Você está na página 1de 19

Funções e Falhas

Disciplina: Manutenção Industrial


Funções e Falhas

Definição

UMA FUNÇÃO PODE ser definida como qualquer propósito

pretendido para um processo ou produto. Sendo aquilo que o

usuário quer que o equipamento ou sistema faça dentro de um

padrão de desempenho desejado (SOCIETY OF AUTOMOTIVE

ENGINEERS, 1999).

A definição de uma função deve consistir de um verbo, um objeto

e desempenho desejado.
Funções e Falhas

Contexto Operacional

O contexto operacional está associado às condições de operação

do sistema, definidas pelo ambiente, processo e objetivos da

empresa, considerando a relevância do sistema nos seguintes

aspectos: impacto nos negócios, processo operacional, padrões

de qualidade, padrões ambientais e de segurança, redundância e

estoques internos, turnos de trabalho, tempo de reparo e demanda

de mercado (SIQUEIRA, 2010).


Funções e Falhas

Classificação das funções

Um sistema raramente desempenha uma única função.

Geralmente existe uma hierarquia de funções associadas a cada

sistema ou subsistema do equipamento;

A função principal de um equipamento está associada,

principalmente, à razão pela qual foi adquirido;


Funções e Falhas

Classificação das funções

As funções secundárias aumentam o valor agregado do item e

devem ser identificadas considerando aspectos como: integridade

ambiental; segurança/integridade estrutural; controle, contenção e

conforto; aparência; economia e eficiência.

Embora geralmente menos importantes que as funções principais,

as funções secundárias devem ser muito bem analisadas, pois

podem trazer graves consequências em situações específicas.


Funções e Falhas

Ex.: Funções de uma máquina de café

• Misturar o café;

• Manter o café entre 50ºC a 55ºC;

• Armazenar o café no Bule;

• Misturar o café no mínimo em um copo/min;


Figura 1: Cafeteira
Fonte: Internet
• Misturar o café automaticamente;

• Desligar a máquina automaticamente após 4 horas;

• Armazenar água no reservatório;


Funções e Falhas

Classificação das funções

Principal: Gera o objetivo principal do sistema;

Secundária: Acrescenta objetivos ao sistema;

Auxiliar: Modifica objetivos do sistema;


Figura 2: Parede de Alvenaria
Fonte: Internet
Supérflua: Introduz objetivos desnecessários;

Ex.: Classificar as funções de uma parede de alvenaria


Funções e Falhas

Falhas

Moubray (1997) define falha como: a interrupção ou alteração na

capacidade de um item desempenhar sua função requerida ou

esperada, classificando-as sobre aspectos como: origem,

extensão, velocidade, manifestação, criticidade e idade;

A prevenção ou eliminação das falhas constituem-se como um dos

objetivos básicos da manutenção;


Funções e Falhas
Classificação das falhas

Figura 3: Classificação das Falhas


Fonte: Siqueira, 2010
Funções e Falhas

Falhas Funcionais

Zaions (2003) define como falha funcional a incapacidade de

qualquer item físico realizar uma função com um padrão de

desempenho desejado pelo usuário, podendo ser classificadas:

• Falhas evidentes: quando detectadas durante trabalho normal

da equipe;

• Falhas ocultas: uma falha não detectada pela equipe durante

trabalho norma;

• Falhas múltiplas: quando uma falha oculta combinada a uma

segunda falha torna-se evidente


Funções e Falhas

Falhas Potenciais

Falha potencial apresenta-se com uma condição identificável e

mensurável da iminência de uma falha funcional ou seu processo

de ocorrência (MOUBRAY, 1997). Esse conceito é possível porque

muitas falhas não ocorrem de forma repentina, mas evoluem ao

longo de um período do tempo (XENOS, 2004).


Funções e Falhas

Curva P-F

Figura 4: Intervalo P-F


Fonte: Adaptado pelo autor de NASA (2008,
p. 4-2)
Funções e Falhas

Mortalidade Infantil Envelhecimento ou Degradação


Grande incidência de falhas devido Aumento da taxa de falhas causado
a componentes mal fabricados, pelo excesso de uso, desgaste,
defeitos de projeto e instalação. deterioração, envelhecimento, etc.

Amadurecimento da vida útil


Taxa de Falhas

Falhas aleatórias devido a erros e


condições inadequadas de
operação.

Início da Degradação Aumento


Tempo degradação constante exponencial da
degradação

Figura 5: Curva da Banheira


Fonte: GUTIÉRREZ, Luis A. Mora. (2005, pg. 80)
Funções e Falhas

Mecanismos das falhas

O estudo dos mecanismos de falha visa identificar características

distintas entre as diversas formas como as falhas ocorrem,

auxiliando na escolha da melhor estratégia de manutenção;

Atualmente são aceitos seis padrões da taxa de falhas dos

equipamentos ao longo de sua vida útil;


Funções e Falhas
7%

Taxa
Taxa

Padrão A 14% Padrão D

Tempo Tempo
Taxa

4%

Taxa
2%
Padrão B Padrão E
68%
5%
Tempo Tempo

Padrão C Padrão F
Taxa

Taxa
Tempo Tempo

Figura 6: Padrões de Falha


Fonte: Adaptado pelo autor de NASA (2008,
p. 4-7)
Funções e Falhas

Modos de Falha

Pode ser definido como “a maneira como ocorre à falha em um

item” e “a maneira que uma falha é observada em uma função

de subsistema ou componente”. Enquanto a falha é associada à

função do sistema, o modo de falha é associado ao evento que

provoca a transição para o estado de falha.

A identificação de todos os modos de falha do sistema, possibilita

prever o que acontece quando ele ocorre, avaliando o seu

impacto e decidir o que poder ser feito para antecipar, prevenir,

detectar, corrigir ou até mesmo eliminá-lo.


Funções e Falhas

Causa da falha

Geralmente um modo de falha pode possuir causas diferentes,

característicos de sua natureza, tecnologia e fabricação.

Enquanto o modo de falha descreve o que está errado na função

do sistema, a causa descreve o motivo da função estar errada. A

causa da falha representa os fenômenos que induzem ao

surgimento dos modos de falhas.


Funções e Falhas
Efeitos da falha

Definido como o acontecimento gerado quando um modo de

falha se apresenta, descrevendo a forma como o modo de falha

afeta o sistema;

A identificação dos efeitos das falhas tem como objetivo guiar a

análise das consequências das falhas para processo no qual o

sistema analisado está inserido, assegurando a relação do modo

de falha analisado com a falha funcional do sistema em questão,

e eliminando os modos de falhas que não impactam ou

prejudiquem o sistema de forma significativa;


Referências
SIQUEIRA, Y. P. D. S. Manutenção centrada na confiabilidade: manual de
implantação. 1ª (Reimpressão). ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2009.
MOUBRAY, J. Reliability-centered maintenance: second edition. 2ª. ed. New
York: Industrial Press Inc., 1997.
GUTIÉRREZ, A. M. Mantenimiento estratégico para empresas industriales o de
servicios: enfoque sistémico kantiano. 1ª. ed. Colômbia: AMG, 2005.
NASA. Nasa Reliability-Centered Maintenance Guide. National Aeronautics and
Space Administration. USA, 2008
XENOS, H. G. Gerenciando a manutenção produtiva. 1ª. ed. São Paulo: INDG
TecS, 2004.
KARDEC, A.; NASFIC, J. Manutenção: função estratégica. 3ª. ed. Rio de Janeiro:
Qualitymark, 2009.
FILHO, G. B. A Organização, o Planejamento e o Controle da Manutenção.