Você está na página 1de 54

Economia e Direito

José Lima Crisóstomo

1
Economia e Direito
Capítulo III - Vasconcelos

• Economia depende do quadro de normas


jurídicas do país;
• De uma lados as normas jurídicas modelam o
campo de análise da teoria econômica;
• De outro, QUESTÕES ECONÔMICAS NOVAS
atuam no sentido de modificar o arcabouço
jurídico.

2
Economia e Direito
Capítulo III - Vasconcelos

• As últimas décadas assistiram a um expressivo


avanço na liberalização dos mercados;
• Intensificação do comércio e das finanças
internacionais, com a redução da participação
do estado (NEOLIBERALISMO)
• Vem ganhando importância o papel regulador
do governo visando garantir a defesa da
concorrência e o direito dos consumidores.

3
O Direito e os Mercados
Capítulo III - Vasconcelos

• Ao se estudar a teoria dos mercados podemos


adotar dois enfoques bem distintos:
– Econômico: estuda o comportamento dos
produtores e consumidores;
– Jurídico: estuda as relações de consumo – Código
Brasileiro de Defesa do
Consumidor: estabelece os deveres do fornecedor
de bens e serviços

4
O Direito e os Mercados
Capítulo III - Vasconcelos

• Ao se estudar a empresa e o papel do


empresário emergem novamente duas
abordagens:
– Econômica
– Jurídica

5
O Direito e os Mercados Enfoque Econômico
Capítulo III - Vasconcelos

– Esse enfoque ressalta o papel do administrador


na organização dos fatores de produção (terra,
capital, trabalho e tecnologia).
– Nessa abordagem a ênfase do estudo recai na
combinação ótima de fatores que minimize
custos e maximize lucros.

6
O Direito e os Mercados Enfoque Jurídico
Capítulo III - Vasconcelos

• Esse enfoque está baseado no direito


comercial;
• Define a o estabelecimento comercial como
sujeito de direito distinto do comerciante;
• A sociedade empresária é elevada a categoria
de pessoa jurídica, com capacidade de
adquirir direitos e obrigações.

7
Justificativas para a Intervenção
Capítulo III - Vasconcelos

• Imperfeições de Mercado
– Externalidades ou Economias Externas
– Falhas de Informação
– Poder dos Monopólios

8
Externalidades
Capítulo III - Vasconcelos

• Ocorrem quando a produção de um bem


ou serviço acarreta efeitos negativos ou
positivos sobre outros indivíduos.
• DÃO BASE ECONÔMICA PARA A CRIAÇÃO
DE LEIS ANTIPOLUIÇÃO, DELIMITAÇÃO
DE ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL
ETC.

9
Falhas de Informação
Capítulo III - Vasconcelos

• Os agentes não dispõem de informações


completas a respeito de determinado bem ou
serviço.
– JUSTIFICA-SE A INTERVENÇÃO COMO NOS
PRAZOS DE VALIDADE;
– USO DO CINTO DE SEGURANÇA

10
Poder do Monopólio
Capítulo III - Vasconcelos

• Decorre da capacidade de um produtor ou


grupo de produtores de
– AUMENTAR UNILATERALMENTE PREÇOS, ou
– REDUZIR QUNTIDADE,
– DIMINUIR QUALIDADE OU VARIEDADE DO
PRODUTO OU SERVIÇO

11
A Mão Invisível do Governo
Capítulo III - Vasconcelos

• Em decorrência das falhas de mercado surge a


MÃO INVISÍVEL DO GOVERNO com o objetivo
de aumentar a eficiência econômica;
• O governo atua por meio das leis de defesa da
concorrência
– Regulam estrutura de mercado
– Regulam conduta das empresas

12
Estados Unidos Século XIX e XX
Capítulo III - Vasconcelos

• Fatos
– Empresas maiores passaram a absorver
empresas menores, LIMITANDO A
CONCORRÊNCIA E ELEVANDO PREÇOS;
– Grandes empresas passaram a maquiar
balanços para colocar no mercado ações.

13
Estados Unidos Século XIX e XX
Capítulo III - Vasconcelos

• 1890 -Lei Sherman (contra os Trusts)


– Proibiu o formação de monopólio tanto no
comércio como na indústria;
• 1914 – Clayton Act
– Tentou definir as condutas que seriam
consideradas lícitas;
• 1950 – Lei Celler Kefauver
– Proibiu fusões de empresas por meio de
compra de ativos, se fosse verificado que
reduziria a concorrência.
14
No cenário Brasileiro
Capítulo III - Vasconcelos

• Existe legislação em defesa da concorrência


desde 1960, ESSE CONJUNTO DE NORMAS ATÉ
MEADOS DE 1990 FOI POUCO EFICAZ, pelos
seguintes motivos:
– Altos níveis de proteção da industria nacional;
– Elevados índices de inflação;
– Opção pelo controle de preços

15
Cenário Brasileiro – Constituição de 1988
Capítulo III - Vasconcelos

• Define os princípios básicos da atuação do


estado na economia;
• Sujeita o sistema econômico ao estado sob a
forma de proteção contra o abuso do poder
econômico;
• Define as funções de fiscalização e incentivo
ao planejamento: determinante para o setor
público e indicativo para o setor privado.

16
Constituição de 1988
Capítulo III - Vasconcelos

• Lei 8.884, de 11 de junho de 1994


– Criou o Sistema Brasileiro de Defesa da
Concorrência (SBDC) formado pelos seguintes
órgãos
• Secretaria do Direito Econômico (SDE) Ministério da
justiça;
• Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE)
Ministério da Fazenda;
• Conselho Administrativo de Defesa do Consumidor
(CADE) Autarquia vinculada ao Ministério da Justiça e
Instância Judicante administrativa.

17
Instância Judicante
Capítulo III - Vasconcelos

• Judicante: que julga, judicativo.


Que exerce função
de juiz.

18
Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência - Lei 8.884 de 11 de
julho de 1994
Capítulo III - Vasconcelos

• Objetivo:
– Prevenir e reprimir as infrações contra a
ordem econômica;
– Propiciar as condições as condições para
tornar máximo o nível de bem estar
econômico da sociedade.

19
Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência - Lei 8.884
de 11 de julho de 1994
Capítulo III - Vasconcelos

• Quanto a repressão do abuso do poder


econômico sujeitou todos as normas da
concorrência:
– Pessoas físicas;
– Pessoas jurídicas de direito público ou privado;
– Empresas estrangeiras que operam ou tenham
filial no Brasil.

20
Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência - Lei 8.884
de 11 de julho de 1994
Capítulo III - Vasconcelos

• As Instituições do Sistema atuam no


sentido de:
– Controlar as estruturas de mercado;
– Coibir práticas anticoncorrenciais.

21
Controle das Estruturas de Mercado
Capítulo III - Vasconcelos

• Ocupa-se dos atos que resultem em qualquer


forma de concentração econômica:
– Fusões
– Incorporações
– Constituição de Sociedade para exercer controle
ou agrupamento societário igual ou superior a 20%
do mercado relevante ou qualquer participante
tenha registrado faturamento superior a um limite
estabelecido em lei.
22
Controle da Conduta
Capítulo III - Vasconcelos

• Consiste na apuração de práticas


anticoncorrenciais de empresas que detêm o
poder de mercado:
– Fixação de preços;
– Vendas casadas;
– Acordos de exclusividade;
– Cartelização de Mercado;
– Preços predatórios.

23
Cartel
Capítulo III – Vasconcelos e V Souza

• Acordo entre chefes militares


beligerantes, acerca de medidas de
interesse comum ou vantagens
recíprocas, sobretudo troca de
prisioneiros.
• S. m. Econ.
– Acordo entre empresas independentes para
atuação coordenada, esp. no sentido de
restringir a concorrência e elevar preços.
24
A Lei 8.884 de 11 de julho de 1994 em resumo
Capítulo III – Vasconcelos

• É um sistema com o objetivo


principal de defender a concorrência
no afã de promover o bem estar
público.

25
Arcabouço jurídico e a Política
Macroeconômica – Constituição de 1988
Capítulo III – Vasconcelos

• Políticas de Competência da União


– Política Monetária;
– Política de crédito
– Política Cambial
– Política de Comércio Exterior

26
Arcabouço jurídico e a Política Macroeconômica –
Constituição de 1988 Art. 48
Capítulo III – Vasconcelos

• Cabe ao congresso Nacional com sanção do


Presidente da república, dispor de todas as
matérias de competência da União especialmente
sobre:
– I - Sistema Tributário, arrecadação e
distribuição de rendas;
– II - ....., operação de crédito, dívida pública e
emissões de curso forçado;

27
Arcabouço jurídico e a Política Macroeconômica – Constituição de 1988
Art. 48
Capítulo III – Vasconcelos

• Cabe ao congresso Nacional com sanção do


Presidente da república, dispor de todas as
matérias de competência da União especialmente
sobre:
– XIII – matéria financeira, cambial, monetária,
Instituições financeiras e suas operações;
(Sistema financeiro)
– XIV – moeda seus limites de emissão e
montante da dívida mobiliária federal

28
Política Fiscal
Capítulo III – Vasconcelos e XI - Souza
• Arrecadação e despesas públicas
• Envolve os três níveis de governo
– Federal
– Estadual
– Municipal
• A constituição trata das limitações dos
poderes de tributar
• O governo por meio de sua despesa aumenta
a demanda agregada.
29
A Ação do Estado – Promotor do Bem-Estar
Social Art. 170
Capítulo III – Vasconcelos e XI - Souza

• A ordem econômica, fundada na


valorização do trabalho humano e na livre
iniciativa, tem por fim assegurar a todos a
existência digna, conforme os ditames d
justiça social, observados os seguintes
princípios:
I. Soberania nacional;
II. Propriedade privada;
III. Função social da propriedade;
30
Art. 170 – continuação
Capítulo III – Vasconcelos
V. Defesa do consumidor;
VI. Defesa do meio ambiente;
VII. Redução das desigualdades regionais e sociais;
VIII. Busca do pleno emprego;
IX. Tratamento favorecido para as empresas de
pequeno porte constituídas sob as leis
brasileiras e que tenham sua sede e
administração no país.

31
Art. 170 – continuação
Capítulo III – Vasconcelos
• Parágrafo Único. É assegurado a todos o livre
exercício de qualquer atividade econômica,
independentemente, de autorização de
órgãos públicos, salvo nos casos previstos em
lei.

32
Implicação básicas da legislação de proteção
e defesa.
Capítulo III – Vasconcelos
• Melhor qualidade de vida para a população;
• Elevação dos custos de produção.

33
Introdução a Microeconomia

Capítulo 4 Vasconcelos

34
Microeconomia
Capítulo IV – Vasconcelos e Capítulo 3 - Souza

• Teoria dos preços;


• Analisa a formação dos preços no mercado;
– Analisa a interação entre produtor e consumidor
que leva à decisão sobre o preço do bem e as
quantidades que serão produzidas desse bem ou
serviço.

35
Microeconomia
Capítulo IV – Vasconcelos e Capítulo III - Souza

• Não deve ser confundida com economia de


empresas;
• Tem como enfoque o funcionamento da oferta
e da demanda na formação do preço do
mercado: preço obtido da interação do
conjunto de consumidores com o conjunto de
empresas que fabricam um dado bem ou
serviço;
• O preço é formado no mercado.
36
Consumidores x Empresas
Capítulo IV – Vasconcelos e Capítulo 3 - Souza

• Equilíbrio ocorre no mercado de bens e


serviços;
• Consumidores (em termos Econômicos): são
aqueles que se dirigem ao mercado com o
intuito de adquirir um conjunto de bens ou
serviços que maximize sua utilidade;
• Consumidores (em termos jurídicos): pessoa
natural ou jurídica que no mercado adquire
bens ou contrata serviços como destinatário
final.
37
Consumidores x Empresas
Capítulo IV – Vasconcelos e Capítulo 3 - Souza

• O Código Brasileiro de Defesa do


Consumidor considera o consumidor
HIPOSUFICIENTE, dados que nas relações
entre ambos há um desequilíbrio que favorece
as empresas.

38
Consumidor x Empresa
Capítulo IV – Vasconcelos e Capítulo 3 - Souza

• Empresa = pessoa jurídica em termos jurídicos


• Empresa = estabelecimento comercial ou
combinação de fatores de produção realizada
pelo empresário para obtenção de resultado
ao menor custo possível.
• O empresário é o sujeito da atividade
econômica e a empresa, constituída pelos
bens corpóreos e incorpóreos, é o objeto da
atividade econômica.

39
Pressupostos Básico da Atividade
Microeconômica
Capítulo IV – Vasconcelos e Capítulo 3 - Souza
• Hipótese “coeteris paribus”
– Focaliza apenas o objeto de estudo considerando
que tudo o mais permanece constante.
• Papel dos preços relativos
– Preços de um bem em relação a outros produtos. Os
preços relativos são mais importantes que os preços
absolutos;
• Objetivos da Empresa
– Maximização do lucro (teoria marginalista)
– Expandir a fatia de mercado
40
Aplicações da Análise Microeconômica
Capítulo IV – Vasconcelos e Capítulo 3 - Souza

• Explicar como se determina o tanto


preço dos bens ou serviços, como o dos
fatores de produção;
• Explica porque quando o preço de um
bem se eleva a quantidade demandada
desse bem diminui;
• Permite estabelecer políticas e
estratégias dentro de um horizonte de
planejamento tanto para empresas
quanto para políticas econômicas. 41
Para Empresas a micro pode ajudar,
entre outras, nas seguintes decisões
Capítulo IV – Vasconcelos e Capítulo 3 - Souza
• Política de preços da empresa;
• Previsões de demanda e faturamento;
• Previsões de custos de produção;
• Decisão ótima de produção- combinação
ótima dos fatores de produção;
• Avaliação e elaboração de projetos de
investimento
• Localização da empresa (próximo ao
fornecedor ou ao consumidor) 42
Para a Política Econômica a microeconomia
pode contribuir
Capítulo IV – Vasconcelos e Capítulo 3 - Souza
• Avaliação de projetos de investimentos
públicos;
• Efeitos dos impostos sobre mercados
específicos;
• Políticas de subsídios;
• Fixação de preços mínimos;
• Políticas de tarifas públicas;
• Política salarial;
• controle de preços;
• Leis antitruste. 43
Divisão do Estudo Microeconômico
Capítulo IV – Vasconcelos e Capítulo 3 - Souza
• Análise da demanda;
• Análise da oferta;
• Análise das estruturas de mercado;
– Mercado de bens e serviços
– Mercado de fatores de produção (demanda
derivada)
• Teoria do Equilíbrio geral
– Leva em conta as inter-relações de mercado

44
Estruturas de mercado

Capítulo 7 Vasconcelos
Capítulo 5 Souza

45
Estruturas de Mercado

• As estruturas de mercado dependem


fundamentalmente dos seguintes
aspectos:
– Número de empresas que compõem esse
mercado;
– Tipo de produto (se as firmas fabricam
produtos idênticos ou diferenciados);
– Se existem ou não barreiras a entrada de
novas empresas no mercado.
46
Tipos de Mercados
• Concorrência pura ou perfeita
– Uma empresa individual não controla os níveis de oferta
e demanda.
• Monopólio
– Uma única empresa domina toda a oferta. Inexiste
concorrência.
• Oligopólio
– Um pequeno número de empresas dominam a oferta
de mercado.
• Concorrência monopolista
– Existência de duas ou mais empresas dando a cada
empresa certo controle sobre o preço 47
Principais Características das
Estruturas Básicas de Mercado
Características Concorrência Monopólio Oligopólio Concorrência
Perfeita Monopolista

1. Quanto ao Muito Só há uma Pequeno Grande


número de grande empresa
empresas.
2.Quanto ao Homogêneo Não há Pode ser Diferenciado
produto não há substitutos homogêneo
quaisquer próximos ou
diferenças. diferenciado

48
Principais Características das
Estruturas Básicas de Mercado
Características Concorrência Monopólio Oligopólio Concorrência
Perfeita Monopolista

3. Quanto ao Não Há As empresas Embora Pouca


controle das possibilida tem poder de dificultado margem de
empresas de de manter pela manobra,
sobre o preço manobra. preços interdependê devido à
elevados. Se ncia pode existência de
não houver haver a substitutos
intervenção formação de próximos.
do governo cartel
(leis controlando
antitruste) preço e cota
de produção.
49
Principais Características das
Estruturas Básicas de Mercado
Características Concorrênci Monopólio Oligopólio Concorrência
a Perfeita Monopolista

3. Quanto ao Não Há As empresas Embora Pouca


controle das possibilida tem poder de dificultado margem de
empresas de de manter pela manobra,
sobre o preço manobra. preços interdependê devido à
elevados. Se ncia pode existência de
não houver haver a substitutos
intervenção formação de próximos.
do governo cartel
(leis controlando
antitruste) preço e cota
de produção.
50
Principais Características das
Estruturas Básicas de Mercado
Características Concorrência Monopólio Oligopólio Concorrência
Perfeita Monopolista
4. Quanto a Inexiste Campanhas É intensa É intensa e
concorrência institucionais sobretudo materializa-
extrapreço. para quando há se pelos
salvaguardar diferenciação serviços
sua imagem. do produto agregados e
embalagens.
5 Quanto à Não há Barreiras ao Barreiras ao Não há
condição de barreiras acesso de acesso de barreiras
ingresso na novas novas
empresas
indústria empresas

51
Estrutura do Mercado de Fatores
de Produção
• Concorrência perfeita no mercado de Fatores;
– Oferta abundante
• Monopsônico (Monopsônio)
– Há somente um comprador para muitos vendedores do
mesmo fator.
• Oligopsônico (Oligopsônio)
– Pequeno número de compradores para muitos
vendedores do mesmo fator.
• Monopólio Bilateral
– Monopolista na compra se defronta com um
monopolista na venda. 52
Grau de Concentração Econômica
do Brasil
• É calculado por meio da proporção do valor do
faturamento das quatro maiores empresas de
cada ramos de atividade sobre o total do
faturamento do respectivo ramo.
• Quanto mais próximo de 100% mais
concentrado será o setor.

53
Grau de Concentração Econômica
do Brasil
Grau de
Número de
Grau de Concentração
Setores Grupos
Concentração (%) média do Setor
considerados
(%)

1.Alimentos 54
•Açúcar e álcool 4 51
•Moinhos 4 59
•Frigoríficos 4 53
•Conservas 4 74

54