Você está na página 1de 27

 PSICOLOGIA JURÍDICA

 PROF. KAROLINE
 TURMA: 6º PERIODO/NOITE
 CURSO: DIREITO
 TEMA: ADOÇÃO – ASPECTOS SOCIAIS
“O casal Toni e David, fundadores do
Grupo Dignidade, entrou em 2005 com o
pedido habilitação para adoção junto a
Vara da Infância e Juventude de Curitiba. O
juiz foi favorável à adoção conjunta, mas
colocou duas restrições: as crianças a
serem adotadas tinham que ser meninas e
ter mais de 10 anos de idade. Eles
recorreram ao TJPR, que entendeu estarem
habilitados para a adoção e que não havia
limitação quanto ao sexo e à idade dos
adotandos em razão da orientação sexual
dos adotantes.”
 A adoção hoje é um instituto do Direito, mas a sua origem é de natureza
religiosa. Na Bíblia existem passagens onde à mulher que não pudesse
ter filhos, acabava por entregar uma escrava ao marido, para que esta
lhe servisse dando-lhe um filho que dele se regozijasse como se seu
filho fosse.
 Conforme cita Rui Ribeiro de Magalhães, na passagem de Gêneses 16
em que Sara esposa de Abraão fala: “Visto que o Senhor fez de mim
uma estéril, peço-te que vás com a minha escrava. Talvez, por ela, eu
consiga ter Filhos”. Percebe-se que nesta passagem já ocorre o
princípio da Adoção quando Sara diz:“por ela também terei filhos”
 Semelhante passagem pode ser verificada no Código de Hamurabi em
que os homens aos quais as esposas não podiam ter filhos, acabavam
por gerá-los com outra.
 Já no Direito Romano e segundo a Lei das XII Tábuas, havia dois tipos
de adoção a serem praticados: a ad-rogatio que era adoção na forma
mais complexa e a adoptio adoção propriamente dita. Em ambos os
casos era necessário que o adotante fosse sui juiris (homem), mais
velho ao menos 18 (dezoito) anos em relação ao adotado e não possuir
filhos legítimos ou adotados.
 No Brasil, a adoção foi introduzida por influência do Reino de Portugal,
fortemente influenciado pelo Direito Canônico
 A primeira legislação brasileira a citar a adoção foi o Código Civil de
1916, que tinha muitos os obstáculos impostos para os que tinham
interesse em adorar uma criança.
 Na década de 50 a Lei n° 3.133 de 8 de maio de 1957 trouxe algumas
mudanças para o critério de adoção,agora o adotante poderia ter 30
anos, diferença entre adotante e adotado deveria ser de dezesseis anos, o
casal deveria ter no mínimo cinco anos de matrimonio e poderia ter
filhos
 Em 1965 a Lei n° 4655 trouxe como única modificação a autorização para
cancelar o registro de nascimento original da criança e substituir por
outro.
 Com o Código de Menores, Lei n° 6697 de 10 de outubro de 1979, trouxe
um avanço na proteção a criança e adolescente, no que se referia a
adoção previa dois tipos, a plena e a simples.
 Com a Constituição Federal de 1988, crianças e adolescentes passam a
ser vistas como sujeitos de direitos, e prioridade do Estado, sendo dever
da família e de toda sociedade zelar por seus direitos e protegê-las,
adotando a doutrina de Proteção Integral.
 O Brasil passa a comprometer-se com a infância, traz como direito
fundamental a maternidade e a infância.
 Do ponto de vista dos saberes jurídicos. “A adoção é
uma ficção jurídica que cria o parentesco civil. É um ato
jurídico bilateral que gera laços de paternidade e filiação
entre pessoas para as quais tal relação inexiste
naturalmente” (WALD apud DINIZ, 2008).
 Já na área da Psicologia, a adoção é caracterizada por
Levinzon , como sendo o “estabelecimento de relações
parentais entre pessoas que não estão ligadas por
vínculos biológicos diretos”, possibilitando a essas
crianças fazerem parte de uma família, em que as
relações parentais são predominantemente marcadas
pelos laços afetivos.
 Art. 41 ECA “ adoção atribui a condição de filho ao
adotado, com os mesmos direitos e deveres, inclusive
sucessórios,desligando-o de qualquer vínculo com os
pais e parentes, salvo os impedimentos matrimoniais.
 A estada de crianças em instituições deveria ser passageira, mas
não são incomuns os adolescentes que cresceram nestes locais.
Estes recebem tratamento de funcionários que, mesmo que
dedicados, acabam se limitando a cumprir apenas a função de
abrigar, oferecendo serviços pouco individualizados e
submetendo os abrigados à carência material e emocional.
 De acordo com Levinzon , a adoção se apresenta como uma
possibilidade de oferecer uma família, um lar, uma base social a
essas crianças que não puderam ser criadas por sua família
biológica. Pois é no ambiente familiar que há trocas de vínculos,
cuidados, afetos e estímulos necessários que influenciam
também no crescimento e desenvolvimento saudável das
crianças.
 A Psicologia ressaltavam a importância da infância na
estruturação da personalidade. A adoção se constitui como mais
uma possibilidade para assegurar o desenvolvimento da criança
que não possui os cuidados adequados de sua família biológica.
 No cenário atual a maior queixa em relação adoção é a
demora pela realização.
 Procedimentos:
• Idade mínima: 18 anos, independente do estado civil e que tenham 16 anos de
diferença de idade entre eles,
• Na vara da infância e juventude, com documentações e da entrada no processo
de adoção
• Realização de curso de preparação psicossocial e jurídica da adoção, espera
até receber o resultado, se aprovado será enviando a vara onde está o
processo.
• Entrevistas técnicas – escolha da criança – realizado isso libera-se ahabilitação
• Encontrada a criança o juiz profere a sentença de adoção
 O assistente social tem um papel fundamental no processo de
adoção, cabe a ele elaborar um estudo social para verificar se
os pretendentes estão aptos ou não para adotar. Ao elaborar o
estudo social o técnico deve usar de todo seu conhecimento
teórico critico e os instrumentais que tem conhecimento para
elabora um estudo social e dar seu parecer.
 ASPECTOS SOCIAIS DA ADOÇÃO

- Natureza Jurídica ( Função Social ) :


- Código Civil 1916 : natureza contratual;
- ECA e leis posteriores : natureza
estatutária (interesse social).
 Porque adotar? ( Pontos Positivos ):

- Para família (adotantes ) :


- Ato de solidariedade, amor;
- Constituição da prole: consolidação
familiar, identidade familiar.
 - Para a criança/adolescente:
- Obtenção de uma família : identidade, amor,
carinho;
 - Perspectiva de vida, sucesso social, cidadania.

 - Sociedade:
 - Organização/ estrutura social;
 - Diminuição da marginalização, pobreza.
 Por que no Brasil há mais famílias querendo
adotar do que crianças e adolescentes à espera de
pais adotivos?
- Lei 12.010/09. “Lei Nacional da Adoção”.
- A adoção é medida excepcional e só deve ser
determinada quando forem esgotadas as medidas e
os recursos possíveis para manter o infante junto à
sua família natural.
- somente se nenhuma política der certo é que se
busca a adoção. A criança já em idade avançada, e o
adolescente, são colocados em acolhimento familiar
ou institucional e ficam à espera de um milagre.
- Dados divulgados pelo CNJ (que faz a gestão
dos cadastros de adoção) demonstram que
quanto mais avançada a idade do adotando,
menores as chances de ser adotado.

 Disso vem a conclusão: nós temos muitas crianças em


idade avançada, e adolescentes nos abrigos, porque os
pretensos adotantes preferem as crianças mais novas.
- No Brasil há 27.000 pretendentes à adoção
(adotantes) para cerca de 4.000 crianças e
adolescentes à espera de uma nova família
(adotandos).

- Dos 27.000 adotantes, 5.203 adotantes só querem


bebês, 5.373 crianças admitem crianças com até 1
ano de idade e 5.474 aceitam crianças com até 2
anos de idade. O restante varia bastante.
- Ante o exposto, apesar dos benefícios que a
Lei 12.010/09 trouxe à convivência familiar,
certamente nenhum diploma normativo será
capaz de mudar o quadro da adoção no Brasil.
“ Não podemos considerar correto negar aos
casais homoafetivos o exercício do direito a
adoção. ”
 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana
 Princípio da Igualdade e a orientação sexual
(Declaração Universal dos Direitos do
Homem/1948)
 Princípio da Não Discriminação (CF/88 art. 3°,
IV.)
 Problemas no processo de adoção por conta do grande
número de cadastros no Cadastro Nacional de Adoção
com restrições ao estado de saúde dos adotados.
 Lei nº 12.995/2014 criada visando o estímulo da
adoção das crianças com necessidades especiais com
a priorização da tramitação dos processos das
mesmas.
 Segundo dados do ano de 2014, cerca de 5400
adolescentes podem ser adotados e no Brasil são mais
de 30.000 inscritos no CNA, mas, apenas 8% dessa
grande quantidade de cadastros, não possui nenhuma
restrição em relação ao estado de saúde do adotado.
 São 1221 crianças/adolescentes com
doenças crônicas e deficiência física ou
mental, são esses os processos que serão
priorizados.
 Dificuldades de inclusão das crianças e
adolescentes com necessidades
especiais por falta de locais e
profissionais especializados.
 Adoção, uma aprendizagem de amor possível
• Segundo Lidia Weber o objetivo principal da adoção precisa ser o
de proteger a criança e não o que tradicionalmente tem sido: A
criança ser uma solução para a necessidade dos pais de formarem
uma família.
• A psicóloga examina o fenômeno do apego como uma positiva
contribuição para as famílias interessadas em adotar uma criança.
Ressalta que o amor os pais sentem por uma criança adotiva pode
ser o mesmo que sentem pelos seus filhos biológicos, revelando a
possibilidade de aprendizagem desse amor.
• Weber insiste que possível construir uma relação de amor a partir
de aspectos como a revelação precoce, o dialogo entre pais e filhos
a preparação dos adotantes, família e amigos, a ausência de
sentimento de vergonha, a segurança na decisão, o afeto e a
responsividade dos pais e a igualdade dos filhos adotivos e
biológicos. Esses aspectos são descritos como positivos na
construção desse amor entre pais e filhos em uma relação de
adoção.
“TODA CRIANÇA MERECE
UM LAR, UMA FAMILIA, UMA
CASA E PRINCIPALMENTE
SER CHAMADA DE FILHO OU
FILHA.”