Você está na página 1de 13

Factores ambientais inibidores do bem-estar no

trabalho
Ruído

O ruído constitui uma causa de incómodo


para o trabalho é um obstáculo às
comunicações verbais e sonoras, podendo
provocar fadiga geral.
Exemplos de ruídos de menor intensidade que se tornam incómodos,
são alarmes sonoros presentes nos equipamentos de monitorização,
bem como o ruído resultante quer do desenvolvimento normal das
atividades terapêuticas, quer o que resulta das visitas ao doente

A insonorização do hospital, reparação rápida das avarias, uso de


calçado de sola macia, diminuição do som nos alarmes e telefones,
isolamento dos “doentes ruidosos” e limitação das conversas entre o
pessoal e doentes com dificuldades de audição, são algumas das
medidas propostas para diminuir o ruído ambiente nos hospitais.
Vibrações

Um dos fatores de risco de natureza física,


felizmente pouco frequente a nível das instituições
hospitalares, são as vibrações. Os seus efeitos
prejudiciais para além de atingirem os funcionários
do hospital, os doentes e as estruturas da edificação,
atingem também determinado tipo de equipamento
sensível, impedindo o seu adequado funcionamento.
Ambiente térmico

Os profissionais de saúde enfrentam também problemas a nível da


temperatura, uma vez que os edifícios tendem a estar muito quentes, para
benefício dos doentes, expondo assim os profissionais a frequentes
alterações térmicas quando se deslocam entre áreas diferentes do hospital.

No tempo quente os profissionais vivem momentos de desconforto dentro


das suas fardas incómodas, e, no tempo frio, as fardas não são igualmente
adequadas e, o aquecimento nem sempre se encontra a temperaturas
suficientes.
 à medida que o nível de stress térmico se
eleva acima da zona de conforto,
aparecem estados sucessivos de mal-estar
psicológico que vão desde a sensação
puramente subjetiva de estar incomodado,
a uma redução apreciável do rendimento
de tarefas que exigem destreza manual.
Qualidade do ar

 A ventilação inadequada é outro problema


que se verifica nos serviços de saúde. Os
sistemas de ventilação são, muitas vezes,
ineficazes e as janelas não se podem abrir.
Uma ventilação adequada deveria renovar
o ar na totalidade e distribuir ar fresco por
todo o edifício, com uma temperatura e
humidade controladas.
 A ausência de humidificadores do ar
contribui para que as mucosas sequem,
sendo também responsável por problemas
respiratórios. Por outro lado, nem sempre
há uma verificação periódica da água dos
sistemas de ventilação e dos filtros do ar
condicionado, o que pode trazer graves
danos à saúde.
 Um estudo realizado no final de 2005, em
19 hospitais de Norte a Sul de Portugal,
revelou que as medidas para o controlo
das infeções hospitalares no que respeita à
qualidade do ar não eram suficientes.
 Nesse estudo, em mais de metade dos
hospitais foram encontradas amostras de
ar em que o número de bactérias
ultrapassava o valor máximo indicado pela
OMS para ambientes saudáveis: 500
ufc/m³ (unidades formadoras de colónias
por metro cúbico).
Sistema de iluminação

Outro fator de risco de natureza física é a


iluminação. Uma iluminação adequada é, pois, uma
condição imprescindível para obter não só o conforto
do posto de trabalho mas também o rendimento
laboral e, está intimamente ligada à regulação dos
estados de alerta e descanso do ser humano
 Se a iluminação for deficiente pode não só
conduzir a erros e baixa eficiência, como
também pode originar quedas e outros
incidentes, e até cefaleias e cansaço
visual. Por outro lado, a luz excessiva
também é prejudicial, conduzindo
essencialmente ao encandeamento.
A iluminação é importante em todas as situações
de trabalho, na medida em que, sendo a maioria
das tarefas realizadas essencialmente sob controlo
visual, o trabalhador tem absoluta necessidade de
ver bem a zona de trabalho e os objetos a
manipular