Você está na página 1de 33

O modelo social-democrata do

Movimento Operário

Qual a configuração deste


modelo?
Se caracteriza por formas
organizacionais,
institucionais e ideológicas
Reflexões de Renata Gonçalves 1
Um modelo social-democrata?
 Sim!
 Forjado por forças políticas e
ideológicas que se identificam com
esta denominação.
 Sim!
 Mas com divergências sérias.
 Sim!
 Porém, com particularidades
nacionais.
 Sim!
 Mas com heterogeneidade.
Reflexões de Renata Gonçalves 2
Duas variantes do
mesmo modelo
 Reformista
 Revolucionária

Reflexões de Renata Gonçalves 3


Só a primeira vertente, a
Reformista, prevalecerá
e
utilizará a denominação
social-democrata.
Falar de modelo de Movimento Operário
tem de levar em conta que suas
diferentes características respondem a
uma mesma fórmula que garanta sua
estabilidade estrutural

Reflexões de Renata Gonçalves 4


Projeto do Modelo Social-
democrata
 Emancipar-se do capitalismo de Estado
 Mas como???
 Emancipando o Estado do capitalismo!
 Hein???

Reflexões de Renata Gonçalves 5


Emancipação do
proletariado

Este projeto supõe que o proletariado pode


se libertar de sua exploração e sua
dominação pelo capital comquistando e
exercendo o poder de Estado!
Bihr (1998, p. 20).

Reflexões de Renata Gonçalves 6


Sai a burguesia, fica o
Estado
 Estado é visto como a via de
emancipação
 A sociedade é resultado desta
tomada de poder
 Trata-se de um processo
radicalizado de...
 Estatização do capitalismo.

Reflexões de Renata Gonçalves 7


Desta fórmula básica,
temos:
 Variante reformista: limita suas
ambições a reformas de estrutura
(ver p. 21)
 Em principio, são favoráveis aos
trabalhadores, pois limitam a
exploração capitalista e garantem a
assistência social.
 Trata-se de um compromisso não
de ruptura do sistema

Reflexões de Renata Gonçalves 8


E o poder de Estado para
a variante reformista?
 A conquista do poder de Estado se
dá pela via legal (eleitoral)
 Seu exercício se dá no quadro
institucional burguês
 Socialismo aqui se reduz à
democratização da sociedade
capitalista
 Luta por cidadania, por direitos
(ver trecho curtíssimo de Sacco e Vanzetti: 53’-1:08’)

Reflexões de Renata Gonçalves 9


Variante revolucionária
 Visa a expropriação da burguesia e de
seus aliados
 Como?
 Pela estatização dos meios de produção

Reflexões de Renata Gonçalves 10


E o poder de Estado para
a variante revolucionária?
 A conquista do poder de Estado
supõe uma ruptura violenta com as
formas institucionais da democracia
 Em geral, só é possível via
insurreição, mobilização das massas
 Simples assim! Amém!

Reflexões de Renata Gonçalves 11


As duas vertentes são
partes de um mesmo
modelo!
 Social-democracia e leninismo
vieram da mesma base
 A relação de cada uma com o Estado
faz a diferença entre ambas
 Para uma o Estado aparece como
neutro
 Para outra, o Estado é transcendente
e resolve a contradição do capital

Reflexões de Renata Gonçalves 12


Desta relação resulta o tipo de
organização dos operários
 Partidos, sindicatos, cooperativas
são as formas organizacionais da
variante...
 Revolucionária
 Para, na leitura do Bihr, tomar o
poder de Estado para... Reproduzir o
poder de Estado ou criar um contra-
Estado
 Primazia à organização proletária
em Partido Político!
Reflexões de Renata Gonçalves 13
Hierarquização da luta
proletária
De um lado, ação do partido e das
organizações sindicais;
De outro, a prática e ideologia do
movimento operário.
Mais que luta econômica versus luta
política, trata-se da luta do
proletariado por seus interesses
imediatos e sua luta por seus
interesses históricos.
Reflexões de Renata Gonçalves 14
E os níveis de consciência?
O que caracteriza o modelo social-
democrata de movimento operário não são
as diferenças de consciência sindical e
política ou espontânea e socialista.
Mas sim o corte, a quebra entre as duas,
colocando a impossibilidade da passagem
de uma para outra sem a intervenção de
um “intelectual revolucionário”
Deixado a si próprio, o proletariado é incapaz
de ultrapassar o nível da consciência
imediata
Reflexões de Renata Gonçalves 15
O modelo social-democrata tem no
horizonte uma sociedade construída no e
pelo Estado
 Fetichismo do Estado capitalista
 Reprodução de mitos (p. 24-25)
 Mito da objetivação histórica
 Mito do progresso
 Mito da classe
 Mito do partido
 Mito da revolução
Economicismo, estatismo e progressismo
Reflexões de Renata Gonçalves 16
Modelo social-democrata é/foi a
Única via?
Nem sempre.

Este modelo leva um bom tempo para se firmar


no seio do movimento operário ocidental

Se consolida após a Segunda Guerra mundial

Antes disso, teve de enfrentar um outro modelo


do movimento operário

Reflexões de Renata Gonçalves 17


Sindicalismo Revolucionário

Representou a única
alternativa que o Movimento
operário desenvolveu até o
modelo social-democrata se
consolidar
Reflexões de Renata Gonçalves 18
No plano estratégico
Inspiração anarquista
Contra recorrer ao Estado
É um aparelho de repressão
O Estado tem de ser suprimido

Daí, decorre a ação direta!


Reflexões de Renata Gonçalves 19
A emancipação humana será obra
dxs trabalhadorxs!

Recusa de qualquer
substituísmo!
Não há salvador supremo
externo ao Movimento
operário
Reflexões de Renata Gonçalves 20
Quais práticas de ação direta?

Greve, boicote, sabotagem


Agitação, manifestação,
Sublevação popular
Contra os patrões e
contra o Estado
Reflexões de Renata Gonçalves 21
Greve de 1917 no Brasil

Reflexões de Renata
Gonçalves
Greve de 1917 no Brasil

Reflexões de Renata
Gonçalves
Por que fazem greve?

Reflexões de Renata
Gonçalves
Reflexões de Renata
Gonçalves
Reflexões de Renata
Gonçalves
Reflexões de Renata
Gonçalves
Face a condição dxs trabalhadorxs, no
plano organizacional
Privilegiar a espontaneidade
das cooperativas e da
organização sindical
Mas aqui, sindicato como
embrião da futura sociedade
anarquista-comunista sem
classes
Reflexões de Renata Gonçalves 28
Tarefa: preparar a revolução

Por meio da greve geral


insurrecional
Ou seja, greve expropriadora e
encarregada da gestão
Sem mediação com o capitalismo ou
com qualquer mediador externo ao
Movimento Operário
Reflexões de Renata Gonçalves 29
Consciência de classe

Só acontece por meio da


organização da classe
Pela dinâmica e experiência de sua
luta de classe
Fortalecendo suas organizações
O intelectual pode reforçar, mas
não dar a direção do movimento
Reflexões de Renata Gonçalves 30
No plano ideológico

Anti-estatismo:
anti-legalismo; anti-
parlamentarismo; antimilitarismo;
antipatriotismo; anti-autoritarismo
Anti-intelectualismo
Mas, importância da EDUCAÇÃO
do proletariado
Reflexões de Renata Gonçalves 31
Qual a razão do
êxito do modelo
social-
democrata?
Reflexões de Renata Gonçalves 32
Dispositivos
ideológicos e
repressivos...

Reflexões de Renata
Gonçalves