Você está na página 1de 13

A cadeia de valores e a vantagem

competitiva

Jean Philippe Révillion

Baseado na obra Vantagem


Competitiva de M. PORTER (1989)
“Toda empresa é uma reunião de
atividades que são executadas
para projetar, produzir,
comercializar, entregar e
sustentar seu produto “
Atividades de apoio
Infra-estrutura da empresa
Gerência de RH
Desenvolvimento de tecnologia M
Aquisição A
R
G
Marketing
Logística Logística E
Produção & Serviço
interna externa
vendas M

Atividades primárias
A Cadeia de Valores Genérica
O Sistema de Valores (Cadeia Produtiva):
Cadeia de valores
do(s) fornecedor(es)

Cadeia de
Cadeia de valores da
valores do
Empresa
consumidor
Cadeia de
valores dos
canais
Definição da Cadeia de Valores:

 São as atividades relevantes de uma


empresa:
 a) atividades que representam custos
importantes
 b) atividades que podem diferenciar a
empresa das outras
“A cadeia de valor não é uma
coleção de atividades
independentes e sim um sistema
de atividades inter-dependentes”
“O modo como cada atividade é
executada, combinado com seu custo,
determinará se uma empresa tem custo
alto ou baixo em relação à
concorrência. O modo como cada
atividade de valor é executada também
irá determinar sua contribuição para as
necessidades do comprador, e assim,
para a diferenciação”
“As atividades de valor são,
portanto, os blocos de construção
distintos da vantagem
competitiva. Uma comparação
das cadeias de valores dos
concorrentes expõe as diferenças
que determinam a vantagem
competitiva”
“O valor, e não o custo, deve ser
usado na análise da posição
competitiva de uma empresa”
“Direcionadores são os
determinantes estruturais do
custo de uma atividade e as
razões subjacentes pelas quais
uma atividade é singular”
Direcionadores:
• Economias ou deseconomias de escala
• Padrão de utilização da capacidade
• Elos
• Inter-relações
• Aprendizagem
• Oportunidade
• Localização
• Fatores institucionais
• Integração
• Política de compras
• Políticas discricionárias
Políticas discricionárias:
 Características, desempenho e configuração do produto
 Mix e variedade de produtos oferecidos
 Nível de serviço oferecido
 Índice de gastos com atividades de marketing e
desenvolvimento de tecnologia
 Tempo de entrega
 Compradores atendidos (pequenos x grandes)
 Canais empregados (grande varejo x pequeno comércio)
 Tecnologia de processo
 Especificidades de matérias-primas e insumos
 Política de recursos humanos
 Gestão da produção
Grupos estratégicos do segmento agroindustrial processador de leite UHT do Rio Grande
do Sul, estratégias genéricas e principais direcionadores explorados.
Grupos Estratégicos: Agroindústrias de grande Agroindústrias de Agroindústrias de
capacidade de média capacidade pequena
processamento, líderes na de processamento, capacidade de
adoção da tecnologia UHT seguidoras na processamento,
adoção da inovadoras de
tecnologia UHT processo/produto

Estratégias genéricas: Liderança Enfoque Diferenc. Liderança Enfoque Diferenciação


em custos em custos
Direcionadores:
Economias de escala X X
Utilização da capacidade X X
Elos X X
Inter-relações:
Tangíveis X X
Intangíveis X
Entre setores X
Integração X
Oportunidade X X
Localização X X
Fatores institucionais
Custo de insumos X
Aprendizagem X X
Políticas arbitrárias
Características X
produto/processo
Mix e variedade X
produtos
Gastos com X
marketing
Seleção dos canais X
de distribuição
empregados
Fonte: elaborado pelo autor.