Você está na página 1de 58

ETILENO

Fernanda Maria Corrêa


Laís Brandão
Natália Vicentino
Introdução
• Crescimento e desenvolvimento
• Hormônios e enzimas
• “Estimular” ou “despertar”
O que são Hormônios
● Hormônios: substâncias produzidas em certas
regiões das plantas e que geram mudanças
metabólicas

● Transporte via xilema e floema

● Pouco específicos comparados com o dos animais

● Principais: auxina, giberelina, citocinina, ácido


abscísico e etileno
O que são Hormônios
O que são Hormônios
● Diversas funções
● Essenciais para a adaptação

● Importância econômica
História do Etileno
• China Milenar
frutos amadureciam mais rapidamente quando
armazenados em uma sala onde se queimava incenso
• 1864 Giardin (Alemanha )
gás de iluminação- desfolhação de árvores
• 1901 Nelbujov (Russia)
ervilhas
tríplice reação de Nelbujov
História
• Tríplice reação de Neljubov
Crescimento na Horizontal
Restrição do alongamento
Aumento do crescimento radial
História
• 1910 Cousins
bananas armazenadas com laranjas

amadurecimento prematuro

etileno era produzido por tecidos


vegetais (hormônio)

contaminadas com o fungo


Penicillium
História
• 1934 Gane (inglês )
mostrou que plantas eram capazes de produzir
ETILENO
Responsável pelo amadurecimento de frutos
hormônio vegetal
História
• Por 25 anos o etileno não foi reconhecido
como um importante fitohormônio

• A maioria dos fisiologistas acreditava que os


efeitos induzidos pelo etileno eram devidos a
ação das auxinas.
História
• Contudo, após a introdução da cromatografia
gasosa na pesquisa do etileno, foi
redescoberta a importância desse
fitohormônio e reconhecido seu significado
fisiológico como regulador do crescimento
vegetal, (Burg & Thimann, 1959)
Estrutura do Etileno
● Oleofina mais simples
● Gás insaturado

● Inflamável

● Praticamente insolúvel em água

● Facilmente oxidado

● Mais simples, mas com grande influência


Produção
● Ampla variedade de organismos
● Fungos e bactérias: teor no solo

● Fanerógamas: todos órgãos e tecidos


Produção
• Aumento da produção:
- abscisão foliar
- senescência de flores
- amadurecimento de frutos
Produção
• Outros fatores:
- Escuro
- Injúria mecânica
- Doenças e estresses
fisiológicos
- Influência de outros
hormônios
Locais de síntese
● Células vacuoladas
● Regiões meristemáticas e nodais

● Folhas novas

● Tecidos senescentes

● Frutos na fase final de maturação


Transporte
● Independe de tecidos vasculares
● Difusão entre os espaços intercelulares

● Água e solutos dificultam

● Afinidade por lipídeos

● 1-aminociclopropano-1-carboxílico (ACC) via

xilema
Biossíntese
Biossíntese
Inibidores da síntese e da ação
● Inibidores da síntese:
SAM para ACC
- aminoetoxivinil glicina (AVG)
- ácido aminooxiacetato (AOA)
ACC para etileno
- Cobalto (Co2+)
- Anaerobiose
● Inibidores da ação:
- Íons Ag+, na forma de nitrato e tiossulfato de prata
- Transcicloocteno (compete pelo mesmo receptor)
Aplicação de fitorreguladores
• Auxina
Respostas semelhantes nas plantas
Capacidade em promover a síntese de etileno pelo
aumento da atividade da ACC sintase
Aplicação de fitorreguladores
• Os inibidores são úteis na
identificação dos hormônios
que apresentam efeitos
idênticos nos tecidos vegetais
• O etileno mimetiza altas
concentrações de auxina,
provocando a epinastia e a
inibição do crescimento do
caule
Aplicação de fitorreguladores
• Citocininas
Eleva a produção de etileno de 2 a 4 vezes
Observado em milho e alface
Aplicação de fitorreguladores
• Giberelinas
Pouco ou nenhum efeito
Aplicação de fitorreguladores
• Ácido Abscisico
• alfaces e maçãs 2 vezes nos
teores de etileno
• folhas de trigo submetidas à
seca a aplicação de ABA
inibiu a produção de etileno
Aplicação de fitorreguladores
• Etileno
pode provocar a autocatálise ou
a auto- inibição desse hormônio
conversão de ACC a etileno
diminuição da atividade da
sintase do ACC
Formação de conjugados
● Controle via disponibilidade de ACC
● ACC limita a produção de etileno

● MACC e GACC

● Função: dissipar excesso ACC e

armazenamento
● MACC forma preferencial
Mecanismo de ação
Controle Ambiental
Temperatura
Controle Ambiental
• Luz
Controle Ambiental
• Oxigênio
Necessário na
conversão de ACC a
Etileno
Anaerobiose inibe
a síntese
Controle Ambiental
• Gás carbônico
Ativa a ACC oxidase até a concentração de 0,5% no meio
[CO2] 5 a 10% inibe a atividade do Et antagonista
do Et
CO2 compete pelo mesmo sitio de ligação no receptor
com o Et
Controle Ambiental
• Alagamento
Controle Ambiental
• Seca
Controle Ambiental
• Substâncias químicas
Controle Ambiental
● Ferimentos mecânicos
Controle Ambiental
• Infecções por patógenos
Papel fisiológico
• Amadurecimento de
frutos
Oxidação de lipídios
Quebra das ligações de
amido
 Quebra das moléculas de
clorofila
Papel fisiológico
Papel fisiológico
• Devido a sua importância na agricultura, a
maior parte dos estudos sobre o
amadurecimento de frutos tem enfocado
frutos comestíveis
 climatéricos
 não climatéricos
Papel fisiológico
Climatéricos Não climatéricos
Papel fisiológico
Papel fisiológico
● Epinastia de folhas

Etileno em excesso
Alongamento das células da
parte superior do pecíolo
encharcamento ou
anaerobiose nas raízes
Papel fisiológico
●Crescimento do caule e de
pecíolos de espécies
submersas
arroz
partes submersas são
induzidas a um rápido
alongamento dos entrenós
Papel fisiológico

Tratamento com etileno mimetiza


os efeitos da submersão
Papel fisiológico
●Expansão celular
horizontal e o crescimento
lateral do caule
Em concentrações acima de
0,1 µL L-1, o etileno muda o
padrão de crescimento de
plântulas
Papel fisiológico

A direção da expansão celular


é determinada pela orientação
das microfibrilas de celulose
da parede celular
Papel fisiológico
• Florescimento em abacaxi
Papel fisiológico
Senescência de flores e folhas
Papel fisiológico
• Abscisão
Uso comercial
Uso comercial
• Amplamente utilizado na agricultura
• Alta taxa de difusão – utilização de compostos que
liberam etileno:

Etefon ou ethrel (ácido 2-cloroetilfosfônico) - acelera o


amadurecimento de frutos climatéricos, sincroniza o
florescimento e o estabelecimento do fruto em abacaxi,
acelera a abscisão de flores e frutos e promove a
formação de flores femininas em pepino
Uso comercial
Carbeto de Cálcio “carbureto”: reage com água
e produz acetileno (C₂H₂), que em altas
concentrações pode atuar como o etileno.
Íons prata (Ag⁺): aumento da longevidade das
flores
Uso comercial
Uso comercial
Preservação de frutos climatéricos:
atmosfera com baixas concentrações de O2
e baixas temperaturas ou com o uso de altas
concentrações de CO2
usos de absorvedores de etileno
Uso comercial
Degradação
Referência Bibliográfica
• Kerbauy, G.B. 2004. Fisiologia Vegetal. Guanabara Koogan, 452p.
• Taiz ,L. & Zeiger, E. 2004. FISIOLOGIA VEGETAL. 3ª EDIÇÃO.
ARTMED, 719P.
• Taiz, L. & Zeiger, E.2006. Plant Physiology. Sinauer Associates, Inc,
Publishers, 705p.
• Taiz, L. & Zeiger, E. 2010. Sinauer Associates, Inc, Publishers, 792 pp.