Você está na página 1de 20

Seminários

Serviço de Psiquiatria e Psicologia Médica


Residência Médica em Psiquiatria – Turma 2016-2019
Disciplina de Psiquiatria Clínica

Fernanda Miranda Rezende


Médica Residente (R1)
Sídrome e sintomas
Paranóides
O termo “paranóide” : Sintomas
Síndrome
Personalidade

Paranóia não é um diagnóstico .

Sintomas que ocorrem como parte de uma outra doença


psiquiátrica X Sintomas paranóides sem evidência de
uma doença psiquiátrica de base.

Detalhe de “Alegoria do triunfo de vênus”,


Agnolo Bronzino, 1540-50
Psicopatologia :

Idéias prevalentes/sobrevaloradas: São idéias, que por


conta de sua grande carga afetiva adquirem
predominância enorme sobre os outros pensamentos. São
egossintônicas
Delírio : Juízos patologicamente falsos.
1- Convicção extraordinária, certeza subjetiva praticamente
absoluta.
2- É impossível modificar o delírio pela experiência
objetiva, ele é irremovível.
3-Conteúdo impossível .
4- É uma produção associal, idiossincrática em relação ao
grupo cultural do doente .
Dimensões do delírio : Indicadores de
gravidade
1- Grau de convicção
2- Extensão
3- Bizarrice ou Implausabilidade
4- Desorganização(lógica – sistematizadas ?)
5- Pressão ou preocupação
6- Resposta afeteva ou afeto negativo
7-Comportamento desviante .
Delírio primário :
É psicologicamente incompreensível, não
tem raízes na experiência psíquica do
homem normal, por isso é impenetrável,
incapaz de ser atingido pela relação
intersubjetiva . Ruptura na biografia do
sujeito
Delírio secundário ou idéias deliróides :
Difere do delírio primário por não se originar da
alteração primária do pensamento, mas de
alterações profundas em outras áreas de atividade
mental (afetividade, consciência ) . Ex: Delírio de
ruina da depressão grave.

Folie à deux :
Separando o paciente com personalidade frágil o
mesmo deixa as idéias deliróides aos poucos .
Estrutura dos delírios:

Delírio simples
Delírios complexos
Delírios não sistematizados
Delírios sistematizados
Surgimento e evolução:

Humor delirante
1- Trema : Tensão da expectativa
2- Apofania: “Tornar-se manifesto”.
Anástrofe, tudo se volta para o indivíduo
3- Fase apocalíptica: desorganização
4-Consolidação : Cristalização
5- Fase de resíduo: Perda impulso e
afetividade
Agudo X Crônico
Mecanismos constitutivos do
delírio :
-> Construção – tentativa de reorganização
1- Interpretativo
2- Intuitivo
3- Imaginativo
4- Afetividade (catatímico)
5- Memória
6- Consciência (onírico)
7- Alucinatório
Tipos de delírio – Conteúdo :

• Delírio persecutório
• Delírio de referência (alusão / auto-referência)
• Delírio de relação
• Delírio de influência ou controle
• Delírio de Grandeza
• Delírio místico ou religioso
• Delírio de ciúmes e infidelidade (Síndrome de Otelo)
• Delírio de ruína (niilista)
• Delírio de culpa e auto-acusação
Tipos de delírio – Conteúdo :

 Delírio de negação de órgãos (Sd.Cottard + imortalidade


+ enormidade)
 Delírio hipocondríaco
 Delírio de reivindicação (querelância) – é mais comum
nos transtornos delirantes
 Delírio de invenção/descoberta
 Delírio de reforma (Salvacionismo)
 Delírio cenestopático (animais dentro do corpo)
 Delírio de Infestação (Sd. Ekbom, cabelos-pele)
 Delírio fantástico ou mitomaníaco (Parafrenia)
Paranoia X Parafrenia

Paranoia foi restrita a pacientes com início tardio


de delírios totalmente sistematizados e um curso
prolongado, geralmente sem recuperação, mas
sem deterioração do pensamento. Um ponto
importante é que o paciente não tem alucinações.
Parafrenia ficaria melhor localizada em um ponto
intermediário, em que o paciente tem delírios
sistematizados persistentes, mas não evolui para
esquizofrenia. A principal diferença com a
paranóia é que o paciente com parafrenia tem
alucinações ".
Transtorno da
Personalidade Paranóide
A- Padrão invasivo de desconfiança e suspeita quanto aos
outros, de modo que seus motivos são interpretados como
malévolos. Este padrão tem início no começo da idade
adulta e está presente em uma variedade de contextos.
1- Suspeita (explorado, maltratado,enganado)
2- Preocupa-se dúvidas (lealdade/confiabilidade)
3- Reluta em confiar
4- Percebe significados ocultos humilhantes
5- Guarda rancor
6- Percebe ataques a seu caráter e reage com raiva
7- Suspeitas recorrentes sobre a fidelidade do cônjuge
Fatores de risco para Transtorno Delirante:

Personalidade pré-morbida
Tipo paranoide – Parafrenia
Mecanismos de defesa – Negação e projeção
Isolamento social
Deficiência auditiva
Surdez e esquizofrenia paranoide
Epidemiologia:
1-4% das admissões psiquiátricas
População 65 – 0,04%
Mais comum em mulheres (42 anos)
Prevalência 0,18%
Etiologia:
Delirium, Demência ( diminuição acetilcolina, excesso
de dopamina)
Lesões cerebrais focais ( Tumor, AVE, TCE )
Substâncias: Anfetaminas, cocaína, álcool(otelo) , L-
dopa .
Fatores de risco para T. Delirante

Parentes de primeiro grau com


personalidade paranóide .
Risco aumentado em parentes de primeiro
grau de esquizofrênicos
Neuroimagem : Dilatação ventricular
(neurodegeneração)
Doenças psiquiátricas :

Transtorno Delirante: DSM 297.2 (F22)


Presença de um delírio (ou mais) com duração de pelo
menos 1 mês.
O Critério A para esquizofrenia jamais foi atendido.
Funcionamento não está acentuadamente prejudicado, e
o comportamento não é claramente bizarro ou esquisito
A perturbação não é atribuível aos efeitos fisiológicos de
uma substância ou a outra condição médica, não sendo
mais bem explicada por outro transtorno mental, como
transtorno dismórfico corporal ou transtorno obsessivo-
compulsivo.
Subtipos :
Tipo erotomaníaco, Tipo grandioso, Tipo
ciumento, Tipo persecutório, Tipo
Somático,Tipo misto, Tipo não especificado
 Especificadores: Conteúdo Bizarro ; Primeiro
episódio, atualmente em episódio agudo (em
remissão parcial ou completa) ; Episódios
múltiplos, atualmente em episódio
agudo:Episódios múltiplos, atualmente em
remissão parcial; Especificar gravidade .
Tratamento:
• Medicamentoso:
Antipsicóticos : Pimozida Hipocondria, ciúme patológico
Risperidona
Dismórfico corporal ISRS
Psicoterapia: Cognitiva

50-30% dos pacientes melhora com medicamento, manter


.