Você está na página 1de 61

CONTRATOS EM ESPÉCIE

DA TROCA, PERMUTA OU
ESCAMBO,
CONSIGNAÇÃO EM
PAGAMENTO E JOGO OU
APOSTA
Conceito

 O contrato de troca é aquele pelo qual as


partes se obrigam a dar uma coisa por outra
coisa - que não seja dinheiro, nem prestação
de serviços.
 Aplica-se residualmente as regras da
compra e venda (Art. 533, caput, do CC).
Partes:

Denominam-se
tradentes ou
permutantes.
Natureza Jurídica – Permuta

Bilateral ou Sinalagmático.

Oneroso (responde pelos vícios)

Comutativo, em regra.

Consensual

Translativo da propriedade, serve como titulus adquirendi.


Natureza Jurídica

Portanto, é um contrato real ou


consensual?????? (Art. 482, CC)

Formal ou Informal.

Solene ou Não Solene.


Objeto da Permuta

 Dois bens.
 Se houver contraprestação em dinheiro?
 Se houver prestação oferecendo um bem e
contraprestação bem + dinheiro?
 Podem ser trocados todos os bens que
possam ser vendidos, art. 86 CC, mesmo
sendo de espécies e valores diferentes.
Outra Posição Doutrinária:

 Quando os bens a serem permutados têm


valores desiguais, a parte cujo bem tem
valor inferior ao outro, completa sua
prestação com dinheiro, conhecido neste
caso como torna.

 TORNA = DIFERENÇA
 O uso da torna no contrato de permuta
divide os doutrinadores sobre a natureza do
contrato: seria ele uma compra e venda ou
uma permuta? Muitos entendem que a
existência da torna não descaracteriza a
permuta, a não ser que o valor da torna seja
de tal modo superior, que seja na verdade o
objeto da prestação principal. O que você
acha?
Regra Especial:
≠ Compra e Venda
Despesas com a Tradição

 Art. 533, I, CC

 RISCOS E DESPESAS = Repartidas

 Podendo ser pactuado de maneira diversa.


Semelhanças com a Compra e
Venda - Diniz Maria Helena

 Aplicação residual.
 Exceto: 1- Na troca, ambas as prestações são em
espécie (coisas são trocadas), enquanto na compra
e venda a prestação do comprador é em dinheiro ou
dinheiro e outra coisa.
 Exceto: 2 - Na compra e venda, o vendedor, uma
vez entregue a coisa não pode pedir a devolução
da mesma, caso não tenha recebido o valor.
Enquanto na troca o tradente tem o direito de
solicitar de volta o que deu se a outra parte não
lhe entregar o objeto permutado.
Qual a
importância desta
conceituação?
Qual a principal diferença
com respeito à tradição
comparado com o contrato
de compra e venda?
Registro de Compromisso de
Permuta

O contrato de promessa de
permuta de bens imóveis é
título passível de registro
da matrícula imobiliária.
Troca entre Ascendentes e
Descendentes (Regra Especial)

 Art. 533, II, CC.


 II - é anulável a troca de valores desiguais entre ascendentes e
descendentes, sem consentimento dos outros descendentes e
do cônjuge do alienante.
 É anulável.
 Prejuízo aos demais herdeiros.
 Exceto se os bens forem iguais.
Troca de bens Ascendente e
Descendentes:

BEM MAIS VALIOSO BENS IGUAIS BEM MAIS VALIOSO


DO ASCENDENTE DO DESCENDENTE

EXIGE NÃO EXIGE NÃO EXIGE


AUTORIZAÇÃO AUTORIZAÇÃO AUTORIZAÇÃO
Dispensa de autorização do cônjuge quando
o regime for de separação? Ver art 533, II CC

 Norma específica da compra e venda, não


se justifica aplicação do art. 496, parágrafo
único, do CC.

 Portanto, para a troca HAVERÁ A


NECESSIDADE DE AUTORIZAÇÃO
QUALQUER TIPO DE REGIME.
Se aplica a união
estável?
Anulação

 Para anulação de trocas, aplica-se o art. 179


do CC, que traz prazo decadencial de dois
anos, contados da celebração do negócio
jurídico.

PRAZO ANULAÇÃO: 2 ANOS DA CELEBRAÇÃO


Assinale V ou F

 A troca de bens de valores iguais entre


ascendentes e descendentes, sem o
assentimento expresso, dos outros
descendentes, é nula.
CONTRATOS EM ESPÉCIE

CONTRATO
ESTIMATÓRIO OU VENDA
EM CONSIGNAÇÃO ART.
534 A 537, CC
Conceito

 Venda em consignação pode ser


conceituado como sendo o contrato em que
alguém, o consignante, transfere ao
consignatário bens MÓVEIS, para que o
último os venda, pagando preço de estima,
ou devolva os bens findo o contrato, dentro
do prazo ajustado. (art. 534, CC)
ATENÇÃO:
Cláusula do Contrato de Compra e
Venda???

NÃO!!!

Contrato
Tipificado.
Obrigação das Partes

 Consignante:

 1 - transmite a posse e não interfere mais,


 2 - garante a posse livre e desembaraçada,
 3 - responde pelos vícios e pela evicção.
Obrigação das Partes

 Consignatário:

 1 – Obrigação alternativa (restituir ou pagar)


 2 – Responde pelos riscos com a tradição
 3 – Indeniza no caso de dano, mesmo que
não haja culpa (responsabilidade objetiva -
Art 539 CC)
Caso I:

 Para retribuir a um favor seu, sua amiga,


Ana Maria, lhe oferece um conjunto de
xícaras de porcelanas chinesas. Mesmo sem
ver muita utilidade para tal presente, você
agradece e pergunta quando pode buscá-lo.
Ana Maria então lhe explica que o conjunto
está na loja Brechó da Vovó. Intrigado, você
pergunta o que o conjunto está fazendo na
loja e ela lhe explica que celebrou um
contrato estimatório com o dono da loja.
 Curioso, você vai ao Código Civil para
consultar esse tipo de contrato e fica um
pouco desapontado. Por quê? Estando para
terminar o prazo do contrato estimatório, a
loja Brechó da Vovó procura Ana Maria para
devolver o conjunto de xícaras que não foi
vendido. Você vai junto com Ana Maria para
buscá-lo. Ao chegarem à loja, porém, Ana
Maria nota que além de faltar uma das
peças, muitas outras estão rachadas.
 O dono da loja explica a Ana Maria que um
de seus funcionários estava arrumando a
loja e que sem querer esbarrou no conjunto,
deixando o cair, mas que felizmente apenas
uma das peças havia se quebrado, ficando
as demais apenas rachadas. Ana Maria fica
muito triste, pois percebe que seu conjunto
de chá não poderá mais ser utilizado. Como
você aconselharia Ana Maria, neste caso?
Natureza Jurídica

 Bilateral ou Sinalagmático (entendimento


majoritário)
 Oneroso (entrega da coisa e preço de
estima).
 Comutativo.
 Informal e não solene.
 Real (Divergência na doutrina)
Efeitos e Regras – POLÊMICA!!

 NATUREZA JURÍDICA DA OBRIGAÇÃO


PELO CONSIGNATÁRIO
 ALTERNATIVA OU FACULTATIVA.
Obrigação Alternativa

Composta (+ de um sujeito ativo,


passivo + de uma obrigação

Conjunção - OU

Art 252 e 256, CC


Obrigação Facultativa

 Ex: Obrigação de entregar determinada


coisa (prestação), que eventualmente pode
ser substituída por determinada quantia em
dinheiro, de acordo com a escolha do
devedor (faculdade).
 Credor pode exigir a prestação não a
faculdade (opção do consignatário).
 Obrigação SIMPLES, não composta.
PARA VOCÊ???

• NA VENDA EM
CONSIGNAÇÃO A
OBRIGAÇÃO É
ALTERNATIVA OU
FACULTATIVA???????
 Art. 536, CC – A coisa não pode ser objeto
de penhora pelos credores do
consignatário, enquanto não pago o
preço de estima. Consignatário possui a
posse. A propriedade do consignante é
resolúvel.

 Art. 537, CC – Impossibilidade de


disposição da coisa pelo consignante, na
vigência do contrato.
• Propriedade
Consignante • Resolúvel

• Apenas a posse
Consignatário • Só terá a propriedade se
pagar o preço de estima

Transmissão
temporária do
Domínio
 Jurisprudência autoriza a reintegração de
posse para o consignante dos bens que
estão na posse do consignatário.
 STJ já entendeu que a obrigação é
alternativa.
 (STJ Resp 710.658/RJ DJ 26.09.2005).
Findo o prazo do Contrato o
Consignante poderá:

A) Cobrar o preço
de estima OU

B) Ingressar com
a reintegração de
posse para reaver
os bens cedidos
Conclusão:

 Se a conclusão for a de que a obrigação do


consignatário é facultativa, havendo apenas
o dever de pagar o preço de estima e uma
opção (faculdade) de devolver a coisa, o
consignante NÃO poderia ingressar com a
reintegração de posse, pois só poderia exigir
o pagamento do preço de estima.
Conclusão:

 A possibilidade de reintegração de posse


afirma ser uma obrigação alternativa.
 Já que se fosse alternativa (simples) só
caberia a cobrança do preço de estima. Se
não fosse pago, sujeitar-se-ia à reintegração
de posse.
Assinale a alternativa incorreta. Em tema de contratos:

a) O CC consagrou, expressamente, os
princípios da função social do contrato, da
probidade e da boa-fé.
b) Conforme já preconizado no CPC, o CC
prevê a possibilidade do interessado pedir
ao juiz o suprimento da vontade da parte
inadimplente, conferindo caráter definitivo
ao contrato preliminar, salvo se a isto se
opuser a natureza da obrigação.
c) O CC codificado não prevê o pacto de
melhor comprador nem o pacto comissório
entre as cláusulas especiais da compra e
venda.
d)Pelo contrato estimatório, o consignante
entrega ao consignatário um bem imóvel que
fica autorizado a vendê-lo, pagando àquele o
preço ajustado, salvo se preferir, em certo
prazo, restituir a coisa consignada.
03 – Exame da Ordem – Analise as seguintes assertivas e
depois responda:

 I – na permuta, salvo disposição em


contrário, ficarão as despesas de registro e
escritura a cargo do adquirente, e a cargo do
alienante as da tradição.
 II – na compra e venda não é possível que o
preço seja fixado por taxa de mercado ou de
bolsa, pois este deve ser certo e
determinado no momento da avença.
04 – Juiz Federal TRF 2007. Acerca dos contratos e dos atos
unilaterais, segundo as disposições do CC, julgue o item:

O contrato estimatório pode ser corretamente


conceituado como um contrato com cláusula
especial de compra e venda em consignação,
no qual o consignante transfere ao
consignatário, mediante pagamento de valor
estimado, bens móveis para que este último os
venda, ou os devolva, findo o contrato, dentro
do prazo ajustado.
05 – Exame de Ordem – 2004. Assinale a alternativa
incorreta:

 A) No contrato estimatório, o consignante transfere


ao consignatário, temporariamente o poder de
alienação da coisa móvel consignada, com opção de
pagamento do preço ajustado ou sua restituição no
prazo ajustado.
 B) O bem objeto do contrato estimatório não pode
ser objeto de penhora pelos credores do
consignatário, enquanto não pago integralmente o
preço devido ao consignante.
 C) Constitui anatocismo, vedado pelo CC, a
capacitação anual de juros nos contratos de
mútuo bancário com fins econômicos.
 D) Diversamente do anterior, o CC brasileiro
dispõe sobre o enriquecimento sem causa
determinado que seja restituído o
indevidamente auferido, com atualização dos
valores monetários.
Contrato de Jogo ou Aposta

Art. 814 a 817 do CC

“Quer apostar comigo?”


Conceito:

 Contrato pelo qual duas ou mais pessoas


prometem realizar determinada prestação
(em geral, pecuniária) a quem conseguir o
resultado favorável na prática do ato em que
todos participam
Não confundir também com
promessa de pagamento e
Contrato Diferencial (Bolsa
de Valores)
Diferenças

Jogo

Aposta
Tudo que não é proibido é
permitido

Lícito ou Tolerados Ilícito (Contravenção) em local


público ou acessível ao público
Jogatina em Casa com membros Jogo do Bicho
da família e amigos
Rifas Roleta
Corrida apostada entre 2 amigos Dados
Autorizados: Megasena, Lotofácil, Bingos
Quina, Lotogol...
Natureza Jurídica

 Bilateral ou Plurilateral
 Oneroso
 Consensual
 Aleatório
 Informal
 Não solene
 Execução instantânea ou diferida
Dívida de jogo
pode ser
cobrada?
Obrigação Natural

Inexigíveis

Irrepetíveis
Obrigação Natural

 Art. 814: “ As dívidas de jogo ou de aposta


não obrigam a pagamento; mas não se pode
recobrar a quantia, que voluntariamente se
pagou, salvo se for ganha por dolo, ou se o
perdente é menor ou interdito”
Só será possível a cobrar o que se
pagou por dívida de jogo se:

Ganha por dolo

Se quem perdeu é menor ou interdito


Estende-se a regra a:

 QUALQUER CONTRATO que encubra


reconhecimento, novação ou fiança de
dívida de jogo.
Os jogos e apostas
oficialmente autorizados
admitem sua cobrança
judicial, a exemplo da
Mega-Sena ou Loto.
Dívida de Jogo no
exterior pode ser
cobrada?
Divisão da
jurisprudência.
Lei de Introdução

 Art. 9°Lindb . A lei do Local em que o


contrato foi assinado, se não houver eleição
de foro, é a lei que vai reger a obrigação.

 Art 17° lindb – As leis e atos de outro país


não terão eficácia no Brasil se ofenderem a
ordem pública e os bons costumes.
Sentença Estrangeira

 Homologada – Exequatur – STJ

 Pode ser executada no Brasil


Quanto ao contrato de jogo ou aposta, analise as
assertivas abaixo e assinale a que julgar incorreta:

 A) as dívidas de jogo e aposta não obrigam


o pagamento; mas não se pode recobrar a
quantia que voluntariamente se pagou, salvo
se for ganha por dolo, ou se o perdente for
menor ou interdito;

 B) Não se pode pedir reembolso do que se


emprestou para jogo ou aposta, no ato de
apostar ou jogar;
 C) As regras previstas para o jogo e aposta
aplicam-se aos contratos sobre títulos de
bolsa;
 D) O sorteio para dirimir questões ou dividir
coisas comuns considera-se sistema de
partilha ou processo de transação, conforme
o caso concreto;
 E) n.d.a