Você está na página 1de 30

Flambagem

Introdução

– A flambagem é um fenômeno de instabilidade


estrutural
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 2
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 3
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 4
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 5
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 6
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 7
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 8
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 9
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 10
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 11
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 12
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 13
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 14
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 15
Banana flambada
- 3 colheres de açúcar
- 1 cálice de conhaque de boa qualidade
- 2 bananas pequenas
- 2 bolas de sorvete de creme
Introdução

– A flambagem é um fenômeno de instabilidade


estrutural
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 17
Ocorrerá FLAMBAGEM sempre que a carga axial
incidente "P" for MAIOR do que a CARGA
AXIAL CRÍTICA Pcr.
Mesmo que a peça estrutural permaneça
equilibrada, neste caso, esse equilíbrio será
considerado INSTÁVEL
O comprimento "L" de uma peça potencialmente
sujeita à flambagem deverá ser reconsiderado a
depender da maneira com que esta esteja vinculada
aos demais elementos da estrutura, passando a ser
considerado como sendo de grandeza "Lf". Se ambos
os vínculos forem articulados, Lf = L; caso um dos
vínculos seja articulado e outro seja um engaste, Lf =
0,7L; No caso de haver duplo engaste, Lf = 0,5L e,
finalmente se houver vinculação por um único
engaste, Lf = 2l.
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 20
Vídeo de demonstração
Prof. Leonardo Kyo Kabayama 21
Ao realizarmos um cálculo para apreciar a
estabilidade de uma peça submetida a
esforços de maneira a fazê-la comprimir,
devemos avaliar duas hipóteses principais:
• 1ª Hipótese:
– havendo flambagem a tensão de compressão estará
comprometida uma vez que o elemento estrutural entrará
em colapso antes pelo fenômeno da flambagem do que
por eventual escoamento devido à tensão de compressão;

• 2ª Hipótese:
– caso não ocorra a flambagem, o cálculo da tensão
s(tensão de trabalho) = P/S
Fórmula de Euler para colunas biarticuladas

– Equação diferencial da linha elástica


d 2 M P
  
dx 2
EJ EJ

P P
 ( x)  A  sen  x  B  sen x
EJ EJ

M = momento fletor
E = módulo de elasticidade
J = Momento de inércia
= Flecha
P = Carga
Fórmula de Euler para colunas biarticuladas
– Condições de contorno
 (0)   ( L )  0
– Condições de flambagem:
P
 ( L)  A  sen L  0
EJ

P
L  n 
EJ
( n  1)

2 EJ
Pcr 
L2
Fórmulas de Euler para colunas com diferentes condições de contorno

 EJ
2
Pcr  2
L
e

• Genericamente para os 4 casos:

– Le = Comprimento efetivo
Tensão Crítica baseada na Fórmula de Euler

Pcr   E  J 2
s cr   2
A Le  A
J
imin  imin = raio de giração mínimo
A
Le
  = índice de esbeltez
imin

  E i
2 2
 E 2
s cr  2 min s cr 
imin   2
2
Limitações das fórmulas de Euler
Le
  = índice de esbeltez
imin
Limitações das fórmulas de Euler
Hipérbole de Euler

•Válida apenas:
 E
2
s cr  2  •No regime elástico linear até que a tensão do

 material atinja a tensão de proporcionalidade


• Pode-se calcular o valor do índice de esbeltez limite, igualando-se a
tensão de proporcionalidade com a tensão crítica de flambagem

• Quando a tensão no material é maior que a tensão de


proporcionalidade, mas menor que a tensão limite à compressão, então
tem-se a situação de flambagem plástica.