Você está na página 1de 114

Tipologia de Projeto/Ação: Formação Modular Certificada

DOMÍNIO | UFCD: 3539 - Ética e Deontologia profissional no


apoio à comunidade

Formador: Mara Oliveira

19 de Janeiro, 2018

1
Ética

Respeito ao
próximo Ser Educado Honestidade

Bom caracter Bom comportamento Agir da maneira


na forma de falar ou de correta
Conduta Moral agir

2
Ética
Aristóteles

Fundador da Ética

O bem é a finalidade de toda a ação


A busca do bem é o que difere a ação
humana de todos os outros animais

388 A.c. – 322 A.c.

3
Ética
• A ética só tem interesse na primeira pessoa, ou seja, a
noção de certo ou errado só depende da mesma.
• No entanto, pode ser afirmado que a ética é um
desafio imposto às pessoas através da convivência com
os outros elementos da sociedade e das diferentes
opiniões existentes.
• Ser ético é uma adesão
pessoal, é uma forma de
estar na vida, ou seja, é a
adoção de um determinado
comportamento.
4
Ética
• A palavra Ética deriva do termo Grego “Ethos”, usado pela
primeira vez por Aristóteles e tem como significado “modo de
ser”.
• É uma reflexão sobre os princípios que se baseiam na moral,
• é o modo de ser e de atuar
do homem, estabelece
normas gerais de
comportamento deixando a
cada indivíduo a
responsabilidade pelos seus
atos concretos.
5
Ética
• A Ética é o campo do conhecimento que se debruça sobre o
estudo dos valores e virtudes do homem, propondo um
conjunto de normas de conduta e de postura para que a vida
em sociedade se dê de forma ordenada e justa.

6
Ética
Apesar da ética não ser um conjunto de regras rígidas que a
pessoa tenha que cumprir, esta possui um princípio básico
que deve ser cumprido - “devemos tratar os outros da
mesma maneira que gastaríamos de ser tratados”.

7
Ética
• Um comportamento ético segue várias diretrizes,
estando entre elas:
• contribuir para o bem-estar humano e da sociedade;
• evitar danos a terceiros;
• ser honesto e dignos de confiança, dizendo sempre a
verdade;
• ser justo e agir de forma a não discriminar;
• honrar os direitos de propriedade;
• dar crédito apropriado à propriedade intelectual;
• respeitar a privacidade de terceiros;
• honrar a confidencialidade, honrar contratos acordos e
responsabilidades atribuídas
8
Moral
• Etimologicamente a palavra moral
deriva do termo latino morale diz
respeito aos costumes, deveres e modo
de ser e agir do homem para com os
outros
• Os valores morais são muito
importantes. São os responsáveis pela
manutenção da ordem entre as pessoas.
Desde que nascemos nos é ensinado o
que é certo e errado, tendo em conta os
valores da sociedade em que vivemos,
valores esses que são transmitidos de
geração em geração
9
Moral
• Os valores morais são ferramentas
indispensáveis à integração dos indivíduos
na sociedade e para o bom funcionamento
da mesma.

10
Moral
• O Homem possui o direito de liberdade e escolha, porém não
é difícil imaginar como se encontraria o mundo caso o homem
ignorasse as leis formuladas a partir dos conceitos de ética e
moralidade. Mediante uma situação de adversidade,
resolveríamos os nossos problemas de forma primitiva
totalmente isenta destes conceitos

11
• A ética e a moral no quotidiano

• https://www.youtube.com/watch?v=he3VZnr8oVc

12
Conclusões
• Em suma, é possível verificar que o comportamento ético está
relacionado com a capacidade que o indivíduo tem em tomar
decisões com base nos valores que regem as suas ações. A
ética vai permitir, por sua vez, ao indivíduo distinguir o correto
do incorreto, o justo do injusto, o bem e o mal.

13
Quizz
• Como podemos diferenciar “moral” e “ética”?
• a) Não podemos diferenciar, são palavras sinônimas.
• b) Moral é um conjunto de valores, e Ética é a reflexão sobre
esses valores.
• c) Moral é a prática da Ética no nosso dia a dia.
• d) Moral é sinônimo de “ética aplicada”.

• Alternativa B está correta. A palavra “ética” vem do grego éthikos e


significa modos de ser. A ética pode ser entendida como a reflexão sobre o
comportamento moral. Se existir um país onde usar guarda-chuva seja
considerado imoral, compete à ética pensar a origem dessa norma e os
pontos negativos de não se usar guarda-chuva, por exemplo. 14
Quizz
• “As normas morais variam a depender da cultura e do período histórico.
Também podem ser questionadas e destituídas”. Isso significa que:
• a) Nós não podemos pensar sobre as normas morais que são impostas;
• b) Nós temos que concordar com as normas morais porque são as normas
da nossa cultura;
• c) A moral é um conjunto de valores pelos quais as pessoas guiam seus
comportamentos e, por isso, está sujeita a mudanças a depender do país e
do momento histórico em que as pessoas estão inseridas.
• d) Não agimos de forma “moral” se obedecermos às regras que a
sociedade estabelece.

• A letra C está correta. As normas variam a cada momento


histórico e a depender de cada cultura.
15
Dinâmica sobre ÉTICA
• 1º - dividir os formandos em Grupos
• 2º Em grupo selecionar 6 das seguintes
pessoas, identificando-as pelo número
correspondente

16
Martin Luther King –
Platão, um dos Jesus, o maior
Nobel da paz, liderou o Beethovem – Um
maiores filósofos pacifista de todos os
movietno contra o dos maiores
da Humanidade tempos
racismo, nos anos 60 compositores de
todos os tempos

Adolf Hitler – ditador


Stephen Hawking – alemão, responsável
Bill Gates – dono da
Albert Einstein – físico Microsoft, responsável maior físico da pelo extermínio de
alemão pai da teoria da pela ampla divulgação atualidade mais de 6 milhões de
relatividade do computador pessoal judeus 17
Maria Madalena – Fidel Castro-
julgada injustamente Presidente
pela igreja Católica. vitalício de Cuba,
Recentemente Madre Teresa de Calcutá responsabvel pela
Nero – Imperador reconhecida como prisão de milhares
romano que – Nobel da paz. Vida
amiga e seguidora de dedicada à erradicação de cubanos
incendiou Roma e Jesus
construi o coliseu, da pobreza, mortalidade
para extermínio dos infantil e fome
cristãos

Marilyn Monroe –
atriz famosa do Leonardo da Vinci –
cinema americano génio do 18
renasciemento
Pontuação
Platão 50 Pontos
Martin Luther King 50 pontos
Jesus 100 Pontos
Beethoven 50 Pontos
Albert Einstein 50 Pontos
Bill Gates Menos 20 pontos (Julgado pela justiça
americana, responsável pelo Cartel Microsoft

Stephen Hawking 50 Pontos


Adolf Hitler Menos 100 Pontos
Nero Menos 100 pontos
Maria Madalena 50 pontos
Madre Teresa de Calcutá 50 Pontos
Fidel Castro Menos 100 pontos
Marilyn Monroe Menos 20 pontos (envolvimento com drogas,
acusação de espionagem e suicídio)

Leonardo da Vinci 50 Pontos 19


• Pontuação extra para:
• Quem salvou mulher (10, 11 ou 13) pela capacidade de
reprodução – mais 20 pontos
• O teólogo (2), o desempregado artesão (3) pela religiosidade e
a contribuição à espiritualidade do grupo - mais 10 pontos

20
Deontologia
• Deontologia é um termo que
surge da junção de duas
palavras gregas: “déon” e
“logos”. Para os gregos “déon”
significa dever, enquanto
“logos” se traduzia por discurso
ou tratado.
• Então, deontologia seria o
tratado do dever, ou o conjunto
de deveres, princípios ou
normas adaptadas com um fim
determinado
21
Deontologia
• Devemos entender o
conjunto de deveres
exigidos aos
profissionais, como
uma ética de
obrigações para
consigo próprio, com
os outros e com a
comunidade.

22
Deontologia
• Parece evidente que todas as profissões implicam uma ética,
pois todas se relacionam direta ou indiretamente com os
outros seres humanos.
• Cada profissão tem como finalidade o bem comum e o
interesse público, e tem uma dimensão social, de serviço à
comunidade, que se antecipa à dimensão individual (na forma
de benefício particular que se retira dela).

23
Deontologia
• A deontologia é uma disciplina da ética especial adaptada ao
exercício de uma profissão.
• Existem inúmeros códigos de deontologia, sendo esta
codificação da responsabilidade de associações ou ordens
profissionais.

24
Deontologia
• Regra geral, os códigos deontológicos têm por base as grandes
declarações universais e esforçam-se por traduzir o
sentimento ético expresso nestas, adaptando-o, no entanto,
às particularidades de cada país e de cada grupo profissional.
Para além disto estes códigos propõem sanções, segundo
princípios e procedimentos explícitos, para os in fatores do
mesmo.

• Ex: Suspensão das licenças (médicos)


Aplicação de processos

25
Código Deontológico do Agente em
Geriatria
• 1. Ter respeito pela dignidade da pessoa idosa;
• 2. Respeitar a integridade física e mental do idoso;
• 3. Evitar o isolamento do idoso;
• 4. Prestar cuidados de forma a promover a melhoria da saúde
do idoso;
• 5. Dar carinho ao idoso;
• 6. Mostrar disponibilidade para com o idoso;
• 7. Ser responsável, meigo, educado, humilde e Paciente;
• 8. Desenvolver atividades de animação, ocupação no
domicílio ou em contexto institucional;
26
Código Deontológico do Agente em
Geriatria
• 9. Aplicar regras e princípios de segurança e higiene no
trabalho;
• 10. Aperceber-se das necessidades do idoso;
• 11. Ser correto e disciplinado;
• 12. Certificar-se que o idoso recebe os tratamentos e as
refeições a tempo e horas;
• 13. Valorizar o trabalho em equipa;
• 14. Promover a responsabilidade social;
• 15. Fomentar a autonomia dos idosos;

27
Código Deontológico do Agente em
Geriatria
• 16. Manter o sigilo profissional;
• 17. Prevenir quedas e acidentes, organizando os espaços onde
o idoso está inserido;
• 18. Respeitar a privacidade do idoso.
• 19. Defender e manter a liberdade e a dignidade humana
• 20. Ser altruísta;
• 21. Querer sempre aprender mais para ajudar os outros;
• 22. Responsabilizar-se pelas suas decisões e pelos seus atos;

28
Código Deontológico do Agente em
Geriatria
• 23. Proteger e defender a pessoa humana das práticas que
contrariem a lei, a ética ou o bem comum;
• 24. Conhecer as necessidades específicas da comunidade
onde está inserido;
• 25. Procurar soluções para os problemas detetados;
• 26. Cuidar da pessoa sem qualquer discriminação económica,
social, política, étnica, ideológica ou religiosa;
• 27. Salvaguardar os direitos da pessoa idosa e/ou com
necessidades especiais;
• 28. Promover a independência física, psíquica e social da
pessoa idosa, para melhorar a sua qualidade de vida; 29
Código Deontológico do Agente em
Geriatria
• 29. Promover a inserção social dos idosos;
• 30. Abster-se de fazer juízos de valor sobre o comportamento
da pessoa assistida e não lhe tentar impor as suas próprias
ideias e valores;
• 31. Atribuir à vida de todos um valor igual,
independentemente das circunstâncias;
• 32. Recusar a participação em qualquer forma de tortura,
tratamento cruel, desumano ou degradante à pessoa idosa,
denunciando qualquer destas situações;

30
Código Deontológico do Agente em
Geriatria
• 33. Manter-se no seu posto de trabalho enquanto não for
substituído;
• 34. Manter o idoso e a família informados sobre os
tratamentos administrados;
• 35. Respeitar, defender e promover o direito da pessoa ao
consentimento informado;
• 36. Manter sigilo profissional;

31
Código Deontológico do Agente em
Geriatria
• 37. Divulgar a informação do idoso apenas quando seja
obrigado por lei;
• 38. Respeitar a intimidade da pessoa idosa;
• 39. Colocar os interesses do idoso em primeiro lugar;
• 40. Ter brio profissional.

32
Deontologia
• Em suma, a deontologia é um conjunto de comportamentos
exigíveis aos profissionais, muitas vezes não codificados em
regulamentação jurídica.
• Ou seja, a deontologia é uma ética profissional das obrigações
práticas, baseada na livre ação da pessoa e no seu carácter
moral.

33
Profissional Ético
• Ser um profissional ético nada mais é,
do que ser profissional mesmo nos
momentos mais oportunos, sendo que
para isso, devemos seguir um conjunto
de valores.
• Algumas das características básicas de
ser como um profissional ético é ser
bom correto, justo e adequado.

34
Profissional Ético
• Além de ser individual, qualquer decisão ética tem por base
valores fundamentais, tais como:
• Ser honesto em qualquer situação (é a virtude dos
negócios)
• Ter coragem para assumir as decisões (mesmo que seja
contra a opinião alheia)
• Ser tolerante e flexível (devemo-nos conhecer para depois
julgar os outros)
• Ser integro (agir de acordo com os seus princípios)
• Ser humilde (só assim se consegue reconhecer o sucesso
individual)
35
Profissional Ético
• Ética no Trabalho

• https://www.youtube.com/playlist?list=PL229DCDDE7404563
9

36
O que é envelhecer ?
• https://www.youtube.com/watch?v=cBrvEUI9uGc

37
O que é envelhecer ?
• O envelhecimento pode ser
caracterizado como uma
diminuição geral das
capacidades da vida diária, ou
então um período de crescente
vulnerabilidade e de maior
dependência no seio familiar.
• Pode ainda ser considerado
como o auge da sabedoria,
bom senso e serenidade.

38
O que é envelhecer ?
• É o processo de degradação
progressiva e diferencial, que
afeta todos os seres vivos e o
seu termo natural é a morte do
organismo

39
Geriatria
• Ramo da ciência médica dedicado à análise e à
procura de soluções para todos os problemas que
digam respeito à saúde das pessoas idosas, de modo
a preserva-la e a prevenir o aparecimento da
Doença.

40
Geriatria
• Quando perante a doença, o
objetivo da geriatria é descobri-
la o mais cedo possível, trata-la
precocemente e reduzir o
mínimo as suas consequências.
• Quando não é possível a cura
ou a reabilitação, e o
envelhecimento e a doença
seguem o seu curos inevitável,
a geriatria presta os melhores
cuidados paliativos nas fases
terminais da vida.
41
Perfil do Agente de Geriatria

• https://www.youtube.com/watch
?v=Y33_tBWojxw

42
Perfil do Agente de Geriatria
• O/a Agente em Geriatria é o/a
profissional que, no respeito de
imperativos de segurança e
deontologia profissional,
garante o equilíbrio pessoal e
institucional no relacionamento
interpessoal do dia-a-dia com
as pessoas idosas e restante
Equipa Multidisciplinar e
complementa o cuidado da
pessoa idosa nas suas vertentes
física, mental e social.
43
Perfil do Agente de Geriatria
• O trabalho em equipa é um fator
fundamental para o agente em
geriatria.
• O trabalho em equipa é um
desafio para todos os profissionais
e não profissionais que estão
empenhados na cooperação
intersectorial em saúde.
• Deve ser considerada como uma
experiencia inovadora, suscetível
de afetar positivamente tanto a
satisfação dos utentes como a
satisfação dos profissionais.

44
Perfil do Agente de Geriatria
• Um bom Profissional deve:
Saber :
* Colocar -se no lugar ou situação dos
idosos;
* Prestar-lhes devida atenção;
* Respeitar o idoso, os colegas e
superiores hierárquicos;
* Ter Postura e boa apresentação;
* Ter capacidades psicológicas, sociais e de
relacionamento com os outros,
especialmente com os idosos.
* Considerar o idoso como um ser
humano, com todas as suas necessidades;
* Mostrar disponibilidade para o idoso;

45
Perfil do Agente de Geriatria
* Ajudar o idoso a desenvolver as suas
aptidões físicas e intelectuais,
promovendo ao máximo as suas
capacidades e autonomia;
Um bom Profissional deve:
* Possuir os conhecimentos necessários
para cuidar dos idosos em áreas como:
* Alimentação (cuidados com sondas,
dietas, etc…)
* Saúde e primeiros
socorros(administração de
medicamentos, cuidados a ter com as
algalias, etc…)
*
46
Perfil do Agente de Geriatria

* Higiene e prevenção de acidentes


(higiene pessoal, posicionamentos, etc…)
* Comunicação e actividades de
animação
* Processo de envelhecimento, cultura,
hábitos e crenças:

47
Atividades do Agente em geriatria
• Atividades Principais
• Reconhecer o quadro conceptual básico que caracteriza o
envelhecimento na sociedade atual e diferentes contextos
sociais.
• Cuidar e vigiar pessoas idosas, selecionando e realizando
atividades de animação/ ocupação com os mesmos, no seu
próprio domicílio e em contexto institucional.
• Zelar pelo bem-estar da pessoa idosa, pelo cumprimento das
prescrições de saúde e dos cuidados de alimentação e higiene
no seu domicílio e em contexto institucional.

48
Atividades do Agente em Geriatria
• Atividades Específicas
• Preparar o serviço relativo aos cuidados a prestar,
selecionando, organizando e preparando os materiais, os
produtos e os equipamentos a utilizar.
• Prestar apoio a Idosos, no domicílio ou em contexto
institucional, relativamente a cuidados básicos de higiene, de
conforto e de saúde, de acordo com o seu grau de
dependência e as orientações da equipa técnica:

49
Atividades do Agente em Geriatria

• Atividade Prática

50
Atividades do Agente em Geriatria
• Lavar o Idoso ou auxiliá-lo no banho e noutras lavagens
pessoais;
• Mudar ou colaborar na mudança de roupa pessoal e
substituir fraldas;
• Zelar pela manutenção da higiene e conforto do Idoso,
nomeadamente cortando-lhe as unhas, fazendo-lhe a
barba, arranjando-lhe o cabelo e substituindo-lhe a roupa
de cama;
• Providenciar para que as necessidades de eliminação
urinária e intestinal dos idosos são satisfeitas
transportando e disponibilizando os equipamentos
adequados; 51
Atividades do Agente em Geriatria
• Contribuir para a prevenção de úlceras de pressão,
cuidando da pele e assegurando um posicionamento
adequado do Idoso;
• Assegurar que as necessidades de dormir e repousar são
satisfeitas, colaborando na criação das condições
adequadas, nomeadamente na adaptação dos horários e
do ambiente;
• Auxiliar na toma dos medicamentos de acordo com as
orientações e o plano de medicação estabelecido para
cada Idoso;

52
Atividades do Agente em Geriatria
• Promover a mobilidade do Idoso e a adoção de posturas
corretas, tendo em vista a prevenção do sedentarismo e do
imobilismo;
• Contribuir para a prevenção de acidentes no domicílio, na
instituição e no exterior, sugerindo a adoção de medidas de
segurança e a melhoria da organização dos espaços.

53
Atividades do Agente em Geriatria
• Prestar apoio na alimentação dos Idosos, de acordo com as
orientações da equipa técnica:
• Colaborar na organização e na confeção das refeições,
respeitando a qualidade do armazenamento e a higiene dos
alimentos e tendo em conta as restrições dietéticas, as
necessidades e as preferências do Idoso e as orientações da
equipa técnica;
• Efetuar a distribuição das refeições, acondicionando-as e
transportando-as, respeitando as regras e os procedimentos
de higiene alimentar;

54
Atividades do Agente em Geriatria
• Acompanhar e auxiliar a toma das refeições sempre que a
situação de dependência do Idoso o exija.

55
Atividades do Agente em Geriatria
• Prestar cuidados de higiene e arrumação do meio
envolvente e da roupa dos Idosos:
• Efetuar a limpeza, desinfeção e arrumação do quarto, casa de
banho, cozinha e outros espaços, utilizando os utensílios, as
máquinas e os produtos de limpeza adequados;
• Cuidar da roupa dos Idosos, colaborando na sua limpeza e
tratamento e efetuando a sua arrumação.

56
Atividades do Agente em Geriatria
• Colaborar na prevenção da monotonia, do isolamento e da
solidão dos Idosos, no domicílio e em contexto institucional,
de acordo com as orientações da equipa técnica:

• Estimular a manutenção do relacionamento com os outros,


encorajando-o a participar em atividades da vida diária e de
lazer adequadas à situação do Idoso;

57
Atividades do Agente em Geriatria
• Preparar e desenvolver atividades de animação e
entretenimento, adequadas à situação do Idoso,
nomeadamente, proporcionando-lhe momentos de leitura,
jogos e convívio;
• Acompanhar o Idoso nas suas deslocações em situações de
vida diária, de lazer e de saúde

58
Atividades do Agente em Geriatria
• Articular com a equipa técnica, transmitindo a informação
pertinente sobre os serviços prestados, referenciando,
nomeadamente, situações anómalas respeitantes aos
Idosos.

59
Competências do Agente de Geriatria
• Competências – Saberes
• O (A) Agente em Geriatria de ter noções de:
• Funcionamento e características das instituições e serviços de
apoio ao Idoso.
• Processo de envelhecimento e caracterização psicossocial da
velhice.
• Psicopatologia do Idoso.
• Nutrição e dietética.
• Primeiros socorros.

60
Competências do agente de geriatria
• Conhecimentos de: Língua portuguesa. Comunicação e
relações interpessoais.
• Higiene pessoal e conforto do Idoso. Cuidados básicos de
prevenção e saúde do Idoso. Posicionamento e mobilidade.
Segurança e prevenção de acidentes.
• Higiene e segurança alimentar. Higiene ambiental. Princípios e
técnicas de animação de Idosos.
• Normas de segurança, Higiene e saúde da atividade
profissional. Ética e deontologia da atividade profissional.

61
Competências do agente de geriatria
• Saber-Fazer
• Caracterizar e reconhecer os aspetos psicossociais do
processo de envelhecimento e da velhice.
• Exprimir-se de forma a facilitar a comunicação com os Idosos
e a equipa técnica.
• Utilizar os procedimentos de organização e preparação dos
materiais, produtos e equipamentos que utiliza.
• Aplicar as técnicas e os procedimentos relativos aos cuidados
de higiene pessoal e de conforto dos Idosos.
• Adequar os cuidados de higiene e conforto às necessidades e
características do Idoso.
62
Competências do agente de geriatria
• Aplicar as técnicas e os procedimentos relativos aos cuidados
básicos de saúde do Idoso.
• Utilizar os procedimentos e as técnicas de primeiros socorros
em situação de acidente.
• Aplicar técnicas adequadas à manutenção da mobilidade do
Idoso.
• Identificar situações de risco de acidente e as medidas de
segurança adequadas.
• Adequar as refeições às características e necessidades dos
Idosos, tendo em conta o equilíbrio alimentar e as indicações
da equipa técnica.
63
Competências do agente de geriatria
• Aplicar os princípios e as regras de higiene alimentar na
armazenagem e conservação dos produtos e no serviço de
refeições.
• Utilizar as técnicas respeitantes aos cuidados de higiene e
arrumação do meio envolvente do Idoso
• Utilizar as técnicas respeitantes aos cuidados de limpeza e
tratamento de roupa.
• Aplicar as técnicas de animação mais adequadas às
necessidades e interesses dos Idosos.

64
Competências do agente de geriatria
• Detetar sinais ou situações anómalas referentes às condições
de higiene e conforto do Idoso, bem como referentes a outras
situações.
• Aplicar as normas de segurança, higiene e saúde relativas ao
exercício da atividade.

65
Competências do agente de geriatria
• Saber-Ser

• Respeitar os princípios de ética e deontologia inerentes à


profissão.
• Motivar os outros para a adoção de cuidados de higiene e
conforto adequados.
• Respeitar a privacidade, a intimidade e a individualidade dos
outros.

66
Competências do agente de geriatria
• Revelar equilíbrio emocional e afetivo na relação com os
outros.
• Adaptar-se a diferentes situações e contextos familiares.
• Promover o bom relacionamento interpessoal.
• Tomar a iniciativa no sentido de encontrar soluções
adequadas na resolução de situações imprevistas.

67
Competências do agente de geriatria
• Paciente • Profissional
• Bem disposta/o • Responsável
• Humilde • Meiga/o
• Honesta /o • Educada/o
• Assídua /o
• Justa/o • Atenta/o
• Bom ouvinte; • Simpática/o
• Competente • Flexível
• Dedicado

68
• Para além do respeito pelas regras da Instituição, não existem
fórmulas ou receitas definidas para o relacionamento entre
pessoas, no entanto surgem algumas linhas orientadoras:

• Respeito humano - é importante termos sempre em mente


que o outro, exatamente como nós, tem muitas qualidades
e defeitos e que cada um de nós possui sentimentos e que
nos guiamos por escala de valores diferentes. Trate o outro
como ele gostaria de ser tratado.

69
• Há quatro princípios éticos a ter em atenção:

• Respeito pela autonomia do doente (escolhas do doente);


• Não-maleficência (minimizar o mal);
• Beneficência (fazer o bem);
• Justiça (uso criterioso dos recursos disponíveis).

• Estes quatro princípios éticos devem ser aplicados no âmbito:


do respeito pela vida; da aceitação da inevitabilidade da
morte.
• 70
• Na prática, daqui resultam três dicotomias que devem ser
aplicadas de forma equilibrada. Assim:
• Os benefícios potenciais do tratamento devem ser
equilibrados relativamente aos riscos e malefícios potenciais;
• A luta pela preservação da vida, mas quando os malefícios
resultantes dos tratamentos ultrapassarem os seus benefícios
potenciais, devem esses tratamentos ser suspensos e
proporcionar-se conforto na morte;
• As necessidades individuais devem ser ponderadas
relativamente às da sociedade.

71
• Atos Lícitos e ilícitos

72
Atos jurídicos
Noção de facto jurídico: É todo o ato humano
ou acontecimento natural juridicamente
relevante.

Para que exista uma


relação jurídica tem
Assim, trata-se de duas vontades distintas: a
que existir sempre
primeira diz respeito ao comportamento a ser
um acontecimento a
realizado; a segunda refere-se diretamente aos
que o Direito
efeitos jurídicos produzidos, ou melhor, à
reconhece
possibilidade de modificação ou determinação
relevância como
da repercussão jurídica que terá determinado
fonte de eficácia
ato.
jurídica.

73
Atos jurídicos
A criação de efeitos jurídicos cabe à Exemplos:
norma jurídica. A morte de um indivíduo, é um fato
jurídico, pois é um acontecimento
Deste modo inevitável (todos morrem) que gera
óbvios efeitos jurídicos: extinção da
personalidade, abertura de obrigações
os factos jurídicos constituam a como partilha de bens e quitação de
caracterização das situações, que sob dívidas, etc.
forma hipotética, a norma faz
depender a produção de efeitos de
Direito.

74
• O que distingue o ato licito de ilícito ?

75
Atos lícitos e ilicitos

• O critério de distinção entre atos lícitos e ilícitos


• de conformidade com a lei,
• no regime dos efeitos jurídicos do ato,

76
Atos lícitos
• Ato lícito. Ato justo ou permitido. Ato que é conforme à lei,
aos princípios do direito

77
Atos ilícitos
Um Ato Ilícito envolve sempre uma
violação da norma jurídica
Tem como consequência: A sanção

Os atos ilícitos, são contrários à


Ordem Jurídica e por ela
reprovados, importam uma sanção
para o seu autor (infrator de uma
norma jurídica).
Um ato ilícito pode ser válido, embora produza os
seus efeitos sempre acompanhado de sanções

Exemplos:
Conduzir em excesso de velocidade numa situação
de emergência 78
Exercício
• Distinga entre lícito e ilícito

Não declarar o Casar


imposto de Agressões
renda

79
Exercício
• Distinga entre lícito e ilícito

80
Responsabilidade

• A responsabilidade traduz uma obrigação que o indivíduo tem


em dar conta dos seus atos e suportar as consequências dele.

81
Responsabilidade
• Deveres do Agente em Geriatria
• Exercer com competência, zelo e atividade o campo que lhe
tiver confiado;
• Observar e fazer observar rigorosamente as leis e
regulamentos, defendendo todas as circunstâncias;
• Honrar os seus superiores na hierarquia administrativa,
tratando-os em todas circunstâncias com deferência e
respeito;
• Guardar segredo profissional sobre todos os assuntos que por
lei não estejam expressamente autorizados a revelar;
• Desempenhar com pontualidade e assiduidade, o serviço que
82
lhe estivar confiado
Responsabilidade
• Cuidados a ter
• Não tratar o idoso como uma criança, utilizado uma
linguagem que não o infantilize
• O espaço onde o idoso se encontra deve ser adequado às suas
necessidades e não adequado ao cuidador
• Ao ajudá-la nas AVD ter em conta que o ritmo de movimentos
diminuiu, assim como a sua agilidade.
• importante acompanhar o seu ritmo de marcha.
• RESPEITO, SOLIDARIEDADE, ENCORAJAMENTO e AFECTO.

83
Responsabilidade
• Atitudes a evitar
• Entrar no quarto sem pedir licença
• Tratar a pessoa idosa como uma criança, falando-lhe em tom
de voz diferente.
• As expressões de afeto (carícias) devem ser feitas como se faz
a um adulto e não a uma criança.

• Exemplos

84
Responsabilidade
• Atitudes a ter em conta
• Tratar a pessoa idosa pelo seu
nome, perguntar mesmo
como é que está habituada e
gosta de ser tratada.
• Falar sempre a olhar para a
pessoa idosa e perto dela,
com informações curtas (por
exemplo falar a olhar para a
televisão ou da porta do
quarto, ou aos pés da cama é
incorreto) 85
Responsabilidade
• Atitudes a ter em conta
• Evitar que várias pessoas falem ao mesmo tempo. Situação
que pode causar um estado de confusão no idoso;
• Dar tempo suficiente para que ele responda e evitando
mostrar sinais de impaciência;

86
Responsabilidade
• Atitudes a ter em conta
• Sorrir quando se relaciona com a pessoa idosa;
• Deixar-se tocar pela pessoa idosa (o tocar deve fazer-se nos
dois sentidos).

87
• Saber estar com a pessoa idosa é:
• Ajudá-la a viver melhor o presente
sem se fixar no passado;
• Ajudá-la a reviver o passado sem
querer esquecer-se do presente;
• Ajudá-la a manter-se viva, com o
máximo de dignidade

88
Segredo profissional
• O sigilo profissional faz parte dos
valores éticos que devem ser
seguidos por todos os profissionais.
• obriga o funcionário a “guardar
segredo profissional relativamente
aos factos de que tenha
conhecimento em virtude de
exercício das suas funções e que não
se destinem a ser do domínio
público”.

89
Segredo profissional
• A relação entre o
Profissional/ Utente
resulta na forma como o
Profissional deve cuidar
do Utente, com respeito,
como uma pessoa que
tem o direito de tomar as
suas decisões de ser
autodeterminação e que
merece a defesa ou a
confidencialidade das
suas informações.
90
Segredo profissional
• Quando quebrar o sigilo
profissional?
• Quando existe o consentimento
informado, pela exigência do
bem comum, pela exigência do
bem de terceiro, se a revelação
poupar prejuízo à pessoa
interessada no segredo ou se da
não revelação do segredo
decorrer prejuízo grave para o
respetivo depositário.
91
Segredo profissional
• Quando quebrar o sigilo
profissional?
• Tem ainda obrigação de,
quando o sistema legal exigir a
divulgação de dados, fornecer
apenas a informação relevante
para o assunto em questão e,
de outro modo, manter
confidencialidade.

92
Os Direitos do Ser Humano
Direitos da pessoa humana
• A Declaração Universal dos
Direitos do Homem enuncia os
direitos fundamentais, civis,
políticos e sociais de que devem
gozar todos os seres humanos,
sem discriminação de raça, sexo,
nacionalidade ou de qualquer
outro tipo, qualquer que seja o
país que habite ou o regime nele
instituído.

94
Direitos da pessoa humana e da pessoa idosa,
em particular Direitos dos Idosos
• INDEPENDÊNCIA
• Ter oportunidade de trabalhar
ou ter acesso a outras formas de
geração de rendimentos.
• Poder determinar em que
momento se deve afastar do
mercado de trabalho.
• Poder viver em sua casa pelo
tempo que for viável.

95
Direitos da pessoa humana e da pessoa idosa,
em particular Direitos dos Idosos
• PARTICIPAÇÃO
• Permanecer integrado na sociedade
• participar ativamente na formulação e implementação de
políticas que afetam diretamente o seu bem-estar e
transmitir aos mais jovens conhecimentos e habilidades
• Aproveitar as oportunidades para prestar serviços à
comunidade

96
Direitos da pessoa humana e da pessoa idosa,
em particular Direitos dos Idosos
• SAÚDE
• As pessoas idosas devem poder desfrutar
dos cuidados e da proteção da família e da
comunidade;
• Ter acesso a serviços de saúde
• Quando morar em lar ou instituição têm
direitos a cuidados ou tratamentos, com
pleno respeito pela sua dignidade assim
como pelo seu direito de tomar decisões
sobre o seu cuidado e qualidade da sua
vida;
97
Direitos da pessoa humana e da pessoa idosa,
em particular Direitos dos Idosos
• ASSISTÊNCIA
• Beneficiar da assistência e
proteção da família e da
comunidade, de acordo com os
seus valores culturais.
• Ter acesso a meios apropriados de
atenção institucional que lhe
proporcionem proteção,
reabilitação, estimulação mental e
desenvolvimento social, num
ambiente humano e seguro.
98
Direitos da pessoa humana e da pessoa idosa,
em particular Direitos dos Idosos
• AUTO-REALIZAÇAO
• Aproveitar as oportunidades para o total desenvolvimento das suas
potencialidades.
• Ter acesso aos recursos educacionais, culturais, espirituais e de lazer
da sociedade.

99
Direitos da pessoa humana e da pessoa idosa,
em particular Direitos dos Idosos
• INFORMAÇÃO
• A informação deve ser
transmitida ao idoso de
uma forma simples, clara e
numa linguagem
adequada, de modo a que
esta a possa compreender
perfeitamente.

100
Direitos da pessoa humana e da pessoa idosa,
em particular Direitos dos Idosos
• ALIMENTAÇÃO
• a pessoa idosa tem direito a
receber pensão de alimentos
dos filhos ou outros
descendentes desde que não
possuam meios próprios de se
sustentar.

101
Direitos da pessoa humana e da pessoa idosa,
em particular Direitos dos Idosos
• DIGNIDADE
• Poder viver com dignidade e
segurança, sem ser objeto de
exploração e maus-tratos
físicos e/ou mentais.
• Ser tratado com justiça,
independentemente da
idade, sexo, raça, etnia,
deficiências, condições
económicas ou outros
fatores
102
O Agente em Geriatria e a morte
• Sendo impossível evitar a morte, é, no entanto, possível
tornar a vida da pessoa que está a morrer o mais agradável e
significativa.
• o agente de geriatria desempenha um papel fundamental no
acompanhamento na morte, ou no auxílio à ultrapassagem
do luto.
• o agente de geriatria deve transmitir serenidade e paz
interior ao idoso

103
O Agente em Geriatria e a morte
• O final da vida é um momento
em que o respeito pela
privacidade e a dignidade é
indispensável.
• O residente deve estar num
quarto próprio e rodeado dos
seus pertences e de familiares
e amigos, a não ser que haja
razões médicas muito fortes
que o impeçam, ou que o
próprio não o deseje
104
O Agente em Geriatria e a morte
• É evidentemente impossível,
evitar a morte; é, no entanto,
possível tornar a vida dos idosos
mais rica e mais agradável.
• Se as pessoas de idade não
tiverem outra escolha senão
morrer numa instituição, é
preciso então conseguir os meios
necessários para satisfazer as suas
necessidades físicas e psicológicas
e ajudar os seus familiares e
amigos
105
O Agente em Geriatria e a morte
• A agente de geriatria
deve conhecer as
diferentes fases do
processo (morte e luto)
e tornar-se sensível às
diferentes
manifestações próprias
de cada uma das fases.

106
Fases do processo de luto
• Estádio 1 – Negação
• A pessoa que está a morrer recusa-se a aceitar que vai
morrer.
• O isolamento surge quando os amigos e até a família
começam a evitar a pessoa, por não se sentirem à vontade
com ela.
• Para a pessoa que está de luto, o sentimento também é de
negação. Existe um adormecimento ou atordoamento que
é uma forma de proteção, já que evita reconhecer a
extensão do sofrimento e das suas consequências.

107
Fases do processo de luto
• Estádio 2 – Raiva
• A pessoa pode desenvolver, com mais ou menos justiça, a
ideia de que os outros não se importam e que aproveitam a
vida enquanto ele sofre.
• Para quem perdeu alguém, o desejo de recuperar a pessoa
amada leva a comportamentos de busca incessante. A
impossibilidade de essa busca ser bem-sucedida agrava os
sentimentos de revolta.

108
Fases do processo de luto
• Há uma tendência para projetar essa revolta no meio
envolvente: médicos, enfermeiras, colaboradores da
estrutura residencial, família, amigos, podem ser vítimas de
uma agressividade injustificada, que não devem alimentar,
mas que devem compreender no seu contexto.

109
Fases do processo de luto
• Estádio 3 – Depressão
• A pessoa que está a morrer ou de luto sente-se muito triste
e talvez mesmo deprimida. É uma parte natural do processo
• A depressão pode ser reativa, quando diz respeito a perdas
passadas (o que se fez ou não fez, o que se disse, o emprego,
os hobbies, a mobilidade) ou preparatória, se se refere a
perdas que hão-de vir (acontecimentos futuros, a vida que
ainda esperava viver).

110
Fases do processo de luto
• A depressão inclui raiva, tristeza e
sentimentos de culpa, porque o
conflito entre o desejo de ter de
volta a pessoa que se ama e a
frustração de não o conseguir leva
ao desespero.
• A obsessão por essa tarefa utópica
diminui ou anula as capacidades
de investir noutras atividades. O
mundo fica como que fora de
contexto e o indivíduo sente-se
desintegrado.
111
Fases do processo de luto
• Estádio 4 – Aceitação
• Consiste em aceitar a finitude, quando o cansaço e a
fraqueza ultrapassam as capacidades de resistência
• Para o idoso, é a perceção de que a morte é inevitável.
Para o enlutado, é o começo do regresso à vida normal.
• O sofrimento diminui gradualmente, mas ao contrário do
que o nome possa sugerir, a aceitação não é um estádio
“feliz”, antes desprovido de sentimentos.

112
O agente de Geriatria deve:
• Dar ao idoso esperanças e não falsas esperanças;
• Encoraja-lo a manter um certo controlo;
• Ajudar a exprimir as suas emoções de desgosto;
• Ajudá-lo a encontrar um sentido para a sua vida e para a
sua morte;
• Mostrar-se disponível e permitir ao idoso falar daquilo que
vive;

113
• Estabelecer uma comunicação verdadeira e de ajuda;
• Estabelecer uma relação de empatia;
• Ajudar o idoso a conservar a autoestima;
• Dar provas de honestidade;
• Ajudar o idoso a manter as suas forças e a energia;
• Ficar junto do idoso, estar presente;
• Ajudar o idoso a manter o contacto com a realidade e a
manter-se consciente o mais tempo possível;
• Ajudar o idoso a satisfazer as suas necessidades sociais e
reforçar os laços familiares.
114