Você está na página 1de 26

Disciplina: Toxicologia

Prof. Msc. Fabio Vidal


Antioxidantes e sistemas de defesa
radical livre
Reações radicalares
ácido graxo

Peroxidação peroxil

lipídica
hidroperóxido lipídico

alcoxil

Composto
Carnonílico

Estado triplete
álcool

Estado fundamental
3. Antioxidantes e sistemas de defesa
Substância química que inibe a oxidação 

- Mesmo em [<] = oxidação do substrato

protegem sistemas biológicos contra os efeitos


potencialmente danosos de processos/reações
(oxidação de macromoléculas/estruturas celulares)
Sistema de defesa antioxidante  várias substâncias
em diferentes níveis
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa primária  impedem a produção de ER!
ação “sequestrante”  fase inicial cadeia radicalar

Enzimas antioxidantes

Quelantes e proteínas (transferrina e ceruloplamina)


 ferro/cobre
 impedem formação de espécies oxidantes
Substâncias não enzimáticas (urato, ascorbato, albumina,
bilirrubina e carotenoides )
 O2- ; •OH; 1O2
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa secundária  etapa de propagação radicalar

Compostos fenólicos, aminas aromáticas


 “sequestram”
peroxil (LOO•); alcoxil (LO•)

TOCOFEROIS (VITAMINA E)
TOCOTRIENOIS,
FLAVONOIDES,
SINTÉTICOS
Antioxidantes e sistemas de defesa
Terceira linha de defesa  Sistemas de reparo de DNA

Proteases e Fofolipases

Removem lesões oxidativa:

DNA proteínas lipídeos


Antioxidantes e sistemas de defesa
Enzimas antioxidantes
Dismutação
- SOD
(superóxido dismutase)
Redução
- GPx
(glutationa peroxidase)
- catalase
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa primária: enzimas antioxidantes: SOD

Fe-SOD CuZn-SOD Mn-SOD

PROCARIOTOS EUCARIOTOS

citoplasma celular e fluidos extracelulares enzima mitocondrial


enzima com 2 subunidades EC-SOD
um de cobre e um zinco 4 átomos de cobre e zinco
células endoteliais

SOD (fígado > cérebro > testículos > rins > coração > estômago > pulmão > pâncreas)
CuZn-SOD  eritrócitos > plaquetas > plasma
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa primária: enzimas antioxidantes: GPx
catalisa a redução de hidroperóxidos orgânicos e inorgânicos (H2O2)
pela glutationa reduzida (GSH)  formando glutationa oxidada (GSSG) e
água (ou álcoois)
• A continuidade de sua ação enzimática = REDUÇÃO da GSSG
Glutationa redutase + NADPH (da via das pentoses)
GPx: tetrâmero ( um átomo Se por subunidade)
2/3 de sua atividade está no citoplasma 1/3 nas mitocôndrias

Variação da atividade: fígado > rins > pâncreas > cérebro > coração >
pulmão > baço > músculos esqueléticos
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa primária: enzimas antioxidantes: catalase
hemeproteina (grupos heme: átomo Fe contido no anel orgânico
heterocíclico chamado porfirina.)
 especificidade: H2O2
peroxissomos do fígado e rins/microperoxissomos de outras células

[H2O2]
Atividade: fígado e eritrócitos > cérebro
Outras enzimas que atuam sobre H2O2
peroxiredoxinas (homodímeros: cisteína no sítio ativo)
equivalentes redutores  PROT com grupos tiol
redução H2O2 à água e hidroperóxidos à álcool
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa secundária: ASCORBATO
plantas/animais  ácido ascórbico  glicose / seres humanos: dieta
co-fator (hidroxilases de prolina e lisinas)  sínt. de colágeno/dopamina-b-hidroxilase)
Baixo potencial de redução = age como antioxidante
- oxidação unieletrônica  ascorbil (indicador de estresse oxidativo)
estável, atóxico  dismutação = ascorbato e desidroascorbato
 redução à ascorbato pela desidroascorbato redutase
- Ex.: regenerar o radical tocoferil à alfa-tocoferol (antioxidante em
membranas biológicas)
- Ferro/cobre  oxidam ác. ascórbico em sol. aq. = O2- e •OH
O2- e •OH + ascorbato = ascorbil; ascorbato + 1O2
hidrossolúvel  importante em fluidos extracelulares (plasma, fluido
intersticial dos pulmões) e estruturas com < [SOD] (cristalino)
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa secundária: Glutationa (GSH)
- Tripeptídeo: resíduos de glicina, cisteína e ácido glutâmico
Sequestrador: O2- e •OH
- Deficiências da síntese  lise de eritrócitos
- Co-fator (GPx, glioxilase, maleilacetoacetato isomerase
prostanglandina endoperoxido isomerase)
- Desintoxicação (conjugação de xenobióticos com glutationa-S-transferase,
e remoção do peróxido via GPx)
Ex.: no fígado  ác. mercaptúricos (provenientes do paracetamol)= [GSH]
 peróxidos pela GPx = [H2O2]  [GSSG] 
GSH (auto-oxidação por Fe/cobre) = GS (tiil) e GSSG, O2- ; •OH; H2O2
efeitos tóxicos da glutationa
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa secundária: Tioredoxinas
procariontes/eucariontes
com ampla distribuição celular
Redução: ligações disulfeto (S-S)  ditióis (2 grupos -SH)
são oxidadas da foma ditiol dissulfeto
tioredoxina redutase (usa NADH, como doador de e-)

mamíferos  sistema de enzimas acopladas à tioredoxinas na mitocôndria


 Regula as ERO’s = estresse oxidativo e oxido nítrico
preservando função endotelial vascular
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa secundária: Melatonina
Indolamina  glândula pineal, olhos, outros tecidos
modula funções do sistema endócrino e circadiano
receptores em células do cérebro e tecidos não-neurais

Sequestram: •OH (in vitro)


Modula expressão gênica de enzimas antioxidantes: SOD, GPx, catalase

Lipofílica, difusível 
fluidos extracelulares
interior das células
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa secundária: Metalotioneínas
PROT baixo P.M.  C e N de Rins, fígado, intestino
Cisteínas = ligam íons metálicos (Zn2+, cobre 2+, Cd2+, Hg2+)
associação com grupos tiol (SH)
Síntese: Cd, Zn, cobre, etanol, indometacina, alquilantes, quelantes,
interleucinas (IL1 e IL2) e interferon alfa
Função: Armazenamento de metais pesados son a forma não-tóxica
Regulação do metabolismo de cobre e zinco
Absorção intestinal destes metais
Ação: quelação de íons cobre, liberação de Zn (inibe peroxidação lipídica),
alta [SH] (interage O2- ; •OH; 1O2
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa secundária: antioxidantes lipossolúveis

tocoferóis (vitamina E)  interior de biomembranas  protege


contra peroxidação lipídica. (alfa-tocoferol)
ubiquinonas compostos lipofílicos  componentes redox em
transportes de elétrons nas membranas (cadeia respiratória)
 ubiquinois (forma reduzida)  inibidores da peroxidação lipídica
(protege lipoproteínas – LDL)
carotenoides  pigmentos de tecidos fotossintéticos de vegetais
seres humanos  dieta (atividade pró-vitamina A- retinol)
- Supressores de 1O2 e sequestradores de radicais livres
Antioxidantes e sistemas de defesa
Defesa terciária: Sistemas de Reparo
lesões oxidativas removidas de macromoléculas
evitar alterações em funções celulares
DNA: o não replicante interage com histonas  proteção R. L.

Antioxidantes dos fluidos extracelulares


plasma sanguíneo
líquido cefalorraquidiano baixa [de catalase, SOD, GPx e GSH]
líquido sinovial
plasma seminal
Antioxidantes e sistemas de defesa
Estresse Oxidativo
Desiquilíbrio entre antioxidantes e pró-oxidantes
sistemas de reparo ou espécies oxidantes

Lesões oxidativas = função celular

Condições Clínicas associadas


1. aterosclerose, 2. envelhecimento
3. lesões por isquemia e 4. perfusão
5. doenças autoimune e 6. inflamações crônicas
Antioxidantes e sistemas de defesa
Estresse Oxidativo: Condições Clínicas associadas
Aterosclerose: lesões (estrias gordurosas) = formadas por
macrófagos com alto conteúdo ésteres de colesterol no citop. de
células espumosas

LDL  fator de risco  distribuição ao organismo

Sofre peroxidação lipídica = aldeídos e vários metabólitos reativos


LDL oxidada = citotóxica para células endoteliais, quimiotáticas
para monócitos.
Ocorre no espeço endotelial e pode acontecer no plasma
Antioxidantes e sistemas de defesa
Estresse Oxidativo: Condições Clínicas associadas
Envelhecimento: processo geneticamente programado ou acúmulo de
lesões no organismo
Sequencia proposital de eventos codificados pelo genoma
síndrome do envelhecimento precoce (alguns genes tem efeito sobre o
envelhecimento)
Ex.: variação de atividade de SOD do fígado humano é maior (devido a uma
mudança na regulação gênica) que em primatas e outros mamíferos.
Mecanismos de reparo ineficientes para manter a célula viva
erros na transcrição de RNA = acúmulo proteínas defeituosas = falha nas
funções celulares.  deficiência na remoção destas PROT.
R. L. = radiações ionizantes; espécies não sequestradas (ineficiência dos
sistemas de defesa)  diminuição do sistema de reparo com a idade
Estratégias e Intervenção Terapêutica
Planejamento adequado das estratégias de intervenção com
substâncias antioxidantes

Responder às questões

1. Qual a natureza do R. L. na fisiopatologia da doença?


2. Mecanismo de ação do antioxidante?
3. Após a ação, o que acontece com o antioxidante?
4. Qual o sítio de origem das espécies radicalares?
5. Qual a meia-vida plasmática do antioxidante em meio extracelular?
6. Se agir intracelularmente, qual a entrada e os sítios de ação?
7. Como afetará o metabolismo normal nas espécies radicalares?
Estratégias e Intervenção Terapêutica
Compostos sequestradores de radicais livres como potenciais
agentes terapêuticos

1. Grupos tiol
2. Agentes complexantes de metais de transição
3. Compostos fenólicos de plantas
4. Inibidores de oxido nítrico sintase
5. Captadores de spin
6. Antioxidantes enzimáticos (superóxido dismutase)
7. Fármacos: Probucol, alopurinol,
Estratégias e Intervenção Terapêutica
Compostos sequestradores de radicais livres como potenciais agentes
terapêuticos
3. Compostos fenólicos de plantas
Polifenois  compostos aromáticos hidroxilados (verduras/frutas)
Sisntetizados nas plantas com defesa antioxidante

Flavonóides (4000 espécies identificadas)


Quelação de metais de transição; ação direta com R. L. (transferência de H
ou doação de e- ; interação com outros antioxidantes)
Melhoram a função endotelial em pacientes coronarianos;
Diminuem a susceptibilidade de oxidação da LDL, agregação plaquetária e
produção de seperóxido pelas plaquetas
Estratégias e Intervenção Terapêutica
Compostos sequestradores de radicais livres como potenciais
agentes terapêuticos
7. Fármacos: Probucol, alopurinol,
Antiaterosclerótico e antioxidante, regulador do colesterol (reduz o
HDL)
 Inibe a aterosclerose na artéria carótida (em humanos)
 Produz um derivado com atividade antioxidante (AGI-1067)
Inibe a expressão gênica inflamatória redox (monócitos e endotélio, in
vitro)
 Diminui o LDL
 Diminui moléculas de adesão in vivo
 Inibe a aterosclerose em camundongos
Estratégias e Intervenção Terapêutica
Compostos sequestradores de radicais livres como potenciais agentes
terapêuticos
7. Fármacos: Probucol, alopurinol,
Atua inibindo a atividade da xantina oxidase

Oxidado pela aoxipurinol, ligando-se ao sítio ativo da enzima =


promovendo sua inibição
Usado para inibir o acúmulo de ác. úrico (gota)
 Efeito protetor em órgãos para transplantes (rins)
 Em humanos, aumenta o oxipurinol  sequestram OH, ác. hipocloroso.
(efeitos protetores)
Outros compostos mais potentes em inibir a xantina oxidase (febuxostato)
tem sido estudados, menos tóxicos e mais biodisponíveis
REFERÊNCIAS

Seizi Oga. Fundamentos de Toxicologia., 2ª ed., Editora Atheneu,


474p., 2003