Você está na página 1de 53

Avaliação Cinesiofuncional:

Complexo Articular do Ombro


Módulo: Cinemática Muscular II

Ana Letícia Alves Andrade


Jéssica Sobral Ribeiro
Kelvy Freitas Silva
Lívia de Araújo Mota
Vanessa Soares Mota Vieira
Tallys Alves Soares
Fonte: http://cienciadotreinamento.com.br/wp-content/uploads/2015/12/dores-na-articulacao-do-ombro.jpg

ANATOMIA
Complexo do Ombro

Manguito
Rotador

Coaptação

Ligamentos
Ativos

(KAPANDJI, 2009).
http://blogdescalada.com/lesoes-e-prevencoes-da-articulacao-do-ombro/
 Com o braço vertical ao
longo do corpo:
a) O supra-espinhal (1) se
desliza para baixo da
articulação acrômio-clavicular
(2) para se inserir na
tuberosidade maior e o
deltóide (4) acima do qual se
situa a bolsa serosa
subdeltóide (5).
 Com o braço abduzido:
b) O infra-espinhal (1) desloca
a tuberosidade maior do
úmero(3) para cima e para
dentro.
https://www.brunoakio.com/single-post/2016/03/22/S%C3%ADndrome-do-Impacto-tendinite-e-bursite (KAPANDJI, 2009).
O QUE ACONTECE NO PACIENTE COM
SÍNDROME DO IMPACTO ?

https://www.auladeanatomia.com/novosite/sistemas/sistema-articular/diartroses/ombro/
Cintura escapular
Fonte: http://feldenkraisymas.com/cintura-escapular-338x338/

As estruturas ósseas que


compõem a cintura escapular
são:
❑ Vértebras Torácicas
Superiores
❑ Primeira e Segunda Costelas
❑ Manúbrio
❑ Escápula
❑ Clávicula
❑ Úmero

(HERTLING, KESSLER, 2009)


Caso Clínico
Um homem destro com 18 anos de idade,
segundo prescrição de um ortopedista,
procura uma clínica de fisioterapia para
avaliação e tratamento de impacto
subacromial no ombro direito. Diz ter
começado a sentir dores no ombro, há umas
quatro semanas, e atribui essa condição ao
fato de ter jogado tênis três vezes na
semana anterior depois de um inverno
inteiro sem praticar esse esporte.
Fonte : http://www.opet.com.br/faculdade/revista-estetica-cosmetica/index.php/2016/11/15/anamnese-para-estetica/

ANAMNESE
Fornece informações valiosas sobre o distúrbio, sua situação
atual, seu prognóstico e o tratamento adequado. Comumente
segue uma sequência ordenada:
Anamnese

Identificação ✓ Nome.
✓ Idade.
✓ Sexo.
✓ Ocupação.

História da Familía Queixa Principal ✓ Porquê o paciente procurou


e Perfil Psicossocial ajuda.
✓ Pode haver mais de uma
queixa, sendo importante focar
no motivo principal.
✓ Recomenda-se que o registro
História da Patologia História da seja o mais fiel possível ao
Pregressa Doença Atual relato do paciente.

(MAGEE, 2010)
Anamnese

História da Doença Atual.


❑ É considerada a parte mais importante da Anamnese, porque detalha a
evolução da doença e o estado atual dela.
✓ Quando o paciente começou a sentir a dor?

✓ Houve algum trauma desencadeante ou atividade repetitiva?


✓ Existem posições ou movimentos que provocam dor?

✓ Alguma posição alivia a dor?

✓ Qual a magnitude e o comportamento da dor?

✓ O que o paciente é incapaz de realizar funcionalmente?

(MAGEE, 2010)
Anamnese

O QUE ESSE PACIENTE NORMALMENTE IRÁ RELATAR ?

CASO CLÍNICO :
 Sente dor a 4 semanas;
 Atividade repetitiva ( microlesões);
 Pentear o cabelo, tentar alcançar algum objeto no alto e demais movimentos que eleva
e abduz o braço acima de 90°.
 Manter o braço “abaixado” alivia;
 A dor pode ser avaliada por meio de questionários e escalas;
 Pentear o cabelo, jogar tênis, etc.
“Comumente os pacientes com problemas no ombro apresentam queixas em relação ao sono, pois
ao movimentar-se durante a noite podem se debruçar sobre o ombro ou o braço e sentirem dor.”

(MAGEE, 2010)
Anamnese – questionário e escalas para dor .
“ Geralmente, vale a pena fornecer ao paciente um questionário, uma
escala analógica visual, uma escala de graduação numérica ou uma
escala de graduação verbal que possa ser preenchida pelo paciente.”
(MAGEE, 2010)

Fonte: https://www.henriquecarneiro.com.br/dor-de-cabeca/escala-analogica-visual-de-dor/

Fonte: http://br.monografias.com/trabalhos3/enfermagem-cuidados-paciente-com-dor/enfermagem-cuidados-paciente-com-dor2.shtml

(MAGEE, 2010)
Anamnese

História da Patologia Pregressa


❏ Adquire-se informações sobre toda a história médica do paciente, mesmo das condições que não
estejam relacionadas à doença atual.
❏ Acidentes;
❏ Hospitalizações Prévias;
❏ Cirurgias;
❏ Alergias ;
❏ Fraturas;

História da Família e Perfil Psico-social .


❏ Procura-se obter informações a respeito da saúde da família do paciente, como mãe, pai, irmãos,
avós, etc.

❏ Condição Sócio-econômica
❏ Hábitos como consumir bebidas alcoólicas, fumar, etc.
(MAGEE, 2010)
Fonte: http://keynerluiz.com/wp-content/uploads/2017/12/s%C3%ADndrome-do-impacto-2.jpg

DIAGNÓSTICO
Síndrome do Impacto Subacromial

1
2 3

(KISNER; COLBY, 2009)


Etiologia
Tendinite
dos
músculos
do
manguito
rotador

Síndrome do
Anatomia
do ombro Impacto do Trauma

Ombro

Degeneração

(GIORDANO et al., 2000)


Impacto Primário
○ Compressão mecânica do MR sob porção

Classificação de Neer:
↪ Estágio I: Edema e Hemorragia
↪ Estágio II: Fibrose e Tendinite
↪ Estágio III: Lesões do MR, ruptura do bíceps e alterações
ósseas

Fonte: http://www.hong.com.br/wp-content/uploads/2016/01/estagios-da-lesao-do-manguito.jpg
(SOUZA, 2001)
Impacto Primário

Fatores estruturais
● Formação osteofitária

01 Acrômio ●

Consolidação viciosa
Má formação

02 Articulação Acromioclavicular


Anomalia congênita
Formação osteofitária

03 Manguito Rotador


Irregularidades do tendão
Retrações após lesões parciais

04 Úmero ● Aumento da tuberosidade maior

(SOUZA, 2001)
Impacto Primário

Tipos de acrômio:
↪ reto (74%)
↪ curvo (26%)
↪ ganchoso

(KISNER; COLBY, 2009)


Impacto Secundário

Hipermobilidade
Impacto Secundário

Instabilidade
Multidirecional

Instabilidade da articulação
GU

Instabilidade Unidirecional

(KISNER; COLBY, 2009; SOUZA, 2001)


Impacto Secundário

Instabilidade Instabilidade Instabilidade


Anterior Posterior Inferior

Instabilidade Unidirecional

Trauma e lacerações do Manguito Rotador

(KISNER; COLBY, 2009)


Impacto Secundário

Fatores Funcionais

● Mau posicionamento

01 Escápula ●

Movimento anormal
Instabilidade funcional escapulotorácica

02 Manguito Rotador ● Perda do mecanismo depressor da cabeça do úmero

03 Cápsula da articulação
glenoumeral


Retração da cápsula posterior
Frouxidão capsuloligamentar

(SOUZA, 2001)
Fonte: http://2.bp.blogspot.com/-s8e06QIKbYA/UAYfYDa4JTI/AAAAAAAAARo/AAq_X4_Yy30/s1600/d.png

Exame Físico
Exame Físico: Inspeção
❏ Paciente despido -> observar o movimento de retirada
❏ Cabeça, coluna cervical, tórax e MMSS
❏ Linha média e relação com o ombro
❏ Posição funcional do ombro

(MAGEE, 2010; BRUMMIT, 2015)


Exame Físico: Palpação

❏ Maneira sistemática
❏ Palpação bilateral
❏ Estruturas: Clavícula, Art. Esternoclavicular, Art.
Acromioclavicular, Processo Coracóide, Esterno,
Costelas, Úmero, Escápula e Músculos.
❏ Analisar forma, tônus, consistência

(MAGEE, 2010; BRUMMIT, 2015)


Exame físico: Movimentos

(MAGEE, 2010)
Exame físico: movimentos

❏ Observar a ADM
❏ Procurar Arco Doloroso
❏ Observar o Ritmo Escápulo-Umeral
❏ Instabilidades
❏ End Feel (mole, duro, elástico)

(MAGEE, 2010; HAWKINS, 1983)


ADM
(MAGEE, 2010)
Testes específicos: Hawkins-Kennedy
❏ Objetivo: empurrar tendão do supra-espinhal
contra a superfície anterior do ligamento
coracoacromial e do processo coracóide.

❏ Paciente em pé enquanto o examinador flexiona o


seu membro para frente a 90°, roda int e
forçadamente o ombro

❏ Presença de inflamação e irritação

POSITIVO: DOR E/OU DESCONFORTO


Kelly et. al, 2010: 71%
Calis et. al, 2001: 1° lugar
com 92,1%
ICC para bursite e
tendinite: 44,4%
(MAGEE, 2010; SOUZA, 2001)
Testes Específicos: Teste do Impacto de
Neer
❏ Objetivo: verificar lesão por uso excessivo do m.
supra-espinhal e do tendão do bíceps.

❏ Membro superior é elevado de forma passiva e é


rodado medialmente pelo examinador

❏ Estresse passivo

POSITIVO: DOR

Calis et. al, 2001: 2° lugar


com 88,7%
Especificidade: 30,5

(MAGEE, 2010; PRENTICE, 2012)


Testes Específicos: Teste de Jobe ou Lata
Vazia
❏ Objetivo: avaliar força do músculo supra-espinhal
(tendinite ou ruptura)

❏ Paciente em pé e ombros no plano escapular e


em rotação medial, aplicar força no sentido
inferior que deve ser resistida pelo paciente

POSITIVO: DOR ou INCAPACIDADE DE REALIZÁ-LO

Kelly et. al, 2010: 63,6%


Confiabilidade: k= 0.43

(MAGEE, 2010; SOUZA, 2001)


Testes específicos: Teste de Yergason
❏ Objetivo: avaliar capacidade do ligamento umeral
transverso de manter o tendão do bíceps no sulco
bicipital.

❏ Cotovelo fletido a 90° e estabilizado contra o


tórax e com o antebraço em pronação,
examinador resiste à supinação enquanto o
paciente também roda externamente contra a
resistência.

❏ Palpar região do sulco bicipital

POSITIVO: SE O TENDÃO SALTA -> LACERAÇÃO; DOR


SEM LUXAÇÃO: PARATENDINITE/TENDINOSE Fonte:http://darlan-alencartherapymovi.blogspot.com/2011/11/desportiva-1-diferencie-distensao.html

BICIPITAL
Calis et. al, 2001: 4° lugar
com 86,1%;
(MAGEE, 2010)
Validade, precisão 63%
Testes Específicos: Teste de Apley ou
Coçadura
❏ Objetivo: verificar tendinite do m. supra e infra-
espinhal, redondo menor e subescapular.

❏ Combinação de movimentos:
R.I. + EXT + AD e R.E + FLEX + ABD

POSITIVO: DOR

Kelly et.al, 2010:


apresentou significância
na presença de dor
(MAGEE, 2010)
Testes específicos: Teste de Gerber

❏ Objetivo: verificar tendinite ou ruptura do


subescapular

❏ Paciente coloca dorso da mão contra a porção


média da coluna lombar, depois distancia a mão
da coluna.

POSITIVO: INCAPACIDADE DE REALIZAR

Calis et. al, 2001: 75, 45%


(Alta especificidade)

(MAGEE, 2010)
Testes específicos: Teste de Apreensão
para Luxação Anterior do Ombro
❏ Objetivo: verificar instabilidade anterior que
causam instabilidade anatômica do ombro ou
luxação anterior

❏ Examinador abduz o ombro a 90° e, lentamente,


roda o ombro lateralmente.

POSITIVO: EXPRESSÃO FACIAL DO PACIENTE E


RESISTÊNCIA AO AUMENTAR A ADM.

Tzannes, A, 2004: boa


confiabilidade - 0,47
Eshoj, 2018: boa para
moderada - 0.65
(MAGEE, 2010)
Testes Específicos: Teste de Apreensão
Posterior
❏ Objetivo: verificar instabilidade posterior ou de
uma luxação do úmero

❏ Examinador eleva ombro do paciente no plano da


escápula a 90° enquanto a estabiliza com a outra
mão, aplica uma força posterior sobre o cotovelo

POSITIVO: EXPRESSÃO FACIAL DO PACIENTE E


RESISTÊNCIA AO AUMENTAR A ADM.

Tzannes, A, 2004: boa


confiabilidade - 0,47
Eshoj, 2018: boa para
moderada - 0.65
(MAGEE, 2010)
Testes Específicos: Sinal do Sulco

❏ Objetivo: verificar a presença do sinal do sulco -


indicativo de uma instabilidade inf ou frouxidão
glenoumeral.

❏ Em pé com o MS ao lado do corpo e com o


músculos do ombro relaxados. Examinador
segura o antebraço do paciente abaixo do
cotovelo e puxa o membro distalmente.

POSITIVO: VISÃO DO SULCO.

Tzannes, A, 2004:
moderada para boa
confiabilidade - ICC: 0.60
Eshoj, 2018: moderado -
0.50
(MAGEE, 2010)
Testes funcionais: SPADI
Testes funcionais: SPADI

● SITE:

http://lapomh.fmrp.usp.br/quest
ionarios/spadi

(MARTINS, et al, 2010)


Testes funcionais: SPADI

(MARTINS, et al, 2010)


Testes funcionais: SPADI (confiabilidade)

(MARTINS, et al, 2010)


Testes funcionais:

● DASH (The Disabilities of the Arm, Shoulder and Hand Questionnaire)


Envolve todas as articulações da extremidade superior.

● Modified – UCLA (Modified-University of California at Los Angeles Shoulder


Rating Scale)
A versão brasileira não possui as propriedades psicométricas avaliadas.

● WORC (Western Ontario Rotator Cuff Index)


Exclusivo para indivíduos com alterações no manguito rotador.

(MARTINS, et al, 2010)


Testes funcionais: confiabilidade

● O SPADI é destacado entre os seis questionários de maior qualidade.


Fonte: http://www.positrondiagnosticos.com.br/imagens/academias/quanto-custa-exames-de-imagem-tomografia.jpg

Exames complementares
Exames complementares

Radiografia
❑ Importância na identificação dos
fatores anatômicos
❑ Benefícios
❑ Confiabilidade
❑ Contraindicações

Fonte: https://images.radiopaedia.org/images/23490778/1fa25cb5ac01260c17b56a9359b9df_jumbo.jpeg
Exames complementares

Ressonância
Magnética
❑ Atuação na avaliação
das
lesões musculares.
❑ Confiabilidade

Fonte: http://www.milton.com.br/esporte/casos/images/76/cor_T2_OA_AC.jpg
Exames complementares
Ressonância
Magnética
❏ Exame não
invasivo

❏ Benefícios

❏ Contraindicações

Fonte: https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSKS7wtdFrWPyS1KSEQTTGbQmQp2Cqs7tjjV6lKoeNaj8WVEgGD
Exames complementares

Ultrassonografia
❑ Capacidade de encontrar lesões
incompletas.
❑ Ausência de invasibilidade
❑ Confiabilidade

Fonte: https://static1.squarespace.com/static/549367dbe4b08e422bb4a242/t/54ac8f7ce4b0d6033e5b953e/1420595070151/
Exames complementares
Ultrassonografia

Fonte: http://www.cedeco.com.br/wp-content/uploads/IMG_7186.jpg
Exames Complementares

Artroscopia
❑ Melhor método para avaliar lesão
do manguito rotador.
❑ Permite tratar danos do interior de
uma articulação.
❑ Invasivo.

Fonte: http://eorif.com/Shoulderarm/Images/subscapularis.jpg
Exames complementares

Artroscopia

Fonte: http://www.arthrohealth.com.au/wp-content/uploads/2015/05/Shoulder-Arthroscopy-on.jpg
Referências
- SALAFFI, F; CIAPETTI A. et al Clinical value of single versus composite provocative clinical tests in the assessment of painful
shoulder. Journal Clinical of Rheumatology. 2010 Apr, 16(3): 105-8 Disponível em:
<https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20130480> Acesso em 07 Abril 2018. https://doi.org/10.1097/RHU.0b013e3181cf8392
- CALIS, M. et. al. Diagnostic values of clinical diagnostic tests in subacromial impingement syndrome. Ann Rheum Dis.
2000;59:44-47. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10627426> Acesso em 07 de Abril de 2018.
- GIORDANO, Marcos et al. Tratamento conservador da síndrome do impacto subacromial: estudo em 21 pacientes. Acta
Fisiátrica, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 13-19, apr. 2000. ISSN 2317-0190. Disponível em:
<https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/102251/100632>. Acesso em: 15 apr. 2018.
- HERTLING, D.; KESSLER, R. M. Distúrbios Musculoesqueléticos comuns: Princípios e Métodos de Fisioterapia. 4 ed. Barueri,
SP. Manole, 2009.
- KAPANDJI, Adalbert I. Fisiologia Articular volume 1 : esquemas comentados de mecânica humana. 5 ed. São Paulo, SP.
Panamericana, 2000.
- KELLY, SM, BRITTLE N, ALLEN GM. The value of physical tests for subacromial impingement syndrome: a study of diagnostic
accuracy. Clin Rehabil. 2010;24:149-158. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20103576> Acesso em 07 de
Abril de 2018.
- KISNER, Carolyn; COLBY, Lynn Allen. Exercícios Terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. 5. ed. Barueri, SP: Manole, 2009.
972 p.
- MAGEE, David J.. Avaliação Musculoesquelética. 5. ed. São Paulo: Manole, 2010. 1224 p.
- PRENTICE, William E.. Fisioterapia na Prática Esportiva: Uma abordagem baseada em competências. 14. ed. Porto Alegre:
Amgh, 2012. 880 p.
Referências
- SOUZA, Marcial Zanelli de. Reabilitação do complexo do ombro. São Paulo: Manole, 2001
- MARTINS, Jaqueline et al . Versão Brasileira do Shoulder Pain and Disability Index: tradução, adaptação cultural e
confiabilidade. Rev. bras. fisioter., São Carlos, v. 14, n. 6, p. 527-536, Dec. 2010. Available from
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-35552010000600012&lng=en&nrm=iso>. access on 15 Apr.
2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552010000600012.
- TZANNES, Anthony et. al. An assessment of the interexaminer reliability of tests for shoulder instability. Journal of Shoulder
and Elbow Surgery, Volume 12, Issue 1, 18-23. 2004 Disponível em: <http://www.jshoulderelbow.org/article/S1058-
2746(03)00245-3/fulltext> Acesso em: 14 abril 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jse.2003.09.002
- ESHOJ, H, et al. Intertester reliability of clinical shoulder instability and laxity tests in subjects with and without self-reported
shoulder problems. BMJ Open. 2018. Disponível em:
<https://www.ncbi.nlm.nih.gov/m/pubmed/29502086/?i=1&from=Sulcus%20sign%20test%20and%20reliability> Acesso em 14
de abril 2018.
- BRUMMIT, Jason. Casos Clínicos em Fisioterapia Ortopédica, 2015. Capítulo: Impacto Subacromial. Disponível em:
<http://srvd.grupoa.com.br/uploads/imagensExtra/legado/B/BRUMITT_Jason/Casos_Clinicos_Fisioterapia_Ortopedica/Lib/Amo
stra.pdf> Acesso em 2 de Abril de 2018.