Você está na página 1de 13

UPE | UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

NEAD | NÚCLEO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA


UAB | UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL
CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

ÉTICA E CIDADANIA

CHRISTIANE SANTOS DA MOTA SILVEIRA LUNA


FRANCISCA QUITÉRIA DE SOUZA BARBOSA
VANESSA CRISTINA LEAL SANTOS
CIDADANIA ATRAVÉS
DO TEMPO
conceito e evolução histórica
O tema cidadania é tão precioso e de
tamanha relevância, que foi incorporado
dentre o rol dos direitos elencados na
nossa Constituição de 1988, sendo um
princípio presente na Carta Magna como
fundamento da República Federativa do
Brasil.
Sua origem está ligada ao desenvolvimento das
póleis gregas, entre os séculos VIII e VII a.C. A
partir de então, tornou-se referência aos estudos
que enfocam a política e as próprias condições de
seu exercício, tanto nas sociedades antigas quanto
nas modernas. Por outro lado, as mudanças nas
estruturas socioeconômicas, incidiram,
igualmente, na evolução do conceito e da prática
da cidadania, moldando-os de acordo com as
necessidades de cada época.
Herkenhoff (2000, p. 71) expressa a Cidadania
da seguinte forma:
A cidadania vem significar o coroamento
de um processo que se desenvolve sobre
três pilares: saber, direitos e poder, ou seja,
o saber que se tem direitos engendra
práticas inovadoras de poder, pois amplia
o arco reduzido do poder institucional.
Sabedores de seus direitos, e das
possibilidades de sua ampliação, os
indivíduos tornam-se sujeitos de poder.
ANTIGUIDADE CLÁSSICA
É difícil datar com precisão o aparecimento do
conceito de cidadania. Sabemos que o seu
significado clássico associava-se à participação
política. O próprio adjetivo ‘político’, por sua vez, já
nos remete a ideia de pólis (Cidade-Estado Antiga).
Podemos concluir, então, que foi justamente sobre
esse tipo de organização urbana que se assentaram
as bases do conceito tradicional de cidadania e de
uma considerável parte de seu significado atual.
IDADE MÉDIA

A ideia de igualdade ficou muito distante da


realidade, pois só era considerado cidadão aquele
que detinha riquezas e poder, ou seja, apenas
estamentos restritos, ligados ao clero e à nobreza.
SÉCULO DAS LUZES E NASCIMENTO DO
LIBERALISMO
No contexto histórico das Monarquias Absolutistas,
a ideia de cidadania estava ligada à concepção de
superar a condição de súdito. Onde o cidadão é
entendido como um indivíduo livre e não apenas
como um ente da comunidade política.
Contribuíram para tal avanço histórico os
contratualistas (Hobbes, Locke, Rousseau) que
sobrevalizaram o indivíduo em relação à sociedade
e Benjamin Constant, que através das noções
históricas de liberdade, lançou as premissas do
Estado Democrático e Liberal.
SÉCULO XX – ESTADO SOCIAL
O Direito ao trabalho torna-se parte dos Direitos
Fundamentais, dando início a um Estado
Democrático e uma crescente participação popular
no processo de produção, no domínio econômico e
consequentemente, na vida política nacional.
O cidadão passa a ser, então, o indivíduo portador,
não apenas de seus direitos políticos, os quais,
paulatinamente, vão-se incrementando, como
também detentor de seus direitos individuais e,
agora, sociais e econômicos.
CONTEMPORANEIDADE

Por cidadão toma-se, então, aquele que possui e


exerce todos estes Direitos Humanos,
constitucional e legalmente garantidos. É aquele
que não apenas vota, mas participa da construção
de seu futuro, com a detenção dos instrumentos de
que precisa para se autodeterminar. Ou seja, todo
aquele que possui e exerce todos estes direitos
constitucional e legalmente garantidos.
A evolução do conceito de cidadania revela
muitas situações, que vistas como absurdas no
passado, se incorporam ao conceito de
cidadão com o passar do tempo, ilustram a
assertiva: a situação da mulher, da criança, do
negro, do portador de deficiência, o acesso ao
voto etc. Assim, a compreensão da cidadania
requer uma contextualização, e deve se ligar,
intrinsecamente, às lutas e reivindicações de
cada povo e ao pleno exercício da democracia.
Em suma, Cidadania pressupunha, portanto,
todas as implicações decorrentes de uma vida
em sociedade.
Fontes
MARSHALL, T. H. Cidadania, Classe Social e Status. Rio de
Janeiro: Zahar editores, 1967.

PINSKY, J.; PINSKY, C. B. (org.). História da cidadania. 2. ed.


São Paulo: Contexto, 2008.

http://www.mobilizadores.org.br/wp-content/uploads/20
14/07/Evolucao-Historica-dos-Conceitos-de-Cidadania-e-
Direitos-Humanos.pdf

http://www.ceap.br/material/MAT16092013195054.pdf