Você está na página 1de 17

METALOGRAFIA E ANÁLISE

MICROESTRUTURAL – AISI D2

Alunos: João Christian Paixão


Luna Taynah Soares Viana
Rebeca Santos de Oliveira Amato
Professor: Dr. Francisco Luiz Hernandez Arias
INTRODUÇÃO

Amostra do aço AISI D2

Aço AISI D2 2
INTRODUÇÃO

• Composição química:
A composição química típica do aço AISI D2 é apresentada na Tabela 1.

Tabela 1. Composição química do aço AISI D2.

3
OBJETIVOS

Este relatório tem como objetivo a


análise microestrutural da amostra de
aço AISI D2, através das técnicas de
campo claro para verificação das fases
presentes e campo escuro para
verificação de impurezas. Tal análise é
bastante importante para conhecer a
estrutura do material analisado, tendo
em vista que as propriedades
mecânicas do mesmo dependem de sua
composição química e de sua textura.

4
MATERIAIS E MÉTODOS

• 1º etapa: CORTE
Obter uma pequena amostra da peça.
Foi realizada um corte transversal, para análise das fases presentes.

Corte da Peça.
5
MATERIAIS E MÉTODOS

• 2º etapa: Embutimento
Melhorar o manuseio da peça.
Foi realizada um Embutimento a quente, utilizando baquelite. Com
pressão entre 100 a 150 kgf/cm².

Prensa de embutimento, desmoldante e baquelite.


6
MATERIAIS E MÉTODOS

• 3º etapa: Lixamento
Retirar riscos e manchas presentes na amostra.
Foi utilizada lixas com granulometria de 80,400,600,800 e 1200,
respectivamente.

Representação esquemática do método de lixamento com


trabalho em sentidos alternados.

7
MATERIAIS E MÉTODOS

• 4º etapa: Polimento
Melhorar o acabamento superficial da peça;
Foi utilizada uma politriz e alumina aglomerante com granulações de
1m, 0,3m e 0,05m, respectivamente.

Polimento da amostra. Aluminas e Politriz


8
MATERIAIS E MÉTODOS

• 5º etapa: Ataque Químico


Permitir a visualização das diferentes fases na microestrutura;
Foi utilizado como reagente Nital 3%, por 11 segundos, em seguida lavado
com água corrente e seco com secador.

Ataque químico com Nital 3%


9
MATERIAIS E MÉTODOS

• 6º etapa: Análise micrográfica

A metalografia se divide em macrografia com baixa ampliação de 50X. É


utilizada lupa, sendo observadas a homogeneidade, falhas e impurezas do
material.

A micrografia utiliza maior ampliação, sendo usado microscópio óptico,


podendo ser visualizados as fases presentes e o contorno de grão.

10
MATERIAIS E MÉTODOS

• 6º etapa: Análise micrográfica

É necessário posicionamento correto das amostras, iluminação


apropriada e técnicas fotográficas adequadas. Foi utilizado um
microscópio metalográfico Óptico THS-200 Olympus na ampliação de
400x.

Microscópio utilizado na 11
metalografia
MATERIAIS E MÉTODOS

• 6º etapa: Análise micrográfica

Campo claro- é a técnica mais comum , devido os microscópios


funcionarem a base de campo claro. É mais indicado para amostras que
tem microestrutura com coloração própria.

Campo escuro- Tem um contraste reverso ao do campo claro, ou seja, as


características brilhantes no campo escuro serão escuras no campo claro
e as características escuras no campo escuro serão brilhantes no campo
claro. São observadas fendas, poros e inclusões.

12
RESULTADOS E DISCUSSÕES

Micrografia da amostra de aço AISI D2

13
RESULTADOS E DISCUSSÕES

Amostra do trabalho de Barros et. al. 2007. A) amostra temperada. B) amostra revenida duas vezes.
Aumento de 800X.

14
CONCLUSÃO

O ensaio metalográfico do aço AISI D2 permitiu obter-se uma amostra


adequada para a análise microestrutural. A microestrutura consistiu de
pequenas partículas de carbonetos (cementita) e regiões ou contornos
de grãos composta pela microestrutura austenítica + elementos de
liga. A microscopia de campo determinou que não há presença de
inclusões não metálicas na amostra.

15
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

• BARROS,T. O.; PICOLI,A. J.; J. BORGHI e JUNIOR, R. B. Influência do revenimento duplo


sobre as propriedades de aços-ferramenta para corte a frio. Aranda Editora Técnica e
Cultural. São Paulo, n° 141, março de 2017. Disponível em: <
http://www.arandanet.com.br/revista/ccm/materia/2017/03/06/influencia_do_reven
imento.html>. Acesso em 10/12/2017.
• BHADESHIA, H.K.D.K; HONEYCOMBE, R.W.K. Steels-Microstructure and Properties. 3ª.
Ed. [S.I] Elsevier, 200
• BRANO, J.R.T; KRAUSS, G. Heat treatment and microstructure of tool steels for molds
and dies. In: KRAUSS, G. NORDBERG, H. Tool Materials for Molds and Dies-
Applications and Performance. Colorado: CSM Press, 1987.
• METALS HANDBOOK, Metallography, Structures and Phase Diagrams, ASM
International, v. 8, 8a Edição, p. 402 404, 1978.
• MENDANHA, A.;GOLDENSTEIN, H.; PINEDO, C. E. Influence of the start microstructure
and heat treatment on the toughness of the cold work tool steel AISI D2. 7 th
International Tooling Conference. Torino- Itália [s.n], 2-5 de maio de 2006. p. 813-820
• MENDANHA, A.; JÚNIOR, A.R.F;GOLDENSTEIN, H.;TSCHIPTSCHIN, A. P.; PINEDO,
C.E.Principais parâmetros metalúrgicos e suas influências na qualidade e desempenho
do aço para trabalho a frio AISI D2. In: 6o Seminário da Cadeia de Ferramentas,
16
Moldes e Matrizes- ABM, São Paulo, 2008.
AGRADECIMENTOS

OBRIGADO!!

17