Você está na página 1de 51

DEFINIÇÃO

ESPAÇO CONFINADO:

Espaço Confinado é qualquer área ou ambiente não


projetado para ocupação humana contínua, que possua
meios limitados de entrada e saída, cuja ventilação existente
é insuficiente para remover contaminantes ou onde possa existir
a deficiência ou enriquecimento de oxigênio (NR 33 - item
31.1.2.)
O RECONHECIMENTO DO ESPAÇO CONFINADO:

NEM SEMPRE É FÁCIL. TANQUES ABERTOS. PODEM SER


CONSIDERADOS COMO ESPAÇOS CONFINADOS, POIS A
VENTILAÇÃO NATURAL INEXISTE, O POTENCIAL DE ACÚMULO DE
FONTES GERADORAS OU DE ESCAPE DE GÁS, TORNA A
ATMOSFERA PERIGOSA. PARA RECONHECERMOS UM ESPAÇO
CONFINADO, É PRECISO CONHECER O POTENCIAL DE RISCO DE
AMBIENTES, PROCESSOS, PRODUTOS, ETC., PORÉM O MAIS SÉRIO
RISCO SE CONCENTRA NA ATMOSFERA DO AMBIENTE
CONFINADO.
São exemplos de espaços confinados:

CARRETAS PRODUTOS PERIGOSOS


São exemplos de espaços confinados:

DUTOS E GALERIAS
São exemplos de espaços confinados:

CAIXAS D'ÁGUA
São exemplos de espaços confinados:

SILOS
São exemplos de espaços confinados:

TANQUES COMBUSTÍVEIS
RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

ATMOSFERAS IMEDIATAMENTE
PERIGOSAS À VIDA E À SAÚDE - IPVS
RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

GASES / VAPORES SOB PRESSÃO


RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

VIBRAÇÃO
RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

RUÍDO
RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

QUEDAS DE OBJETOS
RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

QUEDAS
RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

TEMPERATURA (ALTA E BAIXA)


RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

CHOQUE ELÉTRICO
RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

ENGOLFAMENTO
RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

AGENTES BIOLÓGICOS /
ANIMAIS PEÇONHENTOS:
ex. aranhas, cobras
RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

ENCARCERAMENTO
RISCOS NO ESPAÇO CONFINADO

BAIXA LUMINOSIDADE
RISCOS ATMOSFÉRICOS

COMPOSIÇÃO DO AR ATMOSFÉRICO:

78% Nitrogênio - N²

21% Oxigênio - O²

01% Outros - (CO ²)

ATMOSFERA DEFICIENTE EM OXIGÊNIO:


CONCENTRAÇÃO MENOR QUE 19,5%
ATMOSFERA IMEDIATAMENTE PERIGOSA À VIDA (IPVS):

23%
Risco de Incêndio e
Hiperoxia

21%
Normal

19,5%
Limite de Segurança

16%
Fadiga
Confusão Mental

12%
Pulso Acelera
Respiração Profunda

06%
Coma
Morte em minutos
RISCOS ATMOSFÉRICOS

VIAS DE INTOXICAÇÃO:
RISCOS ATMOSFÉRICOS

GASES E VAPORES INFLAMÁVEIS - CAPAZES DE ENTRAR EM


COMBUSTÃO:
RISCOS ATMOSFÉRICOS

LIMITES DE INFLAMABILIDADE (EX.: METANOL):


Combustível

Limite inferior Limite superior


Ar de inflamabilidade de inflamabilidade
( Lii ) ( Lsi )
GERENCIAMENTO DE RISCOS

INTERVENÇÃO

Identificação dos Perigos; Avaliação dos Riscos;

Redução dos Riscos; Plano de Emergência;

Treinamento; Identificação e Acionamento;

Avaliação da Emergência; Mobilização;

Resposta; Recuperação;
PLANO DE CONTINGÊNCIA

PROFISSIONAIS DO ESPAÇO CONFINADO

SUPERVISOR

Emite a PET;

Avalia e monitora riscos;

Primeiros Socorros / Resgate;

Encerra a PET;
VIGIA

Permanecer sempre do lado de fora;

Monitoramento Atmosférico Permanente;

Contagem e Controle;

Comunicação (contato permanente);

Alertar sobre riscos;

Noções Primeiros Socorros / Resgate;

Aciona a equipe de resgate;


TRABALHADOR
AUTORIZADO (ENTRANTE)

Executa o trabalho;

Reconhece os riscos;

Noções Primeiros Socorros;


RESGATISTA

A cada 20 trabalhadores, 02 devem ser resgatistas;

Primeiros Socorros;

Resgate;
PET
Nome da Empresa
Avaliação
Medidas de controle
Isolamento
Bloqueio
Ventilação
PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET

- Deve ficar visível no local de realização do trabalho;

- Preencher, assinar e datar 03 vias, antes do ingresso;

- Sistema de controle da PET (Númerado e arquivado - 20 ANOS);

- Cópia para Entrante / Vigia / Empresa;

- Encerrar a PET ao final das operações;

- Disponibilizar os procedimentos da PET aos trabalhadores;

- A PET é válida para cada entrada;

- O monitoramento atmosférico deve ser constantemente


mantido;
AVALIAÇÃO E CONTROLE DOS RISCOS

**Atenção:

Deve ser realizado antes da entrada (atividade realizada pelo


supervisor) e mantido controle permanente durante toda a
operação. (atividade realizada pelo vigia)
Nível de oxigênio
Inflamabilidade
GasesTóxicos (monóxido de carbono, gás sulfídrico)
Densidade (medir gases abaixo, no meio e acima)

BLOQUEIO E ETIQUETAGEM:

Sinaliza e impede a liberação de energias perigosas


Identifica a pessoa responsável pelo bloqueio
RAQUETEAMENTO
DETECTOR MULTIGAS
É o processo de remoção física de gases.
Uso de gás inerte para remoção de contaminantes.
Produz uma atmosfera deficiente em oxigênio (IPVS).
Ex.: Nitrogênio
AVALIAÇÃO E CONTROLE DOS RISCOS

Ventilação Natural X Mecânica


Ventilação Pressão Positiva X Pressão Negativa (Exaustão)
Exaustão Geral X Local

**Atenção:
É PROÍBIDO UTILIZAR
OXIGÊNIO PURO PARA VENTILAR!
(RISCO DE EXPLOSÃO)
VENTILAÇÃO NATURAL EXAUSTÃO LOCAL
VENTILAÇÃO PRESSÃO POSITIVA EXAUSTÃO GERAL
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

LANTERNA INTRINSECAMENTE SEGURA


PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
RÁDIO INTRINSECAMENTE SEGURO
LUVAS
CAPACETE
PROTETOR AUDITIVO
OXÍMETRO DE LAPELA
CINTO DE SEGURANÇA
ROUPA PROTEÇÃO QUÍMICA
CALÇADO
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA

FILTROS

- Locais Abertos (ventilados)


- Filtro Adequado (Químico, Mecânico, Combinado)
- Exige concentração superior a 19,5% de O2
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA

AR MANDADO

-Tempo Limitado
- Falta Mobilidade
- Cilindro de fulga obrigatório
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA

AUTÔNOMO

-Tempo Limitado
- Grande Mobilidade
- Maior grau de proteção respiratória
RESGATE EM ESPAÇO CONFINADO

PRÉ-INCIDENTE

PLANEJAMENTO E PREPARAÇÃO: FEITO ANTES DE INICIAR A


EXECUÇÃO DO TRABALHO
INCIDENTE

AVALIAÇÃO DA CENA / SEGURANÇA DO LOCAL ACIONE O SERVIÇO DE EMERGÊNCIA


INCIDENTE

DESENVOLVA UM PLANO DE AÇÃO USE O EPI ADEQUADO E ELIMINE OS RISCOS


INCIDENTE

EFETUE O RESGATE REAVALIANDO A CENA DESMONTE A OPERAÇÃO


Em caso de acidente ligue imediatamente para

Mantenha a calma.
Informe seu nome e telefone.
Informe o que está acontecendo.
Informe o endereço e como chegar rapidamente.
Passe o máximo de informações para que o socorro mais
adequado seja prontamente encaminhado.
Sinalize o local na chegada do socorro.
Não tente resgatar a vítima! Faça isso somente se estiver treinado
para essa finalidade.