Você está na página 1de 68

A Reforma Protestante

1517
A Reforma do Século 16
 Movimento restaurador.

 Primariamente religiosa, com dimensões


políticas, econômicas e sociais.

 Origem das igrejas históricas do protestantismo.

 Quatro manifestações iniciais: luteranos,


reformados (calvinistas), anabatistas, anglicanos.
Causas
Papa Leão X  A situação da Igreja Católica medieval.

 A insatisfação política e religiosa dos


povos europeus.

 O nacionalismo emergente.

 A ansiedade e insegurança provocadas


pela espiritualidade vigente.
Preparação
 Os pré-reformadores:

 João Wyclif (c.1325-1384) e os lolardos.

 João Hus (c.1372-1415) e os irmãos boêmios/


morávios.

 A tradução das Escrituras nas línguas locais.

 A obra dos humanistas.


John Wyclif Jan Hus
Erasmo de Roterdã
O Estopim da Reforma
 A experiência religiosa de Lutero.

 A eleição do sacro imperador (Alemanha).

 A escolha do arcebispo de Mainz (Alberto de


Brandemburgo)

 A venda das indulgências: As Noventa e Cinco


Teses (31.10.1517).
Arcebispo Alberto de Mogúncia

Caixa de Coletas
1. A Reforma Luterana:
Martinho Lutero

 1483 - Nasce em Eisleben, na Saxônia


(leste da Alemanha), filho de Hans e
Margaretha Luder.
Hans e Margaretha Luder – pais de Lutero
Martinho Lutero

 1505 - Ingressa no mosteiro


agostiniano de Erfurt.

 1512 - Torna-se professor da


Universidade de Wittemberg.
Wittenberg e Igreja do Castelo
Lutero

 31 de outubro de 1517: convoca a


comunidade acadêmica para um
debate sobre as indulgências (as 95
Teses).

 1519 - Em debate com João Eck,


defende Hus e afirma que papas e
concílios podem errar.
Lutero

 1520 - Bula Exsurge Domine dá-lhe


60 dias para retratar-se. É queimada
em praça pública.

 1520 - Escreve À Nobreza Cristã da


Nação Alemã, O Cativeiro Babilônico
da Igreja e A Liberdade do Cristão.
Catarina de Bora
Lutero
 1521 - Bula de excomunhão: Decet Pontificem
Romanum.

 Lutero vai à Dieta de Worms: defende-se e é


condenado.

 Refugia-se no Castelo de Wartburg, onde


começa a traduzir a Bíblia.
1. Castelo de Wartburg
2. Aposento de Lutero
3. Bíblia Alemã
Luteranismo
 Idéias de Lutero difundem-se na Alemanha e
na Europa graças à imprensa.

 1529 - Dieta de Spira: surge o nome


“protestantes”.

 1529 - Filipe de Hesse convoca o Colóquio de


Marburg - divergência entre luteranos e
zuinglianos sobre a Ceia do Senhor.
Imperador Carlos V

Oficina do Impressor
2. A Reforma Suíça
 O segundo movimento de reforma surgiu na
Suíça.

 Seus primeiros líderes foram Ulrico Zuínglio


(Zurique) e João Calvino (Genebra).

 Esta 2ª expressão histórica do protestantismo


ficou conhecida como “movimento reformado.”
Ulrico Zuínglio

 1484 - Nasce em Wildhaus.

 1516 - Lê o Novo Testamento traduzido por


Erasmo.

 1518 - É nomeado sacerdote da catedral de


Zurique. Torna-se afamado pregador bíblico.
Ulrico Zuínglio
Zuínglio
 1522 - Questiona o jejum da quaresma e o
celibato; abandona o sacerdócio e torna-se
ministro evangélico.

 1523 - Início dos debates públicos em Zurique.


Os Sessenta e Sete Artigos.

 1525 - As missas são abolidas: Ceia do Senhor.


Surge o movimento anabatista.
Zuínglio
 1529 - Encontra-se com Lutero e
outros líderes no Colóquio de
Marburg.

 1531 - Morre na segunda batalha de


Kappel.
Bullinger, sucessor
de Zuínglio  Movimento reformado difunde-se na
Suíça e no sul da Alemanha.
Participantes do Colóquio
de Marburgo

Justus Jonas
Filipe Melanchton
André Osiander
João Ecolampádio
Ulirico Zuínglio
Martinho Lutero
Gaspar Hedio
João Calvino
 Com a morte de Zuínglio, o movimento
reformado passa à liderança de João Calvino.

 1509 - Calvino nasce em Noyon, no nordeste da


França; pais: Gérard Cauvin e Jeanne Le Franc.

 1523 - Estuda e humanidades e teologia em


Paris.
O jovem Calvino
Calvino
 1528 - Estuda Direito em Orléans e Bourges.

 1531 - Retorna a Paris e retoma seus estudos


humanísticos. Escreve um comentário do
tratado de Sêneca “De Clementia.”

 1533 - Converte-se e tem de fugir de Paris.


Começa a escrever a sua obra magna.
Calvino

 1536 - Primeira edição da Instituição da


Religião Cristã ou Institutas (Basiléia).

 1536 - Deseja ir para Estrasburgo; Guilherme


Farel convence-o a ficar em Genebra.

 1538 - Devido a conflitos com as autoridades


civis, ambos são expulsos.
Calvino e Butzer
Calvino
 1538-41 - Calvino passa três anos felizes em
Estrasburgo:

- Pastoreia uma igreja de refugiados franceses


- Participa de conferências com o reformador
Martin Butzer
- Leciona na academia de João Sturm
- Casa-se com Idelette de Bure
- Escreve diversas obras
Calvino
 1541 - Calvino retorna a Genebra. Escreve as
Ordenanças Eclesiásticas. Enfrenta longa luta
com os magistrados.

 1559 - Torna-se cidadão de Genebra, funda a


Academia e publica a última edição das
Institutas.

 1564 - Morre no dia 27 de maio.


Calvino e os pastores de Genebra
Princípios calvinistas
 A soberania de Deus na criação, providência e
redenção.

 O estudo sério e criterioso das Escrituras.

 A importância da educação, para os pastores e


os crentes em geral.

 Governo representativo através de presbíteros


e concílios.
Local em que Calvino estudou
Rue Valette, onde residiu
Placa da “torre de Calvino”
Igreja de Saint Germain L’Auxerrois”
Almirante Gaspar de Coligny
A Reforma na Escócia
 A Reforma Escocesa é parte da Reforma
Calvinista.

 O líder que mais contribuiu para implantar o


calvinismo na Escócia foi John Knox (c. 1514-
1572).

 No continente europeu, as igrejas calvinistas


foram chamadas de “igrejas reformadas”; na
Escócia, “igrejas presbiterianas”.
John Knox – Universidade de
Edimburgo
O Presbiterianismo
 Na década de 1640, os calvinistas ingleses ou
puritanos realizaram a famosa Assembléia de
Westminster.

 Os escoceses-irlandeses levaram o
presbiterianismo e os padrões de Westminster
para os Estados Unidos.

 Simonton, um descendente de escoceses, trouxe


o presbiterianismo para o Brasil.
3. A Reforma Anabatista
Reforma Radical

 1522 - grupo de jovens religiosos e humanistas


reúne-se em torno de Zuínglio, em Zurique.

 1525 - conflitos acerca do batismo infantil;


primeiros batismos de adultos e primeira
congregação anabatista (“Irmãos Suíços”).

 Também conhecidos como “reformadores


radicais”.
Anabatistas
 1527 - União Fraternal reúne-se em Schleit-
heim e aprova uma Confissão de Fé escrita
por Miguel Sattler.

 Começa um período de intensas perseguições


em diversas partes da Europa.

 Anabatistas significa “rebatizadores”. Outro


líder: Baltazar Hubmeier.
Menno Simons
Anabatistas
 1534-36 - extremistas criam uma teocracia em
Munster e são destruídos.

 1536 - Menno Simons torna-se líder dos


anabatistas da Holanda; fundador da Igreja
Menonita.

 1540 - Simons publica a obra Fundamento da


Doutrina Cristã.
Princípios anabatistas
 Retorno ao ideal da igreja primitiva

 Separação entre igreja e estado

 Batismo de adultos, por imersão

 Afastamento do mundo
Princípios anabatistas

 Fraternidade e igualdade

 Pacifismo: proibição de porte de armas e


serviço militar

 Vida comunitária em colônias agrícolas


Crianças menonitas
4. A Reforma Anglicana
A Reforma Inglesa

 Ao contrário de outros países da Europa, na


Inglaterra a Reforma foi introduzida pela ação
direta de alguns reis.

 1527 - Henrique VIII procura a anulação do seu


casamento com Catarina de Aragão, mas o papa
recusa-se a atendê-lo.
Henrique VIII
Ato de Supremacia

 1533 - Um tribunal eclesiástico inglês declara


nulo o casamento do rei.

 1534 - O Ato de Supremacia reconhece o rei


como “chefe supremo” da Igreja da Inglaterra.

 O rei tem o apoio de Thomas Cranmer, o


arcebispo de Cantuária.
Esposas de Henrique VIII
Eduardo VI
 1547 - Eduardo VI sucede o pai; seus conselheiros
são todos protestantes.

 1549 - adotado o Livro de Oração Comum, escrito


por Thomas Cranmer.

 1552 - Cranmer escreve os Quarenta e Dois


Artigos (teologia calvinista).

 1553 - Eduardo morre e sua irmã Maria Tudor


sobe ao trono.
Eduardo VI
Maria I, a sanguinária
 1555 - muitos protestantes são mortos; mártires
mais famosos: Nicolau Ridley e Hugo Latimer.

 1556 - Cranmer também é morto na fogueira.

 Muitos outros evangélicos vão para o exílio.

 1558 – Maria I morre e é sucedida por sua irmã


Elizabete.
Elizabete I
 Elizabete tem um longo reinado de 45 anos
(1558-1603) e implanta definitivamente o
protestantismo na Inglaterra.

 O anglicanismo reúne elementos católicos


(hierarquia, liturgia) e reformados (teologia).

 Compõe-se da Igreja Alta (ritualista) e da Igreja


Baixa (evangélica).
Rainha Elizabete I
Os puritanos
 No início do reinado de Elizabete I (1558-1603)
consolidou-se o movimento puritano (calvinistas
ingleses).

 Lutavam pela “pureza” da Igreja da Inglaterra na


sua doutrina, culto e forma de governo.

 Procuravam purificar a igreja a partir de dentro


(sem sair dela).
Abadia de Westminster - Londres
Os “Solas” da Reforma

 Sola Scriptura
 Solo Christo
 Sola gratia
 Sola fides
 Soli Deo gloria
 Sacerdócio de todos os crentes
Sola Scriptura

 “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil


para o ensino, para a repreensão, para a
correção, para a educação na justiça, a fim
de que o homem de Deus seja perfeito e
perfeitamente habilitado para toda boa obra”
(2 Timóteo 3.16-17).
Solo Christo, Sola gratia, Sola fides

 “Pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto


não vem de vós; é dom de Deus; não de
obras, para que ninguém se glorie. Pois somos
feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas
obras, as quais Deus de antemão preparou
para que andássemos nelas” (Efésios 2.8-10).
Soli Deo gloria

 “Porque dele, e por meio dele, e para ele


são todas as coisas. A ele, pois, a glória
eternamente” (Romanos 11.36).
O sacerdócio dos crentes

 “Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio


real, nação santa, povo de propriedade
exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as
virtudes daquele que vos chamou das trevas
para a sua maravilhosa luz” (1 Pedro 2.9).
Alguns livros úteis
(Editora Cultura Cristã)
 James Boyce, O evangelho da graça.

 Michael Horton, As doutrinas da maravilhosa


graça.

 James Boyce e outros, Reforma hoje.

 David Wells, Coragem para ser protestante.