Você está na página 1de 17

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS

FACULDADE DE MEDICINA
SAÚDE DO IDOSO
2

GRUPO 6
Aline Takeda
Ana Cássia Monteiro
Bárbara Campos
Felipe Everton
Juliana Veras
Marcella Camisasca
3

Cuidador e Autocuidado

dedicação

responsabilidade AUTOCUIDADO atenção

cautela
4

Quem é o cuidador?
“A pessoa que presta cuidados à outra pessoa de
qualquer idade, que esteja necessitando de
cuidados por estar acamada, com limitações
físicas ou mentais, com ou sem remuneração.”
Guia do cuidador, Ministério da Saúde
5

Quem pode ser um bom cuidador?

Características:
• Bom estado físico
• Tolerante e paciente Cuidador informal ou
• Capacidade de familiar

observação
• Qualidades éticas
• Responsabilidade

Cuidador formal
6

Tarefas básicas do cuidador


Estimular a realização das
atividades de vida diária

Vestuário

Facilitar e estimular a comunicação

Acompanhar aos exames, consultas e


tratamentos de saúde

Cuidar da medicação oral em dose e


horário prescritos pelo médico

 Estimular a auto-suficiência
7

O cuidador e a pessoa cuidada


• Sentimentos diversos e contraditórios?
• O cuidador deve compreender que a pessoa
cuidada tem reações e comportamentos que
podem dificultar o cuidado prestado.
• O cuidador deve saber
compreender o não da pessoa
cuidada.
8

O cuidador e a pessoa cuidada

• O cuidador deve tratar a pessoa conforme sua


idade, história, desejos e sentimentos.
• Respeitar a dignidade da
pessoa cuidada.
• Encoraje o riso.
9

Independência

Família Pessoa Cuidador


cuidada

Atividades da
pessoa cuidada
10

O cuidador e a equipe de saúde


• O ato de cuidar não caracteriza o cuidador como
um profissional de saúde.

Pessoa Cuidador
cuidada

Profissional
Família
de saúde
11

O cuidador e a família
• Responsabilidade máxima da família?
• Participação de outras pessoas?
• Modalidades alternativas de assistência?
12

Estresse do cuidador
A capacidade de resiliência do cuidador é menor que a carga
de estresse, ou seja, quando os cuidados tornam-se tão
desgastantes que afetam sua saúde.

Desgaste
Cansaço físico e Irritabilidade
emocional
continuado

Problemas
Culpa Tristeza
físicos
13

Estresse do cuidador

FÍSICO
TIPOS EMOCIONAL

AMBIENTAL

FINANCEIRO
SOCIAL
14

Estresse do Cuidador de Pessoas com


Alzheimer
15

Estresse do Cuidador de Pessoas com Alzheimer

• Neri e Carvalho (2002)


• Desenvolvimento de doenças
apontaram pesquisas nas quais
relacionadas com o estresse
os cuidadores afirmaram que
(Gwyther , 1985).
esta atividade traz para eles o
senso de utilidade, significação
• Um paciente de Alzheimer
existencial, pessoal e de
dificilmente conseguirá reconhecer
reciprocidade.
ou retribuir o que é feito por ele.
Isto é muito desgastante (Netto,
• Para o ato de cuidar ser
1996).
positivo não pode haver
sobrecarga para o cuidador.
• Desgaste físico e financeiro,
necessidade de abandono do
trabalho (Pavarini & Neri, 2000).

• Após a morte o cansaço físico cessa


e dá lugar a uma sensação de vazio
(Netto, 1996).
16

“Cuidar é mais que um


ato; é uma atitude.
Portanto, abrange
mais que um momento
de atenção, zelo e
desvelo. Representa
uma atitude de
ocupação,
preocupação, de
responsabilização e de
envolvimento afetivo
com o outro”.

Leonardo Boff
17

REFERÊNCIAS
1. BRASIL. Ministério da Saúde. Guia prático do cuidador. Brasília: Ministério
da saúde, 2008. Disponível:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_cuidador.pdf
Acesso em: 26 out 2017.
2. Gwyther, Liza P. (1985). Cuidados com portadores da Doença de Alzheimer:
um manual para cuidadores e casas especializadas. Editora CIP Brasil.
3. Netto, Matheus Papaléo. (1996). Gerontologia . São Paulo: Atheneu.
4. Pavarini, S. C. I.; Neri, A. L. (2000). Compreendendo dependência,
independência e autonomia no contexto domiciliar. In: I. A. O. Duarte e D. M.
J.D’Elboux (org). Atendimento domiciliar . Um enfoque gerontológico. São
Paulo: Atheneu.
5. Neri, A. L.; Carvalho, V. A. M. L. (2002). O bem-estar do cuidador: aspectos
psicossociais. In: Freitas, E.V.; PY, L.; Neri, A. L.; Cançado, F. A. X.; Gorzoni,
M. & Rocha, S. M. (2002). Tratado de Geriatria e Gerontologia . Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan.