Você está na página 1de 9

Operações Unitárias

Aula 03 – Fluidodinâmica da partícula

Professor: Victor Augusto Sousa e Silva


Introdução

• Estudaremos as forças envolvidas no contato entre partícula e fluido.

• Para entender o funcionamento de equipamentos de separação sólido-


fluido é importante não só conhecer as características da partícula em si,
mas também entender como ocorre o movimento do fluido e das
partículas na operação unitária.
Dinâmica
Forças atuantes na partícula caindo em um fluido
estacionário (𝑈∞ = 0):

• 𝑓𝐷 : Força de arraste
• 𝑓𝐶 : Força de campo
• Campo gravitacional (g), centrífugo, etc.

• 𝑓𝐸 : Força de empuxo

• A força de arraste (𝑓𝐷 ) proporciona uma resistência ao


movimento da partícula, de forma que a força resultante
é igual a zero.
𝑓𝐶𝑎𝑚𝑝𝑜 + 𝑓𝐴𝑟𝑟𝑎𝑠𝑡𝑒 + 𝑓𝐸𝑚𝑝𝑢𝑥𝑜 = 0
Velocidade terminal

• A velocidade de queda livre da partícula tende a um valor constante,


denominado velocidade terminal (𝒗𝑻 ).
• Se aplica a queda de partículas em fluidos estacionários.
• Aplicação da primeira lei de Newton.
• Grande importância na área de sistemas particulados e projeto de
separadores fluido partícula.
Lei de Stokes
• Em 1851, George Stokes estudou a teoria de um caso especial da interação partícula-fluido:
1) Partícula esférica,
2) Lisa,
3) E rígida;
4) Fluido newtoniano,
5) Incompressível,
6) Homogêneo comparado ao tamanho da esfera,
7) E “infinito”
8) Escoamento lento
9) A velocidades constantes
10) Sem deslizamento
Lei de Stokes
• Velocidade terminal válida para as
hipóteses de Stokes: 𝑑: diâmetro da partícula
𝜌𝑆 : densidade da partícula
𝑑2 𝜌𝑆 − 𝜌 𝑏 𝜌 : densidade do fluido
𝑉𝑇,𝑆𝑡𝑜𝑘𝑒𝑠 =
18 𝜇
𝜇 : viscosidade do fluido
• Se desejamos calcular o diâmetro: 𝑏 : intensidade do campo externo
𝑉𝑇,𝑆𝑡𝑜𝑘𝑒𝑠 : velocidade terminal
18 𝜇 . 𝑉𝑇,𝑆𝑡𝑜𝑘𝑒𝑠 para o regime de Stokes
𝑑𝑆𝑡𝑜𝑘𝑒𝑠 =
𝜌𝑆 − 𝜌 𝑏
Problema 1
Q1. Obtenha o valor da velocidade terminal (em cm/s) de uma microesfera de
vidro que apresenta massa específica (densidade) de 2,43 g/cm3 e diâmetro
igual a 250 μm, que cai em água (ρ = 1000 kg/m3 ; μ = 1,0.10-3 Pa.s).

Obs: Considere que o regime de Stokes é válido para esse caso.

𝑘𝑔 𝑘𝑔 𝑚
𝑑2 𝜌𝑆 − 𝜌 𝑔 250. 10−6 𝑚 2
2430 − 1000 9,81
𝑚3 𝑚3 𝑠2
𝑉𝑇,𝑆𝑡𝑜𝑘𝑒𝑠 = =
18 𝜇 −3 𝑘𝑔
18 1,0. 10
𝑚. 𝑠

𝑚 𝑐𝑚
𝑉𝑇,𝑆𝑡𝑜𝑘𝑒𝑠 = 0,0487 = 4,47
𝑠 𝑠
Velocidade terminal
• Para partículas com esfericidade na faixa de 0,67 < 𝜙 ≤ 1, podemos usar
a seguinte correlação para o regime de Stokes:
𝑑2 𝜌𝑆 − 𝜌 𝑏 𝐾1
𝑉𝑇,𝑆𝑡𝑜𝑘𝑒𝑠 =
18 𝜇

18 𝜇 . 𝑉𝑇,𝑆𝑡𝑜𝑘𝑒𝑠
𝑑𝑆𝑡𝑜𝑘𝑒𝑠 =
𝜌𝑆 − 𝜌 𝑏 𝐾1

Onde:
𝜙
𝐾1 = 0,843 log
0,065
Referências
1) Peçanha, Ricardo. Sistemas Particulados: Operações unitárias envolvendo
partículas e fluídos. Elsevier Brasil. Edição do Kindle.
2) Cremasco, Marco Aurélio. Operações Unitárias em sistemas particulados e fluido
mecânicos. 2. ed. São Paulo: Blucher, 2014.