Você está na página 1de 11

Teoria da agência aplicada

à analise dos controles de


qualidade das firmas de
auditoria

Monografia de conclusão de curso


Enzo Maschio Figueiredo
Teoria da agência
 O que é? É o estudo da relação na qual o principal
delega ao agente a responsabilidade de escolher e
implementar uma ação.

 Característica: Atores possuem funções utilidade


distintas e conflitantes.

 Exemplo: Agricultor (agente) contratado para


trabalhar em terra de um proprietário rural
(principal).
Assimetria de informações

 Caso a matriz de resultado das ações fosse


conhecida, não haveria agenciamento.

 Exemplo: mercado de seguros de saúde.


– Informação oculta: omissão de informações relevantes
à outra parte ao firmar o contrato.
– Ação oculta: redução dos cuidados com a saúde após
firmar o contrato.

 Mecanismos para reduzir ações e informações


ocultas.
Custos do agenciamento
 Custos de transação:
– Gastos com elaboração de contratos e monitoração.
– Perdas residuais: decorrem de atitudes ou decisões
(tomadas pelos agentes) contrárias aos interesses do
principal.

 Por hipótese, o principal aceitará os gastos com


monitoramento contanto que sejam inferiores às
perdas residuais.
Auditoria e agenciamento
 A contabilidade é o “idioma” utilizado na
comunicação entre os atores econômicos.

 A auditoria avalia se os registros contábeis


demonstram adequadamente a situação das
empresas.

 As informações de mais de 90% das empresas de


capital aberto são validadas por apenas quatro
firmas de auditoria.
Agenciamento na auditoria
 As firmas de auditoria também estão sujeitas a
problemas internos e externos de agenciamento.

 Supõe-se que essas empresas gastam mais com


monitoração. Como evidências, identificamos que:
– A regulação pública sobre a atividade é bastante
rígida.
– A credibilidade dessas empresas é o principal fator
de competitividade.
A regulação pública
 A atividade é regulada pelo (i) IBRACON; (ii) CFC; e
(iii) CVM, com base nas normas internacionais
estabelecidas pelo IFAC.

 As regulações públicas abordadas no estudo:


– IAS 220 (Controle de qualidade nas firmas de auditoria).
– NBC T-14 (Revisão externa de qualidade pelos pares).

 Mecanismos de redução de ações e informações


ocultas.
As políticas das firmas
 Foram selecionados os procedimentos mais
significativos que se referem às regulações públicas
apresentadas.
 Metodologia de auditoria: definição de
procedimentos técnicos e de controles de
qualidade.
 Monitoração dos controles de qualidade
– Revisão do sócio independente;
– Equipes independentes de revisão por amostragem;
 Mecanismos de redução de ações e informações
ocultas.
Exemplo (1):
Agenciamento externo
 Principal: interesse público.
 Agente: firmas de auditoria.
 Conflito: as firmas de auditoria acessam e validam
informações estratégicas e sigilosas, que poderiam
ser utilizadas ou mascaradas em benefício da
própria empresa.
 Observação: o conflito é amenizado (i) pelo
reconhecimento da credibilidade como fator de
competitividade; e (ii) pela regulação pública sobre
a atividade.
Exemplo (2):
Agenciamento interno
 Principais: sócios das firmas.
 Agentes: profissionais envolvidos nos serviços.
 Conflito: a qualidade e integridade das informações
validadas na auditoria (interesse dos principais*)
depende do esforço dos profissionais envolvidos
(agentes), cuja função utilidade não corresponde à
mesma dos primeiros.
 Observação: os mecanismos foram expostos de
forma simplificada e exemplificativa.
Término da apresentação

Agradecimento aos pais, irmão,


companheira, amigos(as) e mestres, que
me auxiliaram e me conduziram nessa
jornada.