Você está na página 1de 65

ESTADO

Prof. Airton Ribeiro


Estado Moderno em Max Weber

A. UMA ORDEM ADMINISTRATIVA E JURÍDICA


B. UM APARATO ADMINISTRATIVO REGULAMENTADO POR
LEGISLAÇÃO
C. AUTORIDADE LEGAL SOBRE AS PESSOAS E ATOS
PRATICADOS NO TERRITÓRIO
D. MONOPÓLIO E LEGITIMIDADE PARA USO DA FORÇA
Estado é fim ou meio?

■ Hegel: “fim universal em si e por si, a realidade


absoluta, o racional completo em si e por si.”
■ Marx e Engels: “O moderno poder de Estado é apenas
uma comissão que administra os negócios
comunitários de toda a classe burguesa.”
Território

Elementos População

Governo
Convenção de Montevidéu sobre os
direitos e deveres dos Estado, 1933
Art. 1. O Estado como pessoa de Direito Internacional
deve reunir os seguintes requisitos:
I – população permanente;
II – território determinado;
III – governo;
IV – capacidade de entrar em relações com os demais
Estados.
Aspecto interno
Soberania
Aspecto externo
Igualdade de soberania
■ Artigo 2. A Organização e seus Membros,
para a realização dos propósitos
mencionados no Artigo 1, agirão de
acordo com os seguintes Princípios:
– 1. A Organização é baseada no
princípio da igualdade de todos os
seus Membros.
Princípio da não-ingerência
■ Art.2 Organização e seus Membros, para a realização dos
propósitos mencionados no Artigo 1, agirão de acordo com os
seguintes Princípios:
– 7. Nenhum dispositivo da presente Carta autorizará as
Nações Unidas a intervirem em assuntos que dependam
essencialmente da jurisdição de qualquer Estado ou
obrigará os Membros a submeterem tais assuntos a uma
solução, nos termos da presente Carta; este princípio,
porém, não prejudicará a aplicação das medidas coercitivas
constantes do Capitulo VII.
Art. 8. Nenhum Estado possui o direito de intervir em assuntos
internos ou externos de outro. Convenção de Montevidéu, 1933.
Princípio da territorialidade
■ Desdobramento da soberania
■ Todo sujeito, uma vez encontrando-se num dado território,
deve respeitar as leis que ali estão em vigor.
■ Art. 9. A jurisdição dos Estados, dentro dos limites do
território nacional, aplica-se a todos os habitantes. Os
nacionais e estrangeiros encontram-se sob a mesma
proteção da legislação e das autoridades nacionais e os
estrangeiros não poderão pretender direitos diferentes,
nem mais extensos que os dos nacionais. Convenção de
Montevidéu, 1933.
CLASSIFICAÇÕES
Estado Federal

■ Espécie de estado composto


■ Brasil, Estados Unidos, Suíça, etc.
■ Personalidade perante o Direito Internacional: UNIÃO

■ Art. 2. O Estado federal constitui uma só pessoa ante o


direito internacional.
Convenção de Montevidéu sobre os direitos e deveres dos
Estados, 1933.
Microestados
Estados exíguos

■ Estados que não tem meios de exercer sua


soberania de modo completo.
■ Têm suas políticas externas levadas por outros
Estados.
■ Não tem condições materiais de possuir exército.
Estados associados
■ Resultante do processo de descolonização em que certo Estados pequenos e
subdesenvolvidos atingiram a independência sem terem meios para mantê-la.
■ Puerto Rico. Território não incorporado estadunidense com status de autogoverno.
■ Groelândia em relação à Dinamarca
■ Ilhas Cook, com relação à
Nova Zelândia
Multiplicação, fragmentação,
descolonização
■ 1815: 25 Estados
■ 1900: 40 Estados
■ 1939: 75 Estados
■ 1970: 130 Estados
■ 1984: 171 Estados
■ 2017: 193 Estados-membros na ONU
DIREITOS E DEVERES
FUNDAMENTAIS DOS
ESTADOS
Convenção de Montevidéu, 1933.
■ Art. 3. A existência política do Estado é independente do seu reconhecimento pelos
demais Estados. Ainda antes de reconhecido, tem o Estado o direito de defender
sua integridade e independência, prover a sua conservação e prosperidade, e
conseguintemente, organizar-se como achar conveniente, legislar sobre seus
interesses, administrar seus serviços e determinar a jurisdição e competência dos
seus tribunais.
■ Art. 5. Os direitos fundamentais dos Estados não são suscetíveis de ser
atingidos sob qualquer forma.
■ Inviolabilidade do território;
■ Direito à existência independente;
■ Igualdade jurídica
■ Direito à independência e conservação;
■ Direito de exercer jurisdição em seu território;
FORMAÇÃO DE NOVOS
ESTADOS
Novos Estados

1. separação de parte da população e do


território do estado já́ existente, subsistindo
a personalidade internacional da mãe-pátria;
2. dissolução total do estado, não subsistindo a
personalidade do antigo estado;
3. fusão de dois ou mais estados em um
estado novo.
Secessão

■ Criação de um novo Estado, a partir de uma parte de


outro pré-existente.
■ Princípio da autodeterminação dos povos;
■ Estado-nação;
■ Declaração de independência;
Parecer consultivo sobre a
independência do Kosovo
■ Declaração de Independência. Fevereiro,
2008.
■ Assembleia Geral da ONU. (questão esboçada
pela própria Sérvia). Outubro, 2008
■ Parecer consultivo da CIJ (2010)

■ “A declaração de independência do Kosovo é


de acordo com o Direito Internacional?”
RECONHECIMENTO
DE ESTADOS
Efeito declarativo ou atributivo/constitutivo

Declarativo Constitutivo
■ Scelle, Accioly ■ Jellinek, Triepel, Anzilotti
■ Institut de Droit International, 1936:
O reconhecimento tem um efeito
declarativo.
■ Carta da OEA (1948, 1967)
■ Convenção de Montevidéu (1933)
Reconhecimento
■ Reconhecimento significa a decisão do governo de um
estado existente de aceitar outra entidade como tal.
■ Ato Unilateral de Estado
■ Ato discricionário (Dever do Estados pré-existentes?)
■ Considerações políticas
■ Expresso ou tácito
■ Requisitos?
■ Ato retroativo
■ Irrevogável
Reconhecimento de Governo
■ Mudança de regime político;
■ Guerra civil;
■ Revolução;
■ Ruptura constitucional;
■ EFETIVIDADE como único critério;
■ Não cabe aos demais Estados julgar a legitimidade do Governo;
■ Princípio da continuidade e o atendimento dos compromissos
internacionais;
■ Representação internacional do Estado: poder de dirigir o Estado, e
representá-lo internacionalmente.
Possíveis critérios

1. a existência real de governo aceito e obedecido pelo


povo;
2. a estabilidade desse governo;
3. a aceitação, por este, da responsabilidade pelas
obrigações internacionais do respectivo estado.
Cláusula democrática
■ MERCOSUL – Protocolo de Ushuaia
sobre Compromisso Democrático no
MERCOSUL, Bolívia e Chile (1998)
■ UNASUR - Protocolo adicional al
Tratado Constitutivo de UNASUR
sobre Compromiso con la
Democracia (2014)
■ OEA
■ União Europeia: ordem liberal-
democrática
Artículo 9
Un miembro de la Organización cuyo gobierno democráticamente constituido sea derrocado por la
fuerza podrá ser suspendido del ejercicio del derecho de participación en las sesiones de la Asamblea
General, de la Reunión de Consulta, de los Consejos de la Organización y de las Conferencias
Especializadas, así como de las comisiones, grupos de trabajo y demás cuerpos que se hayan creado.
a) La facultad de suspensión solamente será ejercida cuando hayan sido infructuosas las gestiones
diplomáticas que la Organización hubiera emprendido con el objeto de propiciar el restablecimiento
de la democracia representativa en el Estado miembro afectado.
b) La decisión sobre la suspensión deberá ser adoptada en un período extraordinario de sesiones
de la Asamblea General, por el voto afirmativo de los dos tercios de los Estados miembros.
c) La suspensión entrará en vigor inmediatamente después de su aprobación por la Asamblea
General.
d) La Organización procurará, no obstante la medida de suspensión, emprender nuevas gestiones
diplomáticas tendientes a coadyuvar al restablecimiento de la democracia representativa en el Estado
miembro afectado.
CARTA DE LA ORGANIZACION DE LOS ESTADOS AMERICANOS
Doutrina Tobar Doutrina Estrada

■ Equador, 1907 ■ México, 1930


■ Não reconhece governos que ■ Posição em que o Estado
tomaram o poder pela força. reconhece apenas novos Estados, e
não governos.
■ Princípio de que um governo
resultante de um processo ■ Considera ofensiva a soberania dos
inconstitucional não pode ser Estados, julgar a legitimidade do
reconhecido como representante governo dos demais.
do Estado, a não ser que tenha sido
■ Considera a origem do Governo
legitimidade por uma assembleia
assunto interno.
livremente eleita.
■ Brasil, em regra, tem esse
■ Politiza ainda mais as relações
posicionamento.
internacionais.
SUCESSÃO E EXTINÇÃO
DE ESTADOS
Anexação

■ Anexação
■ Letônia, Lituânia, Estônia.
■ Suspensão?
■ 1940 a 1991
ABISSÍNIA
(1935)
Colonização da
Etiópia por Mussolini
Desmembramento

■ República da Grã-Colombia:
Colômbia, Venezuela e
Equador
Sucessão
“substituição de um Estado por outro na responsabilidade das relações internacionais
de um território.”
Quando o Estado sofre uma transformação que atinja sua personalidade jurídica
perante a comunidade internacional.
Visa proteger as relações jurídicas

■ Estado predecessor: Estado que foi substituído por outro Estado por virtude de
uma sucessão de Estados
■ Estado sucessor: Estado que substituiu outro Estado por virtude de uma sucessão
de Estados
Casos em que ocorre sucessão:

■ FUSÃO
Sucessão
■ ANEXAÇÃO TOTAL universal
■ ANEXAÇÃO PARCIAL
■ EMANCIPAÇÃO

Sucessão
parcial
ANEXAÇÃO
PARCIAL
CONVENÇÃO
SOBRE SUCESSÃO
DE ESTADOS EM
MATÉRIA DE
BENS, ARQUIVOS
E DÍVIDAS (1983)
Fronteiras

Artigo 11 - Regimes de fronteira


Uma sucessão de Estados não afetará de per si:
a) Uma fronteira estabelecida por um tratado; nem
b) b) As obrigações e os direitos estabelecidos por um tratado e que se
refiram ao regime de uma fronteira.

CONVENÇÃO DE VIENA SOBRE SUCESSÃO DE ESTADOS EM MATÉRIA DE TRATADOS (1978)


Tratados
Artigo 16 - Posição relativamente aos tratados do Estado
predecessor
Nenhum Estado de recente independência estará obrigado a
manter em vigor um tratado ou a passar a ser parte dele pelo
fato de, na data da sucessão de Estados, o tratado estar em
vigor relativamente ao território a que se refere a sucessão de
Estados.

REGRA GERAL: NÃO SÃO TRANSMISSÍVEIS


OBRIGATORIAMENTE
Doutrina do Clean state

■ Estado novo e limpo;


■ Não herda necessariamente os tratados da metrópole;

■ No entanto, nada impede que o sucessor mantenha certos tratados em vigor.

■ Efeitos no novo território adquirido: anexação.


Sucessão de parte do território e
Mudança fundamental das circunstâncias
Artigo 15 - Sucessão relativa a uma parte do território
Quando uma parte do território de um Estado, ou quando qualquer território de cujas
relações internacionais seja responsável um Estado e que não seja parte do território
desse Estado, passa a ser parte do território de outro Estado:
Os tratados do Estado predecessor deixarão de estar em vigor relativamente ao
território a que se refira a sucessão de Estados desde a data da sucessão de Estados;

Cláusula Rebuc sic stantibus (Art. 62, CVDT, 1969)


Unificação

Artigo 31 - Efeitos de uma unificação de Estados relativamente aos


tratados em vigor na data da sucessão de Estados

Quando dois ou mais Estados se unam e formem desse modo um


Estado sucessor, todo o tratado em vigor na data da sucessão de
Estados relativamente a qualquer deles continuará em vigor
relativamente ao Estado sucessor.

REGRA GERAL: MANTÉM-SE OS TRATADOS EM VIGOR


Divisão de um Estado em dois

Art. 34 - Sucessão de Estados em caso de separação de partes de um Estado


1. Quando uma parte ou partes do território de um Estado se separarem para formar um ou
vários Estados, continue ou não a existir Estado predecessor:
a) Todo o tratado que estivesse em vigor na data da sucessão de Estados relativamente à
totalidade do Estado predecessor continuará em vigor relativamente a cada Estado
sucessor assim formado;
b) b) Todo o tratado que estivesse em vigor na data da sucessão do Estado relativamente
apenas à parte do território do Estado predecessor que tenha passado a ser um Estado
sucessor continuará em vigor apenas relativamente a esse Estado sucessor.

REGRA GERAL: MANTÉM-SE OS TRATADOS EM VIGOR


Aplicação provisória

■ Tratados multilaterais; Art. 27


■ Tratados bilaterais, Art. 28

■ Doutrina do tempo de reflexão (Doutrina Nyerere)


Prática

■ Tratado de União (1990) entre


República Federal da Alemanha
(Ocidental) e República
Democrática da Alemanha
(Oriental).
■ República do Iêmen (1990).
Direitos adquiridos

■ Concessões aos indivíduos, que não contrariando a


ordem pública, deverão ser respeitadas.
■ Direitos adquiridos privados;
■ Direitos adquiridos públicos;
Ordenamento jurídico interno

■ Direito constitucional; de pleno direito


■ Legislação infraconstitucional; promulgada
■ Hong Kong;
Plebiscito
■ Consulta feita à
população do território
anexado para que se
manifeste sobre a
anexação.
■ Princípio da
autodeterminação dos
povos;
Opção
Direito dado ao indivíduo de um
território anexado para escolher
entre sua nacionalidade e a do
Estado anexante.
Sucessão da dívida pública
■ ANEXAÇÃO TOTAL:
– Doutrina: sucessão das dívidas;
■ ANEXAÇÃO PARCIAL:
– Quota-parte; proporcional
– Princípio da repartição ponderada da dívida
■ EMANCIPAÇÃO
– Brasil e os dois milhões de libras esterlinas
■ FUSÃO
– Unifica a dívida pública;