Você está na página 1de 18

COMPRESSÃO

TRIAXIAL
Danilo Hooper
Flares Francis
Lucilaine a Alves
Talys Lemos
Ensaio Triaxial:

Utilizado para medir as propriedades mecânicas


dos solos, como:
• Resistência ao corte;
• Comportamento tensões-deformações.
Como o ensaio é
realizado?
É aplicado um estado de tensões e um
carregamento axial sobre um corpo de prova
cilíndrico do solo, que é colocado dentro de uma
câmara de ensaio.
Corpo de prova dentro de uma câmara de ensaio,
submetido às tensões de confinamento e axial

Carregamento
Axial (pistão)
A pressão confinante atua em todas as direções,
inclusive na vertical.
O corpo de prova fica sob um estado hidrostático de
tensões.
O carregamento axial é feito por meio da aplicação
de forças no pistão que penetra na câmara.
A carga é medida por meio de um anel
dinamométrico externo, ou por uma célula de carga
intercalada no pistão.
Vantagem:
• Possibilita medir a carga aplicada no corpo de
prova, eliminando, assim, o efeito do atrito do
pistão na passagem para a câmara.
Conjunto de equipamentos para a realização do ensaio de
compressão triaxial

Consta basicamente de: Prensa de compressão, unidade de controle de


pressões., compressor, reservatório de água desgazificada e
microcomputador (monitoramento e aquisição de dados automática).
1.º - Moldagem de um CP de areia sobre a própria base interna da
câmara.
2.º - Montagem na câmara triaxial, após a montagem do CP na
base, fora da prensa de compressão.
3.º - Aspecto da câmara montada na prensa, preenchida com
água sob pressão, durante a realização do ensaio.
4.º- Registro de um corpo de prova rompido, em que se
observa o plano de cisalhamento do material ensaiado – no
caso um solo argiloso compactado.
Na base do corpo de prova e no cabeçote superior são colocadas pedras
porosas, permitindo-se a drenagem através destas peças, que são
permeáveis. A drenagem pode ser impedida por meio de registros
apropriados (torneiras), sendo controladas as suas posições
(aberto/fechado) pelo operador.
Se a drenagem for permitida e o corpo de prova estiver saturado ou com
elevado grau de saturação, há variação de volume de água que sai ou
entra no corpo de prova. Para isto, as saídas de água são acopladas a
tubos graduados. No caso de solos secos, a medida de variação de
volume só é possível com a colocação de sensores no corpo de prova,
internamente à câmara.
Norma de Compressão Triaxial

ABNT NBR 6122:2010

Item 4.6.3 Ensaio triaxial

Visa determinar parâmetros de resistência e deformação do solo.


Dependendo das condições de drenagem, seja na fase de
adensamento sob a tensão confinante, seja na fase de aplicação da
tensão desviadora, o ensaio pode ser classificado como: ensaio
adensado drenado (CD), ensaio adensado não drenado (CU) e
ensaio não adensado não drenado (UU).
Ensaios triaxiais convencionais
Ensaio Lento (com consolidação e com
drenagem):

Também conhecido como ensaio adensado drenado (CD).


As tensões aplicadas na amostra são efetivas (tensões atuam no
arcabouço estrutural dos solos). Há permanente drenagem do corpo de
prova. Aplica-se a pressão confinante e espera - se que o corpo de
prova adense, ou seja, que a pressão neutra se dissipe.
Ensaio adensado rápido (com consolidação e
sem drenagem):

Também conhecido como ensaio rápido pré-adensado, a amostra se


consolida primeiramente sob a pressão hidrostática, como no ensaio
lento. Em seguida, após aplicação lenta, a amostra é levada a ruptura
por uma rápida aplicação da carga axial de maneira que não se
permita a variação de volume, na fase de aplicação, sem a saída de
água.
Ensaio rápido (sem consolidação e sem
drenagem):
Também conhecido como ensaio não adensado não drenado.
Não permite, em nenhuma etapa, adensamento (reduzir o volume de
vazios) da amostra. As válvulas de comunicação entre as pedras
porosas e os tubos de medição serão fechadas impedindo a
drenagem da mesma durante as aplicações das tensões.
Aplica-se a pressão hidrostática e se rompe o corpo de prova com a
aplicação da pressão axial, em velocidades padronizadas. Não se
conhecem as pressões efetivas em nenhuma das fase de execução do
ensaio nem tão pouco sua distribuição. O ensaio é geralmente
interpretado em termos de tensões totais (TTT).