Você está na página 1de 21

UF 18 - CUIDADOS DE HIGIENE,

CONFORTO E ELIMINAÇÃO

Formadora: Manuela Carvalho


Formandos: Adriana de Paula
Cidálio Ribeiro
SylvieVeloso
Sofia Couto
Soraia Santos
TAS 2015/2016
CUIDADOS POST
MORTEM
INTRODUÇÃO
A morte é facto para todos os seres vivos, porém
(teoricamente...) só o homem tem consciência da sua
própria morte.
É comum não sermos, na nossa educação,
preparados para a morte, seja a nossa própria, ou da
de alguém com quem tenhamos algum vínculo afetivo.
Falar de perda, significa falar de que o vínculo
se rompe, ou seja, de que uma parte de si é
perdida, por isso, fala-se da morte, em vida;
A expressão de sentimentos, nessas ocasiões, é
fundamental para o desenvolvimento para o
processo de luto.
Os profissionais de saúde frequentemente estão
em contacto com a angústia causada pelo
fenómeno morte…
COMO DAR A NOTICIA DA MORTE
AOS ENTES QUERIDOS
É importante fortalecer o vínculo entre a família
e o TAS.
Mostrar sempre disponibilidade para
esclarecimentos ou outras ajudas relacionadas
com o acontecimento;
Estimular a família a verbalizar medos,
preocupações, desabafos e dúvidas acerca da
situação em si de forma a reduzir a ansiedade,
aflições e emoções…
COMO DAR A NOTICIA DA MORTE
AOS ENTES QUERIDOS
• Manter ou melhorar a qualidade
emocional da família aliviando o seu
sofrimento.
• Ajudar a família a aceitar a morte do ente
querido ( processos de luto).
• Respeitar crenças religiosas da família.
COMO COMUNICAR E ATUAR
• Proporcionar um ambiente calmo e sereno;
• Gerir emoções com profissionalismo;
• Empatia;
• Escutar;
• Disponibilidade de atender as suas necessidades;
• Respeitar os seus valores e crenças ( família e
falecido);
• Dar conforto;
• Comunicação assertiva;
• Comunicação não verbal ( o toque).
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS POST
MORTEM
• As alterações post mortem são observadas num
indivíduo em que houve interrupção da vida,
ocasionando morte celular sistémica, afetando
diversos órgãos e tecidos vitais;
• Inconsciência;
• Paragem das funções cárdio-respiratórias;
• Arreflexia ou Ausência de reflexos (Morte
cerebral).
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS POST
MORTEM
• Prolapso Retal Cadavérico e Relaxamento
esfincteriano;
• Perda do brilho da córnea;
• Pupilas dilatadas.
• Algor mortis – Redução da temperatura
corporal com perda de elastecidade da pele;
• Livor mortis – Descoloração da pele;
• Rigor mortis – Enrejecimento do corpo;
A MORTE NUMA INSTITUIÇÃO DE
SAÚDE
Antigamente era definida apenas como a paragem
cardíaca e respiratória mas, com o desenvolvimento
da ressuscitação cardiopulmonar e da desfibrilação,
surgiu um dilema:
– ou a definição de morte estava errada,
– ou técnicas que realmente ressuscitavam uma
pessoa foram descobertas, em vários casos.
Atualmente a definição médica de morte é
conhecida como morte clínica, morte cerebral ou
paragem cardíaca irreversível.
A MORTE EM CASA/ INSTITUIÇÃO
PARTICULAR
Na maioria dos casos, a morte tem causa
natural e resulta de doença diagnosticada que
evolui, de antecedentes patológicos
identificados, de causa provável face à história
clínica e circunstâncias concretas da pessoa.
A morte nestas circunstâncias pode ocorrer na
residência do falecido ou em casa de pessoa
que tinha o falecido a seu cargo.
A MORTE EM CASA/ INSTITUIÇÃO
PARTICULAR
Nesta hipótese, deve-se contactar o médico de
família ou o médico assistente privado que
assistia o doente para que o óbito seja verificado
e seja certificada a causa da morte pela emissão
do Certificado de Óbito pelo clínico que
acompanhava e conhecia o falecido.
Perante esta situação comum de óbito,
verificado e certificado o óbito pelo médico da
pessoa falecida, não há necessidade de chamar
a autoridade policial, nem a autoridade de
saúde.
A MORTE EM CASA/ INSTITUIÇÃO
PARTICULAR
Depois de verificado o óbito e certificada a
causa da morte no Certificado de Óbito pelo
médico, deve contactar uma funerária para
realizar a cerimónia fúnebre.
A intervenção da autoridade de saúde só ocorre
se e quando não for possível contactar outro
médico.
CUIDADOS PÓS-MORTE
Após a morte o corpo sofre alterações físicas, e por isso
a prestação dos cuidados deve ser o mais cedo possível
de forma a evitar danos nos tecidos ou o desfiguramento
de partes do corpo.
Envolvem a limpeza e o preparo do corpo de modo que o
mesmo seja entregue à família o mais integro possível.
São realizados procedimentos que retardam ou
disfarçam as alterações ocorridas com o corpo no pós
morte.
PRINCÍPIO DOS CUIDADOS
POST MORTEM
Assenta na restauração do corpo da forma
mais próxima da natural, sendo realizados
pelo enfermeiro e o TAS.
A morte pode dar-se em hospitais, no
decorrer de uma doença ou em caso de
entrada pelas urgências.
Ou em casa ou numa instituição
particular...
CUIDADOS POST-MORTEM EM
CASA
Após a constatação do óbito dado pelo médico
de família:
• Fechar os olhos do morto;
• Retirar da cama travesseiro e roupas extras;
• Cobrir o corpo com um lençol;
• Caso os familiares queiram ver o corpo, colocar
um lençol ou um cobertor fino sobre o corpo,
deixando a cabeça e os ombros de fora ;
• Executar os cuidados com dignidade;
• Preparar o corpo para o funeral.
CUIDADOS POST-MORTEM EM
CASA
Preparação do Corpo, após a família sair:
• Desinfetar as mãos;
• Utilizar os EPI`s;
• Remova todo o equipamento médico, tais como cateter
intravenoso, cateter urinário, curativos, sondas, etc;
• Reponha ou mantenha as dentaduras na boca;
• Limpar o corpo (com água e sabão) e colocação de
fralda;
• Realizar tamponamento com algodão de cavidades e
orifícios (narinas, boca, traqueostomias) ou outros
orifícios drenantes.
CUIDADOS POST-MORTEM EM
CASA
• Organize a área próxima à cama e descarte o
equipamento sujo;
• Retire os EPI´s e lave as mãos;
• Sair do quarto e fechar a porta;
• Fazer um inventario dos pertences e entregá-los à
família;
• Ajudar a família com os procedimentos relativos ao
funeral;
• Auxiliar no preenchimento de toda a documentação
sobre o falecimento.
CUIDADOS POST-MORTEM EM
CASA
Mencionar intercorrências e procedimentos
realizados pela equipa como por exemplo:
• Informar hora da morte;
• Informar sobre realização de
exames/procedimentos que indicam que o
paciente está morto;
• Cuidados com o corpo;
• Informar sobre emissão de Declaração de
óbito.
CONCLUSÃO
Os profissionais de saúde mostram diferentes reações
ao assistir o paciente no processo da morte, e também o
sofrimento dos seus familiares.
E vivenciar estas situações provoca um sério desgaste
emocional nestes profissionais.
O profissional de saúde é um ser humano que cuida de
outros, e como todo o ser humano tem as suas tristezas,
irritações, receios, dentre outros sentimentos.
Espera-se que o TAS, mediante o cuidado profissional,
desenvolva as suas acções objetivando não somente
assistir o ser humano no instante sublime que é seu
nascimento, mas se comprometer com esse momento
desconhecido na sua essência, ou seja, o momento da
morte.
WEBGRAFIA
• http://www.enfermagemnovidade.com.br/2
014/07/cuidados-com-o-corpo-apos-morte
.html

• http://
www.soenfermagem.net/tecnicas/cuidados
.html
• https
://prezi.com/qz6rdscn2ezr/post-mortem/
• http://www.pgdlisboa.pt/home_cd_agi_sm.