Você está na página 1de 21

ENSAIOS DE CAMPO PARA DETERMINAÇÃO

DE PERMEABILIDADE DOS SOLOS

Disciplina: Percolação e Adensamento


Professor: J.F.T.Jucá

Discente: Bruno Diego de Morais


INTRODUÇÃO

Definição:

O ensaio de permeabilidade em furos de sondagens consiste na


medida da vazão, representada pelo volume de água absorvido ou
retirado, durante um intervalo de tempo, em função da aplicação
de diferenciais de pressão induzida por colunas d’água, resultante
da injeção ou da retirada de água do furo.

Manual de Sondagens 5ª Edição. ABGE (2013).


INTRODUÇÃO

Os ensaios, de permeabilidade em solos são correntemente


realizados em Geologia de Engenharia e Ambiental com a finalidade
de se determinar os coeficientes de permeabilidade dos terrenos
objeto de estudos para implantação ou consolidação de obras civis
e/ou projetos ambientais. São realizados com frequência em locais
de projetos de barragens, de túneis, para implantação de aterros
sanitários, para investigação em áreas contaminadas, etc.

ABGE. Ensaios de permeabilidade em solos: orientações para sua execução no campo. Boletim, n. 4, 2013.
INTRODUÇÃO

De acordo com Pinto (2000):

• Os ensaios de campo são menos precisos do que os de


laboratório;

• Entretanto, eles se realizam no solo em sua situação real;

• Os ensaios de laboratório são precisos no que se refere à


amostra ensaiada, mas muitas vezes as amostras não
representam bem o solo.
INTRODUÇÃO
Entretanto, segundo Massad (2010):

• Os ensaios in situ podem se tornar indispensáveis quando as


amostragens indeformadas são difíceis de obter, como é o caso das
areias e dos solos extremamente moles.

• Porém, antes de realizar um ensaio in situ o engenheiro deve ter uma


ideia do subsolo, tornando assim, necessário a execução de
Sondagens de Simples Reconhecimento.

• Para conhecer os tipos de solos que compõem as camadas, sua


compacidade ou consistência e a posição do lençol freático.
INTRODUÇÃO
De acordo com GEOLOGIA (20--), a interpretação dos ensaios baseia-
se em certas hipóteses simplificativas:
1. O escoamento é laminar (para aplicação da lei de Darcy);
2. O meio é isotrópico e homogêneo;
3. O regime de escoamento é permanente.

Nestas condições, a vazão é proporcional à permeabilidade,


caracterizada pelo coeficiente k, e à carga hidráulica h :
Q = k.C.h
em que C é um coeficiente característico da forma da cavidade.
CLASSIFICAÇÃO DO ENSAIOS
ENSAIO DE LEFRANC

• É o ensaio mais utilizado na determinação da


permeabilidade “in situ”;

• É realizado em furos de sondagem ou no decorrer deste;

• É feito normalmente a diversas profundidades.

• Consiste em introduzir ou bombear água numa cavidade;

• Pode ser feito com carga hidráulica constante ou variável.


ENSAIO DE PERMEABILIDADE IN SITU - CLASSIFICAÇÃO

MANEIRA DE PRESSÃO DENOMINAÇÃO MÉTODO DE


RECOMENDAÇÃO
UTILIZAÇÃO APLICADA DOS ENSAIOS PROSPECÇÃO

Sondagens, poços e
Carga (positivo) Infiltração Solos permeáveis
NÍVEL cavas
CONSTANTE Sondagens
Descarga (negativo) Bombeamento Solos permeáveis
e poços
Sondagens Solos de baixa
Carga (positivo) Rebaixamento
e poços permeabilidade
NÍVEL VARIÁVEL
Ensaio de Sondagens Solos de baixa
Descarga (negativo)
Recuperação e poços permeabilidade

Oliveira e Corrêa Filho (1996)


ENSAIO DE PERMEABILIDADE IN SITU - CLASSIFICAÇÃO

MANEIRA DE PRESSÃO DENOMINAÇÃO MÉTODO DE


RECOMENDAÇÃO
UTILIZAÇÃO APLICADA DOS ENSAIOS PROSPECÇÃO

Sondagens, poços e
Carga (positivo) Infiltração Solos permeáveis
NÍVEL cavas
CONSTANTE Sondagens
Descarga (negativo) Bombeamento Solos permeáveis
e poços
Sondagens Solos de baixa
Carga (positivo) Rebaixamento
e poços permeabilidade
NÍVEL VARIÁVEL
Ensaio de Sondagens Solos de baixa
Descarga (negativo)
Recuperação e poços permeabilidade

Oliveira e Corrêa Filho (1996)


CARGA HIDRÁULICA CONSTANTE
CARGA HIDRÁULICA CONSTANTE

Os ensaios a nível constante são realizados através da


manutenção do nível d’agua num furo de sondagem,
poço ou trincheira, numa posição constante ao longo de
toda duração do ensaio.

Infiltração

NÍVEL CONSTANTE

Bombeamento
CARGA HIDRÁULICA CONSTANTE - INFILTRAÇÃO

• Neste caso é aplicada uma carga


(constante), medindo-se a vazão
injetada necessária para
manutenção do nível d’água
constante;

• A carga hidráulica é dada pela altura


de água no furo acima do nível
freático.
CARGA HIDRÁULICA CONSTANTE - INFILTRAÇÃO

Medidas para evitar erros:

1. Garantir com boa aproximação a forma da cavidade,


preferencialmente cilíndrica;

2. Permitir o afluxo de água ao maciço sem grandes


perdas de carga, introduzindo seixo grosso no trecho
final do furo;
CARGA HIDRÁULICA CONSTANTE - BOMBEAMENTO

• Neste caso, o aquífero é


descarregado, medindo-se a
vazão bombeada necessária para
manter constante o nível d’água
rebaixado, sempre na mesma
posição.

Observação: Realizado na porção


situada abaixo do nível freático.
CARGA HIDRÁULICA VARIÁVEL
CARGA HIDRÁULICA VARIÁVEL

Instruções: estabelecer uma coluna


d’água inicial, interromper a introdução
da água e acompanha-se o
rebaixamento do nível d’água com o
tempo.
CARGA HIDRÁULICA VARIÁVEL - REBAIXAMENTO

Instruções: estabelecer uma coluna


d’água inicial, interromper a introdução
da água e acompanha-se o
rebaixamento do nível d’água com o
tempo.
CARGA HIDRÁULICA VARIÁVEL - RECUPERAÇÃO

Instruções: bombeia-se a água até que o seu nível


esteja rebaixado o suficiente em relação ao nível freático
ou piezométrico, medindo-se, em seguida, a velocidade
de recuperação.

Observação: Realizado na porção situada abaixo do


nível freático.
ENSAIO DE PERMEABILIDADE EM MACIÇO ROCHOSO

...
REFERÊNCIAS
MASSAD, Faiçal. Obras de terra: curso básico de geotecnia. Oficina de textos, 2010.

PINTO, Carlos de Souza. Curso básico de mecânica dos solos. São Paulo: Oficina de Textos, 2000.

Manual de Sondagens 5ª Edição. Associação Brasileira de Geologia de Engenharia (ABGE), São Paulo, Brasil, 2013.

ENSAIOS IN SITU . In: GEOLOGIA DE ENGENHARIA. Portugal: Faculdade de Engenharia da Universidade do


Porto, [20--]. cap. 7, p. 7.1-7.17. Disponível em: <https://paginas.fe.up.pt/~geng/ge/apontamentos/Cap_7_GE.pdf>.
Acesso em: 17 mar. 2018.

FANTINATTI, Patricia Helena Azevedo et al. Ensaios de Permeabilidade In Situ em Solos Saturados.

ABGE-ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL. Ensaios de permeabilidade em


solos: orientações para sua execução no campo. Boletim, n. 4, 1996.