Você está na página 1de 30

O que é?

O que é? 0 TGD é uma categoria de transtornos , e não um diagnóstico específico.
  • 0 TGD é uma categoria de transtornos, e não um diagnóstico específico.

  • 0 Os TGDs são distúrbios nas interações sociais recíprocas e costumam se manifestar nos primeiros cinco anos de vida. Pessoas com TGD apresentam alteração das interações sociais e comunicação, além de um repertório de interesses e atividades restrito e repetitivo.

O que é? 0 TGD é uma categoria de transtornos , e não um diagnóstico específico.

Características do TGD

  • 0 PODEM apresentar os seguintes SINTOMAS COMPORTAMENTAIS:

  • 0 Hiperatividade;

  • 0 Desatenção;

  • 0 Impulsividade;

  • 0 Agressividade;

  • 0 Comportamentos auto agressivos;

  • 0 Acessos de raiva (principalmente em crianças);

  • 0 Distorções/alterações perceptivas;

  • 0 Hipo ou hipersensibilidade;

Características do TGD 0 PODEM apresentar os seguintes SINTOMAS COMPORTAMENTAIS: 0 Hiperatividade; 0 Desatenção; 0 Impulsividade;

Características do TGD

  • 0 Problemas de sono;

  • 0 Distúrbios alimentares;

  • 0 Gosta de enfileirar objetos;

  • 0 Não sabe como brincar com brinquedos;

  • 0 Opositor;

  • 0 Hábito de interessar-se por certos objetos;

  • 0 Sensível a determinadas texturas ou sons;

  • 0 Movimentos estranhos e repetitivos.

Características do TGD 0 Problemas de sono; 0 Distúrbios alimentares; 0 Gosta de enfileirar objetos; 0

Formas de TGD

  • 0 Autismo infantil;

  • 0 Autismo atípico;

  • 0 Síndrome de Asperger;

  • 0 Transtorno Desintegrativo da Infância;

  • 0 Síndrome de Rett.

  • 0 Os quatro primeiros são considerados Transtornos do Espectro Autista.

Formas de TGD 0 Autismo infantil; 0 Autismo atípico; 0 Síndrome de Asperger; 0 Transtorno Desintegrativo

Principais problemas

relacionados a aprendizagem

no TGD

  • 0 Dificuldades Organizacionais;

  • 0 Distração;

  • 0 Problemas em sequenciar;

  • 0 Dificuldades para generalizar;

  • 0 Padrões irregulares de desenvolvimento.

Principais problemas relacionados a aprendizagem no TGD 0 Dificuldades Organizacionais; 0 Distração; 0 Problemas em sequenciar;

Socialização

  • 0 Não sorri socialmente;

  • 0 Prefere brincar sozinho;

  • 0 Ele mesmo pega o que deseja;

  • 0 É muito independente;

  • 0 Faz determinadas coisas precocemente;

  • 0 Faz pouco contato com o olhar;

  • 0 Ignora as pessoas ao redor;

  • 0 Não se interessa em brincar com outras crianças.

Socialização 0 Não sorri socialmente; 0 Prefere brincar sozinho; 0 Ele mesmo pega o que deseja;

Estratégias de Aprendizagem

• As crianças com TGD apresentam diferenças entre si e merecem atenção. • Os alunos devem ser incluídos em classes com crianças da mesma faixa etária.

• Os professores devem ficar atentos para fazer

mudanças nas atividades sempre que necessário.

• É importante estimular a autonomia desses alunos e

conquistar a confiança da criança.

Estratégias de Aprendizagem • As crianças com TGD apresentam diferenças entre si e merecem atenção. •

Orientações gerais aos educadores

• O professor não pode ter uma postura agressiva, mas sim muita paciência, transmitir segurança, controle da situação e amor pelo

que está fazendo.

• Se o professor notar algo diferente em algum aluno é importante

informar à coordenação para que os pais possam ser comunicados e encaminhar a um profissional especializado.

• Se o aluno já tiver um diagnóstico, é recomendado que o

professor converse com a classe e fale das dificuldades do aluno

com TGD e solicite a colaboração dos colegas.

• De maneira geral, o professor deve estimular o aluno para que ele

mantenha contato visual, identifique-se dentro de grupo, expresse sentimentos, imite ações, procure contato afetivo, compartilhe objetos, compreenda e obedeça regras sociais.

Orientações gerais aos educadores • O professor não pode ter uma postura agressiva, mas sim muita

0 • É importante também estimular o aluno para que ele compreenda o sentido de “sim” e “não”, reconheça seu

ambiente, participe de rodas de conversas.

• Incentive o aluno a explorar e tocar objetos, que ele

rabisque ou desenhe, monte quebra-cabeças, faça dobraduras simples assim como recortes e rasgadura de papeis.

• Respeite sempre os limites da criança e não peça coisas

que ela, por suas limitações, não seja capaz de fazer.

• Opte por enunciados curtos e diretos, faça

demonstrações, utilize objetos manipuláveis.

• É interessante manter uma rotina para diminuir a

ansiedade da criança.

0 • É importante também estimular o aluno para que ele compreenda o sentido de “sim”

Síndrome de Rett

Estabelecer sistemas de comunicação como placas com desenhos e palavras, de modo que a criança possa

indicar o que ela deseja;

• Acessibilidade na escola, já que muitas crianças

necessitam de equipamentos para caminhar ou até

mesmo cadeira de rodas;

• Respeitar o tempo de aprendizagem de cada um. • Apresentar os conteúdos de maneira mais visual para

facilitar a compreensão.

Síndrome de Rett • Estabelecer sistemas de comunicação como placas com desenhos e palavras, de modo

COMO SE MANIFESTA A SÍNDROME DE RETT

  • 0 Ausência de atividade funcional com as mãos, dedicadas repetitivamente a estereotipias de "lavagem" ou "torcimento

  • 0 Isolamento

  • 0 Atraso importante no desenvolvimento da capacidade de andar (com ambulação rígida e mal coordenada quando se adquire, e a perda dela mais tarde na adolescência)

  • 0 Perda de habilidades de relacionamento

  • 0 Ausência de competências simbólicas e de linguagem

  • 0 Microcefalia progressiva (porque a cabeça cresce num ritmo mais lento do que o resto do corpo)

  • 0 Alteração de padrões respiratórios com hiperventilação e hipoventilação frequentes.

  • 0 Ausência de relação com objetos

  • 0 Prognóstico pobre.

Características Iniciais

0 Incluindo alguns associados ao autismo Todos os seguintes sintomas:

  • - Desenvolvimento pré-natal e pós-natal aparentemente

normal.

  • - Desenvolvimento psicomotor aparentemente normal.

  • - Perímetro craniano normal no nascimento.

Aparição de todos os seguintes sintomas após um período

de desenvolvimento normal.

  • - Desaceleração do crescimento craniano entre os cinco e quarenta e oito meses.

0 - Perda, entre os cinco e trinta meses, de habilidades manuais funcionais adquiridas anteriormente, como o

desenvolvimento posterior dos movimentos estereotipados das mãos. (por exemplo, torção ou "lavar as mãos"). - Perda das relações sociais em andamento (embora a relação social, muitas vezes, se desenvolva mais tarde) - Aparição da falta de coordenação na forma de andar ou mover o tronco. - Profunda deterioração do desenvolvimento da linguagem expressiva e receptiva, com profundo retardo psicomotor.

Ensinando alunos com TGD

MÉTODOS

Ensinando alunos com TGD MÉTODOS

• Estruturados e os professores devem conhecer as condutas; • Funcional;

• Evolutivo de acordo com cada criança;

• Ser intensivo e precoce; • Envolver a família. • Os professores devem receber apoio e orientação de especialistas.

• Eles também devem aprender a lidar com suas frustações,

ansiedade e sensação de impotência que eventualmente possam

aparecer.

• Os educadores devem promover o relacionamento entre os

alunos com TGD e os demais colegas, o que vai propiciar uma convivência mais natural e produtiva.

• Esteja atento para encontrar formas de estabelecer uma

comunicação com o aluno.

• Estruturados e os professores devem conhecer as condutas; • Funcional; • Evolutivo de acordo com

TGD MÉTODOS DE ENSINO PARA A ESCOLARIZAÇÃO

Estes métodos têm sua eficácia

comprovada cientificamente.

TGD – MÉTODOS DE ENSINO PARA A ESCOLARIZAÇÃO Estes métodos têm sua eficácia comprovada cientificamente.

1 →TEACCH

• Foi desenvolvido em 1970 nos Estados Unidos. • É um sistema que tenta responder às necessidades da criança que possui dificuldade de comunicação usando as melhores abordagens e métodos disponíveis. • Nesse programa os professores são treinados para sensibilizar e envolver os demais alunos da classe.

• O método faz uma avaliação da criança, levando em conta suas dificuldades e seus pontos fortes, possibilitando um programa individualizado. • Os propósitos do método são:

• Habilitar pessoas portadoras do autismo a se comportar da forma mais funcional e

independente possível;

• Promover atendimento adequado para os portadores do autismo e suas famílias;

• Gerar conhecimentos clínicos teóricos e práticos sobre o autismo e disseminar

informações relevantes através de publicações;

Esta abordagem é baseada na organização do ambiente através de rotinas (organizadas em quadros, painéis ou agendas), o que ajuda a criança a compreender e se adaptar ao ambiente e compreender o que se espera dela. Obs: TEACCH (do inglês): Treatment and Education of Autistic and related Communication handicapped Children.

1 →TEACCH • Foi desenvolvido em 1970 nos Estados Unidos. • É um sistema que tenta

2 Análise Aplicada do Comportamento (ABA)

• O tratamento comportamental analítico procura ensinar habilidades

que a criança não possui.

• Cada habilidade é introduzida por etapas, ensinada individualmente,

apresentando-a associada a uma indicação ou instrução.

• A resposta da criança é recompensada. • Se a recompensa é usada de forma consistente, a criança tende a

repetir a reposta.

• É importante tornar o aprendizado algo agradável para a criança. • É preciso ensinar a criança a identificar os diferentes estímulos.

• A criança é levada a trabalhar de forma positiva, para não ocorrer

comportamentos indesejados.

• Quando há respostas problemáticas, como birras, por exemplo, os

dados são registrados e analisados para detectar o que as desencadeou.

• A repetição é importante nesta abordagem.

Obs: ABA (do inglês): Aplied Behavior Analysis

2 → Análise Aplicada do Comportamento (ABA) • O tratamento comportamental analítico procura ensinar habilidades que

3 PECS Sistema de comunicação através da troca

de figuras

0 • Foi desenvolvido para auxiliar tanto crianças quanto adultos a adquirir habilidades de comunicação.

• A implementação dessa abordagem consiste na aplicação

sequencial de seis passos.

• O método ajuda a criança a perceber que através da

comunicação ela consegue mais rápido as coisas que deseja. • Isso a estimula a comunicar-se.

• O PECS não demanda materiais caros e é relativamente

fácil de aprender, o que tem contribuído para sua aceitação em vários lugares do mundo.

• Pode ser aplicado em qualquer lugar. Obs: PECS (do inglês): Pictures Exchange Communication System

3 → PECS – Sistema de comunicação através da troca de figuras 0 • Foi desenvolvido

4 Computador/Tablet

• Não são um método de ensino, estão mais para técnicas de

complemento ao sistema educacional.

• É relativamente recente o uso do computador como apoio às crianças

portadoras de autismo.

• Hoje pode-se colocar junto o uso de tablets, que também estão à disposição para ajudar na comunicação.

• Algumas crianças ignoram o computador enquanto outras se fixam

em determinadas imagens ou sons.

• Em São Paulo, a AMA (Associação de Amigos do Autista) desenvolveu

uma técnica que consiste no uso do computador como apoio no

aprendizado da escrita de crianças que já haviam adquirido a leitura, mas por diversos motivos não conseguiam adquirir a escrita através de métodos tradicionais. Esta técnica apresentou resultados positivos. São usados como complemento de terapias, e com a interação de alguém, senão a criança pode continuar a se isolar.

4 → Computador/Tablet • Não são um método de ensino, estão mais para técnicas de complemento

Bibliografia

  • 0 https://novaescola.org.br/conteudo/51/o-que-sao-os- transtornos-globais-do-desenvolvimento-tgd

  • 0 https://neurosaber.com.br/como-lidar-com-o-tgd-na- escola-transtornos-globais-do-desenvolvimento/

  • 0 https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/di
    reito/estrategias-para-lidar-com-transtornos-globais-do- desenvolvimento-tgd/56282

  • 0 http://entendendoautismo.com.br/artigo/qual-a-relacao- do-autismo-e-transtorno-global-do-desenvolvimento/

  • 0 http://cursocertificado.com.br/educacao-e-transtornos- globais-do-desenvolvimento/

Bibliografia 0 https://novaescola.org.br/conteudo/51/o-que-sao-os- transtornos-globais-do-desenvolvimento-tgd 0 https://neurosaber.com.br/como-lidar-com-o-tgd-na- escola-transtornos-globais-do-desenvolvimento/ 0 https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/di reito/estrategias-para-lidar-com-transtornos-globais-do- desenvolvimento-tgd/56282 0 http://entendendoautismo.com.br/artigo/qual-a-relacao- do-autismo-e-transtorno-global-do-desenvolvimento/ 0 http://cursocertificado.com.br/educacao-e-transtornos-
  • 0 Aluna:

Sandrieli Pianzola Cipriano da Silva

  • 0 Disciplina:

Conteúdo e Metodologia da Educação Inclusiva

  • 0 Professora:

Elis Regina Falqueto

0 Aluna: Sandrieli Pianzola Cipriano da Silva 0 Disciplina: Conteúdo e Metodologia da Educação Inclusiva 0