Você está na página 1de 66

Prof. Dd.

Mauro Porcu
Disciplina Psiquiatria
Departamento de Medicina – UEM
mporcu@uol.com.br
 É a disciplina científica que estuda o adoecimento
mental em todos os seus aspectos

 Causas,
 Alterações funcionais ou estruturais,
 Métodos de investigação,
 Manifestações clínicas.
 É uma disciplina autônoma, independente da psicologia,
visto que muitos fenômenos mentais patológicos não
podem ser compreendidos meramente a partir do
estudo do normal.
 Critério subjetivo.

 Critério estatístico.

 Critério qualitativo.
 Critério subjetivo

 O adoecimento está associado a sofrimento


 Critério estatístico

 Normal seria sinônimo de comum.


 Critério qualitativo

 Normal é aquilo que a sociedade considera normal.


 Psicopatologias explicativas.

 Tentam explicar as causas do adoecimento mental.

 Incluem-se, nesse grupo, as teorias e descobertas


da neurobiologia, da sociologia, etc.
 Psicopatologias descritivas.

 Estão relacionadas à descrição e classificação dos


sinais e sintomas mentais.

 Elas possuem um caráter semiológico e


propedêutico.
 Nasce em meados do século XIX, com Jean-Etienne
Esquirol, na França, e com Wilhelm Griesinger, na
Alemanha.

 O filósofo alemão Karl Jaspers, com a publicação em


1913 – empregou o método fenomenológico, criado por
Husserl, na psicopatologia.
 Psicopatologia fenomenológica de Jaspers

◦ Uso da capacidade empática do examinador para


compreender as vivências subjetivas do paciente, que
são o foco da investigação psicopatólogica.
 Psicopatologia
 É a disciplina científica que fundamenta a
psiquiatria,
 Utiliza conhecimento de diversas outras áreas do
saber
 Neurociências,
 Ciências sociais,
 Filosofia, etc.
 Semiótica ou semiologia médica

 É o estudo da investigação e identificação das


manifestações clínicas das doenças.

 Os signos da medicina e, particularmente, da


psicopatologia são os sinais e sintomas.
 SINAIS – são objetivos

 Observados por outras pessoas além do paciente.

 Ex. – manchas na pele, taquicardia, agitação


psicomotora, solilóquio, logorreia, flexibilidade cérea.
 SINTOMAS – são subjetivos

 Só podem ser percebidos diretamente pelo próprio


paciente.

 Ex. – dor, mal-estar, alucinações auditivas,


ansiedade e idéias delirantes.
 EXAME MENTAL.

 EXAME DO ESTADO MENTAL.

 EXAME PSICOPATOLÓGICO.

 EXAME PSIQUIÁTRICO.
Identificação História familiar
Queixa principal Exame psíquico
Motivo do atendimento Súmula psicopatológica
História da doença atual Exame físico
História patológica pregressa Exames complementares
História fisiológica Diagnóstico sindrômico
História pessoal Diagnóstico nosológico
História social Conduta terapêutica
 Constitui a descrição das alterações psicopatológoicas
observadas pelo examinador durante a entrevista
psiquiátrica.

 Ele é sempre atual, ou seja, refere-se ao que está


acontecendo naquele momento.
 Informações fornecidas pelo paciente sobre seu
comportamento ou vivências subjetivas não entram no
exame psíquico, e sim na história, a não ser que essas
manifestações se repitam diante do psiquiatra e sejam
objetivamente detectadas por ele.

 Dessa forma, o exame psíquico é análogo ao exame


físico.
 Os achados do exame psíquico são resumidos na
súmula psicopatológica, que é uma lista das alterações
psicopatológicas, organizadas de acordo com as
funções psíquicas.

 Na súmula psicopatológica, diferentemente do exame


psíquico, são usados termos técnicos, as designações
corretas de cada alteração psicopatológica.
Aparência Imaginação
Atitude Conação
Consciência (vigilância) Psicomotricidade
Atenção Pragmatismo
Sensopercepção Humor e afetividade
Memória Orientação alopsíquica
Linguagem Consciência do eu
Pensamento Prospecção
Inteligência Consciência de morbidade
 Na prática, as funções psíquicas são avaliadas
simultaneamente, e não segundo a ordem em que as
informações são redigidas.

 Assim, não se avalia primeiro a consciência (vigilância),


depois a atenção, depois a sensopercepção e assim por
diante.
 Quando por exemplo, o paciente responde que foi internado,
observa-se, ao mesmo tempo, além da questão da consciência de
morbidade

 Se ele está inteiramente desperto (consciência),


 Se prestou atenção à pergunta.
 Que palavras está utilizando (linguagem),
 Como organiza seu pensamento,
 Se fala de forma alegre, triste ou irritada (humor e afetividade)
etc.
 Funções cognitivas

 Consciência (vigilância),
 Atenção,
 Memória,
 Sensopercepção,
 Linguagem,
 Pensamento,
 Inteligência,
 Imaginação,
 Orientação alopsíquica,
 Consciência do eu.
 Funções afetivo-volitivas

 Conação,
 Psicomotricidade,
 Afetividade.
 Refere-se aos aspectos mais gerais da apresentação do paciente
 Cuidados com a higiene e
 cuidados estéticos relativos ao corpo,
 Cabelos,
 Barba,
 Unhas,
 Dentes,
 Roupas,
 Adereços,
 Maquiagem.
DESCUIDADA
BIZARRA (extravagante ou excêntrica)
exibicionista
 Representa o comportamento básico do paciente em
relação à entrevista ou ao entrevistador.
Não cooperante Irônica

De oposição Lamuriosa

Hostil Dramática

De fuga Teatral

Suspicaz Sedutora

Querelante Pueril

Reinvindicativa Gliscroide

Arrogante Simuladora

Evasiva Indiferente

Invasiva Manipuladora

De esquiva Submissa

Inibida Expansiva

Desinibida Amaneirada

Jocosa Reação de último momento


 No sentido de vigilância.

 Representa estar acordado, desperto, alerta ou com o


sensório claro.
QUANTITATIVAS QUALITATIVAS
Rebaixamento estreitamento
obnubilação simples
obnubilação oniróide
coma
 Função psíquica responsável pelo direcionamento da
consciência, pela concentração da atividade mental em
um determinado objeto.
QUANTITATIVAS QUALITATIVAS
Hipoprosexia Rigidez da atenção
Aprosexia Labilidade da atenção
 Primeira etapa da cognição.

 Relacionada à captação e à integração dos estímulos


 Internos e externos.

 Reconhecimento dos objetos.


QUANTITATIVAS QUALITATIVAS
AGNOSIA ILUSÃO
HIPERESTESIA PAREIDOLIA
HIPOESTESIA ALUCINAÇÃO
- Alucinação verdadeira
- pseudoalucinação
- alucinose
Anestesia Sinestesia
Alucinação negativa
Macropsia
Micropsia
dismegalopsia
 Relacionada

 à aquisição e,
 ao armazenamento de informações sobre o mundo e,
 de uma forma geral, ao aprendizado.
QUANTITATIVAS
QUANTO AO TEMPO
- amnésia ou hipomnésia anterograda (de fixação),
- hipermnésia anterógrada (de fixação),
- amnésia ou hipomnésia retrógrada (de evocação),
- hipermnésia retrógrada (de evocação),
- amnésia ou hipomnésia retroanterógrada.
QUANTO À EXTENSÃO E CONTEÚDO
- amnésia ou hipomnésia generalizada,
- amnésia ou hipomnésia lacunar (localizada),
- hipermnésia ou hipomnésia seletiva (sistemática),
- hipermnésia seletiva (sistemática).
QUALITATIVAS
Alomnésia
Paramnésia
Déjà vu
Jamais vu
Criptomnésia
ecmnésia
 Constitui um sistema de signos

 Fonéticos ou gráficos, ou seja, as palavras,

 Funciona como um elo entre o pensamento e o


mundo externo,

 Veículo de comunicação entre as pessoas.


Quantitativas Qualitativas

Afasia ecolalia
- motora (expressiva, de Broca), - sensorial (recpetiva, de Wernicke),
- de condução, - global, - transcortical, - anômica.

Agrafia Palilalia

Alexia Logoclonia

Aprosódia ou hipoprosódia Estereotipia verbal (verbigeração)

Mutismo Mussitação

Logorréia Neologismo

Oligolalia Jargonofasia (salada de palavras)

Hiperfonia Parafasia
- literal (fonêmica),
- verbal (semântica).

Hipofonia Solilóquio

Taquilalia Coprolalia

Bradilalia Glossolalia

Latência de resposta aumentada Pedolalia

Latência de resposta diminuída Pararresposta

Resposta aproximada
 Representa vivência subjetiva –

 Idéias ou imagens

 Relacionadas à antecipação de acontecimentos,

 A construção de modelos da realidade.


 Atributos fundamentais

 A compreensão intelectiva,
 A ideação,
 A imaginação,
 A associação de idéias ou de representações.
 Suas atividades primordias

 A elaboração de conceitos,
 A formação de juízos,
 O raciocínio.
QUANTITATIVAS
CURSO
- aceleração do pensamento,
- alentecimento (inibição) do pensamento,
- interrupção (bloqueio) do pensamento.
Qualitativas
Forma Conteúdo
- fuga de idéias, - concretismo
- desagregação (pensamento empobrecido),
(dissociação, - idéias delirantes (delírio
descarrilamento), primário),
- prolixidade, - idéia deliroide (delírio
- minuciosidade, secundário),
- perseveração. - idéia sobrevalorada
(prevalente).
 Relacionada à resolução de problemas,

 À adaptação ao ambiente,

 Envolvendo a avaliação de novas situações,

 Elaboração adequada de planos para se alcançar


determinado objetivo.
Quantitativas
Desenvolvimento deficiente
Deterioração intelectiva
 Capacidade

 de criar novos conceitos ou,


 novas associações entre conceitos, e
 imagens já existentes.
Quantitativas
Exacerbação da imaginação
Inibição da imaginação
 Conjunto de atividades mentais

 Direcionadas à ação,

 Compreendendo,
 os impulsos, e
 a vontade.
QUANTITATIVAS QUALITATIVAS
Hipobulia Ato impulsivo
Enfraquecimento Ato compulsivo
Hiperbulia Comportamento desviante em relação
aos impulsos
Intensificação do impulsos Ambitendência (ambivalência volitiva)
Negativismo
Reação do último momento
Sugestionabilidade patológica
Obediência automática
 Corresponde à atividade motora voluntária.
QUANTITATIVAS QUALITATIVAS
Apraxia Ecopraxia
Hipocinesia (inibição psicomotora) Estereotipia
Acinesia (estupor) Maneirismo
Hipercinesia (exaltação psicomotora) Flexibilidade cerácea
Interceptação cinética
Perseveração motora
 Capacidade de realizar ou colocar em prática aquilo que
foi planejado.
QUANTITATIVAS
Hipopragmatismo
apragmatismo
 Representa os estados psíquicos subjetivos

 prazerosos ou desagradáveis,
 positivos ou negativos.

 Os afetos – emoções –

 consequência direta da satisfação ou não dos impulsos.


QUANTITATIVAS
Exaltação afetiva
Embotamento afetivo
QUALITATIVAS
Modulação Conteúdo
- labilidade afetiva, - paratimia,
- incontinência afetiva, - ambitimia (ambivalência
- rigidez afetiva. afetiva),
- neotimia.
 Capacidade de se situar em relação

 ao ambiente, particularmente ao tempo,


 ao espaço,
 à situação e,
 às outras pessoas.
QUANTITATIVAS QUALITATIVAS
Desorientação confusional Falsa orientação confuso-onírica
Desorientação amnéstica Falsa orientação paramnéstica
Desorientação apática Falsa orientação delirante
Desorientação delirante Falsa orientação por estreitamento da
consciência
Desorientação por déficit intelectivo
Desorientação por estreitamento da
consciência
 Representa a capacidade de se situar em relação
a si mesmo.
 Inclui
 Existir,
 Ser o sujeito das próprias vivências,
 Ser único e indivisível,
 Ser o mesmo com o passar do tempo,
 Ser distinto e separado do mundo externo.
QUANTITATIVAS QUALITATIVAS

Alterações da consciência da existência do eu Alterações da consciência da atividade do eu


- consciência da existência do eu diminuída, - roubo do pensamento,
- consciência da existência do eu abolida, - imposição (inserção) do pensamento,
- consciência da existência do eu aumentada. - sensações corporais impostas,
- interceptação cinética,
- interceptação da atenção.
Desorientação autopsíquica Alterações da consciência da unidade do eu
- dupla orientação autopsíquica.
Alterações da consciência da identidade do eu
- falsa orientação delirante,
- despersonalização.
Alterações da consciência dos limites do eu
- transitivismo,
- apropriação,
- publicação (divulgação) do pensamento.
 Relacionada à expectativa

 quanto ao futuro,

 à capacidade de elaborar projetos e

 planos.
QUANTITATIVAS QUALITATIVAS
Planos ausentes Planos inadequados ou
inexequíveis
 Capacidade

 de o indivíduo compreender que está doente e

 que sua doença é mental.


QUANTITATIVAS
Consciência de morbidade ausente
Consciência de morbidade parcial