Você está na página 1de 47

MANUAIS DE

ENFERMAGEM E
QUALI-SUS
FACULDADE DO MARANHÃO - FACAM
GESTÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

SÃO LUÍS - MA
MANUAIS DE ENFERMAGEM
E QUALI-SUS
FACULDADE DO MARANHÃO – FACAM
GESTÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

Danielle Cruz;
Elyssandra Castro;
Isaac Ribeiro;
Jennyfer Carvalho;
Mônica Mayara;
Thalita Moraes;
Thaynara Fonseca.

SÃO LUÍS - MA
MANUAIS DE
ENFERMAGEM
Conceito e importância dos manuais
‘’Os manuais, instrumentos integrantes do sistema de
informação e organização, transmitem, por escrito,
orientações aos elementos da equipe de enfermagem para o
desenvolvimento das atividades’’.
Vanda Elisa Felli da Silva

Instrumento orientador dos profissionais de


enfermagem no desempenho de suas funções.

• Algo manuseável, fácil de conduzir nas mãos;

• Trata-se da fermenta imprescindível para execução


das atividades de enfermagem;
As informações podem estar agrupadas em um
único manual ou em divisões de acordo com sua
finalidade:

• Manual de norma, rotina e procedimento;

• Manual de educação em serviço;

• Manual de funcionários;

• Manual de formulário.
Características dos manuais
• O manual deve ser constantemente submetido à
analise critica, atualizado sempre que necessário;

• Deve espelhar-se nas diretrizes e normas da


organização;

• Deve ser um elemento facilitador e não bloqueador


das ações de enfermagem.
Vantagens do manual
• Auxilia na fixação e efetivação dos critérios e padrões
necessários para o bom desempenho do processo;

• Inibição da improvisação inadequada que sempre


aparece nas mais variadas formas;

• Evita ou minimiza os conflitos entre os funcionários.


Desvantagens do manual
• São instrumentos pouco flexíveis;

• Não representam a solução de todos os problemas do


processo;

• Os custos da elaboração, manutenção e gerenciamento


podem ser elevados;

• Incluem somente as relações formais.


ELABORAÇÃO DOS
MANUAIS
Elaboração
Os manuais podem ser elaborados a partir de duas
situações:

• Fase de organização e programação;

• Atualização de normas e procedimentos.


Etapas para elaboração
• Diagnostico da situação;

• Determinação dos assuntos;

• Estruturação e confecção dos instrumentos;

• Implantação;

• Avaliação.
Diagnóstico da situação
• É realizado com base no levantamento e análise de
informações do serviço de enfermagem;

Informações a serem analisadas:

• Estrutura organizacional;
• Filosofia norteadoras das ações;
• Objetivos a serem alcançados;
• Ações de enfermagem.
Determinação dos assuntos
• Deve conter as informações arrecadadas no
diagnóstico;

• Análise das informações coletadas definem que


instrumentos o manual deve conter e qual o conteúdo
desses instrumentos.
Estrutura e confecção dos instrumentos
• A estrutura do conteúdo informativo, envolve a
ordenação (sequência lógica, agrupamentos) e
apresentação dos assuntos (numeração, linguagem,
disposição na folha);

• A estrutura física do manual envolve a definição do


arquivamentos das folhas, do tipo de papel que será
utilizado, do tipo de colecionador, apresentação
tipográfica e meio de localização do assunto.
Implantação e avaliação
• Na implantação todos devem ser comunicados;

• O manual deve ser colocado em local de fácil acesso;

• O manual deve ser utilizado, suas informações devem


sofrer constantes avaliações e reformulações.
CONTEÚDO DO
MANUAL
O Manual poderá conter:
• Regulamento do hospital;

• Regimento do serviço de enfermagem;

• A filosofia do serviço de enfermagem;

• A estrutura administrativa da organização e do serviço


de enfermagem;

• Planta física da unidade;

• Descrição das funções;


• Descrição dos cuidados de enfermagem;

• As normas, rotinas e procedimentos;

• Roteiros para realização de atividades de


enfermagem;

• Descrição e funcionamento de equipamentos;

• Previsão de materiais;

• Quadro de pessoal;
• Impressos da unidade;

• Orientações sobre os direitos e deveres;

• Outros instrumentos.
REGULAMENTO
Definição
Organização, especificando:
• A filosofia;
• Finalidade;
• A estrutura administrativa;
• As atividades que serão desenvolvidas.

O regulamento contém as diretrizes básicas da


organização de saúde.

• Estabelece como deve funcionar a organização.


REGIMENTO
Definição
“O Regimento é um ato normativo, aprovado pela
administração superior da organização de saúde, de
caráter flexível e que contém diretrizes básicas para
o funcionamento do serviço de Enfermagem.
O regimento especifica as disposições do
regulamento para o serviço, devendo, portanto estar
nele embasado”.
(Kurcgant, 1991).
Para que foi criado? O
que visará?

Quais as atividades inerentes?


Está respaldado no Código de
Ética?
Quais setores compõe?

Quais as funções da equipe? O


que compete a cada um?
Liderança.
Especificidade de funções

Assuntos importantes
Descrição normativa
Composição
O regimento do serviço de enfermagem dispões
sobre:

• A filosofia e objetivos do serviço;

• A posição do serviço na estrutura da organização e


descrição das linhas hierárquicas;

• As atividades a serem desenvolvidas;

• A competência de cada membro da equipe de


enfermagem.
NORMAS
Definição
Conjunto de regras ou instruções para fixar
procedimentos, métodos, organização, que são
utilizados no desenvolvimento das atividades;

São Leis, guias que definem as ações de enfermagem,


quanto a o que e como fazê-las.

• Trata-se de princípios de ação.


Critérios para elaboração
Segundo a Associação Brasileira de Enfermagem,
uma norma, para servir de guia, deve ser formulada
obedecendo a alguns critérios:
Exemplo de normas
• Os Funcionários de Enfermagem deverão estar na
unidade onde trabalham, devidamente uniformizados, até
7 horas;

• Os materiais para exames laboratorial de rotina deverão


ser encaminhados ao laboratório, diariamente, até ás 9
horas;

• Especificas para acompanhantes;

• Higienização e Infecção Hospitalar;

• Conduta no interior do Hospital.


ROTINAS
Definição
É o conjunto de elementos que especifica a maneira
exata pela qual uma ou mais atividades devem ser
realizadas.

• A rotina é específica de cada unidade, uma vez que


seus passos e agentes dependem dos recursos
existentes na unidade.
As rotinas podem conter as seguintes informações:

• Nome da organização de saúde;

• Nome da unidade a que de destina;

• Título da rotina;

• Normas inerentes a rotina, quando couber;

• Identificação do agente de ação;

• Ações a serem realizadas;

• Outras informações necessárias;


Tipos de rotina
Colunas
• Rápida visualização, composta por colunas básicas:
agente, ação e observação.
Textual
• É descrita;
• Possui os mesmos tópicos que a coluna sem a
divisão;
• É escrita de forma direta.
Fluxograma
• Apresenta graficamente as ações a serem realizadas;
• Possui colunas com : símbolos , agente , descrição
das ações.
Procedimentos

• É a descrição detalhada , exata, explicativa , e sequencial


de como ação será realizada;

• É uniforme a toda organização;

• Elaboração.
• Nome da organização de saúde;

• Nome da unidade de enfermagem;

• Titulo de procedimento;

• Princípios a serem observados;

• Material necessário;

• Preparo do paciente;

• Preparo do ambiente;

• Descrição passo a passo;

• Anotação do prontuário;

• Tipos de procedimentos.
Textual
• Tem o procedimento descrito em texto.

Colunas
• Uni diversas informações dispostas em colunas.
QUALISUS - REDE
O projeto QualiSUS – Rede é fruto de uma articulação
entre o Ministério da saúde, os estados e municípios.
Busca-se a sistematização e a disseminação, com o
objetivo de apoiar a consolidação de um sistema
integrado e qualificado de serviços de saúde.

• O projeto foi instituído por meio da portaria N° 396, de 4


de Março de 2011.
Portaria N° 396, de Março de 2011.
“ Institui o projeto de formação e melhoria da qualidade de
rede de saúde (QualiSUS – Rede) e suas diretrizes
operacionais gerais.”

• ESTRUTURAÇÃO DO PROJETO QUALISUS

Componente 1: Qualificação do cuidado e organização das


redes de atenção à saúde.
Componente 2: Intervenções sistêmicas estratégicas;
Componente 3: Gestão do projeto.
• CGI: definir diretrizes técnicas e operacionais;
planejamento anual, relatório de progressos semestrais e
relatórios de avaliação.

• UGP: responsável pela execução do projeto QualiSUS.


Art. 2°- Objetivos QualiSUS:
• Organização no âmbito do SUS;
• Priorização dos investimentos na atenção especializada
(ambulatorial e hospitalar);
• Aumento da eficiência alocativa e produtiva do SUS;
• Aprimoramento dos mecanismos de gestão;
• Fortalecimento da regionalização, contratualização,
responsabilização e qualificação do cuidado em saúde.

Art. 3° - Estratégia de implementação do QualiSUS:


• Apoiar o desenvolvimento de redes em regiões
metropolitanas e não metropolitanas definidas pelo MS;
• Estimular o desenvolvimento de linhas de cuidado;
• Investir prioritariamente na atenção especializada
(ambulatorial e hospitalar).
Mapa de regiões
Política de qualificação da atenção à
saúde no SUS: QualiSUS
Projetos QualiSUS:

Qualificação do atendimento nas unidades de


urgência/emergência;

Qualificação da atenção básica;

Qualificação e acesso à assistência ambulatorial e hospitalar


de média complexidade;

Política de humanização da atenção e da gestão do SUS;


Atendimento básico e especializado odontológico;

Núcleo de atenção integral no saúde da família;

Garantia de medicamentos prescritos;

Implantação de SPAS;

QualiSUS sistema de urgência – SAMU.


REFERÊNCIAS
KURGANT, Paulina et.al. Administração em
enfermagem. São Paulo : EPU, 1991.

Fernandes, Almesinda Martins. Manual de normas e


rotinas hospitalares. AB,ED, 2006.
OBRIGADO.