Você está na página 1de 33

Comércio

Eletrônico
Novas Tecnologias
Prof. Ricardo de Macedo

Novas Tecnologias 1
Prof. Ricardo de Macedo
Internet no Brasil e no Mundo

• Segundo a UIT – União Internacional de Tecnologia, em 2011


haviam mais de 2 bilhões milhões de usuários de internet no
mundo todo.

• Segundo o Ibope e-Ratings, os brasileiros entre 12 e 17 anos que


acessam a Web em casa navegam mais tempo que os alemães,
franceses, ingleses, italianos e espanhóis.

• "Cada vez mais constatamos que o público que já acessa a


internet não consegue mais viver sem ela, e a cada dia acrescenta
alguma atividade nova em sua rotina na web, quer seja acessar
seu banco online, fazer uma compra de supermercado, enviar um
e-mail, ler as notícias, procurar o endereço de um restaurante que
ouviu falar... a lista é infinita", declara Alexandre Magalhães,
analista de internet do IBOPE eRatings.com.

Novas Tecnologias 2
Prof. Ricardo de Macedo
Audiência da Internet

• Cada um dos cinco principais portais brasileiros (Globo.com, IG,


MSN, Terra e UOL) têm entre 6 e 7,5 milhões de visitantes
passando por suas páginas virtuais todos os meses.

• Segundo a Boston Consulting, 6 em cada 10 brasileiros trocariam


o café pela web. E outros 59% abririam mão do chocolate por um
tempo na rede. E ainda 12% deixariam sexo de lado em troca de
uma ano de acesso à rede.

• Mais de 39,5 milhões de pessoas acessam a Internet no Brasil,


todo mês, considerando os diferentes pontos de acesso - casa,
trabalho, escola e pontos de acessos públicos e privados. Pontos
de acesso público: CyberCafés, SESCs, Tele-Centros, Escolas,
Museus, Universidades, Rodoviárias.

3
Audiência da Internet

• Embora as A e B liderem (com 84%). A classe C cresceu de 31% para


43% no período. As classes mais baixas, D e E, dobraram de 8% para
17%.

• De acordo com o DATANEXUS, a população que não tem internet em


casa gasta 12% de seu tempo vendo televisão, já as pessoas que têm
internet dedicam 9,4% do seu tempo à TV. Os dados mostram que as
pessoas que têm internet vêem menos televisão justamente no
horário nobre.

• No horário nobre, 23,5% da população sem internet está vendo TV,


contra apenas 15,8% dos que têm internet.

4
Comércio Eletrônico: Definições

“A compra e venda de produtos ou serviços sobre um


meio eletrônico qualquer”

“Distribuição de informação, produtos/serviços ou


pagamentos via linha telefônica ou redes”

“Ferramenta que aumenta a qualidade de mercadorias


e serviços de entrega”

“Aplicação da TI para automatização de processos de


negócios”

5
História do Comércio Eletrônico

Anos
70 • Transferência eletrônica de fundos

• EDI (redes privadas)


• Mensagens eletrônicas
80 • Comércio na Internet
• Programas de Transferência de Arquivo (FTP)
• Chats (IRC)

90 • WWW – World Wide Web

6
Tipos de Comércio Eletrônico

FORÇA D E
V EN D A

IN D Ú S T R IA IB

V A R EJ O C O N S U M ID O R

B2 B B2 C

7
Modelos de negócios na Internet

Modelos de negócio são as diversas formatações


que os empreendimentos adquirem ao utilizar a
Internet como canal primário ou secundário de
comercialização.

• COMERCIANTE
• CORRETAGEM
• PUBLICIDADE

8
Modelos de negócios na Internet

COMERCIANTE
Comercialização de serviços ou produtos tangíveis/digitais
para pessoas físicas (e-tailers) ou jurídicas. Pode ser um
negócio totalmente baseado na Internet ou com reforço
de uma loja tradicional.

• Comércio Misto
• Comércio Virtual
• Comércio Virtual Puro
• Mercantil Direto

9
Modelos de negócios na Internet

Comércio Misto
www.magazineluiza.com.br
Negócio tradicional
baseado em
instalações físicas e
que utiliza a rede
como mais um canal
de comercialização
para os seus
produtos.

10
Modelos de negócios na Internet

Comércio Virtual
www.submarino.com.br
Comercialização
de produtos e/ou
serviços
exclusivamente
pela internet.

Novas Tecnologias 11
Prof. Ricardo de Macedo
Modelos de negócios na Internet

Comércio Virtual Puro


www.weblinguas.com.br
Comercialização de
produtos digitais. É a
forma mais pura de
Comercio Eletrônico
uma vez que todo o
processo de
divulgação, a venda e
a entrega é feita pela
Internet. Empresas
de software ou
cursos on-line bem
como livrarias
especializadas em e-
books são os
principais exemplos.

Novas Tecnologias 12
Prof. Ricardo de Macedo
Modelos de negócios na Internet

Mercantil Direto
www.celta.com.br
Empresas produtoras
de mercadorias que
se utilizam da web
como canal direto de
venda para o
consumidor final,
eliminando total ou
parcialmente os
intermediários.

Novas Tecnologias 13
Prof. Ricardo de Macedo
Modelos de negócios na Internet

CORRETAGEM
São os chamados facilitadores de negócios. Sites que facilitam
e estimulam a realização de transações, através da
manutenção de um ambiente virtual, que coloca em contato e
aproxima os fornecedores e os potenciais compradores.

• Shopping Virtual
• Leilões on-line
• Portal Vertical
• Intermediários

Novas Tecnologias 14
Prof. Ricardo de Macedo
Modelos de negócios na Internet

Shopping Virtual
www.shopfacil.com.br
Site que reúne
diversas lojas
virtuais. Receita é
obtida através de
uma taxa mensal +
comissão sobre as
vendas realizadas

Novas Tecnologias 15
Prof. Ricardo de Macedo
Modelos de negócios na Internet

Leilões On-Line
www.mercadolivre.com.br
Ambiente virtual que
possibilita a oferta de
mercadorias e a
realização de lances até
se chegar a a melhor
oferta disponível. A
Receita é obtida através
de taxas de
cadastramento +
comissão no caso de
empresas (B2B) ou
comissão sobre venda
no caso de pessoas
físicas (C2C). Possui
variantes como o Leilão
reverso, onde os
vendedores é que
fazem os lances, e o
menor preço ofertado
Novas Tecnologias
leva o pedido. Prof. Ricardo de Macedo
16
Modelos de negócios na Internet

Portal Vertical
www.me.com.br
Possibilita a
interação entre
empresas do mesmo
setor de negócio e
incentiva a
realização de
transações através
de negociação direta
ou leilões.
Comunidades de
Negócios
ou
Agregador de
compras

Novas Tecnologias 17
Prof. Ricardo de Macedo
Modelos de negócios na Internet

Intermediários
www.investshop.com.br
Aproxima compradores
e vendedores sendo que
a receita é geralmente
obtida através de
comissões sobre as
transações realizadas
através do site. É o caso
dos Corretores
Financeiros que
facilitam a realização
de investimentos por
parte da pessoa física,
disponibilizando acesso
a um ou mais
fornecedores de
serviços financeiros
como compra de ações,
seguros, investimentos,
entre outros. Novas Tecnologias 18
Prof. Ricardo de Macedo
Modelos de negócios na Internet

PUBLICIDADE
Utiliza o mesmo conceito das emissoras de TV e Radio, o
chamado “Broadcasting”. Oferece produtos e serviços
gratuitamente como informação ou entretenimento, gera um
grande volume de tráfego e obtém receita através de
anunciantes que desejam atingir esse público.

• Portais Genéricos
• Portais Especializados
• Gratuidade

Novas Tecnologias 19
Prof. Ricardo de Macedo
Modelos de negócios na Internet

Portais Genéricos
www.investshop.com.br
São os grande
portais de acesso a
Internet. Embora a
maioria dos portais
já não utiliza a
gratuidade em sua
forma pura e cobra
pelo acesso, ainda
existem grandes
portais gratuitos.

Novas Tecnologias 20
Prof. Ricardo de Macedo
Modelos de negócios na Internet

Portais Especializados
www.maisde50.com.br
Sites especializados
em determinado
público ou segmento
de mercado. Geram
menos volume de
tráfego que os
portais genéricos
mas com um perfil de
público mais
concentrado, o que é
valorizado pelos
anunciantes.

Novas Tecnologias 21
Prof. Ricardo de Macedo
Modelos de negócios na Internet

Gratuidade
www.yahoo.com.br
Sites que oferecem
algum serviço ou
produto gratuita-
mente para gerar
volume de tráfego. É
o caso típico dos
mecanismos de
busca e serviços de
correio eletrônico.

Novas Tecnologias 22
Prof. Ricardo de Macedo
Tipos de Comércio Eletrônico
B2B
business-to-business
Ocorre quando as empresas compram e vendem bens e serviços para e entre elas, se refere a uma
situação completa de comércio eletrônico que pode ocorrer entre duas organizações. Entre outras
atividades, o comércio B2B inclui compra de bens (podendo ser através de e-procurement), gestão da
cadeia de fornecimento, gestão de estoques, gestão de canais, atividades de venda, gerenciamento de
pagamentos, serviços e suporte.

Estima-se que 80% das operações de comércio eletrônico, em relação ao montante de valor negociado,
são de B2B, e onde os consórcios e parcerias estão se tornando comuns;

Existem três tipos básicos de portais B2B :


• Portais de intranet – Portal que promove o encontro e a comunicação interna entre
os colaboradores de uma empresa. É uma área restrita para troca de informações e
tomadas de decisão em locais remotos;
• Portais de extranet – São redes que possibilitam a troca entre a empresa e seus
parceiros comerciais;
• Portais de e-markeplaces – Plataformas virtuais que realizam a intermediação
entre várias empresas, nestes espaços virtuais, várias organizações e instituições
privadas podem contratar e oferecer serviços mutuamente.
Comércio Eletrônico 23
Prof. Fernando Morais
B2B

Novas Tecnologias 24
Prof. Ricardo de Macedo
Tipos de Comércio Eletrônico
B2C
business-to-consumer
São empresas vendendo para consumidores; refere-se à troca
de bens entre empresas e consumidores. Inclui atividades de
venda, busca de consumidores, FAQ (Frequently Asked
Questions), serviços e suporte;

Existem três tipos de modelos de B2C, tais como: leilões, lojas online e serviços online.

Comércio Eletrônico 25
Prof. Fernando Morais
B2C

Novas Tecnologias 26
Prof. Ricardo de Macedo
Tipos de Comércio Eletrônico
B2E
business-to-employee
Consiste num conjunto de aplicações informáticas online que visam
facilitar a comunicação entre a empresa e os seus colaboradores
internos e externos.

Ainda em fase embrionária, esse conceito se traduz, atualmente, em e-


Recruitment e e-Learning.
A tradução literal seria "Negócio com o colaborador" e remete ao trabalho da
informação interna de maneira estratégica, desde sua elaboração,
disponibilização e atualização, inserida no contexto e no plano de Marketing
interno.

Comércio Eletrônico 27
Prof. Fernando Morais
Tipos de Comércio Eletrônico

C2C
consumer-to-consumer
Ocorre quando consumidores vendem diretamente para outros
consumidores, envolve transações entre e no meio de consumidores.
As atividades envolvem classificação de anúncios, jogos, atividades,
comunicação baseada na web e serviços pessoais.

Esse tipo de transação entre consumidores está associado a transação direta, com a
ajuda (ou intermediação) de alguma empresa. Um grande exemplo desse tipo de
transação são os leilões online, como Ebay e o Mercado Livre. Os leilões online
funcionam da seguinte forma: o consumidor coloca o seu produto para venda com um
valor mínimo, e outros consumidores dão ofertas maiores para aquele produto. Quem dar
o maior lance, num prazo determinado, leva o produto.
As empresas que facilitam essa transação geralmente ganham uma comissão em cima de
cada leilão ou uma taxa única de transação. Lembrando que esses sites são apenas
intermediários e não se envolvem na qualidade do produto ou não influenciam nos valores
dos produtos

Comércio Eletrônico 28
Prof. Fernando Morais
C2C

Novas Tecnologias 29
Prof. Ricardo de Macedo
Tipos de Comércio Eletrônico
G2B
government-to-business
Corresponde a ações do Governo que envolvem interação com
entidades externas. O exemplo mais concreto deste tipo é a condução
de compras, contratações, licitações etc., via meios eletrônicos.

Comércio Eletrônico 30
Prof. Fernando Morais
G2B

Novas Tecnologias 31
Prof. Ricardo de Macedo
Tipos de Comércio Eletrônico
G2C
government-to-consumer
Corresponde a ações do Governo de prestação (ou recebimento) de
informações e serviços ao cidadão via meios eletrônicos. O exemplo
mais comum deste tipo é a veiculação de informações em um website
de um órgão do governo, aberto a quaisquer interessados.

Portanto temos o G2C com uma ferramenta para levar ao cidadão


conhecimento, informação e serviços diversos sobre o governo. Trazendo o
cidadão para mais perto do governo sendo um ponto mais fundamental para
a inclusão digital com a união do cidadão, não importando a classe, visão
política ou até mesmo o nível de escolaridade.

Comércio Eletrônico 32
Prof. Fernando Morais
G2C

Novas Tecnologias 33
Prof. Ricardo de Macedo