Você está na página 1de 18

!"!

# $ 
%$ & '$$ (

| 

     
|



 ïïï  

,|  * ,

)*+, %
,* ) -.
*./0 12 ), 
| )*)|,)  )|. %
V  


‡ Linha de Transmissão (LT) é um lelemento condutor que eletricamente transfere a energia


gerada em forma de onda eletromagnética de um ponto a outro. As principais carcterísticas
de uma LT são:

‡ ã ã 

ã ã ãã 

O TADOR AMPLADOR
50D 50D

cabo de 50D
- Olemento responsável pela perfeita tranferência de energia do transmissor ao
receptor. Osta tranferência é chamada de Î  
  
 
V  


‡   ã  ã ã   

- É a perda intrínsica provocada pela LT que varia de acordo com o comprimento da mesma
e da frequência da onda eletromagnética nela atribuída. Quanto maior for a linha, maior
será aperda que é expressa em dB.

‡    
   u
  

- Um gerador de R com uma determinada impedância de saída fornece sinal a uma carga
por intermédio de uma LT, que será considerada ideal (L = 0).
V  


 corrente e tensão
em fase - onsiderando que a impedância da carga ÿL
seja puramente resistiva, a potência fornecida
pelo gerador de R será totalmente absorvida
Vinc por ÿL. sto porque a corrente (  ) e tensão ( V )
ÿL
Pinc presentes em ÿL estão na mesma fase.

- A LT é um condutor elétrico que ao passar



 
V adiantado de  corrente acontecerá o efeito indutivo. Quanto
maior for o comprimento da LT maior será a
indutância.
L
Vref Vinc - A indutância da LT provoca a reatância da linha,
Pinc o que provoca uma oposição à passagem da
V 
R corrente e um atraso de fase da mesma em
relação à fase da tensão.
V  


‡    
   u
  

- A reatância indutiva também faz o surgimento de um outro fenômeno: a  .


Os picos de amplitude da tensão defasada com os da tensão gerada são somados
gerando uma tensão induzida que em parte é refletida ao gerador.

- O surgimento da     obviamente provoca também a   


da carga para o gerador.

- A interação entre sinal incidente e sinal refletido criará a chamada`   
sto não é bom para carga e pior ainda para o gerador. A carga não estará aproveitando
todo sinal fornecido pelo gerador e este estará recebendo de volta parte de sua energia
desenvolvida. Por exemplo, se neste caso o gerador de R fosse um transmissor que
obteve um retorno demasiado do sinal entregue a uma antena por uma LT, o estágio de
saída deste transmissor estaria comprometido.
V  

‡    
   u
  

- A onda estacionária pode ser dimensionada pela relação entre tensão incidente e tensão
refletida. Osta relação é chamada de v   ( v

) possui um
 !"# v  que determina o percentual de tensão refletida. Por exemplo:
VSWR = 1.1 10% tensão refletida
90% tensão incidente

- Ainda podemos ter o  !$


v !"# U  que representa a intensidade do sinal
refletido em relação ao sinal incidente. É dado por:
PROLOTDA
U = VSWR ±1 ou U=
VSWR+1 PDOTO

- A VSWR também pode ser expressa como %# &$ '  ROO ou
SWR (

) quantifica o casamento de impedâncias. É dada por:
VSWR ou ROO= 1+ U
1- U
V  


‡    
   u
  

- Para uma LT a maneira mais prática de se dimensionar a sua onda estacionária é pela
` `  $   . A RL ( ) pode ser obtida em função das relações
potência incidente / potência refletida, tensão incidente / tensão refletida , ou pelo valor da
VSWR. Seu valor é fornecido em dB pelo fabricante da LT e esta diretamente ligado
a frequência, por isso é necessário especificar uma LT sempre em primeiro lugar com
relação a frequência.

RL(dB) = 10 log ( PRO / P ) RL(dB) = 20 log ( VRO / V )

RL(dB) = 20 log ±( VSWR-1) / ( VSWR+ 1 )

- a prática é aceitável o uso de uma LT com VSWR de 1.2 que corresponde a uma RL
entorno de 21,8 dB.
V  


  
 (ã
) carga 100% resistiva

ù 
     

 
 

ù 
š

Oxemplo: Qual é a perda por retorno, o coeficiente de reflexão e a VSWR para um sistema
de transmissão de 1KW com um retorno de potência de 10W?

RL= 10log (10 / 1000 ) RL= -20dB

ù   ù 


     
  
V  

‡   ã 
( ã* 
)

- A eficiência de uma LT será total se a mesma for construída no comprimento da onda de R


nela aplicada. o entanto, para frequências baixas o comprimento de onda pode ficar com
valores exagerados para a construção da LT.

O TADOR AMPLADOR
50D 50D

ð
ð =Ȝ= 
f

Onde: = velocidade da luz no vácuo 3x108m/s; f= frequência da onda em Hz


V  

‡ *+, *
 -

- o entanto, pode-se manter a eficiência desta LT caso o comprimento da LT seja construído


em sub-múltiplos do comprimento da onda de R, como meia onda (Ȝ/2), um quarto de onda
(Ȝ/4), um oitavo de onda (Ȝ/8) etc.

O TADOR AMPLADOR
50D 50D

ð
ð = Ȝ/2; Ȝ/4; Ȝ/8«..
V  

‡   ã 
ã-.

- O comprimento físico de uma LT ideal é dada em função do comprimento da onda R nela


aplicada, ou seja:
ð =Ȝ= 
f
- o entanto uma LT real é construída com um determinado tipo de material condutor que
possui uma determinada velocidade de propagação para a onda de R e uma determinada
constante dielétrica. Sendo assim, o comprimento real de uma LT é dado por:

Ȝg =  x Vp  Ȝg = 
f f İ

Onde: Vp: velocidade de propagação do material


İ: constante dielétrica do material Dados fornecidos pelo fabricante da LT
f: frequência da onda de R
: velocidade da luz no vácuo 3x108 m/s
V  

‡ 
 ã  ã 
* 
 *  ã
 ã ã


- O dimensionamento de uma LT deve ser rigorosamente respeitado pelo valor do comprimento


ou do sub-multíplo do comprimento do sistema irradiante.

antena construída em Ȝ /4

Ȝ/4

Ȝ/4
ð : comprimento da LT em
Ȝ/4 sub-múltiplos inteiros de Ȝ /4
Ȝ/4


 ã 
V  

‡ 
 ã  ã 
* 
 *  ã
 ã ã


- Oxemplo: alcule o comprimento de um cabo RG213 para ligar um transmissor anal 02 em


uma antena painel dipolo de meia-onda. O transmissor e antena estão distantes em
20m.
VP para RG213: 66%
antena onstante dielétrica RG213: 2,3
meia-onda requência entral anal 02: 57MHz

Ȝg =  x Vp  Ȝg = 
Ȝg/2
f f İ

Ȝg = 3x108 x 0,66 Ȝg = 3,47m Ȝg/2 = 1,735m


Ȝg/2 57x106
Om 20m (distância antena transmissor) temos:
Ȝg/2 20 / 1,735 = 11,52Ȝg

Para que a LT não provoque onda estacionária deve ser um valor


inteiro, ou seja 12Ȝg/2. Deste modo o comprimento total do cabo é

 ã 
de 12 x 1,735m : ƒ ƒ

Os 82cm de cabo que sobram devem ser preservados.


V  
      

campo elétrico O cálculo da impedância de um cabo é dado por:


/
)raio do condutor interno
 ÿo = K log (a/b)
/)raio do condutor externo

- O condutor interno ( vivo ) está isolado eletricamente do condutor externo ( malha ) por
um material com determinada constante dielétrica K ( dielétrico). ormalmente é usado
Teflon como dielétrico.
- O campo elétrico de um sinal de R tem a propriedade de propagar-se na superfície
dos condutores.
V  
    
Um outro tipo de LP são os guias-de-onda. Oles tem como
vantagem principal o fato possuírem uma perda muitíssimo
menor que a de um cabo coaxial.
M O
O princípio de funcionamento de um guia-de-onda baseia-se
nas propriedades eletromagnéticas de um sinal de R. A
construção de um guia-de-onda é feita com uma ³janela´
feita na sua flange por onde circulará o sinal de R.
- O campo elétrico ( O ) sempre escolhe o menor caminho para propagar-se, enquanto
que o campo magnético ( M ) ficará na perpendicular. Desta maneira é possível polarizar
a transmissão de uma onda de R.

O M

M O

  0%#  0 $   0%# v $


V  
    

ã
ã

(.)OW
v$.&)menor custo; flexibilidade
&1$.)é o que possui a pior
relação potência x atenuação

2*

(.)WR
v$.)pode ser rígido ou flexível
&1$.)possui uma relação
potência x atenuação pior que o
circular

ã *

(.)W
v$.)melhor relação potência x
atenuação
&1$.)mecanicamente inviável
por não ser flexível
V  
    

 ã
 ã
 ã
, v 
2* 
2* , ã * 2*ã 
2* , 

+ " +


" +3*
"4 "