Você está na página 1de 60

LOGÍSTICA MOD 01

Professor David Lima


davidlimapos@hotmail.com

1
DINÂMICA INICIAL
 Dinâmica - apresentações

 Mensagem para a aula de hoje: O bambu e a samambaia. ..\..\..\GRUPO


DEPA CURSOS\DINÂMICAS\A SAMAMBAIA E O BAMBU.doc

 Mensagem para os futuros empreendedores: Empreendedorismo.


..\..\..\..\Videos\VIDEOS SOBRE EMPREENDEDORISMO\Waldez Ludwig -
O fim do emprego e o empreendedorismo.avi
 Mensagem para os futuros empreendedores: Motivação.
..\..\..\..\Videos\VIDEOS SOBRE EMPREENDEDORISMO\O melhor vídeo
de motivação a liderança.avi

2
CURRÍCULO DO PROFESSOR
 Formação:
 Mestrado - Previsão de inicio em Junho de 2011
 Pós-graduação em Gestão Estratégica de Negócios - Faculdade Estácio de Sá de
Ourinhos/INBRAPE
 Graduação em Administração de empresas - Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos

 Experiência Profissional:
 Empresa: Grupo Depa Cursos
 Cargos: Proprietário e professor (2010 e 2011)

 Empresa: Senai – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial


 Cargo: Professor e Consultor Empresarial (2009 e 2010)

 Empresa: CENAIC – Centro Integrado de Cursos / Piraju/SP


 Cargo: Professor (2008)

3
OBJETIVOS PROPOSTOS
 Analisar processos logísticos;
 Conhecer e entender a cadeia de abastecimento;
 Compreender o gerenciamento logístico – Supply Chain
Management;
 Analisar os principais fluxos da cadeia de suprimentos;
 Compreender as estratégias da cadeia de suprimentos;
 Entender os processos da cadeia de suprimentos;
 Analisar os impactos da cadeia de suprimentos na
economia mundial;

4
Conteúdo Programático
 Unidade I: Introdução à Gestão de Suprimentos
 A evolução histórica da gestão de fluxos de material

 Definição de Logística

 Missão e competência logística

 Os processos que envolvem a logística

 A responsabilidade operacional logística

 Centros de distribuição

 Sistemas da cadeia de suprimentos

 Forças que afetam a cadeia de suprimentos

 As linhas de suprimentos e suas expectativas

 Logística Reversa

 Funções Típicas de Suprimentos

 Relações de Suprimentos com as demais Funções da Empresa 5


Avaliação

 Trabalhos para apresentações – 3 pontos


 Trabalhos em sala – 1 ponto
 Avaliação final – 6 pontos

6
A evolução histórica da gestão da cadeia
de abastecimento

 Até a década de 40 o mundo empresarial era


caracterizado por:
 * Alta produção;
 * Baixa capacidade de distribuição;
 * Despreocupação com custos;
 * Inexistência do conceito de logística empresarial

7
Surge o conceito de Logística empresarial

 De 1950 a 1965 surge o conceito de logística empresarial,


motivado por:

* Uma nova atitude do consumidor;


* Pelo desenvolvimento da análise de custo total;
* Pelo início da preocupação com os serviços ao cliente e
de maior atenção com os canais de distribuição

8
O conceito consolida-se!

 De 1965 a 1980:
 * Consolidação de conceitos;
 * Colaboração decisiva da logística no esforço para
aumentar a produtividade, visando compensar o
aumento dos fretes, conseqüência:
 * Crescimento dos custos da mão-de-obra;
 * Crescimento dos juros internacionais.

9
A Logística se desenvolve!

 Após 1980:
 * Desenvolvimento revolucionário da logística decorrente
das demandas ocasionais:
 * Pela globalização;
 * Pelas alterações estruturais na economia mundial;
 * Pelo desenvolvimento tecnológico;

10
A evolução histórica da gestão da cadeia
de abastecimento

 A evolução da logística empresarial tem início a partir de


1980, com as demandas decorrentes da globalização,
alteração estrutural da economia mundial e
desenvolvimento tecnológico, tendo como conseqüência
a segmentação da logística empresarial em três grandes
áreas:
 Administração de Materiais
 Movimentação Física
 Distribuição Física

11
Definição de Logística
 Logística
 Pode-se definir logística como sendo a junção de
quatro atividades básicas as de aquisição,
movimentação, armazenagem e entrega de
produtos. Para que essas atividades funcionem, é
imperativo que as atividades de planejamento
logístico, quer sejam de materiais ou de
processos, estejam intimamente relacionadas
com as funções de manufatura e marketing.

12
O termo Logística:

 O termo Logística, de acordo com o Dicionário Aurélio,


vem do francês logistique e tem como uma de suas
definições a parte da arte da guerra que trata do
planejamento e da realização de: projeto e
desenvolvimento, obtenção, armazenamento,
transporte, distribuição, reparação, manutenção e
evacuação de material (para fins operativos ou
administrativos).

13
COMPETÊNCIA LOGÍSTICA
 A competência Logística de uma empresa
esta relacionada com sua capacidade de
fornecer aos seus clientes produtos e
serviços ao menor custo possível.
 Envolve todas as etapas e processos vistos
anteriormente.

14
MISSÃO DA LOGÍSTICA

 A missão da Logística é satisfazer as


necessidades dos seus clientes, facilitando
as operações de produção e marketing
(MKT).
 Ex: Cerveja dos EUA para o Japão –
fabricação recente-maior o valor agregado-
maior o preço de mercado.

15
O QUE ENVOLVE A
LOGÍSTICA?
 A integração de informação;
 Serviço ao cliente;
 Previsão de vendas;
 Armazenagem;
 Transportes;
 Gestão de estoques;
 Suprimentos;
 Análise de localização
 Embalagem
 Controle de produtos devolvidos
 Recuperação e descarte de sucata
 Manutenção de informações
 Estas tarefas combinadas, faz do Gerenciamento integrado da 16

logística uma profissão desafiadora e compensadora.


O desafio da Logística?
 Dentro das empresas a Logística deve
coordenar o conhecimento específico de
cada área em uma competência integrada
em favor ao cliente.

 A estratégia logística deve assumir a


iniciativa de ampliar as fronteiras
empresariais para facilitar o relacionamento
da cadeia de suprimentos.
17
RESPONSABILIDADE
OPERACIONAL DA LOGÍSTICA
 Relacionada com a disposição de:
 Matérias-primas;
 Produtos semi-acabados;
 Estoques de produtos semi-acabados ou
acabados;
 Logística-produção-marketing (MKT)
 Nos lugares endereçados.

18
Exemplo Logístico
 As maiores redes de supermercados:
 Carrefour – França;
 Pão de açúcar – Brasil e França;
 Wal-Mart – Estados Unidos;

 TODAS ESTÃO LIGADAS A UM C.D


(CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO)
 Veja a figura a seguir:
19
Centro de distribuição
1

7 3
C.D
5

20
SISTEMAS DA C.S

Sistema Sistema
centralizado descentralizado

 SUPRIMENTOS USUÁRIOS
Programar a
Identificar e entregar
avaliar Autorizar as
fornecedores entregas
Negociar Estocar
Credenciar materiais
monitora Pequenas
compras
21
Logística é a chave do
sucesso empresarial!

 Existem diversos tipos de organização, sejam privadas


ou públicas, que se utilizam dos serviços logísticos,
como empresas manufatureiras, empresas de
transporte, empresas alimentícias, Forças Armadas,
serviços postais, distribuição de petróleo, transporte
público e muitas outras.
 Logística é a chave de muitos negócios por muitas
razões, entre as quais incluímos o alto custo de
operação das cadeias de abastecimento.

22
Logística na atualidade
 Atualmente as organizações são desafiadas a
operar de forma eficiente e eficaz para garantir
a continuidade de suas atividades, o que as
obriga a constantemente desenvolver
vantagens em novas frentes de atuação.
 As demandas impostas pelo aumento da
complexidade operacional e pela exigência de
maiores níveis de serviço pelos clientes, mas
que anseiam por preços declinantes, servem
de exemplo aqui.
23
Logística: a questão?

 Surge uma questão: como agregar mais


valor e, ao mesmo tempo, reduzir os
custos, garantindo o aumento da
lucratividade?

24
CADEIA DE SUPRIMENTOS
 Definição:
 Cadeia de Suprimentos define-se como: a
integração dos processos do negócio desde o
usuário final até os fornecedores originais que
proporcionam os produtos, serviços e
informações, a fim de agregar valor para o
cliente.

25
Outros nomes para cadeia de
suprimentos
 Cadeia de Suprimentos = Logística
Empresarial.
 Outros termos para cadeia de suprimentos:
 Rede de valor;
 Corrente de valor;
 Logística enxuta;

26
Cadeia de abastecimento
integrada

Conceitos e
definições

Elementos Entendendo a cadeia


principais de abastecimento Importância

Alinhamento
estratégico
27
Características da cadeia de
abastecimento integrada
 Localização das organizações:
 Facilitando o transporte para o fornecedor e o cliente;
 Distribuição física:
 Recepção dos materiais, a conversão para produto final
e distribuição (pode ser feito no mesmo local);
 Administração de estoques:
 As diferentes etapas do estoques, materiais, produto
semi-acabado, produto acabado e produto com valor
agregado;

28
Características da cadeia de
abastecimento integrada
 Modo de transporte:
 Depende das vantagens e desvantagens de cada tipo de
transporte, do alcance, das condições e confiabilidade , custos;
 Fluxo de informação:
 O fluxo relaciona-se com o processamento de pedidos, previsão
de vendas, planejamento da produção, compras, capacidades,
armazenagem, manuseio, T.I – confiabilidade;
 Estimativas:
 Melhores estimativas correspondem a melhores níveis de
serviços;
 Relacionamentos:
 Dependendo do modelo de relacionamento, pode criar a
vantagem competitiva;

29
FORÇAS QUE AFETAM A C.S

Competição
Influência Informação e
intensa
comunicação

Cadeia de Culturas e
Globalização abastecimento regras
governamentais

Mercado e
demanda Meio ambiente

30
Importância da Cadeia de
Suprimentos

 A Gestão da Cadeia de Suprimentos visa


integralizar seus membros, contudo sem
verticalização, pois cada organização continua
com o foco em seu negócio principal.

31
Fim da cadeia de
abastecimento
 A cadeia de suprimentos encerra-se somente
quando o produto tornar-se obsoleto, pois se
apresentar defeito ou outra avaria, deve fazer
todo ou parte do canal logístico reverso de
volta para a origem para reparos ou troca.
 Há empresas que tem um projeto somente
para estes casos.

32
Exemplo:
 Ex: Vamos imaginar que você comprou uma
panela. Vai para casa, vai utilizar a panela e
descobre que esta com defeito. No outro dia
você volta para a loja onde comprou. E é
reembolsado ou troca o produto, sem
maiores preocupações. E o varejista envia o
produto para o fabricante, e este o reembolsa
ou troca. E o produto vai para o concerto e é
colocado no mercado de segunda mão para
venda. 33
As linhas de suprimentos e
distribuição
 A tendência global é de uma economia
integrada. As empresas cada dia mais
buscam criar e desenvolver estratégias para
introduzirem seus produtos em mercados
internacionais;
 Esta tendência não foi apenas incentivada
pela necessidade de novos mercados, mas
também em muito pelos acordos políticos,
tais como União Européia, Mercosul e outros;
34
Exemplo da Toyota

 Possui 35 montadoras em 25 países;


 Produzem mais de 900 unidades-ano;
 Nos EUA no estado de Kentucky a empresa
utiliza o modelo de JUST-IN-TIME, trazendo
peças do Japão pelo oceano pacífico;
 Produz a média de 1000 carros-dia;
 As entregas são programadas para não ficar
em estoque; 35
PRODUÇÃO PARA A C.S
 Produção para atender níveis de estoques:
 Também chamada de sistema de produção
contínua ou produção repetitiva;

 Dentro do sistema apresentam-se as


indústrias:
 Discretas, facilidade de identificação de
lotes. Ex: TV.
 De processos, dificuldade de identificação. 36

Ex: Petróleo e derivados.


PRODUÇÃO PARA A C.S
 Produção para atender um pedido específico;
 O cliente envia o pedido e a empresa envio o
pedido dos materiais ao fornecedor;
 Tempo para a entrega mais longo em relação
ao pedido para estoques;
 Atende as especificações do clientes.
 Ex: Carros, navios. Posso escolher cor,
acessórios, motor, ect.
37
Posso unir os sistemas de
produção?
 As empresas podem utilizar-se dos dois sistemas, claro
que sem prejudicar a entrega para os clientes;
 Como fazer?
 Toda produção para estoques tem muitos itens.
 Os itens mais comuns e acessíveis não são necessários
ficar em estoques em grade quantidade;
 Os itens que demoram mais para o fornecedor entregar
estes devem ficar em estoques;
 Obs: mais interessante para o sistema de estoques.

38
Importância da C.S para a
estratégia
 As empresas investem muito para criarem
diferenciais competitivos. Uma forma de
tornar-se competitiva e ter um diferencial é
utilizar a cadeia de suprimentos como fonte
deste diferencial;
 A boa gestão da cadeia de suprimentos gera
muitos benefícios para a empresa, tais como
redução do custo e a abertura de novas
portas e consumidores;
39
Exemplo da Wal-Mart

 A Kmart e Wal-Mart em 1987 – O confronto


 A Kmart investiu em uma estrela de Hollywood para
fazer propagandas;
 A Wal-Mart investiu pesadamente em um sistema de
informação, caminhões, modernos centros de
distribuição;
 A ascensão da Wal-Mart;
 Em 2002, a Kmart pediu falência e reorganização;

40
A C.S agrega importante valor
ao cliente
 Todo e qualquer produto ou serviço perde quase todo
seu valor quando não esta ao alcance do cliente no
momento e lugar adequados;
 Quando a empresa deixa algo disponível que era então
indisponível, isso gera valor que antes não existia;
 Tipos de valor:
 Forma, tempo, Lugar e posse.
 Forma – PRODUÇÃO.
 Tempo e lugar – LOGÍSTICA.
 Posse – MAKT, ENGENHARIA E FINANÇAS.

41
As expectativas do serviço
Logístico

 Com a Internet e a rapidez dos serviços e


das entregas utilizando procedimentos como
JUST-IN-TIME, leva os clientes a cada vez
mais estarem esperando a entrega com
agilidade, conformidade e desempenho;
 Iremos rever JUST-IN-TIME, na gestão de
estoques.

42
SERVIÇO LOGÍSTICO
 O serviço Logístico é medido em termos de:
 Disponibilidade;
 Desempenho operacional e;
 Confiabilidade no serviço;

43
SERVIÇO LOGÍSTICO
 Disponibilidade: é ter estoque suficiente para
atender as necessidades de materiais e
produtos do cliente;
 Desempenho operacional: esta ligado ao tempo
entre o pedido e a entrega. Envolvendo aqui a
velocidade e consistência da entrega;
 Confiabilidade: envolve os atributos de
qualidade da Logística. A chave da qualidade é
a disponibilidade e desempenho operacional;

44
C.S E O CONSUMIDOR

Necessidade Disponibilidade

Consumidor

Preço Qualidade

45
Logística e Cadeia de
Suprimento

46
Estrutura da Cadeia de Suprimentos

Fig.1
Fonte: Stevens, G.C. “Integrating Supply Chain” - International Journal of Distribution and Materials Management, 1998
47
Logística Reversa

 Define-se como Logística Reversa, a área que planeja,


opera e controla o fluxo, e as informações logísticas
correspondentes ao retorno dos bens de pós-venda e de
pós-consumo ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo,
através dos Canais de Distribuição Reversos,
agregando-lhes valor de diversas naturezas: econômico,
ecológico, legal, competitivo, de imagem corporativa,
dentre outros.

48
Logística Reversa

 A implantação da Logística Reversa vem atender ao


público cada vez mais consciente e sensível quanto à
prevenção do meio ambiente, tanto que se tornou uma
das mais importantes decisões estratégicas face ao
crescente ambiente de competitividade presente nas
empresas modernas, que vivem em constante busca por
soluções que agreguem valor perceptível aos seus
consumidores finais.

49
Logística Reversa

 Frente a estes novos paradigmas empresariais da


logística moderna, a alta velocidade de reação garantida
por sistemas de manufatura flexíveis e de
informatização logística, como também ao alto nível de
relacionamento com os clientes e consumidores finais
criando ligações duradouras, são ações que estão
sendo adotadas na maior parte destas empresas

50
Logística Reversa

 A questão principal da Logística Reversa é a


viabilização do retorno de bens através de sua
reinserção no ciclo de produção ou de negócios e para
que isso ocorra, faz-se necessário que se desenvolva
numa primeira etapa a análise destes bens de pós-
venda e de pós-consumo no intuito de definir o estado
destes bens e determinar o processo no qual deverá ser
submetido.

51
Funções Típicas de Suprimento
 Coordenação do setor de suprimentos
 Controle da qualidade dos materiais
 Aquisição
 Controle dos dados dos fornecedores
 Expedição
 Inspeção
 Transporte
 Recebimento
 Armazenagem/estocagem
 Controle de estoques

52
Funções Típicas de Suprimento

 Coordenação do setor de suprimentos


 Planejamento da compra de materiais, estudos de
disponibilidade de materiais, estratégia de pré-pedido,
processamento / controle de requisição,
relacionamento entre diferentes setores e funções,
controle do recebimento, garantia do cumprimento
dos prazos para todas as atividades do
gerenciamento de suprimentos.

53
Funções Típicas de Suprimento
 Controle da qualidade dos materiais
 Controle / monitoramento da qualidade,
especificações de materiais, aprovação de ordens de
compra.

 Aquisição
 Pesquisas, avaliação das ofertas de mercado,
pedidos de compra, subcontratação,
acompanhamento e avaliação das atividades pós-
pedido, registro do desempenho dos fornecedores

54
Funções Típicas de Suprimento
 Controle dos dados dos fornecedores
 Controle dos dados dos fornecedores, manutenção
dos registros (cadastro)
 Expedição
 Garantia da qualidade dos materiais e equipamentos,
inspeções internas e de campo, cumprimento de
padrões, controle da qualidade.
 Inspeção
 Garantia do desempenho do fornecedor, relatórios da
situação do pedido, projeções de entrega.

55
Funções Típicas de Suprimento
 Transporte
 Planejamento da entrega, documentação e
verificação das remessas, preparação e coordenação
do transporte local e de fora, acompanhamento do
percurso dos insumos desde a saída dos
fornecedores até a recepção na empresa, verificação
das condições de segurança e do cumprimento das
datas de entrega.

56
Funções Típicas de Suprimento
 Recebimento
 Recebimento físico, relatórios de recebimento, entrada
de pedidos.

 Armazenagem/estocagem
Estabelecimento de locais para descarga e estocagem de
materiais, segurança e conservação dos insumos,
movimentação dos materiais em obediência a um critério
determinado pela própria empresa dependendo do tipo de
obra e do material adquirido.

57
Funções Típicas de Suprimento

 Controle de estoques
 Controle/manutenção da quantidade, controle da
requisição, alocações para julgamento, pedidos de
investigação e contrapedidos, verificação e fiscalização
do volume, da qualidade e da rotação dos estoques.

58
Perguntas
 1 – O que é uma cadeia de abastecimento? Descreva a relação
entre a eficiência da cadeia de abastecimento e a satisfação do
cliente?
 2 – Por que a cadeia de abastecimento integrada é muito
importante para as organizações? Explique a expressão: “estar
em todos os lugares com produtos acessíveis para todos os
consumidores”.
 3 – Escolha três forças que afetam a cadeia de abastecimento e
comente-as.
 4 – Explique a diferença entre “produção para atender níveis de
estoques” e “ produção para atender pedidos específicos”. Em
qual destes sistemas o estoque de produtos acabados é maior?
 5 – Comente serviço logístico.
 6 – comente quatro funções tipícas do suprimento.

59
Referências
 BALLOU, R.H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos:
planejamento, organização e logística empresarial. 5. ed.
Porto Alegre: Bookman, 2009.

 CHING, H.Y. Gestão de Estoque na Cadeia de Logística


Integrada. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

 FLEURY, P.F. et Al. Logística Empresarial: a Perspectiva


Brasileira , Atlas, São Paulo, SP.

 BOWERSOX, D. J. e CLOSS, D. J. Logística Empresarial:


Processos de Integração da Cadeia de Suprimentos. Atlas,
2019.

 FRANCO, Carlos F. E-Business na infoera. 4.ed. Atlas. 2016.

60