Você está na página 1de 25

Direito Constitucional X

Estatuto da Criança e do
Adolescente
Alguns aspectos históricos

 Outubro de 1988
Art. 227 da Constituição Federal
 Julho de 1990
Estatuto da Criança e do Adolescente
 Setembro de 1990
O Brasil ratifica a Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança da
ONU de Novembro de 1989
Doutrina Jurídica da Proteção Integral

 Constituição Federal de 1988


 Menores são sujeitos de direito
 Pessoas em condição peculiar de desenvolvimento
 Mandamento constitucional da prioridade absoluta
Princípios constitucionais e Direitos fundamentais
 “Princípios são enunciações normativas de valor genérico, que condicionam e
orientam a compreensão do ordenamento jurídico, a aplicação e integração
ou mesmo para a elaboração de normas” Miguel Reale. Lições Preliminares de
Direito
 Fontes
Constituição Federal de 1988
Estatuto da Criança e do Adolescente
Tratados e Convenções Internacionais
 Direitos fundamentais “são os direitos do homem, jurídico-institucionalmente
garantidos e limitados espacio-temporalmente(...) direitos objectivamente
vigentes numa ordem jurídica concreta”. J.J. Gomes Canotilho. Direito
Constitucional
Princípio da Prioridade Absoluta

 Dever da família, da comunidade, da sociedade e do Estado.


 Previsão: Art. 227 da CF e Art. 4º do ECA.
 Ver art. 3º da Lei 13.257/2016.
 Prioridade: Consiste no reconhecimento de que a criança e o adolescente
são o futuro da sociedade, e por isso, devem ser tratados com absoluta
preferência em quatro aspectos:
 Primazia de receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias
 Precedência de atendimento nos serviços públicos ou de relevância
pública
 Preferência na formulação e na execução das políticas
sociais públicas
 Destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas
com a proteção à infância e à juventude
Princípio da Proteção Integral

 Previsão: Art. 6º da CF; Art. 1º do ECA e Art. 3º da Convenção da


ONU.
 Proteção Integral é Ampla : Não tem aplicação restritiva ao
âmbito da apuração dos atos infracionais, estende-se para outros
ramos do direito.
Princípio do Superior Interesse da Criança e
do Adolescente

 Previsão: Art. 100, III do ECA, CC e Convenção da ONU.


 Aquilo que objetivamente atende melhor a criança e o adolescente em
sua dignidade como pessoa em desenvolvimento, na garantia de seus
direitos fundamentais.
Princípio da Condição Peculiar de Pessoa em
Desenvolvimento

 Previsão: Art. 227, § 3º, V da CF.


 Sujeito Especial de Direito: condições ofertadas pela família, sociedade e
Estado
 A criança e o adolescente são os destinatários do direito da infância e da
juventude, pois vivenciam um processo de formação e de transformação
física e psíquica.
Princípio da Dignidade da Pessoa Humana

 Previsão: Art. 1º, III da CF.


 Valorizar a pessoa em suas relações intersubjetivas
 O indivíduo tem valor sobre todas as coisas
Princípio da Participação Popular

 Previsão: Art. 227, §§ 3º e 7º c/c 204, II todos da CF


 Assegura a participação da população, por meio de organizações
representativas, na formulação das políticas públicas de controle das
ações em todos os níveis relacionados à infância e a juventude.
Princípio da Excepcionalidade

 Previsão: Art. 227, § 3º, V da CF.


 Impõe a aplicação da medida privativa de liberdade apenas quando não
houver outra mais adequada.
 Prevalência das medidas por meio aberto, justificado pela manutenção do
adolescente com a sua família.
Princípio da Brevidade

 Previsão: Art. 227, § 3º, V da CF


 Aplicada medida privativa de liberdade, sua manutenção deve ser o mais
breve possível.
Princípio da Municipalização

 Previsão: Art. 203 e 204 da CF; art. 88 do ECA e Lei nº 12.594/2012


(SINASE).
 Cogestão dos recursos para assistência social
 Responsabilidade solidária do Poder Público: art. 100, III do ECA.
Direito à Vida

 Previsão: Arts. 227 da CF e 7º do ECA


 Viver com dignidade
Direito à Saúde

 Previsão: Arts. 227 da CF e 7º e 10 do ECA


 Art. 11 do ECA: SUS -> proteção integral
 Arts. 12, 13 e 14 do ECA
 Estado completo de bem estar físico, mental e social
Direito à Liberdade

 Previsão: Arts. 227 da CF e 15 e 16 do ECA


 Liberdade de ir, vir, estar e permanecer
 Opinião, expressão, culto e crença
Direito ao Respeito

 Previsão: Arts. 227 da CF e 15 e 17 do ECA


 Direito à inviolabilidade da integridade física, psíquica e
moral
 Valores, ideias, crenças, objetos pessoais
Direito e à Dignidade

 Previsão: Arts. 227 da CF e 15 e 18 do ECA


 Educação e criação sem o uso de castigo físico (...) ver art.
18-A do ECA (Lei da Palmada)
Direito à Educação

 Previsão: Arts. 227 e 205 da CF


 Ver arts. 53 a 57 do ECA
 Processo de desenvolvimento de capacidades
Direito à Cultura, ao Esporte e ao Lazer

 Previsão: Arts. 227 da CF e 4º do ECA


 Ver arts. 58 e 59 do ECA
 Complemento do processo de desenvolvimento através de
estímulos variados
Direito à Profissionalização e ao Proteção no
Trabalho

 Previsão: Arts. 7º, XXXIII e 227 da CF


 Art. 60 do ECA foi revogado tacitamente.
 Arts. 61 a 69 do ECA
Direito à Convivência Familiar e Comunitária

 Previsão: Arts. 227 da CF e 19 e seguintes do ECA


 Afeto, cuidado e desenvolvimento
 Princípio da Responsabilidade e da Prevalência da
Família (art. 100, IX e X do ECA)
 Assegura a convivência familiar e comunitária.
 Premissa da tutela do superior interesse da criança e
do adolescente.
 Imposição de dever da família, da sociedade e do
Estado
Direito à Convivência Familiar e Comunitária
(continuação)

 Convivência familiar em qualquer modalidade de família: ambiente de afeto e de


cuidados
 Convivência comunitária: espaços complementares para o desenvolvimento
 Assegurar com prioridade absoluta, o direito a uma vida digna, capaz de propiciar
o pleno desenvolvimento de sua personalidade.
 Direito ao ‘pertencimento’
 Caráter Excepcional – Família Substituta.
Convivência Familiar e Comunitária: ideias gerais
traçadas pelo ECA e CF/88

 Em regra, toda criança ou adolescente tem direito de ser criado no seio de sua
família biológica. (art.19)
 Excepcionalmente, poderá haver a colocação da criança ou do adolescente em
família substituta. (art. 19)
 A permanência da criança e do adolescente em programa de acolhimento
institucional não se prolongará por mais de 2 (dois) anos, salvo comprovada a
necessidade que atenda ao seu superior interesse, devidamente fundamentada
pela autoridade judiciária. (art. 19, § 2º)
 Os filhos, pouco importa se havidos dentro ou fora do casamento, ou por adoção,
terão os mesmos direitos (arts. 227, §6º da CF, 1.596 do CC e 20 do ECA)
Considerações finais