Você está na página 1de 21

Universidade Federal de Campina Grande

Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil e


Ambiental
Disciplina: Gestão Ambiental

GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL


DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Docente: Marcia Maria Rios Ribeiro


Discente: Bruna Silveira Lira

Campina Grande, Abril de 2018


INTRODUÇÃO
A crescente urbanização traz consigo a geração de produtos e de resíduos que exigem sistemas de
coleta e tratamentos complexos. Este fato pode ser considerado, na atualidade, como sendo um dos
principais problemas ambientais a serem enfrentados.

78,3 milhões
de toneladas
de RSU no
214.405 t/dia Brasil
de RSU

índice de
cobertura de
coleta de
91%

Fonte: ABRELPE, 2013


7 milhões de toneladas de
resíduos sem coleta no país
IMPORTÂNCIA DOS ATORES SOCIAIS

Um dos problemas existentes no planejamento da GRS é considerar a gestão como uma questão
técnica, como algo relacionado com obras públicas, infraestrutura e financiamento.

Esta visão normalmente resulta em planos cheios de tecnicidades, independente das condições
locais e não realista. Resulta em planos que ignoram a importância das interações sociais e o papel
específico da comunicação.

Questões
Necessidade de Tratar de todos
técnicas, sociais,
uma visão mul- os aspectos da
econômicas e
tidimensional GRS
políticas
IMPORTÂNCIA DOS ATORES SOCIAIS

Faz-se necessário avaliar a Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos a partir da proposição de
indicadores propostos por atores sociais

A avaliação torna-se ainda mais confiável na medida em que o gerenciamento de resíduos sólidos
urbanos na ótica da sustentabilidade, passa pela participação destes que vivenciam o problema e a
realidade da cidade no âmbito da relação com os resíduos sólidos
GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS
São elementos indispensáveis na composição de um modelo de gestão:

• Reconhecimento dos diversos agentes sociais envolvidos, identificando os


papéis por eles desempenhados e promovendo a sua articulação;

• Consolidação da base legal necessária e dos mecanismos que viabilizem a


implementação das leis;

• Mecanismos de financiamento para a auto sustentabilidade das estruturas de


gestão e do gerenciamento;

• Informação à sociedade, empreendida tanto pelo poder público quanto pelos


setores produtivos envolvidos, para que haja um controle social;

• Sistema de planejamento integrado, orientando a implementação das políticas


públicas para o setor.
GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL
DE RESÍDUOS SÓLIDOS
MODELO DE GESTÃO A GISRS difere da abordagem convencional da gestão de
resíduos, por buscar a participação dos interessados,
cobrindo a prevenção de resíduos e a recuperação de
recursos, promovendo uma integração de diferentes
escalas de habitat (cidade, bairro, unidade residencial).

A GISRS não trata a gestão de resíduos apenas como uma


questão técnica, mas também reconhece o fator político e
social.

De acordo com Balloussier (2015) a GISRS consiste de três


dimensões: os Interessados, os Elementos do Sistema de
Resíduos e os Aspectos do sistema de GRS

Fonte: ABRELPE, 2013 • Cada uma com importância crucial e deve ser levada em
consideração durante o Processo de Planejamento
GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL
DE RESÍDUOS SÓLIDOS
MODELO DE GESTÃO

As prioridades da gestão de resíduos são


também a base da abordagem da GISRS,
sendo prioritárias a prevenção, minimização,
reutilização, reciclagem de resíduos, outras
formas de recuperação de materiais.

Fonte: ABRELPE, 2013


GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL
DE RESÍDUOS SÓLIDOS
MODELO DE GESTÃO

A gestão integrada e sustentável de resíduos é resultado


de interações.
As forças tem impactos grandes e diretos no sistema,
sempre com relação à sua sustentabilidade.

As forças que aumentam a sustentabilidade do


sistema de gestão integrada de resíduos são
chamadas de motivadores, enquanto que as forças
que reduzem sua sustentabilidade são chamadas
de barreiras.

Fonte: ABRELPE, 2013


GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL
DE RESÍDUOS SÓLIDOS
INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE

A gestão integrada e sustentável de resíduos sólidos deve ser constantemente avaliada.

Os indicadores de sustentabilidade para a Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos (GRSU)


tornam-se instrumentos importantes para que os gestores públicos possam avaliar e
monitorar a sustentabilidade ambiental e planejar estratégias que favoreçam a melhoria na
qualidade de vida da população.

Devido à complexidade dos assuntos que abordam, normalmente é necessária uma lista
ampla e abrangente de indicadores que tenha relação com as atividades da sociedade
relacionadas com o objeto de estudo. (MILANEZ, 2002)
Quadro 1 - Matriz de indicadores de sustentabilidade para a gestão de resíduos sólidos
urbanos, segundo a dimensão política (SANTIAGO, 2012).
Quadro 2 - Matriz de indicadores de sustentabilidade para a gestão de resíduos sólidos
urbanos, segundo a dimensão tecnológica (SANTIAGO, 2012).
Quadro 3 - Matriz de indicadores de sustentabilidade para a gestão de resíduos sólidos
urbanos, segundo a dimensão econômica/financeira (SANTIAGO, 2012).
Quadro 4 - Matriz de indicadores de sustentabilidade para a gestão de resíduos sólidos
urbanos, segundo a dimensão ambiental/ecológica (SANTIAGO, 2012).
Quadro 5 - Matriz de indicadores de sustentabilidade para a gestão de resíduos sólidos
urbanos, segundo a dimensão conhecimento (SANTIAGO, 2012).
Quadro 6 - Matriz de indicadores de sustentabilidade para a gestão de resíduos sólidos
urbanos, segundo a dimensão inclusão social (SANTIAGO, 2012).
GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS
SÓLIDOS
INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE

A matriz apresentada contempla as diferentes dimensões da sustentabilidade na Gestão de


Resíduos Sólidos Urbanos (GRSU).

Pode ser utilizada como instrumento de avaliação e planejamento da GRSU, permitindo uma
visão sistêmica que considere as variáveis ambientais, sociais, culturais, econômicas,
ecológicas e de saúde pública, conforme os princípios e objetivos da Política Nacional de
Resíduos Sólidos.

Os indicadores irão variar de acordo com a região/necessidades locais


MODELOS DE GESTÃO
Síntese de modelos para estruturação de avaliação da GRSU

(Pereira, 2014)
MODELOS DE GESTÃO
Síntese de modelos para estruturação de avaliação da GRSU (continuação)

(Pereira, 2014)
CONCLUSÃO
O sistema de gestão de resíduos de um país constitui-se num dos principais componentes de
garantia de proteção ambiental e preservação de recursos naturais que não são infinitos.

Um Sistema Integrado Sustentável de Resíduos Sólidos Urbanos (SISRSU) deve prover uma
estrutura básica que permita selecionar tecnologias apropriadas para a gestão e para o
desenvolvimento de um sistema sustentável de resíduos urbanos.

É necessário em um processo com participação social e educação ambiental, a contribuição


dos municípios e de todos os protagonistas sociais interessados na questão para a
implementação da GISRS, visando seu desenvolvimento, bem como sua avaliação.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• ABNT– Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10004 – Resíduos Sólidos – Classificação. 2004.
• ABRELPE. Resíduos Sólidos: Manual de Boas Práticas no Planejamento. São Paulo: Secretaria do Meio
Ambiente do Estado de São Paulo, 2013. 108 p.
• BALLOUSSIER, A. D. A. Sustentabilidade na gestão de resíduos. Notas de Aula. 46 p. 2015.
• DIAS, S.M.F. (2009) Proposição de uma matriz de indicadores de sustentabilidade em gestão integrada
de resíduos sólidos urbanos e sua aplicação em um estudo de caso. 58f. Monografia (Progressão de
carreira no magistério superior) - Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana.
• KEILA GISLENE QUERINO DE BRITO BELTRÃO. Resíduos sólidos: Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos.
Salvador: Recesa, 2008.
• MILANEZ, B. Resíduos sólidos e sustentabilidade: princípios, indicadores e instrumentos de ação. 2002.
207 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.
• SANTIAGO, Leila Santos; DIAS, Sandra Maria Furiam. Matriz de indicadores de sustentabilidade para a
gestão de resíduos sólidos urbanos. Feira de Santana: Universidade Federal de Feira de Santana, 2012.
• STRAUCH, M. Gestão de recursos naturais e resíduos. In: STRAUCH, M.; ALBUQUERQUE, P.P. Resíduos:
como lidar com recursos naturais. São Leopoldo: Oikos, 2008, p. 29-82.
Universidade Federal de Campina Grande
Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil e
Ambiental

GESTÃO DE RESÍDUOS
SÓLIDOS
Bruna Silveira Lira
brunaslira@gmail.com

Campina Grande, Abril de 2018