Você está na página 1de 20

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC

PÔS GRADUAÇÃO EM NANOCIÊNCIAS E MATERIAIS AVANÇADOS


PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO DE METAIS

ESPUMA METÁLICA

Docente: Carlos Triveño Rios


Discentes: João Henrique Assunção
SUMÁRIO

 INTRODUÇÃO
 ESPUMA METÁLICA
 CLASSIFICAÇÃO
 PROCESSO DE FABRICAÇÃO
 APLICAÇÕES
 CONCLUSÃO
INTRODUÇÃO
 Espumas metálicas ou metais porosos são dispersões de fases
gasosas em matrizes metálicas em grande proporção, o que confere
ao material características peculiares e combinações de
propriedades muito interessantes.
 A ideia das espumas metálicas surge nos anos 50, sendo tão antiga
como as espumas poliméricas.
 Novas formas de produção têm permitido produzir espumas para
aplicações com maior valor económico acrescentado e por outro
lado começa a ser viável a sua produção em massa.
INTRODUÇÃO
 São geralmente usadas em situações onde o peso deve ser
minimizado.
 As estruturas celulares, ou materiais porosos, oferecem ainda uma
maior resistência a danos ou fraturas súbitas, uma vez que as
estruturas de poros abertos têm a capacidade de absorver esforços
de tração ou compressão.
ESPUMA METÁLICAS
 Benjamim Sosnick registou uma patente para um processo de fazer
espumas denominado “Process for making Foamlike Mass of
Metal“;
 Componentes com pontos
de fusão diferentes;
 Zinco, cádmio e mercúrio;
 Este processo era bastante
caro.
ESPUMA METÁLICAS
 Na década de 1950, surgiram as primeiras espumas metálicas de
poros abertos. Este processo consistia em verter alumínio fundido
numa pré-forma ou molde contendo grãos de sal compactados, ao
solidificar o Alumínio ia dissolvendo o sal, que deixava poros
abertos.
ESPUMA METÁLICAS
CLASSIFICAÇÃO DAS ESPUMAS
 Estruturas de poros abertos

 Estruturas de poros fechados


ESPUMA METÁLICAS
PROCESSO DE FABRICAÇÃO
ESPUMA METÁLICAS
Metal Fundido
 Expansão direta do metal fundido
 O processo de expansão direta do metal fundido consiste em obter espuma metálicas
por injeção de gás;
 Aluminio;
ESPUMA METÁLICAS
Metal Fundido
 Expansão direta do metal fundido
 O processo ainda permite a fabricação de componentes a três dimensões por
vazamento de massa espumosa semilíquida emergente para o interior de moldes
fechado;
ESPUMA METÁLICAS
Metal Fundido
 Solidificação eutética de solido-gás
 O processo de solidificação sólido-gás consiste na fusão do metal numa atmosfera de
hidrogênio;
 Difusão de hidrogênio para o metal.
 Controle de propriedade:
 Porcentagem de porosidade;
 Tamanho de poros
 Orientação dos poros;
ESPUMA METÁLICAS
Metal Fundido
 Fundição de precisão
 O Método inicia-se com uma espuma polimérica, a qual deve ter a geometria e a
estrutura igual ao que se pretende fabricar;
 Poros abertos;
ESPUMA METÁLICAS
Metal Fundido
 Espumas sintéticas usando enchimento metálicos
 Materiais porosos leves podem ser produzidos por uma simples infiltração de metal
fundido para o interior de grânulos inorgânicos ou esferas ocas de baixa densidade;
 Uma atmosfera de vácuo ou pressão externa facilita a infiltração do metal fundido
significativamente;
 Aluminio, zinco, magnésio, chumbo, prata.
ESPUMA METÁLICAS
A partir de pós
 Pulverotecnologia
 Desenvolvido e patenteado nos principio dos anos 90 no fraunhofer
Institute for Applied Materials Research em Bremen (Alemanha)
 Compactação: uniaxial, isostática ou extrusão;
 Porosidade fechada com uma superfície densa;
 Geometria complexa;
ESPUMA METÁLICAS
A partir de pós
 Sinterização de pós
 O método mais usual de produção de materiais porosos com
porosidade aberta;
 Sinterização do pó de metal sem compactação;
+
 Adição de agentes poliméricos

Preparação da mistura Aditivo orgânico Ataque Quimico

Polimerizada
ESPUMA METÁLICAS
A partir de pós
 Aprisionamento de gás
 Os metais podem também ser expandidos sem a adição de agente
expansor, em que o gás é aprisionamento na matriz metálica
durante a compactação de pós metálicos dando origem a uma
material precursor;
ESPUMA METÁLICAS
Partículas ionizadas
 Métodos da deposições
 Um dos técnicas mais conhecida é a metalização de uma espuma
de poliuretana de estrutura aberta;
 Aplica a maioria dos metais, porem mais aplicado para Niquel e
Niquel cromo;
ESPUMA METÁLICAS
Aplicações
 Viabilidade de uma possível Aplicação:
 Morfologia;
 Metalurgia;
 Processo de fabricação;
 Economia
 As espumas de porosidade abertas são mais aplicada a indústria química, como filtros,
reservatórios de fluidos, permutador de calor;
 As espumas de porosidade fechadas são aplicadas para indústria de transporte,
estruturas de automóveis ultra leves.
 A aplicação das espumas metálicas podem ser classificadas como estrutural ou
funcional.
CONCLUSÃO
 As espumas metálicas se mostram como uma nova classe de
materiais a serem exploradas devido suas propriedades, tendo
aplicação desde a indústria química, aeroespacial, automobilística e
até mesmo na indústria biomédica com implantes dentários;
 Apesar da grande variedade de processos de fabricação das
espumas metálicas, ainda há desenvolvimento de pesquisas para
desenvolvimento de novo métodos, voltados principalmente para a
controle e otimização das propriedades desse material.
REFERÊNCIAS
 DUARTE, Isabel; OLIVEIRA, Mónica. Aluminium alloy foams:
production and properties. In: Powder metallurgy. InTech, 2012.
 RIGON, Henrique Chiaradia. Estudo dos aspectos estruturais de
espumas metálicas. 2014.
 [5] A.E. Simone, L. J. Gibson, "The tensile strength of porous copper
made by the Gasar process", Acta Material ia, vo l. 44, n. o 4, (1996),
1437-1447
 J. Banhart, M. F. Asbhy, N. A. Fleck (Editors), Proc. Internacional
Conference: Metal Foam and Porous MetalStructures", MIT Verlag,
14-16 June (1999), Bremen, Germany.Ciência