Você está na página 1de 34

Centro Internacional de Formação

|   
 
    
|  
 

Fórum Nacional de Previdência Social


Brasília, 9 de abril de 2007
Vinícius Carvalho Pinheiro (CIF-
(CIF-OIT)
  

± Principais tendências de reforma da


previdência nos países da OCDE
± Caso da Itália
± Caso da Suécia
± Conclusões aplicadas ao caso brasileiro
      
    
 |
|         
 |
± Pilar assistencial: Combate à pobreza
ƛ Focalizado
ƛ Universal
ƛ Benefícios mínimos
± Pilar de seguro obrigatório: Reposição de renda
ƛ Público ou privado
ƛ BC, CD, contas nocionais ou sistemas de pontos
ƛ Repartição simples, repartição com reservas, capitalização
± Pilar de seguro complementar: Complementação da
renda
ƛ BC, CD
ƛ Ocupacional, Individual
w     
  ! " #$

Países Pilar Assistencial Pilar de Seguro


Austrália Focalizado Privado CD
Áustria Focalizado Público BD
Bélgica Beneficio mínimo Público BD
Canadá Universal + Público BD
focalizado
Dinamarca Universal + Público BD +
focalizado Privado CD
França Focalizado + Público BD +
Beneficio mínimo sistema de pontos
Grécia Beneficio mínimo Público BD
Itália Focalizado Público Contas
Nocionais
w     
  ! " #$

Países Pilar Assistencial Pilar de Seguro


Japão Universal Público BD
México Focalizado Privado CD
Holanda Universal Privado BD
Nova Zelândia Universal -----------------------
Portugal Beneficio mínimo Público BD
Reino Unido Universal + Público BD
Focalizado
Estados Unidos Focalizado Público BD
Suécia Focalizado Público Contas
Nocionais + Privado
BD + CD
ã%   &  
      |'
  |' ())*
, -
+
*

%(!) 
'
 
 



$  
& ! 

%

 
#

 !"#$
 

 
 
 
  





h h  h  h  h  h

› 
 2  
2 
2 
 
  
ã%   &  
! " +   ,  - 
 |'' ())*
 |
'

% &
$







"






#




!"













 

 






 






 
h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h

 
 2  
2 
2 
 
  

.&    &
+/01()''/*- |
+/01()
%$ 
# $ 
" 

!

 
 

 
  $
  
 
%



 
&  
%
 



$



h h h h h h h h h

hhh hh
     ! 
  2!  2  
      
   
|
! 

 
w  
    

  

 

' 





  
 




 











v v       

   
  
 

    
2! 

± Incentivo à maternidade
± Imigração

± Pol
Polííticas de promoção de emprego para
idosos
± Reforma dos sistemas de previdência
        
 |2 30
± Viver mais, trabalhar maisƦ
ƛ Aumento da idade de aposentadoria
± para homens e mulheres (11 países, Exemplo: Itália,
EUA, Hungria)
± só para mulheres (6 países, Exemplo: Austrália, Áustria
Bélgica, e Reino Unido)
ƛ Eliminação ou redução da aposentadoria
antecipada proporcional
± 8 países, exemplo: Áustria, Bélgica, França, Alemanha
ƛ Incentivos para postergar a aposentadoria
±10 países, Exemplo: França, Alemanha, Itália, EUA e
Reino Unido, Finlândia
        
 |2 30

± Mudança no cálculo dos benefícios e


condições de elegibilidade Ʀ
ƛAumento do período de referência para o
cálculo da aposentadoria
ƛ Mudanças de critérios de valorização dos
salários de contribuição
ƛ Indexação dos benefícios
ƛ Aumento no número mínimo de
contribuições
        
 |
± Vinculação dos benefícios à expectativa de
vida ou a fatores de sustentabilidade
ƛ Valorização e indexação dos benefícios limitados a
variação na razão de dependência (Alemanha,
Japão)
ƛ Condições de elegibilidade: período mínimo de
contribuição varia de acordo com a expectativa de
vida (França)
ƛ Cálculo do beneficio varia de acordo com a
expectativa de vida
± sistemas de nocionais: Itália, Suécia e Polônia
± sistemas de contribuição definida: Austrália, Hungria,
México, Polônia, Eslováquia e Suécia.
        
 |

± Redução do teto de contribuição e de


benefíício
benef
± Incentivos aos planos privados
voluntários pessoais ou ocupacionais
± Constituição de reservas em fundos
públicos
± Homogeneização de regras ou
unificação dos regimes dos trabalhadores
dos setores público e privado
       
   
Aumento da idade Austrália, Áustria, Bélgica,
Republica Tcheca, Grécia,
Hungria, Itália, Japão, Coréia,
Nova Zelândia, Polônia, Portugal,
Eslováquia, Suíça, Reino Unido,
EUA
Incentivos à postergar a Austrália, Áustria, Finlândia,
aposentadoria França, Alemanha, Hungria,
Itália, Portugal, Reino Unido,
EUA
Mudança na fó fórmula de cálculo Áustria, Bélgica, Finlândia,
dos benefícios ou condições de França, Itália, Polônia, Portugal,
elegibilidade Suécia
Referência à expectativa de vida Áustria, Finlândia, França,
ou fator de sustentabilidade Alemanha, Hungria, Itália, Japão,
Polônia, Suécia
 
          
         
2 30

± Amato (1992)
± Ciampi (1993)
± Berlusconi (1994)
± Dini (1995)
± Prodi (1997)
± Berlusconi (2004)

 w +344(- 
|  1  +344013445-

  
w  344(
  344( 344013445
Privado Público Privado Público TODOS

Aposentadoria 60 (H) e 55 65 65 (H) e 60 65 65 (H e M) + 57


por idade (M) (M) (H e M) + 5 anos
de contribuição
Aposentadoria 35 20 35 35 Abolida
por tempo de
contribuição
Calculo do Média dos último ano Média da Média da Contas nocionais
beneficio últimos 5 vida laboral vida laboral
anos
Taxa de 2% por 2.33 ƛ 2% por ano 2% por ano Contas nocionais
reposição ano 1,8% por
ano
Indexação dos Salários Salários Inflação Inflação Inflação
benefícios nominais nominais
     
 
± Contribuições de empregados e empregadores (33%) e
autônomos (20%) são depositadas em contas individuais
± Aposentadoria = somatório das contribuições capitalizadas
pela variação do PIB (média móvel 5 anos) / coeficiente de
conversão
± O coeficiente de conversão = expectativa de vida na idade de
aposentadoria, incluindo as probabilidades de pagamento de
pensões por morte, + taxa implícita de retorno (progressiva
de acordo com a idade)
± O coeficiente deve ser revisado a cada 10 anos
± O período de contribuição mínimo = 5 anos. Caso o beneficio
calculado seja inferior a um valor mínimo, o estado paga uma
prestação assistencial
± Pensões = 50% da média dos salários, dependendo do nível
de renda do/a cônjuge

    &

± Sistema se aplica somente ao que começam a


contribuir depois de 1995
± Trabalhadores com menos de 18 anos de
contribuição: regime pro rata, o novo sistema só se
aplica às contribuições feitas depois de 1995.
± Trabalhadores com mais de 18 anos de contribuição
em 1995: Sistema antigo (anterior a 1992)
Reforma Berlusconi (2004/2005) ƛ ƠLegge
delegaơ, aprovada
aprovada em 2004, entra em vigor
em janeiro de 2008
± Regra permanente:
ƛ Aumento da idade para aposentadoria passando do regime flexível
da reforma Dini ( 57-
57-65) para 65 (H) e 60 (M).
ƛ Aposentadoria por tempo de contribuição sem limite de idade aos
40 anos de contribuição
± Aceleração da transição: Idade mínima de 60 anos para homens
(um a mais para autônomos) , aumentando para 61 em 2010 e
62 em 2014. Para as mulheres, a idade mínima permanece 57
anos.
± Superbonus: Incentivo à permanência no trabalho
± Instituição da contribuição solidária e separação entre contas do
seguro e da assistência
± Estimulo à previdência complementar (transferência do TFR aos
fundos de pensão)
± Fortalecimento da supervisão dos fundos de pensão
Diálogo social e reforma da previdência na
Itália 1

± Reforma Amato (1992): reforma emergencial


implementada como medida fiscal no âmbito de um
pacote econômico para conter a crise de 1992.
Utilizou--se um método similar a nossa MP
Utilizou
± Reforma Ciampi (1993): pressionado pelas centrais
sindicais, aprova-
aprova-se uma medida que são excluídos
os 25 piores salários do cálculo do salário de
referência, neutralizando-
neutralizando-se metade das perdas
promovidas na reforma passada
Diálogo social e reforma da previdência na
Itália 2

± Tentativa de reforma Berlusconi (1994):


ƛ Estabelecimento de uma comissão de especialistas
compostas por membros indicados pelo governo, centrais
sindicais de trabalhadores e patronais
ƛ A comissão não chegou a um consenso, mas mesmo assim o
governo apresentou um projeto de lei propondo medidas de
redução das taxas de reposição
ƛ Governo negocia a retirada do projeto com um acordo com
as centrais sindicais para conseguir uma proposta de
consenso
ƛ Nenhum acordo foi logrado e o governo caiu
Diálogo social e reforma da previdência na
Itália 3

± Tentativa de reforma Berlusconi (1994):


ƛ Estabelecimento de uma comissão de especialistas
compostas por membros indicados pelo governo, centrais
sindicais de trabalhadores e patronais
ƛ A comissão não chegou a um consenso, mas mesmo assim o
governo apresentou um projeto de lei propondo medidas de
redução das taxas de reposição
ƛ Governo negocia a retirada do projeto com um acordo com
as centrais sindicais para conseguir uma proposta de
consenso
ƛ Nenhum acordo foi logrado e o governo caiu
Diálogo social e reforma da previdência na
Itália 4

± Reforma Dini (1995) e Prodi (1997):


ƛ Desde o início o governo negociou a elaboração da reforma
com centrais sindicais de empregados, de autônomos e de
empregadores
ƛ Atores sociais participaram formalmente e informalmente
inclusive da formulação da legislação
ƛ O acordo foi firmado em maio de 1995 sem a participação
da principal organização dos empresários (COFINDUSTRIA)
e aprovada em agosto de 1995
ƛ Em 1997, Prodi estabelece uma comissão governamental
para avaliar os efeitos das reforma e conclui que medidas
adicionais são necessárias
ƛ Depois de negociações insatisfatórias com os atores sociais,
o governo aprova algumas medidas, mas sai enfraquecido e
cai em 1998
Diálogo social e reforma da previdência na
Itália 5

± Reforma Berlusconi (2004):


ƛ Negociações sobre a elaboração da reforma ocorreram entre
os partidos da coalizão, sem participação dos sindicatos ou
associações patronais
ƛ 2001: Criação de comissão tecnocrática (sem atores sociais)
para monitorar o efeito da Reforma Dini
ƛ Consulta aos atores sociais começou depois que as linhas
gerais da reforma já estivessem definidas. Empregadores
apoiaram e trabalhadores rejeitaram
ƛ 2002/2003/2004: Violentas confrontações de rua e greves
gerais. Sindicatos conseguem postergar a data de entrada
em vigor da reforma e alterar alguns pontos
ƛ 2004: Governo adota política de favorecer grupos regionais
para conseguir aprovar a reforma
 
Reforma de 1994-
1994-1999 ƛ Principais medidas

± Substituição de um modelo BD com reservas técnicas por um


modelo que combina um pilar de contas nocionais com um pilar
obrigatório de capitalização em CD
ƛ Contribuição total: 18.5%
± 16% financia contas nocionais
± 2.5% financia fundos de capitalização
± Contribuições são creditadas em contas nocionais e
capitalizadas virtualmente pela variação do salário médio,
sujeito a um mecanismo de ajuste automático
± Benefícios são calculados pela divisão do montante acumulado
na conta nocional pela expectativa de vida da coorte do
segurado, incluindo uma taxa de retorno de 1.6%
± Benefícios são reajustados de acordo com a inflação
Reforma de 1994-
1994-1999 ƛ Principais medidas

± Pensões por morte, invalidez e outras foram


segregadas e o seu financiamento passou a
ser de responsabilidade do tesouro
± Criação de uma nova agência para
administrar o seguro social
± Criação de uma agência (PPM) para gerenciar
os planos de contribuição definida,
subcontratando empresas de gestão de ativos

  344*134446
  

  344*134446
ã  &

± Implementação total em 16 anos


ƛ Nascido após 1954: aplicação total da
nova regra
ƛ Para os nascidos em 1938, 20% do
beneficio é calculado de acordo como
novo sistema, em 1939, 25%, em 1940,
30%, e assim sucessivamente
|     
    
± 1984: Governo social democrata instituiu um comitê consultivo
de reforma da previdência, com representação dos partidos
políticos, confederações de trabalhadores e empresários, e
especialistas
ƛ O relatório final publicado em 1990 e gerou reações criticas e
vários setores e não foi adotado
ƛ Serviu para conscientizar sobre a necessidade de reforma
± 1991: Governo liberal-
liberal-conservador institui outro comitê com
membros dos partidos políticos e tecnocratas.
ƛ Os princípios orientadores das propostas elaboradas em janeiro
de 1994 foram aceitas pelos partidos da coalizão de governo e
pelos social democratas da oposição
ƛ Despolitização do debate
ƛ Crise econômica serve como estimulo à reforma
ƛ Proposta aprovadas com 85% dos votos em junho de 1994
± Setembro/1994-1999: Sociais democratas retornam ao poder e
Setembro/1994-
criam grupo com composição parlamentar para redigir os atos
regulatórios e implementar a reforma
  
!   
± Aumento da idade para homens e mulheres é a
medida mais recorrente adotada nos processos de
reforma
± Vínculo entre esforço contributivo e benefícios e
introdução da expectativa de vida ou fatores
demográficos no calculo do beneficio
± Convergência entre as regras do setor pú público e
privado
± Sustentabilidade do sistema deve vir em conjunto
como medidas de aumento da cobertura que
relacionam sistemas contributivos e não
contributivos (universais, focalizados, benefícios
mínimos)
  
!   

± Processo de reforma deve ser incremental, gradual e


contínuo
± Atores sociais devem ser permanentemente
consultados em instâncias formais e informais
± Acordos e consensos devem ser negociados em
termos de princípios gerais
± Negociação deve estar articulada com viabilização
da aprovação parlamentar
± Como representar os interesses das futuras
gerações e dos excluídos?