Você está na página 1de 39

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NAVAL

NR – 34
Atualização:
Portaria MTb n.º 1.112, de
21 de setembro de 2016.
LEGISLAÇÃO

34.1 Objetivo e Campo de Aplicação

34.1.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece


os requisitos mínimos e as medidas de proteção à
segurança, à saúde e ao meio ambiente de trabalho
nas atividades da indústria de construção e
reparação naval.

34.1.2 Consideram-se atividades da indústria da


construção e reparação naval todas aquelas
desenvolvidas no âmbito das instalações
empregadas para este fim ou nas próprias
embarcações e estruturas, tais como navios, barcos,
lanchas, plataformas fixas ou flutuantes, dentre
outras.
LEGISLAÇÃO

Cabe ao empregador garantir a efetiva implementação das


medidas de proteção, devendo:
• designar formalmente um responsável pela
implementação desta Norma;

• garantir a adoção das medidas de proteção;

• interromper trabalhos quando houver mudanças que os


tornem perigosos à integridade física e psíquica dos
trabalhadores;

• providenciar a realização da Análise Preliminar de Risco


- APR e, quando aplicável, a emissão da Permissão de
Trabalho - PT;
LEGISLAÇÃO

Capacitação e Treinamento

O treinamento deve ter carga horária mínima de


seis horas, constando de informações sobre:

• os riscos inerentes à atividade;


• as condições e meio ambiente de trabalho;
• os Equipamentos de Proteção Coletiva - EPC
existentes no estabelecimento;
• o uso adequado dos Equipamentos de
Proteção Individual - EPI.
O treinamento periódico deve ter carga horária
mínima de quatro horas e ser realizado
anualmente ou quando do retorno de
afastamento ao trabalho por período superior a
noventa dias.
LEGISLAÇÃO

Para a execução das atividades se


faz necessário a Permissão de
Trabalho – PT e a Análise Preliminar
de Risco - APR .

Toda documentação prevista nesta


Norma deve permanecer no
estabelecimento à disposição da
Auditoria-Fiscal do Trabalho, dos
representantes da Comissão
Interna de Prevenção de Acidentes
- CIPA e dos representantes das
Entidades Sindicais representativas
da categoria, sendo arquivada por
um período mínimo de cinco anos.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE

Trabalho a Quente
Considera-se trabalho a quente as atividades de soldagem, goivagem, esmerilhamento, corte ou outras
que possam gerar fontes de ignição tais como aquecimento, centelha ou chama.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE

Trabalho a Quente
Nos processos de trabalho que
desprendam fumos deve ser feito um
controle destes fumos e de contaminantes
no ambiente.

Nos trabalhos que utilizem gases, deve-se


utilizar somente gases adequados à
aplicação e seguir as determinações
indicadas na Ficha de Informação de
Segurança de Produtos Químicos – FISPQ .
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE

Trabalho a Quente

Os cilindros de gás devem ser mantidos


em posição vertical, distantes de
chamas, fontes de centelhamento, calor
ou de produtos inflamáveis.

É proibida a instalação de cilindros de


gases e o armazenamento de
equipamentos e mangueiras inoperantes
em ambientes confinados.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE

Trabalho a Quente
Equipamentos elétricos:
Os equipamentos elétricos e seus
acessórios devem ser aterrados a um
ponto seguro de aterramento e
instalados de acordo com as instruções
do fabricante.
Os terminais de saída devem ser
mantidos em bom estado, sem partes
quebradas ou isolação trincada,
principalmente aquele ligado à peça a
ser soldada.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE

Trabalhos em Altura
As medidas de proteção contra quedas de altura devem atender à NR-35.
Na execução do trabalho em altura devem
ser tomadas as seguintes providências:
• isolamento e sinalização da área;
• adoção de medidas para evitar a queda
de ferramentas e materiais;
• desenergização, bloqueio e etiquetagem
de toda instalação elétrica aérea nas
proximidades do serviço;
• interrupção imediata do trabalho em
altura em caso de adversidades.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE

Trabalhos em Altura
• A transposição de pisos com diferença
de nível superior a trinta centímetros
deve ser feita por meio de escadas
ou rampas.
• Nos trabalhos a quente, é vedada a
utilização de escadas de madeira.
• As escadas de mão devem ser de uso
restrito a acessos provisórios e
serviços de pequeno porte
• As escadas de abrir devem ser rígidas
e estáveis.
• As escadas extensíveis devem possuir
dispositivo limitador de curso.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE
Trabalhos em Altura
Rampas:

• As rampas devem ser mantidas em perfeitas


condições de uso e segurança.

• As rampas provisórias devem ser fixadas no


piso inferior e superior, não ultrapassando
trinta graus de inclinação em relação ao piso.

• Nas rampas com inclinação superior a dezoito


graus, devem ser fixadas peças transversais,
espaçadas em quarenta centímetros, no
máximo, para apoio dos pés.

• Não devem existir ressaltos entre o piso da


passarela e o piso do terreno.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE

Trabalhos em Altura
Plataformas Fixas:
• As plataformas devem ser projetadas,
aprovadas, instaladas e mantidas de
modo a suportar as cargas máximas
permitidas.
• O projeto de plataformas e de sua
estrutura de sustentação e fixação deve
ser realizado por profissional
legalmente habilitado.
• Deve ser afixada nas plataformas, placa
contendo a indicação da carga máxima
permitida.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE
Trabalhos em Altura

Plataformas Elevatórias:

• As plataformas de trabalho com sistema de


movimentação vertical devem observar as
especificações técnicas do fabricante quanto à
montagem, operação, manutenção desmontagem
e inspeções periódicas, sob responsabilidade
técnica de profissional legalmente habilitado.

• Os manuais de orientação do fabricante, em


língua portuguesa, devem estar à disposição no
estabelecimento.

• Os equipamentos da plataforma elevatória


somente devem ser operados por trabalhador
capacitado.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE
Trabalhos em Altura

Acesso por Corda:

• Na execução das atividades com acesso por


cordas devem ser utilizados procedimentos
técnicos de escalada industrial.

• A equipe de trabalho deve ser capacitada para


resgate em altura e composta por, no mínimo,
três pessoas, sendo um supervisor.

• A equipe de trabalho deve portar rádio


comunicador ou equipamento de telefonia
similar.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE
Trabalhos em Altura
Exposição a Radiações Ionizantes:

• Devem ser adotadas medidas de segurança para proteger os


trabalhadores, indivíduos do público e meio ambiente contra os efeitos
nocivos da radiação.

• Os serviços devem ser executados conforme instruções da PT.

• Os seguintes documentos devem ser elaborados e mantidos


atualizados:

a) Plano de Proteção Radiológica, aprovado pela Comissão Nacional de


Energia Nuclear - CNEN;
b) autorização para operação, expedida pela CNEN;
c) relação dos profissionais certificados pela CNEN para execução dos serviços;
d) certificados de calibração dos monitores de radiação, conforme regulamentação da CNEN;
e) certificados das fontes radioativas e as respectivas tabelas de decaimento.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE

Trabalhos de Jateamento e Hidrojateamento


• Devem ser realizados por trabalhadores
capacitados.

• Os envolvidos devem utilizar cartão especifico


contendo as informações necessárias ao
atendimento de emergência.

• A atividade de hidrojateamento de alta pressão


deve ser realizada em tempo contínuo de até uma
hora, com intervalos de igual período, em jornada
de trabalho máxima de oito horas.

• É proibido o travamento ou amarração do gatilho da


pistola do equipamento.
RISCOS INERENTES À ATIVIDADE E MEIO AMBIENTE

Trabalhos de Pintura
• É proibido consumir alimentos e portar materiais
capazes de gerar centelha, fagulha ou chama na
área da pintura e em seu entorno.

• Deve ser providenciada renovação de ar para


eliminar gases e vapores gerados durante o
serviço.

• No local do serviço, deve ser disposta a


quantidade de tinta necessária à utilização
imediata.

Em espaço confinado, Os quadros elétricos devem


ser instalados do lado de fora e deve ser mantido
equipamento autônomo de proteção respiratória ou
sistema de ar mandado disponível e de fácil acesso
para situações de emergência.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

“Considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo DISPOSITIVO ou


PRODUTO, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado a proteção de
riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho. ” (Preceito da
NR 06)

DISPOSITIVO

PRODUTO

DISPOSITIVO
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

O EPI deverá ser usado como medida de proteção, nas seguintes


circunstancias:
• Não for possível eliminar o risco com
proteção coletiva;

• For necessário complementar a proteção


coletiva;

• Em trabalhos eventuais e em exposição de


curto período.

NOTA: Quando inevitável o uso dos EPI, o


mesmo deverá ser disciplinado pela legislação
vigente NR 06 da portaria 3.214/78.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

TRABALHADOS COMPLETAMENTE PROTEGIDO:


EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

CABE AO EMPREGADOR QUANTO AO EPI:

• Adquirir o tipo adequado a atividade do empregado;


• Exigir seu uso;
• Fornecer somente o EPI aprovado pelo órgão nacional competente em matéria de
segurança e saúde no trabalho;
• Orientar e treinar o trabalhador quanto a seu uso adequado, guarda e conservação;
• Substituir imediatamente quando extraviado ou danificado;
• Responsabilizar-se por sua manutenção e higienização;
• Comunicar ao M T E qualquer irregularidade observada;
• Registrar o seu fornecimento ao trabalhador, podendo ser adotados livros, fichas ou
sistema eletrônico.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

CABE AO EMPREGADO QUANTO AO EPI:

• Usar , utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina;


• Responsabilizar-se por sua guarda e conservação;
• Comunicar qualquer alteração que o torne impróprio para uso;

• Cumprir as determinações do empregador sobre seu uso adequado.


Art. 462 da CLT:
§ 1o – Em caso de dano causado pelo empregado, o desconto será lícito desde que
esta possibilidade seja acordada ou na ocorrência de dolo do empregado.
Ou seja, em caso de dano (estrago) ou extravio proposital dos EPI - Equipamento de
Proteção Individual, reserva-se a empresa o direito de descontar em folha de
pagamento o valor equivalente ao dano causado.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTETOR AUDITIVO TIPO INSERÇÃO (PLUG)

• Finalidade: Utilizado para proteção dos


ouvidos nas atividades e nos locais que
apresentem ruídos excessivos.

• Higienização: Lavar com água e sabão


neutro.

• Conservação: Acondicionar na
embalagem protegido da ação direta de
raios solares ou quaisquer outras fontes
de calor.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA

• Finalidade: Utilizado para proteção dos ouvidos


nas atividades e nos locais que apresentem
ruídos excessivos.

• Higienização: Lavar com água e sabão neutro,


exceto as espumas internas das conchas.

• Conservação: Armazenar na embalagem


adequada, protegido da ação direta de raios
solares ou quaisquer outras fontes de calor;
Substituir as espumas (internas) e almofadas
(externas) das conchas, quando estiverem sujas,
endurecidas ou ressecadas.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTEÇÃO DE OLHOS E FACE

• Finalidade: Utilizado para proteção dos


olhos contra impactos mecânicos,
partículas volantes e raios ultravioletas.

• Higienização: Lavar com água e sabão


neutro; Secar com papel absorvente.

• Conservação: Acondicionar na bolsa


original com a face voltada para cima.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

CALÇADO DE SEGURANÇA

• Finalidade: Utilizado para proteção dos


pés contra torção, escoriações,
derrapagens e umidade.

• Conservação: Armazenar em local


limpo, livre de poeira e umidade; Se
molhado, secar a sombra; Engraxar com
pasta adequada para a conservação de
couros.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTEÇÃO DAS MÃOS

• Finalidade: Utilizada para proteção das


mãos e punhos do empregado contra
agentes químicos e biológicos.

• Higienização: Lavar com água e sabão


neutro.

• Conservação: Armazenar em saco


Luva de proteção em borracha nitrílica plástico e em ambiente seco; Secar a
sombra.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTEÇÃO DAS MÃOS

• Finalidade: Utilizada para proteção das


mãos e punhos contra agentes abrasivos e
escoriantes.

• Higienização: Limpar utilizando pano limpo,


umedecido em água e secar a sombra.
Luva de proteção de Raspa

• Conservação: Armazenar protegida da ação


direta de raios solares ou quaisquer outras
fontes de calor; Se molhada ou úmida, secar
a sombra; Nunca secar ao sol (pode causar
efeito de ressecamento).
Luva de proteção de Vaqueta
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTEÇÃO DAS VIAS AÉREAS

• Finalidade: Utilizado para proteção


respiratória em atividades e locais que
apresentem tal necessidade.

• Higienização: Lavar com água e sabão


neutro.
Respirador purificador de ar
(descartável)
• Conservação: Acondicionar na embalagem
protegido da ação direta de raios solares ou
quaisquer exposição a agentes químicos.

Respirador purificador de ar
(com filtro)
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTEÇÃO PARA PELE

• Finalidade: Utilizado para proteção das mãos e


braços contra agentes químicos.

• Conservação: Manter a embalagem fechada,


protegida da luz e calor.

Observação: ao lavar a mão, passar novamente o


creme.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES

• Finalidade: Utilizar para se proteger de


queimaduras e complicação dos olhos.

• Higienização: Limpar utilizando pano limpo,


umedecido em água e secar a sombra.

• Conservação: Armazenar protegida da ação


direta de raios solares ou quaisquer outras
fontes de calor; Se molhada ou úmida, secar a
sombra; Nunca secar ao sol (pode causar efeito
de ressecamento).
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS COM DIFERENÇA DE NÍVEL

• Finalidade: Utilizado para proteção do


empregado contra quedas em serviços onde
exista diferença de nível.

• Higienização: Lavar com água e sabão neutro;


Enxaguar com água limpa e passar um pano
seco e limpo para retirar o excesso de umidade;
Secar a sombra, em local ventilado; Caso haja
contato com produtos químicos não lavar,
encaminhá-lo para teste.

• Conservação: Armazenar em local protegido da


umidade, ação direta de raios solares, produtos
químicos, solventes, vapores e fumos;
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS COM DIFERENÇA DE NÍVEL

• Finalidade: Utilizado para proteção do


empregado contra queda em serviços onde
exista diferença de nível, em conjunto com
cinturão de segurança tipo paraquedista e
mosquetão tripla trava.

• Higienização: Limpar com pano umedecido;


Talabartes Reguláveis Lavar periodicamente com água e sabão neutro,
secando a sombra e local ventilado.

• Conservação: Armazenar em local seco, sem


dobrar; Se molhado, secar a sombra em local
ventilado.
Talabarte em “Y” com Absorvedor
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS COM DIFERENÇA DE NÍVEL

• Finalidade: Utilizado para proteção do


empregado contra queda em serviços onde
exista diferença de nível, em conjunto com
cinturão de segurança tipo paraquedista.

• Higienização: Após o uso, escovar as partes


Trava Quedas metálicas.

• Conservação: Armazenar protegido da


umidade e ação direta dos raios solares; Manter
afastado de produtos químicos; Se molhado,
secar a sombra em local ventilado.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTEÇÃO PARA CABEÇA


• Finalidade: Utilizado para proteção da cabeça do
empregado contra agentes meteorológicos (trabalho a
céu aberto) e trabalho em local confinado, impactos
provenientes de queda ou projeção de objetos,
queimaduras, choque elétrico e irradiação solar. O
capacete deve obrigatoriamente portar a jugular.

Aba Frontal
• Higienização: Limpá-lo mergulhando por 1 minuto num
recipiente contendo água com detergente ou sabão
neutro; O casco deve ser limpo com pano ou outro
material que não provoque atrito, evitando assim a
retirada da proteção isolante de silicone (brilho), fator que
prejudica a rigidez dielétrica do mesmo; Secar a sombra.

• Conservação: Evitar atrito nas partes externas, mal


acondicionamento e contato com substâncias químicas.
Aba Total
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

PROTEÇÃO CONTRA ELETRICIDADE


• Finalidade: Utilizada para proteção das mãos e braços
do empregado contra choque em trabalhos e atividades
com circuitos elétricos Energizados.

• Higienização: Lavar com água e detergente neutro;


Enxaguar com água; Secar ao ar livre e a sombra;
Polvilhar, externa e internamente, com talco Industrial.

• Conservação: Armazenar em bolsa apropriada, sem


dobrar, enrugar ou comprimir; Armazenar em local
protegido da umidade, ação direta de raios solares,
produtos químicos, solventes, vapores e fumos.

ATENÇÃO: Antes do uso, realizar o teste de inflamento para avaliação visual da luva em busca de
rasgos, furos, ressecamentos, etc.