Você está na página 1de 1

THOR:

DA MITOLOGIA DOS QUADRINHOS AO UNIVERSO


FUTURISTA DO CINEMA

Alunos: Ana Clara Arruda Dias Ribeiro


Vitória Alice Vieira Ribeiro

Instituição: Colégio de Aplicação da


Universidade Federal do Acre
Orientadores: Maria Iracilda Gomes Cavalcante Bonifácio
Reginâmio Bonifácio de Lima, Luciana Pereira Ogando
RESULTADOS E CONCLUSÕES
RESUMO
Constatamos que enquanto as HQs buscaram trazer o universo de
As histórias em quadrinhos (HQs) constituem um gênero textual
Thor o mais possível da narrativa mitológica, suas adaptações
emblemático para a cultura do século XX, cativando uma parcela
fílmicas pautaram-se em uma forma de ficção científica futurista
considerável de público, em especial jovens e adultos.
que atualiza a narrativa original dos quadrinhos. Assim, a narrativa
Neste trabalho realizamos uma análise comparativa entre os filmes
analisada estabelece com o público o efeito de identificação e
“Thor” e “Thor: o mundo Sombrio” com as HQs que lhes serviram
representação de si, por meio de estratégias como a inserção do
de inspiração, buscando identificar como as HQs consolidam-se
humor e dessacralização da narrativa mitológica.
como arte gráfica capaz de traduzir o retrato fragmentário do
homem do século XX e a dispersão de suas identidades no início
do século XXI.

JUSTIFICATIVA
No campo dos estudos da História Sociocultural, as histórias em
quadrinhos apresentam-se como fontes para analisar as
representações sociais que marcaram determinados momentos
históricos, auxiliando na compreensão do contexto sociocultural da
sociedade em diversas épocas. Desse modo, a utilização dos
quadrinhos como fontes de pesquisa permite entrever as formas
simbólicas construídas por uma sociedade, capazes de expressar
como os sujeitos percebem o mundo e a realidade ao longo do
tempo.

OBJETIVOS
Analisar a transposição para o cinema das histórias em quadrinhos Figuras: Edições n.º 83 e 92 da série de HQs "Journey Into Mystery“ e
produzidas pela Marvel Comics, a fim de perceber em que medida pôsteres dos filmes “Thor” e “Thor: o mundo Sombrio”.
Fonte: Site <marvel.com>.
as narrativas transmidiáticas se transformaram na transposição
dos quadrinhos para o cinema, estabelecendo com o público o REFERÊNCIAS
efeito de identificação e representação de si. CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. 10. ed. São Paulo:
Cultrix/Pensamento, 2005.
EISNER, Will. Quadrinhos e arte sequencial. São Paulo: Martins
Fontes, 2001.
METODOLOGIA EISNER, Will. Narrativas gráficas. São Paulo: Devir, 2005.
GAIMAN, Neil. Mitologia Nórdica. Editora Intrínseca, 2017
A metodologia, de cunho qualitativo, teve como base a análise GARDIES, René. Compreender o CINEMA e as IMAGENS.
comparativa dos filmes “Thor” e “Thor: o mundo Sombrio” com as Lisboa: Texto & Grafia,
2008.
HQs que lhes serviram de inspiração, incluindo desde a primeira JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph
aparição e origem de Thor no universo Marvel, na edição n.º 83, da editora, 2009.
McCLOUD, Scott. Desvendando os quadrinhos. São Paulo:
série de revistas "Journey Into Mystery" (Jornada ao Mistério), de Makron Books, 2005.
julho de 1962, até a edição n.º 92, de maio de 1963. O referencial MURRAY, J. H. Hamlet no Holodeck. O futuro da narrativa no
ciberespaço. Tradução de Elissa Khoury Daher e Marcelo
teórico, baseou-se nos pressupostos de Scott McCloud (2005; Fernandez Cuzziol. São Paulo: Itaú Cultural; Unesp, 2003.
2006) e Will Eisner (2005), Campbell (2004) e Murray (2003).
AGRADECIMENTOS
Ao Colégio de Aplicação da Ufac e ao Laboratório de Estudos
Educacionais e Humanísticos Aplicados – LEEHAp.

Interesses relacionados