aprendendo com este as técnicas da modelagem, além de conhecimento
de anatomia.
• Em Roma estuda atentamente as obras de Auguste Rodin e Emile Antoine Bourdelle,
entre outros, e conhece o escultor Ivan Mestrovic.
• Em 1916, expôs a obra em gesso Despertar, na Exposição Internacional de Belas Artes,
em Roma. A peça recebeu críticas favoráveis e ficou em 1º lugar.

Pietá, década de 1910 Despertar, 1916


• Em 1919, Brecheret retorna a São Paulo e instala seu
atelier no Palácio das Indústrias.

• Conhece artistas do movimento modernista, como Di


Cavalcanti e os escritores Menotti Del Picchia, Mario de
Andrade e Oswald de Andrade.

• Mario de Andrade escreveu Paulicéia


Desvairada inspirado em uma escultura de Brecheret que
acabava de adquirir, O Cristo (Cristo com trancinhas).

O Cristo – Victor Brecheret (1920)


• Oswald de Andrade faz de Brecheret personagem de
seu livro A Estrela de Absinto;

• Brecheret também se destacou com suas ilustrações,


como exemplo a capa do livro;
• Em 1920, realiza a maquete para o Monumento Às Bandeiras, no qual evoca a saga dos bandeirantes
na conquista de novas terras.

• No ano seguinte, recebe bolsa de estudo do Pensionato


Artístico do Estado de São Paulo e viaja para Paris,
onde permanece até 1935. Embora ausente, expõe
algumas obras na Semana de Arte Moderna de 1922.

• Influência de Constantin Brancusi.


Sóror Dolorosa é baseada no livro
homônimo de Guilherme de Almeida.
Os cabelos conferem um certo
movimento à escultura e a
representação da dor está no
posicionamento das cabeças, nos olhos
das duas figuras e na boca de Cristo.

Sóror Dolorosa
Vitória, figura alada cujo corpo
arqueado em iminência do vôo, desafia
a gravidade. Brecheret não adotou a
gravidade como ponto central ao
esculpir a Vitória, mas é perceptível a
experimentação desse elemento no
corpo feminino, cuja força expressiva se
concentra no torso e na face.

Vitória
No Ídolo, o escultor retornou ao naturalismo,
mas trabalhou a plasticidade do corpo humano
na contorção dos membros, destacando a
tensão e o volume na parte inferior da obra,
efeito realçado também pelo olhar da figura
que parece observar a si própria. Essa maneira
de se expressar se distanciou dos cânones
academistas de inspiração clássica e fez com
que os modernistas percebessem no jovem
escultor, uma vocação para transgredir a arte
tradicional e se filiar à vanguarda no Brasil.

Ídolo
• Brecheret foi o responsável por uma direção inovadora para a atualização da escultura
brasileira em relação aos níveis internacionais contemporâneos, especialmente pela recusa
de um academismo, com esculturas estilizadas e de tensão dramática considerável.

• Sua obra envereda por um caminho moderno, dialogando com informações do cubismo e
das vanguardas europeias, sendo inquestionável a sua qualidade estética e formal.

• A reorganização das concepções artísticas do escultor se estendeu pela década de 1920 e,


nesse processo, ele se inspirou em aspectos arcaicos da arte grega, egípcia e oriental que
compunham o Art Déco. A partir de tais influências, Brecheret desenvolveu uma nova
maneira de conceber a forma, e aos poucos aprofundou-se na direção da modernidade.
O sepultamento, 1923 Portadora de Tocadora de
Perfume, 1924 guitarra, 1923
• Nos anos 30, participa intensamente da vida artística no Brasil, como sócio fundador da
SPAM - Sociedade Pró Arte Moderna cujo objetivo era estreitar as relações entre os
artistas e as pessoas que se interessavam pela arte em todas as suas manifestações.

• Em 1936 retoma o projeto do Monumento às Bandeiras, concluído apenas em 1953.


No primeiro bloco vem os cavaleiros, no Nesta sequência, um homem dá de beber ao
segundo as etnias brasileiras índio e uma mulher carrega uma criança no
colo
Esta sequência representa o sacrifício do Auto-retrato de Victor Brecheret
bandeirante em sua batalha
• Em 1941, Victor Brecheret vence o concurso internacional de maquetes para o
“Monumento a Caxias”, inaugurado em 1960.
Reconhecimento de Humaitá

Enterro de Caxias Batalha de Itororó


• A partir da década de 1940, o artista se aproxima dos temas ligados à
cultura indígena, em esculturas realizadas em bronze ou terracota.

Luta da Onça, 1947/48


Mãe Índia, 1947/48
Luta dos Índios Kalapalos, 1951 O índio e a Suassuapara, 1951
• Em 1951 foi premiado na I Bienal de São Paulo, como melhor escultor nacional.
• Em 1955 Brecheret participa da II Bienal de São Paulo, expondo “Bartira”.

• Faleceu em São Paulo, São Paulo, no dia 17 de dezembro de 1955.


Medalha Comemorativa do
Centenário da Independência do
Brasil, 1919
Cristo de Trancinhas, 1920

Cabeça de Brecheret, 1937

Depois do Banho, 1932


Eva, 1919

Fauno, 1942

Musa Impassível, 1923


Brecheret esculpindo a Deusa da Primavera, em Brecheret esculpindo os alto relevos que estão na fachada do Jockey
mármore de carrara, década de 30 Clube de São Paulo
REFERÊNCIAS
• MOURA, I. B. . A cidade e a festa: Brecheret e o IV Centenário de São Paulo. Disponível em:
<http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=191992>. Acesso em 14 de agosto de 2016.

• Biografia de Victor Brecheret. Disponível em: <http://www.pinturabrasileira.com/artistas_bio.asp?cod=34&in=1>. Acesso em 14 de agosto de


2016.

• Victor Brecheret. Disponível em: <https://www.ebiografia.com/victor_brecheret/>. Acesso em 14 de agosto de 2016.

• VICTOR BRECHERET. Disponível em:


<http://www.macvirtual.usp.br/mac/templates/projetos/seculoxx/modulo2/modernismo/artistas/brech/index.htm>. Acesso em 14 de agosto de
2016.

• Enciclopédia Itaú Cultural, Victor Brecheret. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa1634/victor-Brecheret>. Acesso em


14 de agosto de 2016.

• Capivara Paulistana, Monumento às Bandeiras – o mais importante monumento de São Paulo é pouco conhecido pelos Paulistanos. Disponível
em: <http://capivarapaulistana.blogspot.com.br/2016/04/monumento-as-bandeiras-o-mais.html>. Acesso em 14 de agosto de 2016.

• SÃO PAULO ANTIGA, Monumento a Duque de Caxias. Disponível em: <http://www.saopauloantiga.com.br/monumento-a-duque-de-caxias/>.


Acesso em 14 de agosto de 2016.